01 agosto 2011

O país do futebol? (29)

Alemanha. Confesso que nunca dei muita atenção ao futebol de lá; sequer tenho um time pelo qual torcer. Mas aí esta série me permitiu acompanhar algumas das torcidas locais e eu me surpreendi, em especial porque eles conseguem torcer como poucos mesmo depois de uma Copa do Mundo que, sabemos bem, tende a violentar o futebol de quem a recebe. Os ultras locais já apareceram nas edições 2, 14 e 16, mas nunca com o devido destaque. É o caso agora de dedicação um capítulo apenas para os alemães. Vamos lá:

Vídeo 1: Festa da torcida do Borussia Dortmund em Munique:


Vídeo 2: Mais Borussia Dortmund. Pergunto: alguma torcida brasileira seria capaz de empurrar o time desse jeito?


Vídeo 3: Uma praça de Dortmund é tomada à meia-noite de 19 de dezembro de 2009. A torcida festeja o centenário do clube:


Vídeo 4: Ultras do Dortmund na estação de trem:


Vídeo 5: Os ultras do Fortuna Düsseldorf, de Düsseldorf, viajam até Duisburg para confronto contra o time local. Boas imagens da marcha até o estádio e do policiamento na Alemanha. Detalhe: são dois times que disputam a segunda divisão.


Vídeo 6: Mosaico do 1.FC Köln, por aqui conhecido como Colônia:


Vídeo 7: A torcida do Dynamo Dresden vai a Cottbus para um duelo contra o Energie Cottbus. Os ultras visitantes não se intimidam e fazem uma festa impressionante, com destaque para a sincronia na hora de pular. Coisa impensável em se tratando de Brasil:


Vídeo 8: Um recado para os nossos nobres e valorosos coxinhas e para o diligente promotor: deixem os sinalizadores em paz! A torcida do Dynamo Dresden sabe o que fazer com eles, e o vídeo abaixo tem o mérito de mostrar as imagens também de fora do estádio:


Vídeo 9: A torcida do Mainz canta uma música bem conhecida de todos nós (e o final deste vídeo é melhor que o começo):


###

_Este capítulo não seria possível sem a contribuição do Felix Lukow, um alemão que viveu uns tempos aqui no Brasil (e escreve melhor que 99% da gente deste país) e me enviou uma série de sugestões sobre a luta dos alemães contra o futebol moderno.

17 comentários:

Luan disse...

Groß-Deutschland! Die Leute von Blut in den Adern

André Roxa de Souza disse...

Barneschi...

Como sempre mais um otimo Post!

Por que não cria um blog com esse tema?! monta um blog colaborativo. Acho que ficaria bom, teria muito conteúdo e você conseguiria desenvolver os dois assuntos (Palmeiras e o "País do Futebol?") de uma forma que não se confundam os conteúdos!

Sei lá... só uma Idéia!
Abraços e parabéns pelo post sensacional!

andrebrunelli disse...

Ótimo post, e simplesmente a maior verdade. Eu morei em Bremen de setembro do ano passado até este final de fevereiro. Fui a alguns jogos do Werder Bremen. Apesar de estar em uma péssima fase, nunca vi jogos com menos de quinze mil pessoas. Nos jogos contra o Bayern München e o Bayern Leverküssen mesmo era casa lotada, torcida gritando a mil e nada de vaias. Eu sempre fiquei na ala da organizada por conta do preço menor, mas era um prazer de ver a agitação da galera. A única coisa que eles não ganham da torcida brasileira é em instrumentação (batuques, batidas e instrumentos de sopro dão de 10 a 0 aqui).


Quanto à sincronia do pessoal do Dynamo Dresden para pular, é só colocar os braços em cima dos ombros de quem estiver junto. Truque simples e eficaz ao extremo.

Forza Palestra disse...

André
Mas acontece que eu já até estipulei um prazo para terminar esta série "O país do futebol?". Já foram 29 edições e teremos mais 11, totalizando 40. Não consigo encontrar tempo agora para me dedicar a outro projeto fora do trabalho, e entendo que a série está bem adequada por aqui, com um capítulo por semana.
Se tiver boas sugestões, é só me mandar.

André Brunelli
Obrigado pelo comentário, cara. Bastante útil e relevante. E o "truque", por mais fácil que pareça, não é muito a cara da grande massa brasileira, mais preocupada em ver o time vencer do que em levá-lo à vitória.

