17 fevereiro 2013

A camisa
















Ao final do clássico no Pacaembu, um time tinha à frente quatro bons atacantes, dois deles saídos do banco de reservas; do outro lado, um moleque da base fazia as vezes do que deveria ser a nossa "linha atacante". Não foi assim por alternativa tática, mas por absoluta falta de opções técnicas do nosso lado. A diferença entre os dois times nunca foi tão grande ao longo dos 96 anos de história do dérbi, e disso todos já sabíamos antes do jogo.

Tamanho descompasso, no entanto, não muda uma coisa: o peso da camisa. E enquanto ela surgir, imponente, no gramado em que a luta a aguarda, estaremos a postos para pisar na cabeça de quem aparecer pela frente. A começar pelo rival que encaramos hoje - e que haveremos de encarar para todo o sempre, com a cabeça erguida e o orgulho intacto, seja lá qual for a situação.

Todo o abismo técnico entre os dois times só poderia mesmo ser compensado com a entrega dos que foram a campo, com o peso da camisa e com a força de 2.000 guerreiros que cantamos e vibramos por milhões que não poderiam estar ali. Foi o que fizemos. E é o que faremos sempre e em todo canto onde houver Palmeiras.

Tenho orgulho de cada um dos que marcharam ao meu lado do Palestra Italia ao Pacaembu e depois de volta para casa, com a cabeça ainda mais erguida. Não é para qualquer um. Já fizemos isso antes em situação até pior (no último jogo de 2011), e são tardes como esta que fortalecem o sentimento de palestrinidade que nos permite encarar e superar qualquer adversidade para defender o Palmeiras.

Este SCCP 2-2 Palmeiras pode ter sido o último dérbi a ser jogado na cancha municipal. E então o alviverde imponente se fez presente uma vez mais, apenas porque essa é a nossa vocação. A camisa pesa!



###

Eu poderia aqui perder um bom tempo escrevendo sobre a perda de identidade da torcida rival. Sobre as bandeiras que antes só existiam na torcida bambi (sério que vocês sucumbiram a isso, gambás?), sobre os gritinhos afetados de parte da torcida que trata um vagabundo qualquer como pop star, sobre a visível mudança de atitude dos caras durante o jogo. Poderia. Mas nem preciso. Porque, à exceção do canto que já foi entoado tantas e tantas vezes para clubes que temporariamente estão na Série B (como eles há alguns anos), nada mais lembrou a disparidade entre os momentos de um lado e de outro. Foi como se eles tivessem emudecido ao perceber que nada que viesse do outro lado nos poderia afetar. Nada! Porque ali estávamos todos de cabeça erguida e prontos para enfrentar o rival dentro e fora de campo. Aqui é Palmeiras, gambá sujo!

###

Um comentário necessário sobre arbitragem: o mau-caráter que veste a camisa 11 dos caras deu uma entrada ontem muito semelhante à que levou a seguidas expulsões de jogadores do Palmeiras em clássicos anteriores no Pacaembu. Lembro particularmente de duas: Danilo e Luan. Contra o Palmeiras, os árbitros não tiveram dúvida: cartão vermelho. Contra os gambás, um amarelinho ficou de bom tamanho. Menos de um minuto depois, no contra-ataque, saiu o gol de empate dos caras.

###

As fotos do post são do grande Gabriel Uchida (FotoTorcida).

38 comentários:

Anônimo disse...

Sou Colorado. Respeito afu o Palmeiras, sua historia, tradicao( INTER X PALMEIRAS DECADA DE 70, VERDADEIRAS ACADEMIAS), respeito muito a torcida palestrina, sao fanaticos, loucos, os titulos, tudo muito tri, e assim ti digo, Palmeiras 'e clube gigante, em qualquer situacao sua camisa impoe respeito. Tu e todos os palmeirenses estao de parabens pela garra demonstrada na cancha.

Insanna disse...

Nossa, quantos super campeões mundiais perdendo tempo aqui em um blog de torcedores do Palmeiras...
Imagina se não pagassem pau então... rsrs

Vaffaculo a tutti! Bastardi!

Insanna

[SEP] Valmir disse...

