10 janeiro 2011

Geração Winning Eleven

Futebol moderno: eis aí a expressão abominável para o verdadeiro torcedor. Este blog já abordou muitas das consequências maléficas desta praga dos nossos dias, mas não tinha encontrado ainda o momento adequado para tratar de um aspecto que, embora secundário, é bastante relevante para os ideais desta página: refiro-me à Geração Winning Eleven.

Pois é, você que me lê certamente conhece alguém (irmão, primo, amigo... ou você mesmo, vai saber) que sabe de 1 a 11 (ou de 22 a 99, de acordo com os tempos modernos) a escalação dos principais times europeus. Até de aberrações como o Chelsea, a definição perfeita desses tempos de futebol moderno (notem a quantidade de camisas do Chelsea pelas ruas de SP...).

Não vá pensar você que essa gente conhece a escalação do Liverpool, do Milan, do Barcelona ou do Real Madrid por ter o hábito de acompanhar os campeonatos europeus com afinco ou mesmo de estudar a história dos clubes e do futebol europeu. Nada disso! A relação desses jovens (alguns nem tão jovens assim) é com o videogame e eventualmente com qualquer tipo de material que se preste ao serviço de propagação desses clubes como empresas globais, mais preocupados que estão em vender camisas e bugigangas na China, nos Estados Unidos, no Japão. Ou no Brasil...

É a Geração Winning Eleven. São jovens que desconhecem a história do futebol e que simplesmente se deixam levar pelo que é apregoado por marqueteiros, quer sejam eles daqui ou de fora.

Problema deles, dirão alguns. Bom, provavelmente é mesmo, e eu deveria mais é querer distância de pessoas que vão contra a identidade do futebol. Acontece que surgiu, nesses últimos dias, o momento em que o embate se fez necessário. Tudo começa com uma discussão travada via Twitter entre o grande palestrino Felipe Giocondo e alguns sujeitos que se dizem integrantes da Arsenal Brasil, “a primeira torcida organizada do Arsenal na América Latina”.

Nego fez site, blog, Twitter e tal, e aí foi dar as caras em um programa da ESPN Brasil, proclamando, vejam os senhores, um certo amor pelo Arsenal, clube londrino que não tem qualquer relação com o Brasil ou com o nosso futebol (como nenhum outro clube do exterior, cabe dizer). Isso posto, alguns dos senhores podem estar se questionando: o que tem de mal nisso?

Bom, acontece que não há menor condição moral de alguém torcer por um time que não é do seu país. É evidente que o cara que resolve fazer isso deve ter lá o seu direito constitucional, mas o que se discute aqui é o desrespeito à cultura do futebol. Mais do que um simples jogo e acima de quaisquer interesses financeiros, o futebol é uma manifestação cultural completa, e deve ser compreendido como tal. Mas sim, esta é apenas a minha opinião.

Daí que o amigo Felipe Giocondo foi lá dialogar com os sujeitos que formam essa suposta torcida organizada de sofá. Comecemos pelo fato de ser ofensivo falar em "torcida organizada" quando tudo o que os negos sabem fazer é ver o jogo do time (?) pela TV, a bunda escorada no sofá, a mais de um continente de distância. Ok, adiante.

Fosse só isso, e eu sinceramente teria ficado na minha, porque, afinal, há muitas outras preocupações quando se trata de futebol. Se tivessem os alienados de sofá apenas retrucado a argumentação do Giocondo, e eu igualmente teria ficado na minha. No entanto, e aqui reside o problema, acabei me deparando com a alienação dos comentários pseudo-britânicos, e aí não deu pra segurar.

Vamos começar por este aqui:



"Quantos títulos o seu time tem?"
"O seu time/sua torcida teve repostagens
(não seriam reportagens?) exclusivas na Globo ou ESPN?"
"Sorry if we are the best!"?

Vou me abster. Seguimos com outro bom exemplo:




Está feita a comparação: "times de futebol são como bandas de música". E eu poderia aqui tecer comentários infindáveis sobre a inadequação da proposição e mesmo sobre as implicações do que está sendo dito, mas acredito que meus leitores são inteligentes o bastante para entenderem o que está por trás do raciocínio.

Tem mais:



Ora, ora, ora. O sujeito apelou para o discurso vazio dos títulos. Parece até um leonor falando, não? Interessante notar que o time para o qual o cara supostamente torce é um dos poucos ditos grandes da Europa sem título da UCL. Mas o ponto aqui não diz respeito à questão dos títulos, mas sim à maneira como ele argumenta. "Sucesso"? "Paixão"? Só pode ser brincadeira.

Mais um pra finalizar:



Eis então que lá de Fortaleza, cidade que em muito se assemelha ao norte de Londres, o sujeito vem ostentar o seu orgulho de torcedor de sofá. Bonito, muito bonito...

Em todos os casos acima expostos, não é à toa a opção por um time que disputa a Premier League, torneio que há muito perdeu a sua essência, hoje com times formados quase que integralmente por estrangeiros. Quem banca isso? Magnatas do petróleo, empresários americanos, mafiosos russos, o escambau. Alma? Bom, isso ficou nos tempos de Nick Hornby, nos tempos de Highbury...

Por favor, torcedores organizados de sofá, não vão me dizer que não sabem quem é Nick Hornby. Por favor, não façam isso!

Em Soccernomics, O livro, há um capítulo ("Are soccer fans polygamists?") todo dedicado a estudar o posicionamento dos clubes europeus como empresas globais, dispostas a fazer (???) torcedores (??????) em todos os cantos do mundo. Torcedores? Bom, a palavra mais adequada é "consumidores", uma vez que o objetivo dos grandes europeus quando se trata de América Latina ou Ásia é um só: vender. O discurso da tal diretora de torcidas organizadas (???) do clube londrino reflete bem essa visão expansionista: “Queremos que o Arsenal seja um clube mundial”.

Portanto, um brasileiro que se diz torcedor do Arsenal é na verdade um consumidor da Geração Winning Eleven. Torcedor, nunca é demais dizer, é aquele que vai ao estádio!

Por favor, deixem o futebol em paz! Só isso!

83 comentários:

Bruno Pereira disse...

Não é à toa que os grandes clubes da Europa fazem torneios amistosos em Dubai e pelo resto da Ásia.
O maior problema (a meu ver) é a falta de identificação do clube com os torcedores. O grande exemplo é a Internazionale, que normalmente atua com o time titular sem nenhum italiano. Eu, que sou corinthiano, me identifico com o Corinthians e o que ele representa, assim como você se identifica com o Palmeiras. Agora pergunte praquela pessoa com a camisa do Chelsea o que isso representa pra ela...

Craudio disse...

O caminho para se tornar torcedor passa necessariamente pelas idas ao estádio. Se o cara está no Brasil, não pode ir a jogos em Londres. É lógica, pura e simples.

E as palavras dos tais desavisados realmente se assemelham ao discurso leonor. O que só reforça nossa teoria de que a Vila Sônia é a representante de direito e de fato do futebol moderno no Brasil.

