08 julho 2014

Sobre Avanti, rating e burrice

A burrice me incomoda profundamente.
A burrice teimosa, ainda mais.

Antes de tudo, sugiro a leitura de dois posts (este e mais este) que apontam o absurdo por trás da incompreensível, ininteligível e injustificável fórmula de cálculo do rating do programa Avanti. 

Escrevo agora para atualizar o cenário:

No final de maio, por ocasião do último post, meu rating era 96%. Parecia ok, mas, como dito à época, sem a transparência necessária, era um número desprovido de significado. Eis então que, ao acessar novamente agora o sistema do Avanti, me deparo com o seguinte:







Notem o seguinte, senhores: eu fui a todos os jogos em casa desde que começou a contagem do Avanti, em setembro/2013, e meu índice despencou de 96% para 35% mesmo com o Palmeiras não tendo ido a campo em casa desde maio. Como pode isso?

Como pode, pois, o sistema apontar que está com 35% de rating alguém que vai a todos os jogos em SP e que viaja atrás do time mesmo nas situações em que esta gestão inapta resolve que o Palmeiras deve ser mandante bem longe de sua casa?

...

Pouco depois de ter escrito o post anterior, recebi uma ligação de um funcionário (Fábio, se não me engano) do Avanti. De maneira muito educada, ele tentou justificar a adoção da engenhosa fórmula adotada para calcular o rating. Foi um esforço tão hercúleo quanto inócuo. Toda a empolada argumentação sobre estudos e simulações foi desmontada ao ser confrontada com a simplicidade aqui contida: "número de jogos com presença do torcedor x número de jogos em casa". Eficaz, transparente e irrefutável.

Ocorre que a fórmula adotada pelos "matemáticos" do Avanti não é apenas incompreensível. Ela parece mesmo não ser aplicada da maneira correta, uma vez que não há fundamento lógico que faça alguém, de uma hora para a outra, despencar de 96% para 35% sem ter perdido nenhum jogo. É descabido - além de desrespeitoso.

O funcionário do Avanti havia me dito ainda que, em breve (?), o site disponibilizaria um simulador para que o torcedor pudesse entender a lógica (???) por trás dos números, além de acompanhar o aproveitamento jogo após jogo.

Nada disso aconteceu. Presumo eu que seja mesmo impossível colocar em um sistema aquela fórmula abjeta que foi criada. Presumo.

De tal sorte que torno a apresentar a única solução cabível: "número de jogos com presença do torcedor x número de jogos em casa". E eu poderia aqui perder mais alguns minutos da minha vida para apresentar todo o racional que justifica a adoção deste método, mas acredito que nem é necessário.

A verdade é que a Copa vai chegando ao fim e logo retornaremos à nossa rotina de jogos por aqui. Em questão de duas semanas, teremos clássicos contra Santos FC no amontoado de laje da Baixada e contra o SCCP no novo estádio dos caras. Duas oportunidades para colocar em prática o rating - desde que ele funcionasse.

A verdade inesgotável é que o tempo vai passando de maneira avassaladora e, quase um ano depois, os responsáveis pelo programa Avanti Palmeiras mostram-se incapazes de colocar em funcionamento uma simples contagem de presença de torcedores nos jogos do clube. São burros, teimosos e desonestos com o torcedor palmeirense.

###

_Aos que não tiveram a oportunidade de conhecer tão intrincada metodologia, deixo aqui o link. Vejam se não é um troço deplorável.

_Vejam o exemplo dado pelo site do Avanti para demonstrar a vantagem de estar bem qualificado no ranking de presença:












Aí eu me sinto obrigado a perguntar: se eu, que vou a TODOS os jogos e viajo atrás do Palmeiras, sou "sócio Avanti 1 estrela", quem serão os caras mais assíduos? Como é possível isso?

16 comentários:

Layo disse...

Rodrigo,

Tem uma situação ainda mais absurda do que você citou.

Tenho um amigo que pelo fato de ter comprado 2 camisas oficiais na loja on line do Palmeiras tem um percentual maior do que o meu. Ele foi a 1 jogo este ano e eu 7.

Eu tenho 15% e ele 38%.

Na regra no site do Avanti diz que a compra não valeria a efeito de rating, mas esta valendo.

Este rating é uma piada que deprecia explicitamente o torcedor que frequenta o estádio.

abraço,
Layo

Daniel Martini disse...

