18 março 2011

BR/1994, campanha comentada

Dia desses, em um encontro com amigos no Juriti, o grande boteco do Cambuci, começamos a discutir a campanha do Palmeiras no Brasileirão de 1994. Lembrei então de uma rotina quase diária durante as aulas chatas do colegial ou mesmo da faculdade: escrever, jogo a jogo, todas as grandes campanhas do campeoníssimo Palmeiras dos anos 90. Tinha isso tudo de cabeça, fase após fase, em meio a regulamentos que, por incompreensíveis que fossem, tinham ao menos a decência de terminarem com uma final em dois jogos, com os times se enfrentando para decidir o campeão.

E aí, dessa última vez, enquanto buscava listar todas as partidas, percebi que a memória me abandonava em alguns momentos e que já não era assim tão fácil lembrar a ordem correta de todos os jogos e mesmo o público de todos eles. Sim, públicos. Para mim, pouco importavam as escalações ou mesmo os autores dos gols; importante mesmo era saber quantas pessoas estiverem presentes ao estádio a cada tarde ou noite.

Entre todos aqueles campeonatos dos anos 90 (e dos 2000 também), um deles continua despontando na memória até hoje: o Brasileiro/1994. Dos 31 jogos que o Palmeiras teve de disputar naquela temporada, lembrei da ordem de todos e dos públicos de 23 deles (bem longe dos 100% de alguns anos atrás, mas ainda um número considerável). Foi mesmo uma campanha marcante.

Foi então que eu resolvi abrir um espaço aqui para lembrar toda a trajetória que nos levou ao último (e já distante) título nacional. Vamos lá:

Campeonato Brasileiro/1994

1ª fase - Turno e returno


A 1ª fase foi um monstrengo: 24 clubes divididos em 4 grupos de 6. Jogavam todos contra todos em turno e returno dentro de cada grupo, classificando-se para a 2ª fase os quatro primeiros de cada chave. No total, sobrariam 16 times dos 24 que começaram a disputa. O líder de cada grupo ganharia um ponto de bonificação para a fase seguinte. O Palmeiras disputou o Grupo D, conforme abaixo:

Palmeiras 4 x 1 Paraná/PR - 13.530
Náutico/PE 1 x 3 Palmeiras - 4.879
Internacional/RS 0 x 2 Palmeiras - 37.827
Palmeiras 5 x 1 União São João/SP - 6.954
Palmeiras 1 x 0 Fluminense/RJ - 22.243

Fluminense/RJ 1 x 1 Palmeiras - 3.246
União São João/SP 0 x 1 Palmeiras - 11.970
Palmeiras 1 x 0 Internacional/RS - 22.340
Palmeiras 4 x 1 Náutico/PE - 18.102
Paraná/PR 2 x 4 Palmeiras - 42.675

Foi brincadeira. Em 10 jogos disputados, o Palestra venceu 9 e empatou um (contra o Fluminense, em Caio Martins). Foram 26 gols a favor e apenas sete gols contra. O Verdão foi líder com 19 pontos (a vitória só valia dois pontos na época). Passaram junto o Fluminense (10), o Paraná (9) e o Internacional (8).

2ª fase

O regulamento estipulou a divisão dos 16 classificados (quatro de cada grupo, estão lembrados?) em dois novos grupos, o E e o F. Tivemos o seguinte:

Grupo E: SCCP/SP, Fluminense/RJ, Grêmio/RS, Guarani/SP, Internacional/RS, Paysandu/PA, Portuguesa/SP e Vasco/RJ

Grupo F: Bahia/BA, Botafogo/RJ, Flamengo/RJ, Palmeiras, Paraná/PR, Santos/SP, SPFW/SP e Ixpót/PE

Notem a genialidade do regulamento:

2ª fase - 1º turno

Os times jogariam dentro de seu próprio grupo, todos contra todos, em turno único. SCCP/SP (A), Botafogo/RJ (B), Guarani/SP (C) e Palmeiras (D), líderes de grupo na primeira fase, largaram com um ponto de bonificação. Cada time jogaria sete vezes, quatro em casa e três fora (ou o contrário, a depender da campanha da primeira fase). A classificação para a fase final seria concedida ao campeão do turno nos grupos C e D.