Em tempo: o Winning Eleven é um jogo de futebol feito por japoneses. Por mim, esse detalhe já valeria como justificativa para exterminá-lo. É simplesmente um atentado à bola.

JoãoP disse...

Sinceramente? Não sei o que é pior: neguinho se prestar ao papel de ser "torcedor" de um clube londrino ou a imprensa esportiva oferecer divulgação a uma cretinice destas.

Lamentável, de qualquer forma.

Abraço.

Hiran Eduardo Murbach disse...

é inconcebível torcer para um time que jogue a mais de 100km da cidade onde vc foi criado ou que não esteja capital do seu estado.

Anônimo disse...

Eu sou fanático pelo Real Madrid e não discordo de você. Não vou a jogos e nem sei o hino mas amo ver o Kaká vestindo aquela camisa linda!

Anônimo disse...

Eu sou fanático pelo Real Madrid e não concordo de você. Não vou a jogos e nem sei o hino mas amo ver o Kaká vestindo aquela camisa linda!

Daniel disse...

excelente mano!!!! falou tudo q prcisava ser dito sobre esses babacas q acham q torcem por times de fora!

Alcysio Canette Neto disse...

Desculpa ,mas você está errado. O amor que eu sinto pelo Arsenal é sim algo válido e não é você que pode dizer o que está certo ou errado na minha conduta. Não me patrulhe com seus valores.Sou tão palestrino quanto gooner e isso não tem nada a ver com o winning eleven, mas sim com a mminha paixão por futebol. Se quiser leia o que eu escrevi a respeito.

Forza Palestra disse...

O que você escreveu, Alcysio? Me explica uma coisa: como você pode ser torcedor de um time que não pode ver jogar no estádio? Como pode ser torcedor de um clube que nem é do seu país?
É tudo, como bem disse o Craudio, uma questão de lógica.
Sinto muito: vocês podem ser consumidores de uma marca, mas não são torcedores de um clube.
Torcer por um clube pressupõe identificação com uma história, com uma cultura, com uma trajetória que você precisa obrigatoriamente viver por conta própria e não pelo que te dizem. Simples assim.

Forza Palestra disse...

Outra coisa: "sou tão palestrino quanto gooner"? Ah, por favor, deixe o Palmeiras em paz!

Alcysio Canette Neto disse...

Só clicar no meu nome que vc vai pro meu blog... Eu vou ao Grove, economizo dinheiro pra fazer isso e quando dá, eu vou.
Desculpe, não sou consumidor de uma marca, consumidores de marcas não sabem de todos os jogadores da base, da história do clube...
De acordo com seu raciocínio também não tenho direito de ser Palestrino, já que nasci na Bahia e moro no Rio!Não vou ao estádio, seja ele o palestra ou agora o pacaembu, não fico na arquibancada. Meu comportamento com os 2 é igual quando eu posso, eu vejo, quando posso encontro-me com outros torcedores pra ver pela tv.

Desqualificar um é desqualificar o outro

Forza Palestra disse...

Até prova em contrário, Bahia, Rio e SP pertencem ao mesmo país. Londres não. Tampouco existe uma cultura semelhante, uma vez que sequer latinos eles são.
De toda forma, me contento com essa parte aqui: “Não vou ao estádio, seja ele o palestra ou agora o pacaembu, não fico na arquibancada. Meu comportamento com os 2 é igual quando eu posso, eu vejo, quando posso encontro-me com outros torcedores pra ver pela tv.“
Obrigado.

Alcysio Canette Neto disse...

É , você tem razão, sou um torcedor de merda que arrisca a vida pra ver o palmeiras jogar no engenhão contra o Flamengo, você é que sabe como torcer, parabéns.

Distância não significa nada, muitos palestrinos de verdade nunca terão a chance de ir à Sp ver seu time jogar e nem por isso eles serão menos palestrinos, certo ?

Eu, pessoalmente, me identifico muito com a cultura inglesa, em vários aspectos, mesmo antes de virar um fanático torcedor de futebol. Acho que é isso que você não quer tolerar, a possiblidade de identificar-se com algo distante.

Anônimo disse...

Acclysio,

Primeiranmente, acho que você foi muito homem em se dispor a discutir sobre sua paixão pelo Arsenal num blog como este.

Entretanto, acho que você não pode negar ser a expressão genuína do torcedor "moderno": aquele que não vai a estádios, se contenta em ter contato com o time somente dentro de casa, mesmo que este nem seja de seu país.

Olhando o seu blog, concluí que você admira o Arsenal. Isso é diferente de torcer, espero que você entenda.

Você já chorou depois de alguma derrota do Arsenal?

Abraços a todos

Alcysio Canette Neto disse...

quando o Arsenal perdeu a UCL, não consegui nem dormir cara... quando tomamos uma virada esse ano do tottenham em casa, nosso maior rival, estava na casa de outro amigo gooner, nem almoçamos.

Eu já fui, graças a deus, ao Grove, como sempre venho ver o palmeiras aqui no rio, adoro ir em estádio.

Anônimo disse...

Alcysio,

Queres discutir identidade cultural, com um pseudo nacionalista que tem um blog chamado FORZA palestra? É no mínimo contraditório.

Parabéns, conseguiram fazer eu vir aqui e comentar isso, mesmo tendo jurado que não comentaria nada sobre esse assunto.

Forza Palestra disse...

Alcysio
Peço, por favor, que me explique o seguinte trecho: “... que arrisca a vida para ver o Palmeiras jogar no Engenhão contra o Flamengo”. O que quer dizer isso? De resto, também enalteço a sua disposição de vir aqui e expor a sua posição sobre o tema.

Anônimo covarde
Sim, é covarde, à medida que não assina o seu comentário. Vamos ao que interessa:
O que te leva a crer que eu sou (ou pretendo ser) nacionalista? Não há nada de nacionalismo no meu discurso; a discussão é cultural e o que está em jogo é a essência do futebol, nada além disso. O nacionalismo deve estar na sua cabeça e se você fosse um pouco menos cretino saberia que o Forza se deve à origem italiana do palmeiras. Origem, identidade, raiz, alma. Conhece isso? É melhor pensar antes de escrever merda onde não é chamado.

Anônimo disse...

Tema polêmico. De verdade não acho nenhum problema esses torcedores criarem uma "torcida organizada do Arsenal".Não acho que a distância se torne um empecilho para torcer para um time. Sou Palmeirense, moro no interior de Pernambuco, e infelizmente só assisto jogos do Palmeiras, mas isso não me torna menos torcedor do que aqueles torcedores que vão ao estádio, pois torço, sofro e choro de forma igual à quem vai pro estádio.

Anônimo disse...

"Nego fez site, blog, Twitter e tal, e aí foi dar as caras em um programa da ESPN Brasil, proclamando, vejam os senhores, um certo amor pelo Arsenal, clube londrino que não tem qualquer relação com o Brasil ou com o nosso futebol (como nenhum outro clube do exterior, cabe dizer). Isso posto, alguns dos senhores podem estar se questionando: o que tem de mal nisso?"

Se isso não é discurso pseudo nacionalista.. Quem comenta é o mesmo que escreve?

