28 setembro 2014

Passado, presente e futuro

"Não é brincadeira
Estão acabando com a história do Palmeiras"

2014. Segundo século, mês dois. Caminha para um desfecho trágico o centenário que já fora arruinado, desde o ano anterior, por Paulo Nobre e por sua corja de aduladores.

O palmeirense, maltratado como nunca antes, vislumbra o futuro em sua nova casa. Mas apenas vislumbra. O futuro que dever-se-ia apresentar tão promissor parece por demais distante para um torcedor que se vê assolado pelo que de pior existe em seu passado glorioso. O amanhã tão próximo parece obra de ficção, como que inalcançável para uma torcida que se tornou refém dos caprichos de um ególatra mimado.

Pois a nova casa vai despontando imponente na zona oeste, quase pronta para nos ser devolvida, ao mesmo tempo em que, dentro de canchas outras, um bando qualquer envergonha nossa camisa do início ao fim de partidas as mais tenebrosas.

Ao palmeirense não se permite mais um dia sequer de paz. Sequer um dia. Eles se sucedem, dias, semanas, meses, como um pesadelo contínuo, como uma caminhada tortuosa e torturante rumo ao inferno. De novo.

A incompetente e inábil gestão orquestrada por Paulo Nobre não está apenas arruinando o centenário da Sociedade Esportiva Palmeiras. Está também comprometendo nossos próximos anos e as gerações vindouras. E está, jornada após jornada, violentando a história de um gigante que sempre passou por cima de todos os seus rivais, fossem eles grandes ou pequenos.

O Palmeiras destes dias tão sombrios parece nem mais pertencer ao panteão dos grandes. Sob Nobre, o alviverde imponente virou motivo de piada para torcidas as mais inexpressivas. Derrotas vexatórias se acumulam, jornadas desastrosas jogam o clube para o fim da tabela, recordes negativos são quebrados, marcas construídas ao longo de um século vão sendo solapadas, um passado glorioso vai sendo destroçado. Fracassos que antes eram encarados como eventos catastróficos são agora rotineiros, esquecidos antes mesmo da rodada por vir.

Fica fácil, pois, entender o que leva as torcidas rivais a já encararem os insucessos alviverdes com certo desdém, como se nada fossem. Não há mais gozação; no lugar disso, nos deparamos com um sentimento de pena, de uma quase compaixão. Nada pode ser pior.

Vejam vocês que Paulo Nobre tomou do palmeirense até mesmo o direito de torcer contra seus rivais diretos. Ao fazer do Palmeiras refém de uma gestão débil e comprometida com o erro, Nobre equiparou o alviverde não mais aos grandes como ele, mas às agremiações insignificantes que passam a vida lutando contra a degola. E é então que o palmeirense se pega não podendo sequer comemorar o gol de pequenos lá de baixo contra seus rivais diretos. Uma vergonha...

Se o centenário já fora arruinado ainda antes de começar, a volta para casa, tão sonhada e merecida, corre o risco de acontecer em meio a mais uma tragédia alviverde. O futuro com o qual temos sonhado desde julho de 2010 parece desmoronar aos poucos, antes mesmo de chegar.

O palmeirense, atormentado, tenta olhar para o futuro, mas se vê preso a um presente infeliz, insuportável e que insiste em violentar, rodada após rodada, todo um passado vitorioso.

Seja homem uma vez na vida, Paulo de Almeida Nobre: tome vergonha na cara e deixe o Palmeiras em paz! E leve junto toda a corja de aduladores e mais o lixo que você trouxe lá do nosso inimigo.

13 comentários:

Matheus Pacaterra disse...

Cada vez mais o Palmeiras deixa de figurar entre os grandes. Apenas a nossa torcida que segue sem decepcionar, rodada após rodada, se mantém de pé. Näo tenho mais forças para reclamar. A única certeza que resta é que estarei no Pacaembú quinta, não vou deixar de fazer minha parte. Já que os 11 que sobem ao gramado já deixaram de fazer a parte deles faz tempo.

Anônimo disse...

tem quem ainda esteja rindo... http://m.c.lnkd.licdn.com/mpr/pub/image-gYmWwMIMMGXvNTDxNlcDqjA_VKtVTfVihcUFtcqKViqHWubVgYmF3i_MV96uWWOwR7s0/conrado-cacace.jpg

César SEP disse...