Palmeiras 1 x 0 Ixpót/PE - 21.174
Palmeiras 1 x 0 Paraná/PR - 19.362
Bahia/BA 1 x 1 Palmeiras - 46.660
Palmeiras 2 x 0 Santos/SP - 20.611
Flamengo/RJ 2 x 0 Palmeiras - 8.539
Palmeiras 1 x 0 Botafogo/RJ - 7.441
SPFW/SP 2 x 2 Palmeiras - 25.120

Os dois primeiros jogos dão a medida exata de como aquele time estava predestinado para o título. Na primeira rodada, contra o Ixpót/PE, em um sábado à tarde, o gol da vitória saiu aos 44 minutos do segundo tempo: da intermediária, o zagueiro Antonio Carlos levantou a bola na área. Ela bateu em Evair, rebateu em um zagueiro e depois em mais outro antes de morrer no fundo do gol. Uma semana depois, outro sábado à tarde, o adversário foi o Paraná Clube. Resultado? 1 a 0. Como? Outro gol aos 44 minutos da etapa final, novamente pelos pés de Antonio Carlos, desta vez com um chute direto, da intermediária, no ângulo. Incrível.

Depois disso, empate em um gol em Salvador (com dois gols nos minutos finais, o primeiro de Roberto Carlos e o segundo do Bahia) e vitória por 2 a 0 sobre o Santos (Zinho e Evair, de pênalti). A primeira derrota veio no 15º jogo, contra o Flamengo no Maracanã: 0 a 2, dois de Sávio (lembram?). Vieram então uma vitória sobre o Botafogo (1 a 0, de Rivald0) e o empate contra as bichas do Jd. Leonor: 2 a 2, com dois gols de Edmundo e a porradaria no final!

Três fatores garantiram a vaga do Palmeiras: este empate contra os bichas (o segundo gol de Edmundo saiu já nos minutos finais); a vitória sobre o Ixpót no último minuto, lá na estreia da fase; e o ponto de bonificação. O Verdão somou 11 pontos, contra 10 do Ixpót e 9 dos bambis. Estávamos na fase final! No outro grupo, os gambás se classificaram com a melhor campanha: fizeram 12 pontos, deixando para trás o Guarani no saldo de gols.

2ª fase - 2º turno

Já classificados, Palmeiras e SCCP não tinham muito o que fazer aqui neste 2º turno, a não ser garantir uma campanha melhor para eventuais vantagens na fase final. Tanto é assim que ambos abdicaram desta ettapa, em que os oito times de cada grupo enfrentavam os oito times do outro grupo, em uma inversão semelhante à que ocorre no Campeonato Carioca. Outras duas vagas seriam concedidas às equipes que obtivessem o melhor índice técnico na soma dos dois turnos.

Aos jogos:

Palmeiras 0 x 1 Guarani/SP - 10.587
Fluminense/RJ 4 x 1 Palmeiras - 3.392
Grêmio/RS 1 x 1 Palmeiras - 3.363
Palmeiras 4 x 1 SCCP/SP - 23.465
Portuguesa/SP 3 x 1 Palmeiras - 6.818
Palmeiras 3 x 0 Vasco/RJ - 11.486
Palmeiras 1 x 1 Internacional/RS - 4.268
Paysandu/PA 1 x 0 Palmeiras - 3.020

Como se vê, o time descambou. Estreou perdendo em casa para o Guarani (gol de Amoroso) e aí emendou mais três derrotas nos outros sete jogos. De positivo mesmo, só a vitória sobre o Vasco (3 a 0, com uma atuação magistral de Edmundo) e a goleada diante dos gambás (um 4 a 1 no Jd. Leonor, com três gols de Evair e outro de Zinho). O restante foi um marasmo só.

Ao final desta fase, tivemos como campeões de cada grupo o Guarani (12 pontos) e o Botafogo (13 pontos).