Por fim, sejam felizes, torçam pro time de vocês que eu torço pro meu. Preocupem-se com o time de vocês. O tempo que perderam para falar do Arsenal, poderiam ta falando do Palmeiras.
A opinião de vocês não vai mudar, a nossa tambem não. Sejamos felizes um achando o outro babaca por não concordar com o que pensamos.

matheusgomesms disse...

Eu acho que você não assistiu à matéria direito. Você não sabe que a reportagem só foi feita porque eles saíram aqui do Brasil para assistir 3 jogos lá? "Torcedor, nunca é demais dizer, é aquele que vai ao estádio!" E eles não foram? Muito contraditório esse post, falando que a EPL só tem estrangeiros. Como se vocês palestrinos não adorassem um "tal" de Valdívia. Muito brasileiro ele... E você nem deu ênfase que o seu amigo Felipe Giocondo que começou com essa palhaçada toda. Ninguém nunca ouviu falar desse rapaz e ele do nada começou a proferir ofensas contra a Arsenal Brasil. Quando eu não gosto de algo, eu prefiro nem tocar no assunto. Se ele ficou ofendido com a reportagem, o problema é dele. Temos que ter cuidado com o que falamos. Parece que ele não tem essa sabedoria.

Anônimo disse...

Me explique essa sua admiração pela Argentina, Maradona, as Hinchadas e o caralho a quatro,para mim isso soa tão babaca quanto os londrininhos tupiniquins
Kleber

Alcysio Canette Neto disse...

Tenta ir sozinho no engenhão para a torcida visitante em dia de jogo do flamengo e vc vai entender.. vc, sem camisa de time e sozinho é hostilizado pra cacete,nego te empurra , é foda...

Enfim, espero que , como nosso amigo do interior de pernambuco bem disse, vocês entendam que amor de clube não tem fronteira, é que nem com mulher, vc não escolhe parar de gostar.

Lu Silveira disse...

Gooners? Eu pensei que fosse gunners, até pelo nome do clube (Arsenal) e o escudo, com aquele canhãozinho maneiro.

É claro que a torcida organizada apareceu em canal ESPN - que outro canal investe tanto e tão pesadamente contra o futebol brasileiro?

Ainda assim, não entro no mérito dos caras torcerem pro Arsenal. A identificação com outros valores que não os nacionais, valores extra-territoriais, e outras formas de vivenciar o futebol, existem e estão aí pra ficar. Querer delimitar o que é torcer de fato e o que é admirar, sem vivenciar o que esses GOONERS vivem, é pretensão.

Conheço um monte de palmeirenses de fora da capital que nunca foi ao estádio. Arquibancanda também custa caro, por isso não vou a todos os jogos do meu Palmeiras. Fiquei mais de um ano sem carteirinha de estudante. Não admito que me digam que sou menos torcedora por isso, porque aí caímos na lógica do CONSUMO e do PODER AQUISITIVO, próprios do futebol moderno.

São meus "dois centavos" na discussão.

Forza Palestra disse...

Anônimo
Reitero que só imbecis como você são capazes de enxergar nacionalismo em uma questão que envolve apenas e tão somente o futebol como manifestação popular. Só isso. Não haveria problema algum se eu fosse nacionalista, mas não é o caso. O que está julgamento é o maldito futebol moderno e, junto com ele, os alienados como você.
Pra reiterar mais um ponto: se fosse apenas a iniciativa de vocês, eu nada teria escrito. Fodam-se vocês! Mas a coisa muda de figura a partir do momento em que soltaram comentários alienados no Twitter (caso destes que estão aí no blog).

Matheus
Eu vi a matéria. Nada contra a matéria ou contra o fato de alguém ir até Londres para ver um jogo de futebol (até porque eu mesmo faço coisas parecidas, mas pelo meu time ou pelo amor ao futebol). O que está em jogo é o futebol moderno e a submissão de um grupo às empresas globais, conforme explicado de muitas maneiras diferentes no meu post.
Não é à toa que você aparece com destaque neste post com seu tweet infeliz. Porque, veja só a imbecilidade, você quer comparar os times que jogam com 11 estrangeiros na Premier League a um chileno que joga no Palmeiras. PQP! Pense em outra melhor. Até porque, sujeito, eu quero que se fodam os jogadores. Não são eles que me importam, mas sim o clube.

Kleber
Futebol é alma. E alma é o que mais existe na Argentina. É lá que o futebol mais vive. Isso acontece também em alguns campos da Inglaterra, de países do Leste Europeu e em outros pontos aqui e ali, mas é só por resistência popular. Se dependesse dos marqueteiros, dos empresários e dos alienados que os seguem, o cenário já seria bem diferente.
A minha dedicação pelo futebol é tão grande que me permite ir a todos os jogos do Palmeiras onde ele jogar, manter esse blog, participar da vida política do clube e ainda acompanhar aos campeonatos de fora daqui que merecem a minha atenção. O Campeonato Argentino, marginalizado pela nossa mídia esportiva, é o principal deles, uma vez que pratica-se por lá um futebol com alma. O que me importa não são os clubes globais, os grandes astros e as jogadas de marketing, até porque eu desprezo isso tudo. O que me importa são os clubes (na essência do termo) e as torcidas, e, quando se trata disso, nada se equipara às hinchadas portenhas.

Alcysio
Tenta ir sozinho no engenhão para a torcida visitante em dia de jogo do flamengo e vc vai entender.. vc, sem camisa de time e sozinho é hostilizado pra cacete,nego te empurra , é foda...
Porra, tá brincando que você vai querer me dizer como é ir ver um jogo como visitante? Logo você? Primeiro dá uma olhada no blog e veja com quem você está falando, meu caro. Ir ao Engenhão ou a qualquer outro campo como visitante é algo que eu faço desde moleque. Estou acostumado a isso, e não alguém como você que vai me falar sobre “ir a estádios”. Tente outra, por favor.

Lu Silveira
Os torcedores são gooners em referência ao clube (Gunners).
De resto, como eu já deixei claro no texto, o post só existiu porque o discurso alienado tomou conta das argumentações contrárias. Apenas isso. Eles têm todo direito de torcerem por quem quiserem; só não venham querer transmitir a alienação como se fosse algo positivo. E, pior, não venham dizer besteira para quem vive o futebol em toda a sua essência.
Quanto a ser mais ou menos torcedor, é assunto para outro post – e quem tiver paciência encontra as referências no histórico do blog.

QlikView disse...

Concordo com a Lu Silveira. Comecei a torcer pro Palmeiras em 1990, sem um só membro na familia que torcesse para ele, ao contrário, torciam contra.

Nessa época morava em Rondônia, hoje, moro em Curitiba, estou mais próximo de SP, mas nem assim é tão simples ir ao estádio, e assisto a maior parte dos jogos pela TV.

E aposto que sou mais torcedor que muitos que vão ao estádio.

Hiran Eduardo Murbach disse...

Peraí Alcysio, deixa eu ver se eu entendi:

vc economizou dinheiro para ir ver o Arsenal em Londres, mas não pega a ponte aérea pra ver o Palmeiras no Palestra?

fala que foi passear em Londres e aproveitou pra ver um jogo q é mais legal... se eu for pra Londres um dia, também gostaria de ver um jogo, mas não se compara com o Palmeiras. Como torcer pra uns caras q nem sabem onde fica meu país

Forza Palestra disse...

