15 fevereiro 2013

Alma de Libertadores

A vitória na estreia não muda a nossa situação, eu bem sei, mas são tão poucas as alegrias recentes que vocês vão ter de me desculpar e aceitar os exageros que estão por vir. Vou carregar nas tintas mesmo, mais do que o recomendável e mais do que o aceitável até. Faz parte. A noite merece. O Palmeiras mais ainda.

A foto abaixo é do grande Gabriel Uchida, do Foto Torcida:















Montevideo, 17 de junho de 2009. Boicotado pelo já à época ex-técnico Madureira, o Palmeiras vai à capital uruguaya para tentar uma vitória que reverteria o tolo empate no jogo de ida (1-1 no Palestra, na conta do viciado em pôquer). Em jogo, uma vaga na semifinal da Libertadores depois de oito anos. O time era bom: Marcos, Mauricio Ramos, Danilo e Marcão (Obina); Wendel (Souza), Pierre, Cleiton Xavier, Diego Souza e Armero; Willians (Ortigoza) e Keirrison. Da arquibancada do Centenario, ouso dizer até que jogamos mais que o Nacional. Fizemos por merecer o gol. Já nos minutos finais, bola cruzada para a área. Obina se contorce todo, de um jeito improvável e inexplicável, e cabeceia. Bem até. A bola passa rente à trave. Não entra por puro capricho. 0-0. O gol fora de casa elimina o Palmeiras. A fria noite uruguaya se fez interminável para os que por lá ficamos a perambular sem rumo.

Nunca mais consegui tirar da cabeça esse lance (vejam aqui). O levantamento de Ortigoza, o toque de Obina, a bola a nos trair... Não por acaso, a cena ficou passando pela minha cabeça nesta última noite no Pacaembu, quando, quase quatro anos passados da noite fria de Montevideo, enfim nos reencontramos com a Copa Libertadores da América. É coisa minha, muito particular, mas me sinto impelido a compartilhar a sensação com os leitores do blog.

Pacaembu, 14 de fevereiro de 2013. Voltamos. Sem a mesma força de antes, é verdade. Em situação bem pior. Em um cenário em que os jogadores viraram aquilo que são na essência: números de camisa. Porque, a bem da verdade, devo confessar que, em meio a tantas mudanças e já sem a paciência de distinguir quem é quem em meio a tantas peças descartáveis, me pareceu mais fácil nem me preocupar em transformar os números em nomes.

Voltamos, é bom dizer, com alma de Libertadores. Com gosto de sangue na boca, com o gramado molhado pela chuva forte, com muito suor. Os que foram a campo com o manto alviverde entregaram o máximo que era possível. Honraram a nossa tradição, tiveram dignidade, buscaram a vitória na base da raça. Limitações técnicas à parte, lutaram todos. Às vezes com um voluntarismo que se confundia com ruindade mesmo, mas lutaram todos.

O time se entregou de uma maneira absolutamente comovente. A torcida foi junto. Cantou, empurrou, fez do Pacaembu a casa que tanta falta nos tem feito. Foi lindo. Foi uma noite para lavar a alma.

Dirão alguns que isso não muda nada, que o time é ruim, que não podemos nos iludir e isso e aquilo. Bom, eu concordo, e provavelmente não chegaremos a lugar algum quando for preciso incorporar qualidade a toda essa overdose de vontade. Mas hoje nada disso importa; porque o futebol é o que é por noites como esta.

Uma noite que só foi assim grandiosa para todos os que fizemos parte dela - e é natural, em meio a tudo o que temos vivido, superestimá-la. Façamos isso; é justo e necessário.

Uma noite que nem terá assim tanto destaque quando for contada a história da Libertadores/2013 - nem é pra tanto mesmo. Mas nós vencemos juntos. Vibramos. Cantamos. Sofremos com a pressão final - e o que foram aqueles dois últimos lances, porra? Lavamos a alma.

Comemoremos, pois. Vivemos uma noite de Palmeiras.

###

_Lamento, de verdade, por todos aqueles que resolveram que não era o caso de ir ao Pacaembu apoiar o Palmeiras. Lamento. Nada mais precisa ser dito.

_Fez muita diferença a volta da Mancha, ao menos por este jogo. A verdade mesmo é que já nem sabemos porque a torcida está suspensa, tantos são os desmandos cometidos pelos hipócritas que se dizem autoridades. A bateria ecoou forte na arquibancada.

_Domingo tem mais uma guerra. Lá estaremos novamente, a empunhar a bandeira alviverde contra o nosso maior rival. Deixo-os com as indicações de dois posts que traduzem muito bem o espírito dos poucos que teremos a honra e a responsabilidade de lutar por muitos na cancha municipal:
1.800 guerreiros, uma nação
A vitória de quem vai à luta

"A história pesa, senhores. A história nos precede, nos apresenta e nos fortalece. A história vai a campo. A história joga. A história decide. Quando surgir no gramado o alviverde imponente, junto estarão as grandes vitórias conquistadas em quase um século de história. Elas também jogam."

