19 março 2013

Rádio, TV e 3G

Três assuntos que eu preciso quero abordar aqui no blog:

1. Eu cresci ouvindo rádio. Mesmo durante os jogos e, claro, no estádio. Primeiro com o walkman (Sony, é evidente), depois com o celular (quase sempre Nokia) e, ultimamente, com um aparelho MP3 (Sony novamente). Claro que havia dificuldades quanto à sintonia fora de SP, mas tudo transcorria bem aqui na capital – mesmo em épocas, digamos, analógicas, nos desconectados anos 1990. Pois eis que vivemos hoje tempos de mobilidade total, com conexão que se pretende absoluta, mas não se tem o básico. Multiplicam-se os aplicativos que prometem fazer de tudo um pouco, mas eu não consigo mais escutar rádio no estádio. Primeiro porque mataram o AM, determinando que os novos aparelhos teriam apenas a frequência FM. Mas também porque os novos equipamentos parecem incapazes de sintonizar as poucas rádios FM que transmitem jogos. Vejam vocês que no Pacaembu, tendo a visão da torre da Bandeirantes lá no alto (é aquela que fica mudando de cor, sabem?), é impossível escutar a Bandeirantes (ou a BandNews, por consequência). Quanto muito, vem o sinal da Bradesco Esportes (do mesmo grupo) ou da CBN. Antes, quando existia a (muito boa) Estadão ESPN, havia outra opção decente; nem isso sobrou. E então, em um mundo tão moderno e conectado, eu não consigo fazer algo que provavelmente meu avô conseguia fazer quando o Palmeiras ainda era Palestra: ouvir o jogo no estádio pelo rádio.

2. Vocês sabem o que eu penso da Rede Globo, certo? E do imbecil que atende pelo nome de Tiago Leifert? E de sua trupe de repórteres-palhaços? Por mais que eu tente manter distância de todos esses energúmenos, de quando em quando eles aparecem pela frente. Há dois sábados, esperando pelo almoço em casa, tive o desprazer de passar pelo programa do sujeito que "não leva o futebol a sério". Pois então me deparei com uma matéria sobre a, abre aspas, “equipe que cuida da carreira de Neymar fora dos campos”. Deixei no mudo, mas pude ver ali o pai do referido atleta, alguns muitos aspones, uma assessora de imprensa (sério, assessora de imprensa virou notícia, Globo?), um outro sujeito que ficou uns bons segundos chorando em frente à câmera, o prédio que vai sediar a empresa do cai-cai, o escambau. Duração: 12 minutos e 43 segundos. Repetindo: 12 minutos e 43 segundos para uma matéria em rede nacional – e em horário nobre – sobre o staff de um jogador de futebol.
O jornalismo esportivo morreu.

3. A questão das rádios nos leva a outro tema: vieram me falar em aplicativos que permitiriam, a partir de um smartphone, ouvir qualquer rádio do mundo. Legal e tal. Acontece que a Rede Globo (sempre ela) bloqueia o sinal de 3G nos estádios para conseguir fazer a transmissão em HD. Sim, é por isso que você não consegue usar o seu celular em determinados jogos.

*Pergunta de ordem técnica: é possível comprar algum tipo de aparelho radiofônico portátil que sintonize AM? De que marca e onde?

24 comentários:

andresouza36 disse...

Uma das soluções que eu encontrei pra fazer isso foi baixar aplicativo das rádios am no celular!

O Foda é que eu ainda acho que tem algo que bloqueia o sinal do celular lá no pacaembu... e no palestra eu achava tambem...

Fabrizio disse...

Sim, o sinal 3G é sempre bloqueado no Pacaembú. Fica impossível ouvir qualquer via smartphone.

O que eu li/ouvi de comentários é que o equipamento HD das emissoras emite algum tipo de sinal que corta a rede 3G para não interferir nas câmeras.

acreano disse...

tá de sacanagem que é por isso que na consigo usar a 3g ? VA TOMAR NO CU!

Pepe Reale disse...

Caro Barneschi,

Eu tb cresci ouvindo os jogos do Palmeiras no radinho.

Ontem a noite, postei no twitter que viveria numa boa sem televisão em casa, porque chego, deito na cama e automaticamente já ligo o rádio relógio, e em 90% dos casos sintonizado na Rádio Bandeirantes.

Ouvir uma partida de futebol no FM não tem a mínima graça. Nem parece que estou ouvindo um jogo, parece mais um evento qualquer.

Nada se iguala aos chiados da frequência AM !

Grande abraço

Anônimo disse...

a radio estadão espn estava superando até mesmo a bandeirtantes...foi uma pena que a parceria acabou......
aproveitando o assunto rádio, Barneschi já teve a oportunidade de ouvir à 102,50 às segundas às 21h00? Te agrada?

Abs,
Porco Careca

Giuliano disse...

Infelizmente são poucos os dispositivos que usam AM hoje em dia. Somente o tradicional radinho de pilha, que da pra comprar por mixaria na santa ifigenia. Mas acho que os valorosos soldados da PM não vao deixar entrar com as pilhas, né?

O problema que a frequencia AM praticamente não é utilizada fora do Brasil, por isso os celulares não vem com ela. Como geralmente sao importados e somente montados aqui, a tecnologia usada é a la de fora...

Edsinho IV Centenário disse...