Bem observado, Hiran.

E aí o QlikView me deu um ponto de partida bem interessante para um próximo post. Tá aqui: "E aposto que sou mais torcedor que muitos que vão ao estádio."

Aguardem.

Anônimo disse...

Texto bem infeliz,eu tenho simpatia pelo Atletico de Madri e gosto de vestir camisas de times internacionais,isso é um crime????

O cara não pode curtir futebol internacional e achar que o Cristiano Ronaldo craque que é da geração ''Winning Eleven'',o outro comentario falou que a Espn faz propaganda contra o futebol brasileiro?????
Ah para vai,só por quer é a unica emissora independente do Brasil é fala das falcatruas do Ricardo Teixeiras ela faz ''Campanha contra o futebol brasileiro'',esse ai deve gostar da babação da Globo/Sportv,porque para eles o futebol Brasileiro está uma beleza....

Sobre o autor,porque não faz um texto sobre as eleições e sobre o começo do paulista????
Odeio nego que cria polemica com outra torcida só para ganhar Page-Views...

Eu sou Atletico na Espanha e Palmeirense no Brasil,eu estou cometendo um crime contra a nação????Deixa eles serem felizes com o Arsenal e vamos cuidar do Palmeira???

Eita papinho de ''Brasileirinho'' como diria Mauro Cezar Pereira....

Ahhh e meu nome é Johnny Meireles Barbosa,só falo para não me chamar de covarde(Como se mudasse alguma coisa a pessoa botar o nome....rsrs)

Rafael-DF disse...

Eu encaro futebol de uma forma muito simples: Futebol = Paixão

Logo, pra mim não cola esse papo de aki sou time A, la sou time B e acolá sou time C

Eu sou Palmeiras aki no Brasil, fora do país, na puta q pariu q for eu sou só Palmeiras

Laís T. Morás disse...

Bom.. não acho que um torcedor deva ser desqualificado por não ir ao estádio.. Principalmente se não tem condições ou mora longe e tal.
Também não vejo mal nenhum em torcer pra um time de outro país..
O que não concordo é falar que no Brasil você torce pro Palmeiras. Na Inglaterra, Chelsea. Na Itália, Inter e etc.
Time do coração só existe UM. Uma coisa é torcer, outra coisa é ter simpatia, como vemos com alguns torcedores de Palmeiras e Vasco.
Ou você é palmeirense ou é vascaíno. Se é assim que funciona com times daqui, é assim que funciona com times de "lá". MINHA opinião (:

Tássia Camargo disse...

Caras, de boa. Cada um tem o direito de pensar o que quiser, entendo que vocês não conseguem aceitar essa torcida pelo Arsenal ou por qualquer outro time europeu. Mas é ridículo a tamanha falta de respeito de vocês, principalmente no Twitter.

Como já falaram, tem muita gente no Brasil que torce pra time de um estado que nem é o seu. Dá quase no mesmo. E nem venham dizer que é o mesmo país pelo menos, que não tem 'nada a ver'! Quem vê vocês falando assim, acha que são muito patriotas né?

Não interessa se meu time é daqui (sou Gremista, só pra registro), da Inglaterra ou do raio que o parta!! Com relação ao Arsenal, não sou da geração Winning Eleven, até porque pouco joguei isso na minha vida. Conheci o clube de outra maneira e eu não o 'escolhi' pra torcer. ELE me escolheu!! Ir ou nao ir ao estádio é um 'detalhe' já que muitos torcedores aqui no Brasil tb nem vao assistir partidas 'in loco'!! E isso não faz com que eu seja menos torcedora do que os que vão ao estádio!

Sei que não foi pra mim, mas responderei também: SIM, eu já chorei pelo Arsenal! Na final da UCL em 2006 (torço desde 2002, outro registro) chorei por demais, não consegui dormir por dias. Se fosse só uma admiraçãozinha barata eu duvido que choraria... Estaria 'cagando e andando' pra isso.

Fábio Niterói disse...

Nunca assisti a jogos do campeonato inglês. Nem consigo sequer intuir que tipo de motivação ou sentimento leva uma pessoa a, digamos, torcer pelo Arsenal.

Já que este blog é um espaço livre, modestamente exponho meu modo de torcer: por princípio, não acompanho campeonatos (tabela, classificação etc.) de que o Palmeiras não participa. Mas em nome do bom futebol, assisto a alguns jogos interessantes que não são do Palmeiras. Mas para assistir a um jogo do Arsenal (ou do Barcelona, ou do Milan, ou de qualquer coisa destas), só mesmo se for contra o Palmeiras.

Com relação ao Engenhão: é um estádio sem nenhum atrativo. Uma belíssima merda. Casa de ninguém.

Forza Palestra disse...

Johnny Meireles Barbosa
1. “Ganhar page views”? Tem certeza que veio comentar no blog certo. Olha só, cara: meu blog não tem nenhuma pretensão comercial. E se existe uma coisa que eu não faço aqui é abrir concessões para temas banais ou para qualquer tipo de assunto que possa, digamos, ampliar o número de leitores que vêm aqui. O que me interessa é escrever para as pessoas que pensam como eu e, como você pode observar, o meu grau de exigência é bem alto. Logo, não são todas as pessoas que se dispõem a vir aqui e ler os meus radicalismos. É melhor você rever o seu comentário.

2.Voltando ao começo:
Atletico de Madrid. Taí um grande time. É o meu time na Espanha – o que não faz necessariamente torcedor dele. Assim como não posso ser chamado de torcedor da Roma, do Arsenal (vejam vocês...), do Marseille, do Ajax. Nem mesmo do Racing ou do San Lorenzo.
Como dito, só dá para torcer por um time, e este time nunca pode ser de outro país, pelo impeditivo lógico de você não poder viajar de um continente a outro para vê-lo em campo.
Como você, também uso camisas de times de fora, mas é por identificação com as histórias e por gostar muito de futebol. Felizmente tenho os meus critérios particulares e jamais usaria uma camisa da aberração que é o Chelsea, por exemplo.
3.
Para finalizar, já escrevi este ano mesmo um texto sobre o começo da temporada. Se você me trouxer uma pauta relevante sobre o início do Paulistão ou sobre as eleições do Palmeiras, eu prometo que posso escrever. No entanto, como é fácil observar, este não é um blog de notícias e eu não tenho nenhuma intenção de escrever sobre banalidades.

Tássia
Nenhum clube escolhe seus torcedores. O processo é inverso. E “ir ou não ir ao estádio” não pode nunca ser detalhe. No dia em que isso acontecer, esteja certa de que o futebol chegou ao fim.

Matheus Furtado disse...