Tivemos então a classificação dos campeões do turno (SCCP e Palmeiras) e do returno (Guarani e Botafogo) em cada grupo, além dos dois times com melhor campanha na soma dos dois turnos (SPFW e Bahia), obviamente descontados os campeões de turno e returno.

Pegaram?

Temos seis times, certo? Faltam dois para completar os oito que seriam necessários para a realização das fases seguintes. Pergunto aos leitores: de onde vieram esses outros dois clubes.

Para entender isso, devemos retornar à 1ª fase, aquela que foi disputada por 24 clubes, divididos em 4 grupos de 6. Jogaram todos em turno e returno, classificando-se para a 2ª fase os quatro melhores de cada grupo. 4 vezes 4 é igual a 16. Avançaram 16 para a 2ª fase, em dois grupos de 8. 24 menos 16 é igual a 8. Foi este o número de clubes que não passaram para a 2ª fase. O que aconteceu com eles? Bom, ganharam a oportunidade de disputar uma repescagem que classificaria os 2 primeiros logo para a fase final. Ou seja: o time fracassou em uma 1ª fase das mais tranquilas e ganhou o direito de disputar uma repescagem ainda mais tranquila, com outros fracassados, para chegar à fase final. Um caminho bem mais fácil.

A repescagem teve a seguinte classificação: 1. Bragantino; 2. Atlético/MG; 3. Vitória/BA; 4. Criciúma/SC; 5. União São João/SP; 6. Cruzeiro/MG; 7. Remo/PA; 8. Náutico/PE. Os dois primeiros avançaram para a fase final e os dois últimos foram rebaixados.

Chegamos então aos mata-matas:

Quartas-de-final

Bahia/BA 1 x 2 Palmeiras - 69.129
Palmeiras 2 x 1 Bahia/BA - 23.372

Bragantino/SP 1 x 1 SCCP/SP - 26.156
SCCP/SP 0 x 0 Bragantino/SP - 35.802

SPFW/SP 1 x 0 Guarani/SP - 21.911
Guarani/SP 4 x 2 SPFW/SP - 24.993

Atlético/MG 2 x 0 Botafogo/RJ - 50.363

Botafogo/RJ 2 x 1 Atlético/MG - 32.584

O Palmeiras passou sem dificuldades pelo Bahia, com vitórias em Salvador (com gols de Roberto Carlos e Maurílio, em um lance improvável) e depois no Pacaembu. O Bragantino segurou dois empates com os gambás, em dois jogos disputados na capital paulista (a ida no Pacaembu e a volta no Jd. Leonor), mas foi eliminado pela campanha anterior do SCCP. O Guarani trucidou os bichas em Campinas e o Galo passou pelo Botafogo.

Semifinal

Palmeiras 3 x 1 Guarani/SP - 44.957
Guarani/SP 1 x 2 Palmeiras - 23.676

Atlético/MG 3 x 2 SCCP/SP - 82.938
SCCP/SP 1 x 0 Atlético/MG - 9.788

O Palmeiras pegou o fortíssimo Guarani, time que tinha Amoroso e Luizão e que cumpria a melhor campanha do Brasileirão até aquele momento. O jogo de ida, no Pacaembu, em uma quinta-feira à noite, é daqueles inesquecíveis. 44.957 pagantes. Eis o time que foi a campo: Velloso; Claudio (Amaral), Antonio Carlos, Cléber e Roberto Carlos; Sampaio, Flavio Conceição, Zinho e Rivaldo; Maurílio (Paulo Isidoro) e Evair.

O time do interior saiu na frente aos 36 minutos da primeira etapa, gol de Julio Cesar; o empate veio praticamente no lance seguinte: Cléber, de chaleira. Veio o segundo tempo. Jogo duro, tenso, disputado. Torcida apreensiva. 34 minutos passados. Falta em dois lances dentro da área (não me lembro agora qual o motivo). Evair e Zinho a postos. A bola rola. Evair para Zinho. O tiro sai mascado. Diz a minha memória (uma vez que não encontrei um vídeo desse gol) que a bola desvia na barreira, engana o goleiro e, lenta, morre no fundo do gol. 2 a 1!

