27 setembro 2009

De volta e bem à frente

Ao noticiarem a vitória alviverde sobre a Brisa, jornais e portais de internet destacaram o fato de o Palmeiras ter pago R$ 100 mil ao clube paranaense para que Danilo pudesse entrar em campo. Perfeito; dadas as circunstâncias, era notícia mesmo. Diante disso, deixo aqui o meu reconhecimento à decisão da nossa diretoria, que ao menos desta vez investiu bem o milhão de reais que tem ficado nas bilheterias do Palestra a cada jogo.

(Mas torno a repetir: R$ 40 é caro, muito caro. Resta saber se os oportunistas de plantão e se os consumidores do Setor Visa, aquele espaço que matou a nossa casa, continuarão contribuindo para a lotação do estádio quando a fase não for assim tão boa.)


De resto, foi bom demais reencontrar o Palestra depois de três semanas fora do país. Não pude ver os jogos fora contra Vitória e Cruzeiro, mas tudo saiu de acordo com o esperado e cheguei a SP a tempo de ver mais esta vitória suada do Palestra.

Os dois gols foram providenciais, Marcos fez mesmo grandes defesas e Danilo acabou sendo o nome do jogo, mas o que mais chamou a atenção foi o papel de Antonio Lopes, que armou o time em uma tremenda retranca e depois ficou trocando atacantes por zagueiros e vice-versa de acordo com a conveniência. Levou para casa mais uma derrota, e só devemos lamentar que tantos outros times ruins permitam a permanência da Brisa na Série A por mais um ano.

Pra finalizar: sim, a vantagem é muito boa, mas temos ainda muito a fazer daqui até dezembro. São 12 jogos decisivos - e eu só vou mesmo perder o de Recife - e devemos continuar lutanto junto com o time. Avanti, Palestra!


***

Mais uma torcidinha de merda: os babacas da Fanáticos vieram em meia dúzia, ficaram segurando a faixa com medo de colocarem no muro lá embaixo e ainda foram embora mais cedo. Seria mais digno se tivessem ficado em Curitiba.

***
OFENSIVA LEONOR

O Estadão deste domingo reforça a campanha para salvar o Jd. Leonor do fiasco. Eis o abre de página: "Para expert, Morumbi tem tempo para ajustes". Perspicaz o uso da palavra "expert", não? Insinua muito sem dizer porra nenhuma, e aí vamos descobrir que o tal "expert" é um certo Don Aroney, engenheiro australiano e diretor da empresa que construiu os estádios de Wembley e de Sidney. Ok, talvez o figura até seja um "expert", mas é inevitável perguntar: onde é que foram arrumar essa fonte? E como ele pode falar sobre o Jd. Leonor se sequer conhece o estádio?

Cumpre destacar dois trechos da reportagem:


1. "O Morumbi só não será o palco de abertura da Copa do Mundo de 2014 se for preterido em razão de questões políticas que envolvem São Paulo, Fifa e CBF."

Esta frase, senhores, abre o texto. E está aí em tom claramente opinativo, pois nada disso foi dito pelo tal especialista. Está mais para a página de opinião do jornal do que para o caderno de esportes.


2. "... inclusive de grandes estacionamentos, uma das deficiências de São Paulo. Dinheiro público foi investido."
Desnecessário comentar, certo?


***

Depois das férias, volta tudo ao normal por aqui, inclusive com alguns posts nos próximos dias sobre o tema que mais interessa a este blog: "ÓDIO ETERNO AO FUTEBOL MODERNO".

12 comentários:

Diogo Guerreiro disse...

Seja bem vindo estava sentindo falta dos seus posts.

Abraços

Daniel disse...

boa mano!!!!! tava fazendo falta o seu blog..... eh nois!

Claudio Yida Jr disse...

Quer um autógrafo?

E mano, a cada ida ao antro, sinto mais nojo daquele lixo. Depois conto com detalhes mais uma cagada que fizeram por lá.

Bem-vindo de volta ao 3º mundo. Banhe-se de povo, depois dessa passagem pelo fétido Velho Continente...

Forza Palestra disse...

Opa! Apareceu bem na TV, japonês.

Quanto ao Jd. Leonor, manda depois. Ou me conta no Puppy.

Fato é que o Flavio Prado prestou-se a mais um papel desprezível hoje no Mesa Redonda. É triste voltar de viagem e ter de encarar figuras como essa.

Abraços

Alex disse...

Benvindo de volta, amici...

Já adianto cuidado com as lajes da baixada e contra as galinhas do céu cariocas esteri lá..

Abraços

Anônimo disse...

Mesmo após dias de descanso merecido, voltou atacando e olhando novamente apenas para o "umbigo" dos demais sem se preocupar com o de vcs mesmos.
Palmeiras vem sendo ajudado constantemente nesse Brasileirão e, ao final dele, mostrarei com todos os detalhes q vcs adoram ao montar o "Dossiê Bambi".
Aguardem. Não perdem por esperar, e sendo pessoas dignas como parecem, irão (no mínimo) concordar, ainda q não assumam.

Sem mais.

Anônimo disse...

Olha que engraçado... Ta na falah de SP:
Ricardo Gomes também criticou o juiz. "Dentinho voltou para o campo em um momento que Jean não percebeu", disse, condenando o lance que resultou no gol do Corinthians. E questionou os cartões para Dagoberto, por reclamação, e Washington, punido na celebração de seu gol.
Os filhos da puta tem um volante sonolento e a culpa é do juiz? Tirar a camisa na comemoração não é mais punido com cartão amarelo? Vai desviar foco na casa do caralho, putada sem vergonha e a operação mão-leve continua.

Vai Corinthians

Clayton

palestraimortal disse...

Seja bem vindo de volta Barneschi.

Como vc já deve ter notado as coisas continuam como eram há um mes atras.

Verdão lider, imprensa contra e o timinho das moçoilas carentes sendo ajudado descaradamente, mas sem causar repercussão.


Abraço!

Forza Palestra disse...

Caro bambi anônimo,

Eis o que você escreveu:

"Aguardem. Não perdem por esperar, e sendo pessoas dignas como parecem, irão (no mínimo) concordar, ainda q não assumam."

É meu dever perguntar: como eu posso te cobrar depois (ou contrapor os erros de lado lado ou qualquer coisa assim), se não te conheço, se não sei seu nome, se não sei de onde você é?

Viu só como ajuda assinar seus comentários?

Giovanna Concilio disse...

Welcome back, amici! :)

maradona disse...

bem vindo velho.

Anônimo disse...

só para registro caro Barney, a bambizada foi ajudada a beça, isso é histórico, mas domingo a merda voou dos 2 lados, o que também é costumeiro se tratando da ralé, no mais, o empate foi lindo, se abracem na merda, malditos, cuspo em bambi, mijo em cima de gambá.

Ninguém tira esse, é nosso

chupa

Parmera