O que parece que nao entra na cabeça desses 'torcedores' é: que tipo de identificação alguém tem para ficar babando ovo de time estrangeiro?Ninguém aqui impede de assistir ao jogo q bem entender, como vc pode fazer o que bem escolher, mas não venha a nós palmeirenses, vascainos, corintianos, pontepretanos, santacruzenses, riobranquenses,dizer que o que voces 'sentem', vendo os posts do PVC na ESPN, ou discutindo em fóruns sobre o valor da 'marca' arsenal, 'marca' chelsea e o caralho a quatro, que toda essa merda é o mesmo que realmente torcer para um time que tem identificação com seu povo, que te representa simplesmente pelo que é, não pelo que suas diretorias de marketing QUEREM parecer ser, para poder vender e ganhar $$ em cima de sua pretensa paixão como 'torcedor'.

Mais: nunca lhe ocorreu a você, gonner, madridista ou milanista, que você escolheu (ou foi escolhido , vejam que azar) seu time através de uma coisa chamada, pasmem, MÍDIA ESPORTIVA ?

se isso é liberdade de escolha, tá certo.

Anônimo disse...

Às 19:30 do próximo sábado o Palmeiras joga.

Eu vou.

Onde você estará no próximo jogo do seu time?

Johnny Meireles Barbosa disse...

Com relação aos Page-Views,eu só acho estranho que no seu blog a media é de 10 a 20 comentarios(sem nenhum menosprezo ou deboche) e justamente nesse post já esta quase no 40,ou seja o dobro de page views,aposto que gente que nunca ouviu falar do teu blog veio aqui só por causa do tema ''polemico''.

Eu nunca disse que vc quer ganhar dinheiro,mais nós palmeirenses sabemos que tem muito nego (principalmente em twitter e em blog) que gosta de inventar ''bombas'' só para ter certa influençia nas pessoas e consequentemente o ego massagiado.

Olha,tema nas alamedas do palestra italia não faltam,eu sugiro que vc faça um perfil dos candidatos a presidençia,é muito mais produtivo que fazer um post atacando torcida que nem rival é....

Forza Palestra disse...

Johnny Meireles Barbosa,

Você quer mesmo que eu te explique a diferença entre page views e comentários? Tem certeza?

De toda forma - e eu nem sei porque cazzo estou respondendo isso a você -, a média histórica de comentários gira em torno de 17,3 por post. "Média". Significa que alguns textos terão menos comentários e outros mais. Simples assim.

Todos os dias devem entrar pessoas aqui que nunca viram o blog. Como outras entram todos os dias. É para estas que eu escrevo.

Logo se vê que você nunca entrou no blog e vem agora querer fazer graça, né? Daí a escrever "presidênçia", "influençia" e "massagiado", é um pouco demais pra minha cabeça.

Por fim, você não me conhece, não sabe qual é a linha do blog e tem mais é que procurar outros espaços para fazer sugestões cretinas.

Na boa.

Alex - Aqui tem um bando de porcos, rindo de ti curintia. disse...

Leio regularmente este blog a mais de dois anos, e entendo a luta contra a modernização do futebol, o exemplo de paixão dos argentinos, etc.
Sou palmeirense "doente" desde 1976, frequentei os estádios Palestra, Pacaembu e Morumbi quase que exclusivamente em clássicos paulistas, de 1980 a 1988 e após este período, em poucas partidas fui, mas vou sempre defender meu clube de coração discutindo e debatendo com torcedores de qualquer outro time e até do meu time se estes depreciarem nosso clube. O meu Palmeiras é o maior de todos, o maior campeão do mundo todo.
Não concordo em alguém torcer para mais de um time. Também nunca vesti e nunca vestirei camisa de nenhum time do Brasil ou do mundo que não seja do meu Verdão porque considero uma traição.
Também não gosto de assistir jogos que não sejam do Palmeiras, com raríssimas exceções.
"Respeito quem curte, mas na minha opinião torcer pelo Arsenal ou qualquer outro em outro continente ou país é "conversa pra boi dormir"

Rafael disse...

Porra, os caras insistem que tem razão...
não sou contra gostar de times europeus...pelo contrário, acho até bom sair um pouco do lixo que está o futebol brasileiro...
Gosto da Lazio, assisto os jogos quando transmitem, acompanho pela internet e só.
Não posso me dar ao direito de fundar a Ultras Lazio Brasil, só pelo fato de acompanhar tal time.

E outra coisa que destaca mesmo a geração Winning Eleven: não vemos torcedores do Leeds, Derby County, Albinoleffe, Treviso, e afins...é só Arsenal, Man. Utd., Chealsea, Milan e Internazional...pq só estes se destacam!

Davi Luiz disse...

Perguntem pros torcedores do Arsenal, aqueles que frequentam os estadios, que nao param de cantar 1 minuto atras do gol, que se reunem antes de todos os jogos e fazem disso uma religiao se vcs sao torcedores iguais a eles!

Na boa, nao tem como discutir esse tema com quem so acompanha seu time pela tv. Sao concepçoes totalmente diferentes!

obs.:meu teclado ta sem acento!

Johnny Meireles Barbosa disse...

Não vou mais discutir com vc mais,infelizmente eu luto contra dislexia e sofri muito na escola por isso e ainda não domino o portugues completamente,continue sendo o Cosme Rimoli da midia palestrina.

Obs:Eu acompanho o teu blog a mais de 1 ano......Desculpe por ser contrario a essa opinião,só não me ofenda.

João italo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Sergio Batista disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...

Os inglesinhos perderam a razão e perderam a linha também....

Adão disse...

Curti o texto do Barneschi, muito bom. Mas a opinião contrária tb é válida. O Arsenal é um time simpático, até por conta de ser o time de Nick Hornby, que escreveu o melhor livro sobre futebol que existe (muito citado neste blog).

José Antonio disse...

É a moda.
Gostar de times Europeus.
Achar que o Cristiano Ronaldo é o melhor jogador do mundo(mas antes de tudo é um gato).
Assistir jogo pela televisão tomando coca-cola.

Puta que pariu... isso vai contra tudo que acredito.
Sou palestra desde sempre.
Meu avô era, meu pai era(e qdo criança, ia ao estádio da fonte luminosa em araraquara só pra ficar ouvindo a torcida de fora do estádio pois não tinha dinheiro pra entrar), eu sou e meu filho vai ser.
Não fiz 12 anos e comecei a jogar video game e virei torcedor do meu time preferido do PS3.
Tomar cerveja em doses cavalares anets, durante e depois o prélio é sagrado.
Comer akele rango gorduroso depois é sagrado.
Gritar e xingar e incentivar o Palestra junto de dezenas de milhares de irmãos que amam um mesmo clube é sagrado.
Isso é quase uma religião.
E ser modinha torcedor de time europeu é contra tudo que eu acredito.


Finalmente o futebol volta nesse fds e tira aquele vazio que fica no nosso peito.
Chega de fofoca e especulação... vamos acompanhar novamente FUTEBOL !

FORZA PALESTRA
ÓDIO ETERNO AO FUTEBOL MODERNO !

Luiz disse...

Resumindo: Os "gunners" se tornaram torcedores do Arsenal, nós sempre fomos Palmeiras. No nosso caso, inexiste o período pré-Palmeiras. Só isso basta mostrar o quanto somos diferentes.