20 comentários:

Ettore disse...

Dessa vez viajei mais de 500 km e estive no pacaembu. A mancha é motivo de orgulho para o palmeirense.

thumblr disse...

"porque o futebol é o que é por noites como esta"

Obrigado Palmeiras, obrigado palmeirenses.

PS: Também estava com esta imagem do Obina na cabeça nestes últimos 4 anos...

FORÇA!

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Joab Barros disse...

Jogadores com vontade. Torcida apoiando, quase nada de vaias (me controlei para não cornetar). Se o time melhorar os passes, e a sorte nos acompanhar, pegamos essa taça!

Rafael Teixeira disse...

Ótimo texto Barneschi, como sempre.

Leonardo disse...

Grande vitória! Uma noite de Palmeiras!

Não vejo a hora de chegar o clássico de domingo. Caminharemos do Palestra ao Pacaembu e depois do Pacaembu ao Palestra de cabeça erguida, como sempre fizemos.

andre zanoni disse...

muito bom texto, parabéns. A bola que nào entrou em Montivideu foi a mesma que não entrou para eles nos minutos finais.Que a sorte seja nossa companheira, vamos precisar

Matheus Trunk disse...

Sai deo trampo em Alphaville 20h30 e fiquei preso no trânsito, não consegui chegar no estádio. Primeiro jogo do Palmeiras do ano que perco. Mesmo assim, tenho muito orgulho dos atletas do time.

A Mancha é motivo de orgulho para o palmeirense.(2)

Helvio P Gregório disse...

Informações sobre ingressos para domingo? Vai para Assunção?

vitor disse...

o penarol chegou em 2011 só na base da camisa, da raça e da torcida.

qm sabe

Anônimo disse...

Caro Barneschi,
Mais um texto perfeito e que toca todas as nossas emoções! Esse é o espírito do gigante alviverde! Nos querem fracos, deprimidos, acabrunhados, envergonhados, enfraquecidos, debilitados, mas nós, contra tudo e contra todos, mostrarmos que somos fortes, altivos, dignos, honrados, orgulhosos da nossa incrível história! Nos querem caldos, mas nosso grito ecoa na chuvosa noite paulistana! A camisa pesa, a história pesa, o espírito guerreiro não nos abandona! Por isso somos Palestra! Juntos, resgataremos o grande Palmeiras! Forza, avanti Palestra, paixão eterna! Sou Palmeiras até morrer! Forte abraço,

Anônimo disse...

Esteve no paca ontem e estava maravilhoso!

César SEP disse...

te amo tanto meu Palmeiras
minha fé, religião!!

Forza Verde disse...

Aproveitando o 'espírito de Libertadores' peço a gentileza que assistam esse vídeo.

http://www.youtube.com/watch?v=mum8JvhBVYI&list=PL08D8E8AF757CB6CF

Garanto que valerá a pena.

luiz paulo disse...

Barneschi, não tem muito haver com o texto mas diferentemente de alguns amigos meu eu acho a libertadores muito mais emocionante que a champions league atualmente, já que o torneio europeu virou uma aberração com times artificiais , e com times que tem jogadores considerados maiores que o clube , quem gosta de futebol de verdade prefere muito mais o drama de uma libertadores do que a champion$ league e outra coisa que me revoltei é que na terça a champions tinha um único jogo interessante que era celtic x juventus duas grandes equipes do futebol europeu onde a torcida do Celtic deu show apesar da derrota , mas o que vi nas redes sociais era todo mundo falando de PSG x Valencia não pelas equipes mas sim pelos jogadores , e vi gente exaltando o PSG como se eles fossem grandes.

Raoni Machado disse...

Realmente, ontem foi uma noite de Palmeiras!

E sim, eu acredito!

Vamos Ganhar Porco!

Anônimo disse...

com ingresso nas maos, tive que me ausentar por causa da porra da enchente, que deu PT no meu carro. Ouvi pelo radinho, enquanto esperava o guincho e foi minha unica alegria no dia

Contra os lixos vou tentar ingressos amanha...duvido conseguir...mas vai que...

o texto em si diz tudo oq precisa ser dito..parabens Barneschi

Barneschi disse...

Obrigado a todos!

Helvio: Os ingressos para domingo começaram a ser vendidos hoje cedo, sem qualquer divulgação prévia. A venda termina neste sábado.
Não vou a Assunção não.
Abraços

César SEP disse...

infelizmente isso não acontece no Brasil...
http://uolesporte.blogosfera.uol.com.br/2013/02/17/torcedor-da-cadeirada-em-jogadores/

Daniel disse...

Texto MONSTRO!

Parabéns!