Vc precisava ver a cara deles na bancada quando estávamos na frente do placar.
TENSOS, ROENDO AS UNHAS, se curvando ao fato de que NÓS e o PALMEIRAS, sempre iremos impor MEDO NOS GAMBÁS.

Seja em que situação estiver, SOMOS PALMEIRAS e o Palmeiras por sí só é um GIGANTE.

Ontem resgatou o meu sentimento de ver um time aguerrido em campo, se dedicando e se entregando, pouco importou a badalação ao "Time do Povo" que eu chamaria de TIME ESTATAL, em campo poderíamos ter vencido.

Não vencemos porque a favor deles, ainda havia o APITO AMIGO, mas nem isso tirou o brilho do nosso time, e dos 2 mil guerreiros, que a voz se ouviu por todo o Pacaembú.

E o que mais pedimos "imploramos"?

Um time para torcer e só isso.
O orgulho de vestir o manto alviverde, e poder cantar com orgulho.

EU CANTO EU SOU PALMEIRAS ATÉ MORRER!

Abs Barneschi!

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Suardi disse...

O orgulho de ser Palestrino está sempre presente, mas ontem, infelizmente pela TV, ao ouvir os nossos cantos emuducer os gambás sujos, fez esse orgulho transceder os sentimentos que a crônica esportiva tenta impor aos nossos. Abraço e obrigado a você e aos 2.000 que nos representaram na cancha municipal.

Suardi disse...

Impressionante como os gambás sujos frequentam blogs palestrinos. Será que eles não contenta-se com toda a crônica esportiva ao seu lado?

Anônimo disse...

Não adianta! A gambazada, depois de ascender socialmente, e de se tornar o time oficial do regime com dinheiro público fácil, jorrando de várias fontes, morre de inveja do gigante Palestra! Éramos 2.000 e superamos o grito do coro ensaiado, da torcida coreograda pelo marketing, da teatralidade capenga do time do "povo sofredor"! Aqui é Palmeiras! Essa camisa tem 100 anos de história heróica! Aqui a torcida é autêntica, é de verdade, não é "dirigida" pelos apelos da mídia! Somos o que somos, cheios de falhas e de heroísmos, e lutamos isoladamente, sem nenum apoio, só por amor ao time! E o time, sem nenhuma estrela, entendeu o nosso canto! Jogar com alma, com honra, com a altivez de quem já lutou e conquistou tantos títulos, com a dignidade de quem sabe que a história tem que ser construida todos os dias! Valeu, Verdão! Amor eterno pelo Palmeiras! Orgulho em ser Palestra!

Anônimo disse...

Texto ótimo! Mas tu poderia explicar a parte das bandeiras que antes só os bambis ostentavam? Essa parte eu não compreendi.

Forza Verde disse...

Para quem nao teve a oportunidade de ler, ai esta o excelente texto de Ugo Giorgetti sobre o que é ser time grande.

...

Barcos saiu do Palmeiras de maneira súbita e traumática. As causas dessa saída intempestiva foram, em primeiro lugar, a vontade de Barcos de não ser esquecido pela seleção argentina ao jogar num clube que vai disputar a Série B do Brasileiro e, por parte do Palmeiras, sua fraqueza de clube decadente, que perde sucessivas paradas para equipes mais poderosas.

Esse tipo de explicação correu pela imprensa, por isso vale a pena examiná-lo. Falemos de Barcos. Quem era ele antes de chegar ao Palmeiras? Um jogador absolutamente desconhecido, rondando os 30 anos de idade, de reputação obscura até em seu país de origem, a Argentina. O Palmeiras o resgatou da LDU do Equador e, em um ano, Barcos fez uma carreira que não tinha conseguido fazer em dez anos.

Sua imagem se tornou conhecida no Brasil inteiro e fora dele. Ganha hoje o que, suponho, jamais sonhou ganhar em sua vida anterior no futebol. E foi lembrado para a seleção argentina justamente porque jogava no Palmeiras. Buenos Aires, como se pode comprovar pelos anos anteriores, não prestava muita atenção em Barcos, mas presta muita no Palmeiras.

