09 fevereiro 2009

FPF x SPFW?

FPF e o clube do Jd. Leonor estão em guerra declarada. É o que dizem. Eu não acredito e isso não necessariamente tem a ver com o fato de serem ambos, Marco Polo Del Nero e a turma de JJ Scotch Whiskey, nossos inimigos. A questão pede que sejam avaliados os fatos.

E o fato primordial é que o mandatário da FPF age supostamente às claras contra os leonores, mas parece tudo jogo de cena, muito porque os prejuízos não se concretizam. Quando se trata de agir contra os outros clubes, no entanto, tudo acontece nos bastidores, sem muito alarde, mas aí sim com prejuízo claro.

Vejamos:

Diz o estapafúrdio regulamento do Campeonato Paulista (já há algumas temporadas) que “pertencem” à FPF os mandos de campo dos três grandes clubes da capital. É errado por definição, mas os clubes todos assinaram, em uma estranha submissão. E é imperativo que repensem tal medida, Palmeiras e SCCP em especial.

Eis então que a federação do Del Nero sente-se no direito de determinar onde acontecerão os clássicos da cidade. Foi assim com o Palmeiras x SPFW do ano passado, em Ribeirão Preto. E a situação se repete agora com o Palmeiras x SCCP deste ano, mas então em local ainda pior, fora até do nosso estado.

Foram dois mandos nossos que se perderam, a exemplo do que aconteceu também com o confronto diante dos bichas em 2005, transferido para, vejam só, o estádio do Jd. Leonor. Ok. É a tal hipótese bambi, lembram-se dela?

O curioso disso tudo é que a FPF se mete a “designar” os locais dos clássicos apenas quando se trata do nosso mando; a medida não se aplica aos duelos em que o SPFW está à frente na tabela.

Observem que as bichas disputam todos os clássicos com suposto mando em sua casa, sem que a FPF exerça o seu pretenso direito, definido por regulamento. É assim agora, em 2009, quando Palmeiras e SCCP terão de enfrentar as moças na casa delas.

Não é coincidência.

Como não é coincidência que JJ Scotch Whiskey, o falastrão, tenha dado as caras na Folha de S.Paulo da última sexta. A página D1, dedicada ao SCCP, trouxe uma pequena retranca com título “Jogo com Palmeiras será em Prudente”. Mas o que importa mesmo é a coluna da direita: “Clube terá em clássico 10% do Morumbi”. A nota é assinada, vejam só, por Eduardo Arruda, o interino, e Ricardo Perrone.

O que temos é simples: o SPFW resolveu acabar com a divisão igualitária dos ingresos em clássicos. Isso já acontece com o Palmeiras desde 2005, e, diga-se, tem de ser assim mesmo, porque a guerra contra os bichas nós fazemos com um jogo lá e outro cá.

Mas não é isso o que acontece entre SCCP x SPFW, pois os clássicos são comumente disputados no Jd. Leonor, com 50% da carga para cada torcida. Eis então que, de uma hora para a outra e sem maiores explicações, o SPFW mudou as regras.

Diz JJ a seus mensageiros da FSP: “Quando jogamos no Parque Antarctica, quantos ingressos nos dão? Dez por cento. Agora aqui vai ser assim também”.

Como dito acima, são coisas diferentes.

Ainda JJ: “Cumprimos a lei. Antes, dividíamos o estádio porque não existia estatuto do torcedor. Continuou assim, agora haverá um progresso”.

Sim, lembrem-se que estamos lidando com aquela gente progressista, visionária e pioneira do Jd. Leonor. E as moças podem tudo, inclusive exercer o direito de mando sem restrição, às margens do regulamento feito sob caráter para as manipulações de Marco Polo Del Nero.

Afinal, eu pergunto: segundo o regulamento, o mando não é da FPF? E ela não determina que o Palmeiras jogue em Ribeirão ou em Prudente, mas apenas com 50% da carga? Por que então os leonores podem jogar na sua casa, sem qualquer contestação, e ainda ficam com 90% dos ingressos?

Repito: os mandos bambis nunca foram contestados e/ou alterados pela FPF. Nunca! A imprensa se cala, é evidente, pois os colegas jornalistas seguem a cartilha de Casares, o marqueteiro do mal. E comportam-se feito mulher de malandro: apanham do Muricy e correm no dia seguinte para limpar a imagem do técnico leonor.

(Para ficar bem claro: o antro pertence aos bambis, e eles fazem dele o que bem quiserem. Colocam cadeirinhas numeradas, setores diferenciados, o escambau. Pouco importa. Eu só faço questão, quando vou lá, de uma coisa: quero ser tratado como inimigo!)