É, o improvável está acontecendo. Nunca imaginei que isso pudesse acontecer, mas o Palmeiras caminha à passos largos rumo a Série B, pela terceira vez (!!), em pleno centenário, sendo que acabamos de sair de uma.
E o pior: vamos inaugurar o estádio na segundona. É humilhação demais, assim como foi ouvir os gritos da torcida do Figayrense (??), um clube inexpressivo, gritando "2º divisão".
Não tem mais o que fazer. Protestar? a Mancha já fez várias vezes...

Anônimo disse...

Será que tudo mesmo é culpa do Paulo Nobre? Em dois anos conseguiu fazer tanto mal ao Palmeiras? Como estávamos antes dele?
Também estou muito chateado, mas culpar somente o atual presidente me parece muito simples diante de uma situação tao dramatica.
As vezes chego a pensar que o azar está sendo mais prejudicial que o planejamento e só nos resta torcer mesmo.

Lucio disse...

Perfeito como sempre. Ontem assistiamos ao jogo aqui em Aracaju no Bar do Palmeiras, junto com A Mancha Sub Sede Aracaju.

O sentimento que meio veio qdo Cristaldo perdeu aquele gol, foi, esse gol vai fazer falta, olharam pra mim incredulos...que nada...

Qdo o chileno, que tanto defendi, fez aquela presepada, repeti, fará falta e muita...

Está dificil.

Luiz Fernando Sanchez disse...

Rodrigo,seu texto está 90% irretocável,mas permita-me discordar em relação ao nosso incompetente e mimado presidente,tb acho que o dito cujo e sua patotinha de lambe-bolas tem uma enorme parcela de culpa nesta tragédia anunciada,mas acho que ele é apenas o incompetente da vez que não rompe com o status quo consolidado(leia-se Mustafá Contursi Gouffar Maszjoub e sua turma de mancomunados) e não o maior responsável,o Palmeiras é uma espécie de irmão gêmeo da pátria que o acolheu,um pais pujante com um potencial imenso,mas que por falta de uma ruptura total com o modelo vigente até certa época,sofre as consequências até hoje,precisamos romper com tudo que está aí,senão vamos morrer,e romper com tudo significa devolver o Palmeiras aos braços de sua torcida,que é a única instituição que pode salvar este moribundo clube

Sandro - Aracaju disse...

Concordo com você Luiz Fernando, inclusive a Torcida no Estadio deveria "xingar em todos os jogos o Paulo Nobre de Filhote de Mustafá" pois assim deixariamos claro para "ambos" que eles não representam o Palmeiras e que devem ser "expulsos" da administração do Clube.

Leonardo disse...

Texto perfeito. A tristeza que nos acomete é imensa. O que resta é ir ao estádio e esperar que um milagre nos livre de mais uma tragédia.

Leonardo Nakamura

Raul Martins Dias disse...

Já se vão alguns dias que esse brilhante texto foi escrito, e hoje vejo alguns "palmeirenses" comemorando o 13º lugar em que nos encontramos no presente momento.

Prezados, para um time da grandeza do Palmeiras, 13º lugar não é mais que a obrigação. Aliás, é 12 posições a menos que a obrigação.

Gustavo Cabrejos disse...

Sim, mas na atual conjuntura, esse 13º lugar tem seu valor. Claro que não pode parar por aí, mas já começamos a nos reerguer para ser o tal gigante Palmeiras que somos.

Gustavo Cabrejos disse...

Sim, mas na atual conjuntura, esse 13º lugar tem seu valor. Claro que não pode parar por aí, mas já começamos a nos reerguer para ser o tal gigante Palmeiras que somos.

Anônimo disse...

Não concordo com o texto. O Paulo Nobre tem sua parcela de culpa, mas a maior culpa é do Beluzzo que arruinou com as finanças e gastou quase tudo que o Palmeiras tinha a receber nos próximos 4 anos. Ano que vem não teremos as verbas de televisão retidas, do ponto de vista financeiro o P Nobre fez milagre me montar esse time que está aí (que se não fosse a falta de sorte e a contusão do F Prass não estaria nesta situação). Para o próximo ano com a Arena aberta e suas novas fontes de receita, verba de televisão em dia, espero que patrocinador, poderemos montar um time digno da camisa.

Anônimo disse...

Passando aqui para deixar minhas risadas......kkkkkkkk Spot 2 x 0.. na porcada dentro do ANANIAS PARQUE....KKKKKKKK