E foi só ao jogar no "decadente" Palmeiras que Barcos chegou à seleção argentina. Seu raciocínio de que estará mais perto da seleção de seu país mudando de clube, na minha opinião, é mais do que equivocado. Grandeza tem componentes misteriosos que não vem ao caso enumerar. Posso ser mal compreendido e ofender clubes e torcidas. Mas é evidente que, e Barcos devia ser o primeiro a entender, ele deve quase tudo, para não dizer tudo, ao fato de ter jogado num clube realmente grande. Grandeza que repercute no Brasil inteiro e além. Na Argentina, pelo menos.

O Palmeiras já está além e acima das vitórias e tropeços, materiais de que é feita sua história única, e acostumou-se a ser fiel aos entrechos das óperas que estão na sua origem. Confuso, difícil de entender, tempestuoso, como certos enredos, às vezes ópera buffa, outras trágica, muitas outras heroica. Esse episódio Barcos, ao invés de revelar a fraqueza do clube, revela sua grandeza.

Há, porém, quem não tenha entendido nada do episódio. Por exemplo, o pai e empresário de um jogador do Grêmio que, ao ver o nome do filho envolvido na negociação com o Palmeiras, declarou que seu filho não jogaria num clube fracassado como o Palmeiras. Acho que ele devia aproveitar a presença de Barcos em Porto Alegre para falar com ele sobre o que é jogar no Palmeiras. O filho desse empresário também é um jogador de quem ninguém ouviu falar, de carreira igualmente modesta. Nessas condições, e olhando Barcos, deveria, ao contrário, pedir de joelhos, implorar para jogar no Palmeiras. Talvez em um ano, com um pouco de talento, todo o Brasil iria conhecê-lo.

E não devia se acanhar de jogar a Série B do Campeonato Brasileiro, até porque a simples presença do Palmeiras transforma a Série B em Série A.

Ugo Giorgetti

...

Forza Verde disse...

Em relaçao ao q os bambis sempre foram, a mesma coisa na qual os gambas se transformaram, reitero o pedido de que assistam esse video, que de forma irreverente, Felipe Neto diz absolutas verdades no que se transformou (ou esta se transformando) o futebol, os jogadores e alguns clubes.

Assistam. Vale a pena.

http://www.youtube.com/watch?v=mum8JvhBVYI&list=PL08D8E8AF757CB6CF

Forza Verde disse...

Ao amigo Colorado acima gostaria deixar claro que a rivalidade deve exister sempre, porém o respeito demonstrado ao adversario tbm deve ser sempre reciproco para com quem o demonstra.

Meu obrigado pelo vosso respeito para com o Palmeiras e saiba que a reciproca é verdadeira. Saluti ao grande Internacional.

O verdadeiro Palestrino sabe respeitar adversarios, nao leve em consideraçao comentarios de pessoas 'insanas'.

Abs!

ULTRA ALVIVERDE disse...

Nossa torcida nunca carregou bandeiras com a marca Parmalat.....
E tambem nunca tivem um Iraniano lavando dinheiro sujo dentro do Clube....
Nunca fomos campeões, e olha que somos o clube com maior nomero de titulos Nacionais, com paralizações de campeonato e com remarcação de jogos....
Quanto ao "tal time do Povo" isso é rotina.....

Insanna disse...

Caro Forza Verde, o comentário era pra vários gambás que estavam aqui falando merda. parece que os posts deles foram apagados. E a insanidade aqui é forte mesmo!!!

Abbraccio

Anônimo disse...

Essa insanna deveria fazer programa humorístico! kkkk

Aprenda a falar italiano em 3 semanas! kkkkkk

Luan disse...

vc viu Barneschi? já é um avanço

http://www.palmeiras.com.br/noticias/2013/02/18/11h47-id8840-ingressos+mais+baratos+para+palmeiras+x+uniao+barbarense.shtml#.USJOPB03s8s

Insanna disse...

Caro Anônimo, não é "essa" mas sim "esse"... e se vuoi imparare l'italiano, va bene... ma solo 3 settimane non bastano, principalmente per i scemi...

saluti

Anônimo disse...

ué...agora passou a chamar o estadio de pacaembu denovo??

pq não fica com aquele bla bla bla chato de chanca municipal????

Anônimo disse...