Naquela palhaçada que fizeram, no campeonato paulista, de que os 700 iriam para Santos, eu estava nesses 700, com mais de 70% de rating.
Hoje, eu estou com 30%.
É bem interessante saber que, quanto mais vc vai aos jogos, menor é seu rating.

Luiz Fernando Sanchez disse...

Rodrigo,meu rating estava em 93% em Maio,agora tá 61% e 2 estrelas,se o caso do cara acima for verdade tem q mudar essa desgraça e rápido,pois se um "consumidor" ganha mais pontos que um que frequenta jogos,é pra socar a fuça de qm inventou isso

Vinicius Soler disse...

o meu despencou também de 85% para 30%

Gabriel Teixeira disse...

tinha pra lá de 60% e agora despencou para 10%.

Luigi ⓟ 1914 disse...

O meu caiu de 97 pra 62...
Mas só fiquei com 62 pq comprei produtos na Academia Store e coutaram pontos.
O que eu acho inadmissível!
Nós, que vamos a todos os jogos, ficamos com menos pontos do que um modinhas que só vai na final, por exemplo, mas compra 135766 produtos na loja...

Ridículo!

Anônimo disse...

e a derrota do brasil nada a falar?????

futebol brasileiro (*1914/+2014)

Rafael Kuvasney Marcolin disse...

Rodrigo, querem nos tratar como clientes. Se agirmos como clientes, eles estão fudidos.
Na parte de dúvidas do site (https://socio-palmeiras.futebolcard.com/cms/index/pagina_id/13#RATING DE INGRESSOS) há uma área explicando sobre o rating e lá se lê:
P: O que é o Rating?
R: O Rating é um sistema de pontuação criado a partir das informações de compra de ingresso e presença no estádio dos sócios-torcedores Avanti nos jogos de mando de campo do Palmeiras. O sistema foi criado para dar a prioridade de compra de ingresso aos sócios-torcedores mais assíduos.


OU SEJA: Estão agindo de má fé, com uma venda casada (você compra os produtos, você ganha mais, mas ninguém precisa falar abertamente). Alguém com tempo e conhecimento pode meter um processo nesses animais e acabar com a farra. Porque é assim que cliente age.

Avanti Palmeiras disse...

Rodrigo, bom dia

Com relação aos seus pontos, já acionamos a nossa equipe de desenvolvimento para corrigir. O sistema trabalhou de forma automática e os meses de junho/julho foi contabilizados como se tivessem partidas. Pedimos desculpas pelo equívoco e em breve seus pontos voltarão a estar corretos.

Conforme a sua conversa, a fórmula que você apresenta, embora seja efetiva, tira qualquer possibilidade de que novos sócios se incorporem ao Avanti, pois sendo assim, novas adesões são impossibilitadas de ir ao estádio (quando a lotação for máxima). O Avanti, embora queira privilegiar os sócios que mais foram aos jogos, também é um programa que pensa em todos os palmeirenses. Temos exemplos de outros programas de sócios-torcedores que adotaram esta fórmula e não conseguiram ultrapassar a quantidade de sócios/público do estádio.

Qualquer dúvida, crítica ou sugestão são bem-vindas.

Avanti Palmeiras

Barneschi disse...

Já que o Avanti respondeu por aqui, vamos dar sequência ao debate. Por partes:

-Da resposta de vocês: “O sistema trabalhou de forma automática e os meses de junho/julho foi contabilizados como se tivessem partidas.”
Isto é grave. Muito grave. Mostra que ou o sistema funciona mal ou que os responsáveis pelo Avanti não ficam atentos a uma situação tão banal quanto esta. Ou as duas coisas juntas, o que me parece mais provável. Não se pode aceitar que isso aconteça, e é exatamente a isto que eu me refiro quando cobro transparência. Além de a fórmula ser um desastre, o sistema não funciona de maneira confiável e gera um contratempo como este de agora. Temos apenas sete dias para um jogo em que o rating poderia ser utilizado para distribuição dos ingressos, e somos obrigados a receber a resposta de que haverá uma correção dos números. Ou seja: perdeu-se a oportunidade de usar o rating.