Veio ainda o terceiro gol. Evair. 39 minutos do segundo tempo. À imagem, a única que eu encontrei daquela noite inesquecível:


No jogo de volta, em Campinas, o Palmeiras avançou sem sobressaltos. 2 a 1, dois gols de Rivaldo, uma atuação magistral do hoje ex-atleta.

Do outro lado, os gambás tomaram 3 a 2 do Galo no Mineirão. Na volta, em um Jd. Leonor com menos de 10 mil pagantes (tinham acabado de interditar a arquibancada e a numerada), vitória por 1 a 0, gol de Branco, e a vaga para a final paulistana.

Final

Sinto-me incapaz de escrever um texto à altura daqueles dois jogos. Melhor assistir:

SCCP/SP 1 x 3 Palmeiras - 37.940


Palmeiras 1 x 1 SCCP/SP - 35.217


***

Mais alguns vídeos desta campanha:

Internacional/RS 0 x 2 Palmeiras


Palmeiras 5 x 1 União São João/SP


Palmeiras 4 x 1 SCCP/SP. Atenção, senhores, para a história da proibição de bebida alcoólica nos estádios. Lá se vão 17 anos...


Palmeiras 3 x 0 Vasco/RJ. Atenção para o segundo gol!


***

Dentro do espírito colaborativo, peço aos amigos que indiquem mais vídeos desta campanha no Brasileirão de 1994. A ideia é publicar todos os que estiverem disponíveis.

34 comentários:

Yuri disse...

Bravo!

Ademir Castellari disse...

Dois ou três detalhes:

1) O Veloso foi monstruoso, não me lembrava dessa atuação;

2) Como jogava bola o Edmundo!;

3) Conseguiram estragar as arquibancadas com a política higienista do MP e da Polícia.

futebolememoria disse...

Um post histórico! Como é bom rever os jogos de um passado em que ainda existiam craques! Mande emoldurar esse post que nossos netos não vão poder ver futebol no futuro!

Fábio disse...

Neste post, além da lembrança, me apareceu uma mistura de alegria, por ter o prazer de ver este jogar (o melhor Palmeiras de todos que eu vi), e tristeza, por saber que nunca mais teremos uma equipe tão boa e identificada com clube e torcida com foi esta, novamente.
E prá terminar,pqp, como o Evair e Edmundo jogavam, o q foi aquele 3º gol na final dos gambás, que pintura, sempre me arrepio qdo vejo este gol.

Anônimo disse...

Obrigada, Barneschi, pelo seu blog!

Muito bom seu post! Infelizmente não me recordo muito de 94 pq eu era mto pequena!

Blog do Meu Saco disse...

O gol do Cléber não foi de cabeça, mas de... chaleira! É sério, confiram.

Forza Palestra disse...

Grande Falavigna! Fui traído pela memória. Foi realmente de chaleira (ou algo semelhante). É uma pena que não consegui encontrar nenhum vídeo com todos os gols. O segundo, do Zinho, é uma coisa espetacular.

Vou arrumar lá no texto.

Abraços

Renato disse...

Que time maravilhoso. Como é bom lembrar do nosso quarteto ofensivo, com Edmundo e Rivaldo demonizados na maior parte da campanha.
Como é bom lembrar do meio campo de classe com C Sampaio e Flavio Conceição. E tambem relembrar outra muralha do verdão que foi o Velloso, um grande predecessor do Santo.

Excelente post nostalgico.

Forza Palestra disse...

Vale acrescentar que Edmundo recebeu uma punição do tribunal por conta da porradaria contra os bichas. Ficou fora durante todo o segundo turno da segunda fase e também das quartas e da semifinal. O Palmeiras conseguiu o efeito suspensivo para a final e ele detonou os gambás.

Pattoli disse...

Bandeiras no estádio. Que saudades.

Raoni disse...