*cancha municipal

GilMackoy disse...

Se não tiver um lance claro de gol que a arbitragem "erre" a favor do gambá não é clássico.

Leonardo disse...

Mais um grande dia de Palmeiras!

Marchamos e marcharemos para todo o sempre pelo Palestra.

Senti um forte orgulho durante toda a tarde deste domingo. A chegar nas imediações da nossa casa, ver mais uma vez os palmeirenses de sempre, marchar lado a lado até o Pacaembu, cantar o jogo todo e, mais uma vez, voltar de cabeça erguida.

Oleee! Oleee! Eu canto, eu sou Palmeiras até morrer!

Leonardo Nakamura

Forza Verde disse...

Caro Insanna, ho capito. Non ho visto i commenti dei marginali. Se è stato contro i banditi ha fatto molto bene. Contro loro fa bene essere folle.

Saluti ed abbracci!

pulga disse...

O melhor clássico do mundo, jogo digno, 2x2 justo no placar.

Odeio o Palmeiras, óbvio, mas respeito torcedores como o que escreve nesse blog. Futebol com alma.

Sobre as bandeiras, bom, eu também sou contra essas palhaçadas de Nike ou qualquer outro patrocinador fazer bandeirões, mas ao menos eu sei que na bancada, nosso grito e nosso orgulho é muito forte também. Desprezo Tobogã e outros setores de torcedores medícores que qualquer clube tem.

Bom, é isso, que o SEP volte forte pq esse clássico merece. Quero ve-los sempre perder, mas o clássico merece ambos em pé de igualdade (disputando lá em cima).

E que tenha um confronto na Libertadores. A vingança adormecida de 99/00 aguarda vocês.

Frugiu disse...

O carrinho do desgraçado foi IGUAL, sim IGUAL ao do Danilo.... bizarro isso!!!!

César SEP disse...

Ei Palmeiras minha vida é você!!!

Anônimo disse...

Fosse no Chinelo que fizesse aquela falta, e já estavam pedindo 5 jogos de suspensão pra ele!!

Anônimo disse...

Quanta hipocrisia, o jogo passado também empatamos com o mesmo placar de 2x2, quer dizer q a grande camisa do azulão entrou em campo também???
seu time é mediocre. Em relação a torcida concordo com vc. Na época da seri B eramos muito melhores na bancada.

Nicola disse...

Não ganhamos porque o juiz era do tipo que apitava "faltas" como essa:

http://www.youtube.com/watch?v=zn_ZlkDGvdk&

No que a bola passou entre as pernas do adversário, o cara já achou que estava num teatro, tendo em mente que a arbitragem estava do lado deles. Sou um dos que quer o Valdivia longe do Palmeiras, mas fosse ele fazendo isso, levava amarelo por simulação. E se já tivesse amarelo levava o vermelho sem a menor dúvida...

Mas no gol a lá Pelé que o Araújo ia fazer, o cara inverteu na cara dura... Deve ter visto uma falta parecida com a que o Obina fez em 2009, provavelmente.

A camisa pesa mesmo, imagina na Libertadores... Mas sinceramente não quero confrontá-los, não. Não tão cedo. Que nos vinguemos do Grêmio e do Boca antes.

Doctor Verde disse...

Ontem foi possível ver que a imprensa começa a prejudicar o 'tal time do povo'. Não me lembro de ver uma torcida tão apática num clássico, até nos jogos da copinha as torcidas adversárias estavam mais empolgantes. Seriam sinais de uma elitização? A sensação que ficou, foi que os ali presentes tinham ido ao teatro. Enquanto fizemos barulho durante os 90 minutos e intervalo, era possível ver eles olhando com cara de espanto para nossa festa. Ver nossa torcida unida, cantando junto e calando um pacaembu lotado de 'espectadores' foi insano. Parabéns aos que estiveram presentes ali ontem, e aos que torceram das suas poltronas e butecos.

pulga disse...

Olha, respeito a torcida do palmeiras que sim, cantou (como sempre faz, não tenho problema nenhum em admitir isso) muito no Pacaembu.

Mas dizer que calou o Pacaembu... Pode ter calado os sonsos do Tobogã, mas jamais o Pacaembu inteiro!