-Não dá para aceitar que o torcedor fique o tempo todo conferindo os números e pedindo correções seguidas. Mostra, de novo, o quanto não se pode confiar na fórmula de cálculo e também no sistema. Digo mais: “acionar a equipe de desenvolvimento para corrigir” mostra que os responsáveis pelo Avanti atuam de maneira reativa, mas sem eficácia, uma vez que não combatem a origem do problema.

-É bem possível que meu aproveitamento volte aos 90% (ou mais ou menos), mas seguirá sendo um número que diz muito pouco, quase nada. Por dois motivos: (1) porque não é impossível compreender o racional por trás dele; e (2) porque ele pode mudar a qualquer momento, por um erro de sistema ou por um descuido da equipe responsável.

-Há ainda, aqui mesmo nos comentários deste post, algumas situações que merecem um retorno, incluindo torcedores que alegam haver influência da compra de produtos nos números do rating. Se isso realmente acontecer, o problema é ainda maior.

-Quanto à contestação sobre a fórmula que eu apresento, a argumentação de vocês é, sendo bem condescendente, precária. Sobre isso, vou abrir um novo comentário, desmontando a inconsistente justificativa de vocês.

Barneschi disse...

Diz o Avanti:
A fórmula que você apresenta, embora seja efetiva, tira qualquer possibilidade de que novos sócios se incorporem ao Avanti, pois sendo assim, novas adesões são impossibilitadas de ir ao estádio (quando a lotação for máxima). O Avanti, embora queira privilegiar os sócios que mais foram aos jogos, também é um programa que pensa em todos os palmeirenses. Temos exemplos de outros programas de sócios-torcedores que adotaram esta fórmula e não conseguiram ultrapassar a quantidade de sócios/público do estádio.

Eu respondo assim:

Não, a fórmula que eu apresento não tira nenhuma possibilidade de incorporação ao Avanti. Muito pelo contrário: ela estimula, pela recompensa à assiduidade e pela transparência nela contida, que os associados (antigos ou novos) compareçam a tantos jogos quantos forem possíveis para assegurar, mais adiante, um único benefício: prioridade de aquisição de ingressos em jogos decisivos e/ou com mais procura.

Trata-se, pois, de uma vantagem facultada apenas àqueles pouquíssimos torcedores que se fazem presentes a todos os jogos (o Fábio disse que são 3 ou 4 mil, se tanto).

Até o momento, com o rating “funcionando” há quase um ano, esta prerrogativa foi aplicada uma única vez, de maneira um tanto quanto desastrada, em um clássico na Vila Belmiro. E só; temos, pois, mais um clássico destes por vir e nem sinal de que o rating será utilizado.

Isso se explica também pelo fato de os jogos com lotação máxima serem pouquíssimos durante o ano.

Salvo engano, temos hoje cerca de 38 mil sócios Avanti, superando, por muito pouco, a capacidade do estádio ora utilizado pela Sociedade Esportiva Palmeiras. A tendência é que o número cresça e que, em algum tempo, supere até mesmo os 43 mil lugares do novo Palestra.

Com isso, é preciso colocar os torcedores em patamares distintos, privilegiando aqueles que se fazem mais presentes. É isso que justifica a existência do rating. Ao premiar os torcedores mais presentes, é evidente que os ocasionais ficariam alijados dos jogos mais concorridos (três ou quatro no ano, se tanto). Desta forma, o rating atuaria como uma barreira de acesso, conferindo vantagens a quem de direito. E não se assegura um "direito" como este com um relacionamento casual e/ou oportunista.

Por meio de uma contagem racional e transparente (como a que eu apresento) ou com a incompreensível e obscura fórmula hoje vigente, define-se um coeficiente para cada torcedor, conferindo aos mais bem colocados a prioridade na compra dos ingressos para jogos mais concorridos.

O raciocínio de vocês, portanto, não se aplica, uma vez que a simples superação da capacidade do estádio poderia levar a um cenário em que “novas adesões são impossibilitadas de ir ao estádio (quando a lotação for máxima)”. Isso não é verdade, uma vez que os novos sócios teriam acesso a 90% dos jogos em que a capacidade do estádio é suficiente para atender à procura por ingressos. A barreira seria utilizada pouquíssimas vezes, portanto, algo que sequer ocorre nos dias atuais.