Esses torcedores - eles gostam de ser chamados assim - são equivalentes aos torcedores desses times-empresa europeus que residem na África ou na Ásia, representam aos ingleses apenas a ampliação do mercado consumidor.

Por fim, desencana de dar satisfação sobre o que você escreve ou deixa de escrever aqui.

Verena Ferreira disse...

Dizer que Rodrigo Barneschi escreve as coisas para ter o "ego massagiado" é o tipo de coisa que fala quem nunca entra nesse blog e definitivamente não faz ideia de quem é ele!

Luan disse...

A cada dia te admiro mais pela sua luta contra a praga do futebol moderno! Seu texto e seus argumentos vencem qualquer tipo de resposta que venha da turma do winning eleven ou de qualquer merda que represente o futebol moderno!
MEU TIME E MEU AMOR É O PALMEIRAS E MAIS NADA E MAIS NINGUÉM!

AVANTI PALESTRA!

Yuri disse...

OFF-TOPIC:

Pessoal, viram o cadastro das TO que a FPF lançou?

Pq a Independente não tá, colocaram a Dragays da Real como TO do SPFW... deu merda? Mas como se o Schmidt é bambi?

Lu Silveira disse...

Concordo com o blog, positivo não é - até porque os veículos de comunicação que sustentam esse discurso não o fazem por cosmopolitismo, é por grana e audiência, mesmo.

(E essa para um dos anônimos, o Johnny, que falou da independência da ESPN: é fácil ser independente e criticar quando não se consegue furar o monopólio de transmissões da Globo; aliás, independência e crítica são as únicas coisas que sobram nesse caso)

Dizer que isso é papo de "brasileirinho", me desculpem, é comprar discurso pronto de quem tem representatividade TRAÇO. Eu sou palmeirense doente, nem sempre vou ao estádio por questões de grana e penso sim que algumas emissoras menosprezam sistematicamente os times brasileiros porque não são detentoras dos direitos de transmissão dos campeonatos daqui. Sem falar que nas transmissões desses canais, eu pego cada batatada! São europeuszinhos de meia pataca.

Ah, sim: e tenho o FC Barcelona como meu segundo time. Não vou nem entrar no mérito de raízes, basta dizer que comecei acompanhando o Barça desde que Rivaldo se transferiu de nosso clube para o dos catalães (1997). Não demorou muito para que eu me identificasse com sua trajetória e espírito nacionalista, paradoxalmente, inclusivo. Assim que não compro o discurso de "brasileirinhos". Assisto jogos, torço para que ganhe e fico triste também com algumas derrotas. Mas essa simpatia não é, nem de perto nem de longe, a paixão que eu tenho pelo Palmeiras, assim como o Camp Nou nunca será minha casa como, um dia, o Palestra Itália foi.

A briga do Palmeiras, ponto a ponto no Brasileirão em 2009, teve MUITO mais emoção do que qualquer uma dessas ligas.

De resto, gosto muito do blog e acompanho desde 2008, mas é a primeira vez que deixo comentários. Abraços.

João disse...

Uma dúvida: o sujeito que fez algumas colocações no início da discussão, o Alcysio, é o mesmo que ofendeu no Twitter um palestrino, utilizando argumentos cretinos e completamente desprovidos de civilidade?

Pergunto sinceramente. Pergunto porque, pelo que entendi, quem inicialmente se enveredou pelo caminho das ofensas foram os "torecedores ingleses"...

Pedro Pellegrino disse...

Barneschi, mudando um pouco de assunto, você já reparou o que tem de camisa do verdão nas ruas? Eu acho que nem na época de Edmundo, Evair( e em 98 até 2001), eu não via tantas pessoas com a camisa do Palestra, o que será que está acontecendo? Taí um bom assunto pra se você quiser escrever, já tenho até o título:" O Milagre da Multiplicação das Camisas" rs, abbraccio.

Gabriel Oliveira disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Gabriel Oliveira disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Forza Palestra disse...

Matheus Furtado
Bom este argumento da mídia esportiva.

Johnny Meireles Barbosa
Papo furado! E você caprichou nessa do Come Risoli, viu? Você sabe do que está falando?

Adão
Nada contra o Arsenal, meu caro. Pelo contrário. Tudo contra o Chelsea e outros times artificais, mas nada contra o Arsenal. Não é isso que está em jogo.

José Antonio
Grande comentário!

Luiz
Tem razão, meu caro. "Virar torcedor" de algum time é algo inadmissível!


Obrigado!!!

Yuri
Não vi isso. Você tem a notícia aí?

Lu Silveira
Obrigado pela audiência e pelo comentário.

Forza Palestra disse...

Só foram excluídos os comentários ofensivos. Perderam a compostura, é?

Anônimo disse...

Nossa... isso que dá chegar em casa meio breaco e entrar pra ler alguma coisa.

Acabei de ver uns caras que têm certeza que são torcedores do Arsenal e moram no Ceará, no Rio...

Sei lá, melhor dormir...

Abs

Gabriel

Paty disse...

Era só o que faltava pra essa geração.... Quer dizer se eu chorar significa que sou torcedor?Sou torcedora de novelas,jornais, programas semanais...Chorar é facil,o duro é aguentar ás piadas dos adversários no dia seguinte de uma derrota.Zoar e ser zoado, isso faz parte de uma torcida, coisa que os "torcedores" do Arsenal não saberão nunca.

Anônimo disse...

hahahahaha...e ontem deve ter sido dia de luto pros grandes torcedores brasileiros do Arsenal...hahahaha..perderam do IPSWICH!...acho que os caras não foram nem trabalhar hj, viu... hahahahahahah
vá pro inferno com esta porra de torcer pro arsenal...e o pior é que o cidadão ainda se diz palestrino.....isso de querer ser superior e torcer p/ um time de fora é coisa de BAMBI-MALDITO e não palestrino de verdade!! vsf futebol moderno do caraio!

Porco Careca!

Anônimo disse...

os amendoins foram substituídos por tratores!!!

que saudade dos amendoins!

http://umpalmeirense.com.br/?p=3341

porcocareca

Rafael Perobeli disse...

Ontem assistindo a apresentação do R. Gaucho no Flamengo quase vomitei!!! A palavra mais usada pelo comentarista PCV na Sportv era "atrair consumidores"! Dá nojo né??? VSF futebol moderno!

Yuri disse...

Aqui o comunicado da FPF sorbe TO

http://goo.gl/enjYn

Lordinho disse...

Vou deichar meu protesto nesse blogui, pois ofendeu minha inteligencia.

Eu adoru o Chelsea. É o melhor time do mundu e tambeim o mais rico.

Nem o Felipaum aguento a pressaum e pediu para sair. Eh soh para quem podi.

E naum vem com esse papu de perguntah pra mim se eu sei a data de fundaçaum do chelsea e si eu sei cantah o hino ateh a segunda strofi pq eu sei! tah? eu pesquisei tudo!

To fazendu uma torcida organizada du chelsea aqui no meu bairro, jah tenho 3 membros!

Luan disse...

esse último só ta te zuano Barneschi. Só rindo mesmo. Como pode ter tantos desocupados assim no mundo.