FelixL disse...

Barneschi, obrigado pelo post! Acho que agora a Alemanha está devidamente representada nesse quadro. Se alguem quiser tirar uma dúvida é só perguntar!

Como eu assisti ao varios jogos de diferentes times brasileiros eu percebi uma grande diferenca no estilo de torcer. Aqui na Alemanha muita gente prefere músicas curtas e rápidas as músicas que, por exemplo, as barras argentinas costumam cantar. As pessoas aqui simplesmente nao tem tanto ritmo como as do Brasil^^. Eu concordo plenamente que batarias boas fazem uma grande falta na Alemanha....

@Andrebrunelli:
A torcida do Werder está passando por grandes problemas. Num lado pq os hooligans sao da extrema direita e os ultras da extrema esquerda (já brigaram muitas vezes entre si). No outro lado os ultras do Werder nao estao mais tao unidos. Acho que hoje em dia existem umas quatro torcidas diferentes ao invés de uma torcida forte e unida. Muitas torcidas alemas vem discutindo se deveriam se declarar abertamente a favor de um movimento politíco ou nao...

Abs,
Felix

Leonardo disse...

Ótimo post. Acredito que tenha sido um dos melhores capítulos da série. As torcidas alemãs são realmente fora de série. Destaque para a torcida do Borussia Dortmund, que possue uma média de público superior a 60 mil pagantes por partida.

FelixL disse...

Nesse site tem todas as médias de pagantes (=Schnitt) da temporada passada e de temporadas anteriores:

http://www.weltfussball.de/zuschauer/bundesliga-2010-2011/1/

Borussia só perde para o Barcelona...

Forza Palestra disse...

Grande link, Felix. Obrigado.

Vejam só: 80 mil pagantes de média e tem vagabundo que vem dizer ainda que o Brasil é o país do futebol...

anderson ugiette disse...

mudando um pouquinho de assunto barney, acompanho teu blog a varios anos jah (maldito teclado quebrado) e sei o quanto vc ja reclamou do tratamento diferenciado que o Palestra recebe por TODA a midia convencional.

justo hoje leio isso:
http://blogs.lancenet.com.br/benja/2011/08/02/a-imprensa-esportiva-usa-dois-pesos-e-duas-medidas/
do tal Benja.

vou destacar uma parte soh que julgo coerente com o teu pensamento barney sobre esse assunto. náo voucopiar ecolar tudo pra nao ficar grande demais... quem quiser que leia lah no lancenet...

"Agora fica a pergunta: O que todos nós estaríamos falando se fosse o Palmeiras que tivesse gasto 7,6 milhões de euros para contratar o Luís Fabiano e o jogador apresentado com todas as pompas que merece há cerca de quatro meses sequer ter feito a sua estréia?"

me parece bem o teu pensamento barney..
abracos!!
FORZA PALESTRA E PST!

Gabriel Manetta Marquezin disse...

BARNESCHI

- vale lembrar que o jogo Borussia Dortmund x Schalke 04 é o clássico mais importante da Alemanha, o chamado Revierderby ... rivalidade mortal no Vale do Ruhr...

- procure pelos videos dos ultras do Stuttgart, são ótimos! tem MUITO material no youtube, tanto de caravana quanto na curva

- dois famosos vídeos de "terremotos" promovidos por ultras alemães, o primeiro é IMPRESSIONANTE:

http://www.youtube.com/watch?v=cqjR7b74w6Y

http://www.youtube.com/watch?v=2QBk2LE-mbI


- sobre a média de público dos times alemães, veja esse site, tem a média dos últimos anos de todos os campeonatos europeus:

http://european-football-statistics.co.uk/attn.htm


Abss

Gabriel Manetta Marquezin disse...

outra coisa que vale lembrar do futebol alemão...

as torcidas alemãs conseguiram obrigar que TODOS os estádios tenham um setor SEM CADEIRAS, onde eles possam se abarrotar para ver o jogo em pé e pulando... o chamado Stehplatz

Gabriel Manetta Marquezin disse...

ilustrando o que eu disse sobre stehplatz...

vejam essa foto da Süd Tribune, no Westfallenstadion,

http://img10.hostingpics.net/pics/543149kop.png

nem parece foto dos dias atuais, nem parece um estádio que recentemente abrigou uma merda de copa do mundo...

andrebrunelli disse...