O que está em jogo, portanto, é o raciocínio adotado para atribuir a um torcedor uma nota em função do seu relacionamento com o clube. Isso pode acontecer tanto com uma fórmula simples e transparente (como a que eu apresento) quanto com uma equação incompreensível e que não oferece para o torcedor a menor condição de acompanhá-la (a exemplo do que acontece hoje com o Avanti).

De um modo ou de outro, você coloca uma barreira para os jogos mais concorridos. Aliás, beneficiar os torcedores que se fazem mais presentes é uma premissa das mais justas – e, que me perdoem a franqueza, o sujeito que se associa de maneira oportunista antes de uma fase decisiva e vai a um único jogo não pode ficar na frente de gente que se associou há muito mais tempo e que tem todo um relacionamento construído com o clube.

E, sejamos francos mais uma vez, os torcedores efetivamente assíduos são tão poucos que é até desonesto falar em “impossibilidade de incorporação de novos sócios”.

Por favor, tratem o palmeirense com o devido respeito.

Anônimo disse...

acho vital discutirmos essa copa que passou e o comportamento da torcidinha brasileira patética

ao adm do blog: nenhuma palavra???

seus leitores querem saber o que o senhor pensa de tudo

Fabio Ferreira disse...

Sou sócio desde 2012, nunca atrasei uma mensalidade, compareço não em todos mas em pelo menos 80% dos jogos no Pacaembu desde então, em março finalmente estabilizado no meu trabalho fiz a mudança do plano prata para o ouro, paguei a taxa cobrada pela nova carteirinha e até agora (DESDE MARÇO!) não recebi a mesma, a tal revista entregue todos os meses aos sócios também não vi sequer a capa de qualquer edição, e também não me conformo com a total falta de transparência do sistema do rating, apesar de meu nome ter constado na lista dos 700 que tivemos prioridade de ir à vila belmiro durante o paulistão, compareci mas tive amigos que comparecem com mais frequencia do que eu (a faculdade ainda me tira de alguns jogos no meio de semana) e os mesmos ficaram sem ingressos.
Enfim a impressão que fica é a de que o Avanti só funciona na base da reclamação, se voce não ligar reclamando os caras não tomam qualquer providencia, como sempre vemos que não existe respeito algum do clube para com os torcedores

Thiago Mazieiro disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Thiago Mazieiro disse...

Rodrigo, depois de muito exercício mental (e simulando a fórmula do rating pra calcular o meu próprio), eu consegui entender como é feito o cálculo do Avanti (no qual a fórmula é descrita no FAQ do site do Avanti), e acabei descobrindo um erro muito grande ou na fórmula que estão usando ou na descrição dos exemplos. Segundo a fórmula que dão no site, o total de pontos conquistados no mês, dividido pelo total de pontos possíveis no mês, somando esse resultado com o rating do mês anterior e dividindo tudo por 2 (para pegar o valor médio) dá o valor do Rating de determinado mês. O problema é que, pelo exemplo, ele não deveria levar em conta meses em que a soma de pontos possíveis seja 0 (por exemplo, dez/13 ou jun/14), já que, pela fórmula, cairia numa divisão por 0. Apesar disso, eles contam como se o resultado dessa operação fosse 0, de modo que o Rating de nov/13 seria dividido por 2, mesmo não sendo possível somar pontos, fazendo com que o Rating de dez/13 seja a metade do de nov/13, e esse (dez-13) é o valor somado no de jan/14. E isso acontece em todos os meses que a soma de pontos possíveis é igual a 0 (como jun/14), o que explica o Rating baixo de todo mundo. Seguindo a fórmula do exemplo (que ignora os meses em que a soma possível de pontos é zero), meu rating é de, aproximadamente, 74%. Pela fórmula, aproximadamente, 37%. Além disso, o Exemplo 1 do site está errado (contas erradas). Não discutindo se é um bom ou mau modelo, mas espero ter ajudado a clarear o cálculo e, quem sabe, fazer com que o próprio Avanti perceba esse erro (ainda não tentei falar com eles, já que é impossível conseguir uma resposta daqueles caras).
Não sei se a explicação ficou clara ou não, mas eu posso te mandar por email ou qualquer coisa assim a planilha do excel que eu usei pra fazer esses cálculos, e aí, talvez, fique mais claro pra você.

Barneschi disse...

Oi, Thiago, tudo bem?
Meu caro, pode me mandar um e-mail para forza.palestra@yahoo.com.br e aí conversamos.
Abraços