E deve ser assim agora também com os torcedores do SCCP. Eu só espero que a diretoria dos caras tenha vergonha na cara, pois o próximo SCCP x SPFW deve acontecer no Pacaembu, e com os bambis espremidos entre a numerada e o tobogã. A conferir.

Por enquanto, meus caros, reflitam sobre todo esse jogo de cena do que supostamente seria uma batalha entre JJ Scotch Whiskey e Marco Polo Del Nero, FPF e SPFW. Façam a reflexão e tentem me responder: quem foram os prejudicados depois da declaração de guerra?

***

A BWA continua a aprontar das suas.

Foram colocados à venda 27.640 ingressos para o clássico de ontem. Todos, segundo os avisos fixados nas bilheterias do Palestra, foram vendidos antecipadamente. Mas aí vem o público oficial: 24.515 pagantes. Afinal, onde foram parar os outros 3.125?

15 comentários:

Claudio Yida Jr disse...

Amanhã eu falo sobre isso... Hoje eu ainda tô muito puto.

Esse negócio de mando é o fim da picada, só elas têm mando. E eu defendo o próximo jogo contra as orlandos na Fazendinha.

No post de amanhã terá ainda considerações sobre BWA, ingressos e rompimento bambi com a empresa.

Claudio Yida Jr disse...

Ah, no mais você foi perfeito. Porque até nisso esses carniceiros prestam seu papelzinho e alimentam essa pseudo-guerra pra justificar tais desmandos e absurdos.

Junior disse...

Exatamente Barneschi.

Sou obrigado a repetir: Lá, quero ser tratado como inimigo! Jamais quero me sentir bem vindo naquela merda!

Junior disse...

Exatamente Barneschi.

Sou obrigado a repetir: Lá, quero ser tratado como inimigo! Jamais quero me sentir bem vindo naquela merda!

Filipe disse...

O viadinho do marquetim quer "atrair torcedores adversários" para o privadão em dias sem jogos, e fazem uma merda dessa. Perderam o vestiário intocável quando forem visitantes no estádio roubado do povo paulista. São putas boçais.
E é capaz de se queixarem, quando numa hora dessas tomarem uma surra em campo, justamente por não terem as jacuzzis pras bicharliças da vida "relaxarem".
E mais, o Pacaembu verá um novo "gás de pimenta". Pode apostar. Já tá tudo planejadinho pela corja imunda.

E se morrer gente tem que criminalizar a juju, botar a juju na cadeia sem whiskinho.

E ela deu a entender que o Tobogã seria pouco, quando madame joga no Pacaembu. O setor lilás vai virar setor rosa...

Vitor MV disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Vitor MV disse...

Exatamente Filipe, eu só quero ver se der merda, quem vai ser responsabilizado, tanto neste jogo entre SCCP x SPFW e no dia 8 Palmeiras x SCCP, a juju deveria ser levada ao JECRIM e sair de lá algemada direto pra cadeia.

E Barneschi vc disse tudo, lá quero ser tratado como inimigo, e quero que meu time ganhe dentro de campo, na bola.
Eu só quero ver quando o mando for do curintia, o que vai acontecer,o chorôrô que MADAME vai fazer querendo colocar o jogo no panetone com ingressos meio a meio.

*E os 3.125 ingressos devem ter voltado pra bilheteria pelo mesmo preço que foram "oferecidos" aos ilustres cambistas! E só pra registra, domingo no clássico, teve uma pequena(muita pequena)confusão entre um torcedor(acho que da MV) e um cambista, pena que não deu em nada, pois quando os cambistas fizeram um bolinho, eu ja estava rezando pra eles fazerem alguma coisa, que aí sim a cobra ia fumar, mas morreu por ali mesmo.

Abraços,

Camila disse...

Só quero ver eles encherem aquela merda!!!
Deveria ser feito um boicote ao Panetone (por todos os times, e como vi a gambazada falando, os torcedores deveriam ficar do lado de fora fazendo muito barulho pra incentivar o time e não dar dinheiro pra esse bando de safados!!), pois eles sempre dependeram das vendas de ingressos dos rivais, nínguém mais quer jogar lá no "campo neutro"!!!

Elver disse...

Forza, se tiver como procure ver uma reprise do programa Jogo Aberto, da Bandeirantes, que foi ao ar ao vivo hoje. Dr Osmar solta duas ou três linhas esclarecedoras sobre a corja do Jd Leonor e um dirigente do SCCP discute com o anão de jardim leonor. Vale o registro !