AVANTI PALESTRA

Marcel MV disse...

Fala Major, tudo certo?

Cada patifaria que nego põe aqui que da vontade de chorar né...

Passei aqui só pra deixar meu salve e falar que as mensagens do Luydy na praia tão irritantes hahahah... Até sábado.

Abraço a todos...

Forza Verde disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Forza Verde disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Forza Verde disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Cesar disse...

Nossa, mta gente vem comentar aqui e sequer entende o que o tópico quer dizer!!

No mais, eu não entendo como alguém pode torcer para dois times, sendo um deles à distancia!! O caso do Forza Verde ainda é mais coerente pq ele tem um HISTÓRIA por trás disso tudo, e não se diz Palmeiras e Inter simplesmente porque gostou da Inter, mas ainda assim, acho difícil de compreender...

Forza Verde disse...

Darei minha opiniao sobre o assunto.

Nasci em Sao Paulo/SP. Nasci palmeirense. E desde entao sou socio do clube, com menos de 1 mes de vida ja tinha minha carteirinha. Nasci em 1976, enfrentei a fila e jamais deixer de torcer. Frequentei e frequento estadios desde a mto tempo. Mesmo nao morando em SP eu costumava ver mtos jogos do Palmeiras, seja na capital seja no interior.

Até meus 25 anos vivi na capital. Depois nos oito seguintes anos vivi em Ribeirao Preto/SP. E dos ultimos 24 meses passei 20 em Milao. Para onde volto dentro de alguns dias.

Milao. Cidade natal de meus avos paternos. Interistas de uma familia toda interista. Mas desde que chegaram ao Brasil, o primeiro amor em terras tupiniquins foi um tal Palestra Italia. Desde entao meus avos interistas se tornaram palestrinos, se tornaram socios e se tornaram frequentadores assiduos do Palestra Italia. Sem jamais esquecer a paixao pela Internazionale.

A pouco tempo fiz o caminho inverso. Em Milao sou interista, compro produtos oficiais da Inter, sou socio da "Boys San Milano" umas das organizadas que constituem a "Curva Nord" e claro, frequento o Giuseppe Meazza pois comprei o carne para os jogos da Inter.

Dito isto pergunto, deixei de torcer pelo Palmeiras? Nunca! Ando em Milao e vou a jogos da Inter com a camisa do Palmeiras em algumas ocasioes (e encontrei dois interistas com a jaqueta retro do Palmeiras, disseram que conhecem o Palmeiras e sua historia). Mas posso dizer sim que tbm sou torcedor da Inter. Nao apenas me simpatizo, isso é coisa de bambi. Torço sim pelo Palmeiras e pela Inter.

Por isso nao acredito que meus avos e eu sejamos menos torcedor de um ou de outro.

PS.1: Concordo em qse tudo com o Barneschi, tenho uma visao diferente apenas no que diz respeito a torcer para algum time de fora do Brasil. Desde que nao sejam aberraçoes como o Chelsea por exemplo...

PS.2: Sendo fanaticamente apaixonado por futebol é obvio que acompanho os principais campeonatos tanto na América qto na Europa e claro que tenho minhas preferencias em cada pais como River Plate, Penarol, Bayern Munchen, Olympique Marseille, Arsenal, Celtic, Real Madrid, Ajax, Porto, Panathinaikos, Dynamo Kyev.

PS.3: Continuo socio do Palmeiras. Continuo pagando a mensalidade do meu titulo de socio da capital mesmo a mais de um continente de distancia.

Luix disse...

Torcedor é um coisa, simpatizante é outra. Ser torcedor pressupõe que você vá ao estádio. Se você tem medo de ir ao estádio, mude de esporte. Ou melhor, procure outro ENTRETENIMENTO (como os crápulas chamam o futebol). Se você mora em outro estado, em outra cidade, em outro país, vai ser difícil você ser um torcedor de um time de outro lugar.

Fernando disse...

Existe uma terceira forma de se relacionar com um clube de futebol que não é nem a de torcedor (aceitando seu conceito de que torcedor é aquele que vai no estádio) nem de consumidor: existem clubes que por sua história despertam uma admiração ( ou, a contrariu sensu, antipatia) que se não pode ser chamada de torcida também não pode ser chamada de relação de consumo. Exemplos - simpatizar-se com um Barcelona, menos por ser o "bicho-papão" do momento, mas principalmente por ser o clube que historicamente representou a oposição ao governo franquista, claramente vinculado ao Real Madrid. Aliar-se a um dos lados no Derby escocês por concordar com a fé (católica ou protestante) que ela representa. Deixar-se contaminar pela petulância de uma torcida que entra em nossa casa, para o nosso último jogo em nossa velha casa, e estender uma faixa "Não fazemos amistosos"...

Tio Randas disse...

Então, eu curto o Arsenal. Se é torcer ou não, acho que isso aí é semântica. Passei a vida indo a estádio de futebol, hoje já não vou mais, por uma série de razões. Eu só acho que o rapaz que vai a Londres é mais palmeirense que o Hiran, por exemplo, que escreveu um post de exaltação à Barbarense quando eles ganharam da gente no Palestra em 2003, eu acho isso aí muito mais foda do que torcer pro Arsenal...

Bom, já tá claro que pensamos de forma bem diferente sobre esse assunto, mas a vida segue.

zerrenner disse...

Isso é pior que Palmeirense que torce pra seleção da Itália contra o Brasil na Copa... ¬¬

Deprê.

Nereu A. S. Jr. disse...

De fato foi a modernidade que trouxe à tona estes times europeus, suas propagandas grandiosas para chamar torcedores... fizeram com que surgisse esse tipo de torcida. Agora voces me digam, como que começaram a torcer pelo Arsenal? Como que começou isto? Foi de repente, um olhou pro outro e disse "vou torcer pro Arsenal?" Foi porque o simbolo é bonito, ou vcs olharam pra todos famosos europeus e decidiram "vou torcer pra este!"?? Torcida começa sempre com uma historia, seja familiar, ou de amizade, um sentimento, algum jogo em especial, rivalidade... tudo isso conta e acho dificil acontecer para um time europeu. Pra fechar me diga, Alcysio, ja que vc citou que é palmeirense: imagine a final do Mundial de clubes, Arsenal x Palmeiras!! Vc vai torcer pra quem?

futebolememoria disse...

Cara, gostaria de pedir sua permissão de reproduzir este post em meu blog.
Darei os devidos créditos, obviamente.
Ele é abrangente demais. Se melhorar, estraga.
Aguardo.
Abraço.

Forza Palestra disse...

Meu caro,
Nem precisa pedir. Fique à vontade.
Abraços

Anônimo disse...