Mais alguns comentários:

- quanto à média de público, a diferença entre Alemanha e Brasil para mim é clara: não é porque o brasileiro goste menos de futebol que o alemão, mas é porque o preço dos ingreços é igual lá e cá (paguei vinte euros para um jogo do Werder, enquanto paga-se 40 reais num jogo do Criciúma, na série B), sendo que ganha-se muito melhor lá.

- não sei se é assim nos outros estádios, mas no estádio do Werder, no setor que eu ia, tinha as tais cadeiras, mas elas eram rebatidas. Dava para ficar em pé por isso.

andrebrunelli disse...

Mais alguns comentários:

- quanto à média de público, a diferença entre Alemanha e Brasil para mim é clara: não é porque o brasileiro goste menos de futebol que o alemão, mas é porque o preço dos ingreços é igual lá e cá (paguei vinte euros para um jogo do Werder, enquanto paga-se 40 reais num jogo do Criciúma, na série B), sendo que ganha-se muito melhor lá.

- não sei se é assim nos outros estádios, mas no estádio do Werder, no setor que eu ia, tinha as tais cadeiras, mas elas eram rebatidas. Dava para ficar em pé por isso.

Vifenix disse...

A respeito do segundo vídeo e de tanto outros que acontecem fora da América do Sul em geral:
Para mim, perde a "magia" da torcida um cara puxando os gritos e canções com alto falantes/megafones.
Fica meio artificial.
Mas se nao fosse desse jeito, nao teria toda essa sincronia de pular, cantar e etc...
Do mesmo jeito que é fantastico, é teatral.


Comparando com as organizadas brasileiras, é verdade que cantamos menos. Atribuo esse fato, além de obviamente o "povão" nao ajudar, o ritmo das músicas.
As vezes na arquibancada o samba fica muito acelerado, e as canções de dificil entedimento.
Eu nunca vi o estádio explodir com "Alegria alegria, ole ole olá eu sou da mancha eu estou em festa, eu faço carnaval....".
Agora com musicas mais cadenciadas acontece frequentemente,exemplo "Dalhe alegria alegria o coração...".
Deixando de lado esses detalhes tecnicos, é impagavel a sensação de quando o Palmeiras está jogando com vontade e raça e a torcida responde a mesma altura. Foda-se se ganhar ou perder, eu quero ver o bicho pegar e os 11 que estão lá dentro do campo dê o sangue.


Voltando a questão das torcidas, sabemos o "nosso" destino. Vamos ficar igualzinho aos moldes europeus. Viva o $$.
Eu acho ridículo chamarem o Brasil de país do futebol, quando em SP nao podemos entrar com bandeiras de mastro, fumaças, fogos e etc.
Pra mim, mataram as torcidas paulistas em 1995.


Abraços,

FelixL disse...

@Vifenix:
O cara que mandou a música no segundo vídeo é um dos jogadores.
Eu acho que os nossos dois capi sao simplesmente necessários por causa do tamanho da Südtribüne.
Só a Südtribüne por exemplo cabe uns 26 mil torcedores. Se o pessoal que fica mais perto do gramado canta uma música fica muito difícil (por causa do tamanho do estádio) o pessoal que fica no fundo da arquibancada cantar no mesmo ritmo.
Um bom capo nao canta o tempo inteiro pelo megafone, ele simplesmente escuta o que se canta num lado da arquibancada e passa isso pro pessoal que fica no outro lado para sincronizar as músicas.
Concordo com você que esse hábito tira um pouco de espontaniedade da torcida e também mal acostuma o torcedor. Nos jogos que eles nao permitem megafone ou alguem subir no alambrado a torcida fica muito mais calada. Resumindo, eu nao acho o megafone lá essas coisas mais enxergo uma necessidade.

FelixL disse...

A respeito do preco das entradas existe um movimento que fundamos com várias torcidas de outros times. Nesse site tem algumas informacoes em inglês:

http://www.keinzwanni.de/en/hintergruende.html

No jogo da Copa da Alemanha da semana passada mandamos uma carta amecando o boicote do jogo por causa do alto preco das entradas e fizemos(pela primeira vez na história do futebol alemao) o clube mandante baixar as entradas de 18 a 15 €. Para muitos só foram 3 €, mas para a gente foi um grande passo.
Eu acho que no mundo inteiro as torcidas deveriam se unir mais na lutra contra o futebol moderno!