Abraços aos palestrinos !

Forza Verde disse...

Elder,

Assisti o programa hj, e posso afirmar seguramente que hj especoficamente, Dr.Osmar, Neto e Mario Gobbi foram PERFEITOS!

Mandaram muitíssimo bem mesmo.

Claro que faltou falar mta coisa, mas falaram um monte de verdades, praquele montinho de merda do anão, que por sua vez demostrava nítido desespero de quem está prestes a sumir novamente.

Nicola disse...

Perfeito, perfeito!

E essa da BWA é muito simples: O que vai pra cambista e não é vendido, é simplesmente devolvido e o dinheiro reembolsado. Agora não me lembro do jogo, mas saiu uma súmula na qual dizia que mais de 1000 ingressos foram devolvidos num jogo, ano passado.

E assim segue... Não bastasse colocarem apenas 27mil (uns 32mil pelo menos dá), nem em jogos contra Flamengo, bambis e Santos acontece a "lotação máxima" do estádio, o que é um absurdo, que diz claramente que cambista manda nessa empresa trambiqueira, e tem cambista dentro do Palmeiras também.

FORA BWA E MÁFIA DOS CAMBISTAS!

luigi sep 1914 disse...

Não leio aquele jornal "esportivo" de merda, mas entrei no site só pra ver o que iriam falar dos lances do jogo de domingo. E eis que vejo o bambi doente (tá ligado?) escrever a maior merda que já li na minha vida.
Segue:

"Domingo: dia de celebrar nossa grandeza
postado por Tricampeão mundial

Caros tricolores, tricampeões mundiais, sempre lutamos para que a diretoria do São Paulo respeitasse seus torcedores e fizesse do Morumbi, na prática, a NOSSA CASA.

O Morumbi nunca foi neutro. Foi construído com o suor, o trabalho, a dignidade, a competência e o instinto empreendedor de nobres são-paulinos!

Demorou anos, mas finalmente entenderam que o Morumbi é a casa do SÃO PAULO FUTEBOL CLUBE. Não pode haver concessões. Não podemos ser prejudicados pela incompetência alheia, pelo amadorismo de "clubes" que em quase 100 anos, não tiveram capacidade para construir uma história, muito menos um estádio.

Por isso, a resposta que nós, a torcida do SÃO PAULO FUTEBOL CLUBE, devemos dar ao clube que, enfim, nos trata com respeito, é lotar o Morumbi no domingo, contra os gambás, e na Libertadores!

Os preços do pacote são baratíssimos, mas não é isso o mais importante. O mais importante é concretizar agora um sonho de 49 anos atrás: de que o Morumbi deixasse clara a superioridade do SÃO PAULO FUTEBOL CLUBE sobre qualquer outro.

É uma data simbólica. É uma data para celebrarmos a nossa grandeza! E não é por ser contra a minúscula gambazada, mas pelo orgulho de ter uma casa que se moderniza a cada ano, pelo alívio de não precisar chorar e mendigar jogar na casa alheia... Algo que nós, torcedores do SÃO PAULO FUTEBOL CLUBE, jamais precisaremos fazer."

Falar o que depois disso?

HOLOCAUSTO de bambis! JÁ!

Forza Palestra disse...

Boa, Luigi! Grande contribuição. É a aliança da soberba sem propósitos da sub-raça com a linha editorial contaminada do jornaleco esportivo. Não poderia render outra coisa.

Nicola disse...

"O Morumbi nunca foi neutro. Foi construído com o suor, o trabalho, a dignidade, a competência e o instinto empreendedor de nobres são-paulinos!"

Vomitei.

Vagner disse...

Cara, muito interessante a sua obsevação sobre a FPF (que os bambis juram estar de mal.

Sobre o jogo contra o Santos, é triste ver os absurdos cometidos pela BWA. Cheguei no estádio 11:50, pois sou de SJC, e só tinha alguns ingressos de numerada coberta (100 conto). Então, pela grana curta, me vi obrigado a comprar de cambista (40 conto a bancada, em ENTRADA INTEIRA). O ingresso que comprei do cambista estava nomeado para o DIARIO DE S.PAULO, em alguma promoção que, por não ler o jornal, desconheço como funciona.

Outra coisa, divida o total de renda pelo público pagante e veja que a média de ingresso per capita é inferior ao preço mais barato de arquibancada. Estou custando a acreditar que tinha gente o suficiente pagando meia entrada na arquibancada, e demais setores, para o quociente ser tão baixo. Não fosse o excesso de meias entradas destinadas aos cambistas, era público para uns 800 mil de renda bruta, pelo menos.