Ah, o assunto me agrada em cheio, pois vamos lá, falemos das reminiscências..., com 50 completados recentemente, aprendi a acompanhar o Verdão pelo rádio-é claro-em casa , não havia TV, o primeiro que me recordo é o Robertão de 1969-tinha 6 anos-, foi aí que me viciei em Palmeiras, tempos de narradores inesquecíveis-Fiori, Pedro Luis, Joseval Peixoto, Milton Peruzzi, Flávio Araújo,enfim época romântica de um futebol idem. A partir de 1977, comecei a frequentar os jogos com frequência, sempre com radinho, depois walkman, na série B e em 2004, levava um radinho novamente e finalmente..., o celular, geralmente pega mal mesmo, mas com o sansung galaxy smar-sem muita frescura-dá pra ouvir a Band,concordo que a ESPN faz falta, e tem as rádios comédias-minha opinião-Transamérica, 105.Fico acima da TUP, a recepção é boa, agora uma coisa que gostaria de comentar, em nome da tal interatividade, pouco se narra do jogo em si, além das palhaçadinhas irritantes. Valeu.

Luan disse...

ah como é bom acompanhar um jogo do Palmeiras no rádio AM. Já fiz isso muitas vezes por muitos anos, mas agora com a porra da sky passando todos os jogos já faz um bom tempo que não ouço no rádio.
A emoção é enorme, o narrador apronta uma gritaria com a bola la no meio campo ainda, dá um frio na barriga. E as chiadeiras quando o time chega no ataque aumenta ainda mais a aflição. É tem coisa que poderia ser para sempre...

Anônimo disse...

nas decadas de 90 não tinham esses blogs tb...

Anônimo disse...

alias...nas decadas de 80...90...

Barneschi disse...

É verdade... e qual é o ponto?

Guilherme Negri Frezzarin disse...

Mas o sinal da Bandeirantes realmente não consigo entender.

Não é só no estádio, se você passar pelo começo da Dr. Arnaldo até o final do cemitério não pega nada. Mais perto que isso só se escalar na antena!

Vai saber...

Bruno Moreira disse...

Barneschi, pode ser piada. Mas o rádio de pilha AM/FM 3º Tempo (sim, o do Milton Neves), marca Dynacom, nunca me deixou na mão. O primeiro que tive ganhei de um tio, mas por imprudência minha acabei o quebrando. Comprei outro há uns três anos, numa Casas Bahia. Paguei em torno de R$ 20.

Davi Luiz Vieira disse...

Esse radinho não resolve seu problema?
http://produto.mercadolivre.com.br/MLB-466793652-radio-portatil-original-sony-icf-s10mk2-pocket-amfm-am-fm-_JM

anonimous disse...

o da aiwa sintoniza AM, FM, GJ E 5G

PODE ACREDITAR


viva o futebol moderno

viva o mundo globalizado

viva a vida

cesar disse...

Também ia sugerir o rádio do Milton Neves!

Meu pai tem um que já deve durar uns 5 ou 6 anos...

É pequeno e fácil de carregar, e pega bem.

Leonardo disse...



Na minha curta vida de torcedor jamais tive o hábito de ouvir as partidas pelo rádio, de forma que ler tais relatos se mostra bastante interessante.

Leonardo Nakamura

lucas disse...

Barneschi, hoje em dia não vemos mais jogadores de futebol e sim artistas que se preocupam mais em aparecer para televisão , podemos citar entre eles Neymar , Beckham , Cristiano Ronaldo e o pior é que tem pessoas que os tratam como deuses , pra mim são todos jogadores modinhas que serão esquecidos daqui um certo tempo . E o pior foi o apresentador do Globo esporte dizendo que o Neymar é um idolo nacional , espero que o Messi pise em cima dele em 2014 .

Enrico disse...

Porra..lembrei da minha adolescência ouvindo TODOS os jogos na Jovem Pan quando ela ainda era uma rádio decente, sempre emendando no show de rádio, migrei para a bandeirantes junto com o Silvério e hoje em dia infelizmente dentro do estádio me resta acompanhar com a já citada comédia da Transamérica (às vezes a bandnews transmite de forma "menos pior"), bem lembrado o AM, tenho um pequeno rádio am/fm que preciso ressuscitar e colocar na estrada!

Eder disse...

E aquele frio na barriga nas narrações do Oscar Ulisses:
- Bateu pro goooooooooool pra fora do goool.... "huuuuuuu""

Sempre tento a AM, mas não gosto da chiadera... prefiro o som limpo da FM, mas as constantes propagandas e piadas durante a transmissão me irritam.

@EderMarcelo

Lorenço disse...

Cá entre nós... vocês viram quem estava no aeroporto para receber Dom Odilo após o conclave?
A Mancha Verde... huahuahuahuaha

Léo Souza disse...

A questão das rádios não pegarem é por causa daquela região. Na Paulista está a maioria das antenas de rádio da região metropolitana de SP (por ser a mais alta), logo é um "tráfego de sinais" muito intenso. Nenhuma rádio pega naquela região. Em carro muito menos...

Mas baixem o app Mídia Palestrina e ouçam na Web Rádio Verdão! A vez q eu tentei funcionou...

Tomás Rosolino disse...

O rádio de pilha da Aiwa é muito bom. O meu quebrou, infelizmente, mas durou oito anos sempre pegando, isso até ano passado!

Diego disse...

Interessante essa informação de que o 3G é bloqueado no Pacaembu. Havia notado que o sinal do meu smartphone NUNCA pegava ali, bastava ir pra Charles Muller pro sinal voltar...