Ultra Alviverde disse...

"Palmeiras time fracassado ????"
Fracassado é um time que se diz do Povo, e que nunca teve nada na vida, nem "casa para seus torcedores"....
E que, depois de mais de 100 anos, conseguiu enfim, ter o apoio do dinheiro do povo, consumado em um estadio patrocinado pelo ex presidente e sacramentado pelo patrocinio de uma estatal....
Parabens Curintia...
Mas aqui é Palmeiras, e estamos recheados de soberba sim, pois somos o clube com o Maior numero de Titulos Nacionais, e assim sendo sendo, nunca seremos infelizes, e isso sim é a realidade....

Anônimo disse...

Texto do PTD - http://www.verdao.net/ver_coluna_ie.php?c=601

O DIA DEPOIS DE ANTEONTEM

Olá Palestrino,

Sempre houve quem vendesse a mentira como verdade.

Como a maioria sabe o ministro da propaganda nazista Joseph Goebbels já fazia essa prática com maestria durante o império governado por um pintor frustrado, travestido de ditador fundamentalista.

Há quem até hoje defenda a mentira como verdade absoluta, sempre que lhe for conveniente, seja para encobrir a sua mediocridade, frustrações e/ou ainda para tirar do foco qualquer alvo objeto de suspeita.

Uma parte considerável da imprensa esportiva nacional é adepta dessa prática espúria com finalidade análoga aos dos governos dirigidos por ditadores, sejam de extrema-esquerda ou de extrema-direita.

Foi assim que o TORCEDOR PALMEIRENSE foi chantageado e ofendido durante toda a semana, quer até por osmose, por esses defensores do escárnio gratuito e enriquecido pela maldade, também gratuita.

Eles bombardearam através de todas as mídias que o PALMEIRAS seria derrotado facilmente por aquele time patrocinado com verba da esfera federal.

Segundo os defensores da mentira-verdade, o clube de roupagem estatal aplicaria uma goleada histórica no Derby que eles definiram como sendo “o mais assimétrico” da sua história.

Segundo eles, o PALMEIRAS sofreria efeitos devastadores e ficaria combalido como o planeta Terra no consagrado filme de ficção “O Dia depois de Amanhã”.

Eles venderam a ideia terrorista que um “grande abismo” separava o clube patrocinado com o dinheiro público e o PALMEIRAS.

É assim que eles defendem o “brioche de cada dia”, que lhes garante o espaço em grande escala na mídia, concedido aos mesmos de maneira irresponsável por alguém também de índole irresponsável.

No transcorrer dos fatos em momento algum o TORCEDOR ALVIVERDE viu durante o Derby um Barcelona em versão soviética triturando o PALMEIRAS.

No mínimo foi visto um equilíbrio durante todo o jogo, menos no fator arbitragem que novamente favoreceu a agremiação federalizada, governista como a emissora que detém os direitos de transmissão do futebol, seja por incapacidade ou até (não se sabe) por algum favorecimento extracampo turbinado por algum tipo de propina à arbitragem (não se sabe).

Esse desabafo vem à tona porque no lance em que o volante Márcio Araujo partiu para o gol adversário, sofreu uma falta de Ralf onde uma arbitragem séria lhe aplicaria o cartão vermelho, idem à entrada violenta pelo libertino Emerson Sheik.

Nunca “neste país” foi vista a frustração daqueles que foram induzidos a testemunhar uma goleada histórica, maldosamente profetizada pelos remanescentes da escola de Goebbels.

Não que o PALMEIRAS já esteja pronto para disputar grandes títulos (ainda falta muita coisa), mas poderia ter vencido de maneira convincente o rival de ares estatal.

Neste “Dia depois do Anteontem”, a chama do sentimento de otimismo é que ficou acesa no foro PALESTRINO, além do sentimento da vitória abduzida.

Espera-se muito mais dessa administração que está iniciando, através de contratações pontuais e concretas de bons jogadores, dignos de defenderem as cores da S. E. PALMEIRAS.

Eles não precisam jurar amor ao PALMEIRAS, mas pelo menos RESPEITAR o UNIFORME ESMERALDINO, sem que a “Síndrome de Keirrison” os contagie como também ocorreu com o agora “gremista” Barcos.