Muuuito bom!
eu tinha só 4 anos nessa época x(
o pacaembu com 45 mil pessoas, ta loco, emoção pura, ainda vencer uma final de brasileiro contra os gambás, coisa linda!
essa época o Palmeiras era só Orgulho, pqp!

e que regulamento estranho esse hahaha

Dahora o Post!
abraço!

Edson Torrisi disse...

Caro amigo, lembro-me tb de todos os jogos, hoje tenho 48 anos e no estádio acompanhei uns 4 desta campanha, aquele com o Guarani foi mágico, fez lembrar dos jogos da década de 70 e 80, com estádio cheio e torcida empolgada: ainda com bandeiras, tv a cabo engatinhando, quanta saudade....

Marcell disse...

Sempre acho que fico devendo um comentário para os seus posts, Forza. Já o acompanho há alguns anos - arrisco dizer uns 3, mas não me sentiria um leitor digno se não o parabenizasse por reavivar as lembranças que me fizeram mais um novo palmeirense naquele ano. Belíssimo trabalho!

Verdão-94 atropela o Barça de hoje!

Anônimo disse...

Campeonato enrolado..rsrs

mas a emoção da final..em cima dos gambás não tem nada melhor.

Me lembro bem dos dois jogos, apesar dos 10 anos de idade na epoca.

No jogo da volta, estava voltando de uma viagem com meus primos corintianos e assim que chegamos no condominio deles, gol dos gambá.. Meu tio comemorou e disse: "vai curintia, eles nao são de nada!" kkkkk

do resto foi um baile verde, que por sorte do goleiro gambá (ronaldo) e alguns erros de finalização de zinho e edmundo não virou uma goleada.

mas foi mto legal..

freguesão,não tem jeito


valeu
BRuno

Anônimo disse...

Depois das Academias 1 e 2, foi o melhor time do Palmeiras........Uma Máquina....Lembro-me do canto: Eu vou beber, beber até cair, o Porco já é Bi, o Porco já é Bi


Casselli o Carcamano

AVANTI PALESTRA, fino alla morte

BrunoBatera disse...

Mais um post pra história! Eu tinha 10 anos em 94 e pra mim depois da Libertadores 99 foi o principal título do Palmeiras q eu acompanhei. Lembro também de cada jogo dessa época. Essa vitória sobre o Inter por 2-0 foi a 1º do Palmeiras em Porto Alegre em Campeonatos Brasileiros. Me lembro até hj o Avallone começando o Mesa Redonda nesse dia. "Façanha do Palestra em Porto Alegre". No 2º turno contra o mesmo Inter, 1-0 no Palestra, com de Flávio Conceição de fora da área, no ângulo. Da 2º fase lembro dessa derrota pro Fla no Maracanã com 2 gols do sávio, um deles sem ângulo nenhum, ele acertou na gaveta do Velloso. E do 2-2 contra o SPFW. Saímos na frente com o Animal, e o SPFW virou com Muller e Cafú. Novamente Edmundo empatou e depois a pancadaria com o Animal socando o André Luís. Os 4-1 nos gambás, os 3-0 no Vasco e o último jogo dessa fase contra o Paysandu foi no Brinco de Ouro, em Campinas. Me lembro até dos jogos dos rivais. Esse Guarani 4-2 no SPFW foi na mesma tarde de Sábado de Palmeiras 2-1 no Bahia, no Pacaembu. E nas semi-finais o 1º jogo dos gambás contra o Galo foi 3-2 e não 2-1. Na semi pegamos o Guarani, q tinha enfiado 4-0 no Santos com 2 de Amoroso e 2 de Luizão. Na final o Edmundo conseguiu efeito suspensivo, mas o Branco também foi liberado pras finais (antes q algum gambá venha chiar). E acabou sendo bom pq o Rivaldo deitou e rolou em cima dele! Quando o Rivaldo empatou a 2º partida, abri a janela da sala e gritei "Paaaaaaaaaaalmeeeeeeeeeeeeeeeeeiraaaaaaaaaaaaaaasssssssssss" pra toda gambazada ouvir! 1994=INESQUECÍVEL!

BrunoBatera disse...