Cara, bem verdade que este seu post só explicou o que sentem torcedores de outros estados que são obrigados a viver com palmeirenses, flamenguistas, corinthianos e vascainos que nunca sequer foram ao estádio ver seu time, torcedores de sofá que usam o mesmo argumento que o seu: "ah mas o coxa, o sport, o bahia não ganham titulos" ou seja são meros consumidores da mesma forma. Da mesma forma que são bombardeados por marqueteiros principalmente da rede globo, que monopoliza os seus espaços com notícias e bastidores de times do eixo rio-sp. Eu sou de outro estado e tenho que perder tempo no noticiario esportivo vendo o que o kleber falou no vestiário ou o que o pierre pediu à Deus antes do jogo..e por aí vai. Cheguei de gaiato na historia atraves de um post em uma notícia do luisnassif.com, mas pense que a situação é exatamente a mesma. Assim cada vez mais há uma elitização do futebol, onde aqueles que possuem exposicao tem maior poder de negociacao com patrocinadores, formam portanto melhores times e acabam angariando torcedores de outros estados: "afinal o que seu time ganhou?"

Rodrigo DuContra disse...

eu tbm dei umas pancadas nesses idiotas da arsenal brasil via twitter. bizarro, mostrou uma matéria na espn brasil, 3 nerd e uma gordinha... PATÉTICO.

E um gambá misto dizendo-se 80% arsenal 20% gambás.

Um outro gordinho nerd dizendo: ñ gosto do futebol brasileiro pq aqui a arbitragem apita qualquer faltinha, que argumento imbecil.

Aliás, vc vê na matéria que ninguem ali nunca pisou num estádio, acham que futebol é balada, que torcer é status.

gregorio disse...

Gostei da discussão de vocês(tua e do tal do felipe), entendo o ponto de vista de voces, eu moro em SC o time da minha cidade foi extinto em 2005, torço pro sao paulo desde de os 5 anos, só vi o jogo dele em floripa contra o avai e o figueira, e é inegável que é uma emoçõa, que nao tem tela HD que iguale, embora a televisão também sensibiliza, duas das minhas maiores emoçoes no futebol foram na TV copa de 94- penalti do baggio(tinha 8 anos) e mundial de 2005 – gol do mineiro e milagres do rogério ceni, eu penso que torcer pra um time de fora do país soa um pouco estranho, mas entendo, sei lá o mundo é tão global que tudo é possível, entendo mas não consigo ser assim.

E outra tenho uma saudade do time que eu ia na arquibancada que não existe mais o Atlético Alto Vale que deixou de existir em 2005, a emoção que tive no título da segundona do catarinão de 96 e no segundo turno do catarinão de 2000 se igualam as emoções citadas acima,

sinto também uma tendencia de gosto à politização(vide op foraRT) e ao mundo alternativo do futebol, tipo Ilhas Salomão ou Samoa Americana.

Resumindo

me senti entretido na discussão de voces
Mas para mim é inegavel que tanto os dois lados da briga estão acima do jornalismo global joão sorrissão
e por fim digo que tenho inveja da torcida do santa queria viver aquilo


abc
gregorio

andrebrunelli disse...

Pior que além dessa geração W11, temos as gerações de brasileiros que torcem para um clube - brasileiro também - mas que fica a mil quilômetros de distância. Torcidas de "mengão", "timão" e outras pragas. Podem botar nesta lista todos os clubes tradicionais (odeio essa expressão; prefiro "que aparecem mais na mídia cabeça-oca"). Acho até aceitável quando se torce por um clube de longe por falta de um time local, com que a pessoa se identifique, mas certas aberrações que me dão nojo.

semana passada, por exemplo, vim a Florianópolis (só para constar, sou de Criciúma e torcedor fanático do Tigre). Por coincidência, estava em um apê bem ao lado do hotel em que o Flamengo se hospedou. Havia uma massa de gente local, com camisas rubro-negras, se esgueirando para tentar uma foto, um autógrafo, um filho, qualquer coisa, com os jogadores. Eu, particularmente, odeio a dupla de times de Floripa, como todo torcedor do Tigre, mas fiquei sinceramente mais irritado de ver aquele bando de alienados "torcendo" por um time que não faz parte da identidade deles.

Digo que não faz parte porque sei muito bem o que é a emoção de girar a catraca de um estádio e torcer ao vivo, junto com a massa. O torcedor de verdade se sente parte do ato do jogo, do resultado, porque está lá para gritar, xingar o fdp do juiz (invariavelmente ele é), forçar os jogadores a darem até o sangue, gritar qual é a escalação correta. Ele se sente parte do time, mesmo que saiba racionalmente que só onze pessoas dentro do estádio poderão fazer algo com a bola pelo seu time. O torcedor de sofá nunca vai poder sentir o mesmo pelo seu time - a menos que se mude para a cidade do seu time e vá ao estádio. Sinceramente, aposto que a maioria dos tais torcedores de sofá nem iriam ao estádio, se morassem perto do mesmo.

SCCP - Gustavo disse...

Olha cara, primeiramente, ótimo texto, mas eu gostaria de "tirar dúvidas" aqui, ou debater sobre o tema sei lá rs.
Sobre essa questão do Winning Eleven, claro que foi um termo que você criou mas, achei um tanto quanto generalizado, não sei, mas, nem todo mundo que joga Winning Eleven é tão alienado assim (não falo por mim, jogo WE regularmente e pouco conheço escalações de times médios da europa). Mas nao deixei de notar que voce citou o Chelsea FC, e gostaria de saber: Será que por acaso, o cara com a camisa do Chelsea não a veste apenas por achar bonita?
Eu vou citar um exemplo próprio, eu tenho uma camisa do Olympique Marseille, time campeão da UCL de 92/93, ja teve mitos como Abedi Pelé, Blanc, Cantona, mas isso não vem ao caso xD. O fato é que, eu tenho a camisa, mas não torço para o Olympique. Assisto alguns jogos da Ligue 1 de vez em quando, mas apenas para distração. Será então, que é todo mundo que usa por torcer? Claro que a maioria esmagadora sim, mas também existem colecionadores/apreciadores, como eu.
E também tem uma outra questão, mesmo aqui no Brasil, por que será que as pessoas não vão ao estádio regularmente, e preferem assistir do sofá de casa? Eu não posso dizer por todos, mas pelas pessoas que conheço ja afirmo que é por medo! Sim, medo mesmo, de sair de casa e ir ao estádio, acabar se encontrando com uma torcida rival por acidente e ser espancado, ou até coisa pior. Claro que isso não se aplica a jogos contra times ou de menor expressão, ou então de muito longe do estado (meu pai mesmo me levou no último jogo do Corinthians no Pacaembú, contra o Coxa, justamente pela distância entre os times, ele achou que este era um jogo que dava para ir sem ter esse medo). Acho que esse medo, que impulsionou as pessoas a procurar o próprio sofá ao invés da arquibancada, nem que fossem nas cadeiras, acabou gerando pessoas que procuravam nos times europeus uma forma diferente de ver futebol. Se são verdadeiros torcedores ou não, eu prefiro não entrar nessa briga, pois eu mesmo sempre digo que GOSTO do Chelsea, mas não falo como torcedor, apesar de assistir a todo santo jogo pela TV (um dia quem sabe, possa ter a chance de ir até ao estádio Stamford Bridge, por que não, para ai sim poder falar como torcedor). Então gostaria saber de você, se você tambem acha que foi o medo que levou as pessoas a chegarem nesse nível, ou apenas por modismo. Abração, e continue com os ótimos textos