MANCHA VERDE GARFADA NO SAMBÓDROMO

Episódio lamentável foi o descenso inexplicável da Escola de Samba Mancha Verde, após uma ótima apresentação no sambódromo. Se ela não mereceu ser campeã, também não merecia cair.

Talvez o seu maior pecado tenha sido revelar que o seu enredo em 2014 é sobre a história da S. E. PALMEIRAS, clube que eles são TORCEDORES e que para os olhos da citada Imprensa Fundamentalista Uniformizada não é interessante que seja divulgada para o resto do mundo a sua Homenagem do Centenário ALVIVERDE.

Que em 2014 ela retorne ao Grupo Especial assim como o PALMEIRAS à Série A, postos que ambos merecem estar e brilhar.

Fui.

Saudações Alviverdes!
Djalma Verdão

Barneschi disse...

Obrigado a todos os que se manifestaram, inclusive aos rivais que contribuem para um debate saudável por aqui. É o caso da Pulga.
Todas as demais mensagens, em especial aquelas repletas de letras "k" na sequência, foram devidamente excluídas.

Anônimo disse...

Caro Banerschi,

sou corinthiano e a trocida do palmeiras fez um otimo trabalho no estadio, mas concordo com o Pulga, mesno...calar o pacaembu eh d+...

e outra; cara esse negocio de perder identidade, me desculpa mas acho que vc esta totalmente equivocaddo nessa historia. a Tal bandeira é uam acao de marketing da fornecedora esportiva que envolve diversas acoes como aquela no mundial. Tal campanha ganhou o premio em cannes como Melhor ideia do Ano e sem falar de toda a receita extra gerada para o clube.

Rafael-DF disse...

Qual a novidade em esculachar com os gambás na bancada? Não sei como é com os outros times pq nunca fui ver mas em TODOS os jogos contra a gente os caras não são metade do q a mídia baba-ovo diz, sempre fazem coisas ridículas na bancada, não conseguem nem subir bandeirão direito e só cantam qdo o timinho deles ta ganhando, fora isso se borram todos com qualquer pressão nossa. O medo da camisa verde já está incrustado na alma dos caras.

Anônimo disse...

Barneschi, descobri este espaco a pouco tempo, sou Colorado ja me identifiquei no primeiro post no topico A CAMISA. Vi os videos sobre as torcidas, comportamentos, o modo como vivem o futebol, muito tri. Aqui no sul, em Porto Alegre, vivemos assim, seja na cancha, ou nas ruas, respiramos dupla gre-nal, dia e noite, todos os dias do ano, por toda vida. Palmeiras e a torcida palmeirense me passam a impressao de serem assim tambem. Parabens.

Anônimo disse...

A reciproca 'e verdadeira Forza Verde. Sou Colorado, estou em um blog palmeirense apenas para render minhas homenagens e reconhecer a grandeza deste que 'e um dos maiores clubes de futebol do mundo, o PALMEIRAS. PARABENS AO CLUBE ALVI-VERDE E TODA COLETIVIDADE PALESTRINA. Apenas estou como torcedor do Inter que sou, reconhecendo a vitalidade deste gigante, que mesmo na serie b, sera sempre TEMIDO, RESPEITADO. ADMIRADO

Anônimo disse...

Barnechi, têm muito palmeirense que não sabe nada sobre o CLÁSSICO...acham que o SCCP é saco de pancda da SEP mas não sabem que o Derby é bem equilibrado com 121 vitóias para a SEP e 118 para o SCCP...mesmo quando o Palmeiras esra a Academia, e o SCCP era o faz me rir os jogos sempre foram equilibrados.

Anônimo disse...

A arquibancada estava em sintônia... Os mesmos coros, a mesma energia. Tudo o que envolve esse jogo é inexplicável, sempre parece a primeira vez, é ansiedade desde a visualização da data na tabela. É impressionante como se veem sempre os mesmos rostos na Turiassú antes desses jogos. Isso é muito bom. No mais, estou confiante no Palmeiras, aos poucos vamos encaixando cada pedaço que caiu. Um salve aos companheiros da ARQUIBANCADA...

Marcos.