Link para o vídeo do 2-2 contra o SPFW, com 2 de Edmundo e pancadaria no final! http://www.youtube.com/watch?v=um-Ojp0oEd8

BrunoBatera disse...

Esse jogo foi válido pela Libertadores, mas como marcou a temporada inesquecível, postei aqui. Palmeiras 6-1 Boca Juniors. http://www.youtube.com/watch?v=BuiwZJYt9P0

Forza Palestra disse...

BrunoBatera
1. Eu tinha localizado esse vídeo do SPFW 2 x 2 Palmeiras, mas não tinha colocado por um único motivo: o vídeo foi postado por um perfil de bambis e eu preferi evitar a associação.

2. Tem razão, cara. Foi 3 a 2 a semifinal entre Galo e gambás. Tá corrigido no post.

Marcell
Obrigado, cara! Fique à vontade para comentar aqui sempre que quiser. O espaço está aberto.


Abraços e obrigado a todos pelos comentários!

João - Ponta Grossa/PR disse...

Cara, parabéns pela matéria! Esse time realmente é dificílimo de superar!

Mas acho que tem um erro no público do jogo Paraná 2 x 4 Palmeiras, não podia ter 42 mil pessoas lá! Eu fui nesse jogo, foi a segunda vez na minha vida que eu tinha ido ver o Verdão, por isso lembro de muita coisa. Foi no Couto Pereira, tinha um bom público mesmo, e a nossa torcida ocupou todos os 3 andares da arquibancada do fundo, à esquerda das cabines. Mas dificilmente chegaria a 30 mil porque a torcida do Paraná não conseguiria encher o restante do estádio.
Talvez 32 mil seja um número mais realista do que esteve presente no estádio nesse grande jogo.

André Fix disse...

Morava no Ceará na época, e não tinha TV em casa. Assistia na Federação Cearense de Porrinha (palitinho aqui em Sampa). O tiozinho deixava uma 6 dúzia de palestrinos assistirem aos jogos em troca do consumo estratosferico de gelada e salsicha em lata.

Bons momentos. Valeu Forza.

Forza Palestra disse...

João,

Seguinte: fui checar os meus arquivos e o público final foi este mesmo. 42.675, considerando pagantes e não pagantes. Eu adoto o padrão de considerar apenas o público pagante, mas neste caso específico devo ter considerado o público total. Considere que eu tinha 13 anos à época e que era bem mais difícil conseguir as informações - às vezes o público só era divulgado pelo rádio e depois não havia internet para conferir.

Segundo o Tabelão da Placar, eis aqui público e renda:

Renda: R$ 219.622
Público: 36.233 pagantes

Os meus números trazem a mesma renda e o público de 42.675, de tal forma que concluo ser este o público que considera pagantes e não pagantes.

Abraços

Sandro - Salvador disse...

Campanha impecável, com vários lances memoráveis. Como esquecer do gol de Edmundo contra o Internacional em que ele segura as traves após driblar todo mundo? Inspirado em Edmundo, fiz o mesmo num campeonato universitário de futsal em 1995. Resultado: alguns hematomas decorrentes das porradas (justas) que tomei.

Por razões óbvias me lembro particularmente dos dois jogos contra o Bahia. Porém, Barneschi, ao menos no jogo da Fonte Nova (que saudade daquele templo!)o Palmeiras não teve vida fácil. Abriu o placar numa jogada maravilhosa em que Zinho, após limpar todos os trilhos, serviu Evair que por sua vez aquele seu inigualável pivô, ajeitando a bola com açucar e afeto para Roberto Carlos desferir um petardo da intermediária. Ao sair de RC, a bola parecia que iria tomar o rumo da Ladeira dos Galés (direção da bandeira de escanteio no gol da Ladeira da Fonte Nova), mas, não, a redonda morreu no cantinho. Golaço, Golaço. O Bahia foi para cima e empatou num bate e rebate na área. E tome pressão. Até que no final do jogo, Maurilio (sim, ele mesmo) fez um gol quase que do meio campo encobrindo o goleiro no gol de frente para o Dique do Tororó, numa Fonte Nova lotada por cerca de 70000 pessoas em plena quarta feira. Inesquecível.

Forte Abraço......Sandro

Luan disse...

Parabéns Barneschi! Um post pra história, um dos melhores de seu excelente blog!
Obrigado!

AVANTI PALESTRA!

Leonardo disse...

Não pude ver o Palmeiras ser campeão brasileiro - 1994 foi o ano que em nasci - mas tenho em minha mente recordações passadas pelo meu pai.

Ah, como é bom ser palmeirense!

Roberto Kamarad disse...

Caralho, mano, que post histórico! Tinha apenas sete anos, mas me lembro como se fosse hj da finalíssima! Eu e minha mãe tínhamos ido buscar minha tia na rodoviária do Tietê de manhã, e fiquei pentelhando pra cacete minha mãe por causa disso, com medo de perder o jogo! Eu não conhecia minha tia; pois ela tava vindo do Ceara, então lembro de pensar: puta que pariu, ela tinha que vir justo hj!?!? Mas no final conseguimos ver o jogo e deu tudo certo! Vai, Palmeiras!!!

pedro disse...

O Edmundo voltou justo contra o Corinthians. E quando ele faz o gol vai para a galera apontando para nós. Eu estava no tobogã.

Também não se pode esquecer do finalzinho do último jogo: o Edmundo para a bola, provoca, o corinthiano (me esqueci quem foi, Viola?) vem para rachar mas o Edmundo pula já mostrando a sola para se proteger...

Abraços,
Pedro.

Enio Vital disse...

SIMPLESMENTE DEMAIS!!

Eu tenho o album completo de figurinhas do campeonato brasileiro de 94 com os placares marcados.

SENSACIONAL!

Cesar disse...

Senssacional o post!!

Parabéns Barneschi, seus posts estão cada vez melhores...

Como é bom lembrar desses bons tempos, não me lembrava de tantos detalhes mas lendo e vendo os vídeos a memória foi voltando, esse time era demais, a final contra os gambás foi inesquecível!!

Abraços

Samora Jr disse...

Fala Barneschi..

De todos os jogos o mais especial pra mim foi o do guarani no pacaembu... Foi a primeira vez que fui no toboga.. Me impressionou não conseguir ver o jogo direito.. Depois nos acostumamos a nao ver nada, mas a primeira vez foi marcante... Eu tinha medo daquele time do bugre.. Era realmente muito bom.. E do outro lado do campo não dava pra ver nada, entao cada ataque deles era um frio na barriga.. Eu lembro de tremer tanto de nervoso que dificultava a minha visão...

Outra coisa que não pode deixar de ressaltar.. Como jogava bola o veloso... E como o time era letal nos contra ataques... Mesmo qdo não saia o gol, dava pra ver que o time sabia o que fazer em contra ataques, e isso faz com que um time, mesmo perdendo do Palmeiras, não se arriscava a sair que nem loko ao ataque, pq era muito pior..

E o ultimo comentário: Pq a final não foi no jd leonor?? rsrsr

Abs

Samora Jr disse...

Agradecendo mais uma resposta.. Abs

Gustavo Moraes disse...

Que saudade desse tempo.. tinha 12 anos e nem sabia o que era futebol, até aparecer esse time. Tive a felicidade de ver a semifinal contra o Guarani em Campinas, 2x1 com 2 gols de Rivaldo numa tarde chuvosa.

Por morar em Campinas, dias antes estive no Guarani 4x2 nos Bambis.. foi realmente um massacre, isso porque o Amoroso tinha se contundido no jogo de ida, além dele teve outros 2 ou 3 desfalques !!

Na final a imagem dos rojões de fitinhas não saem da minha cabeça até hoje.

Deste tempo, colecionei um album de figurinhas que era só do Palmeiras. Alguém daqui se lembra ??

Anônimo disse...

to com um no na garganta de ver aquela maquina q era o palmeiras,vou poder contar pros meus filhos q eu assisti aquele verdadeiro verdao

Anônimo disse...

Excelente artigo!