21 maio 2010

Fim da linha


Fim da linha é isso tudo que está acontecendo com o Palmeiras. Os mandos e desmandos dos inaptos e incompetentes que dirigem nosso clube, as especulações furadas, a profusão de canalhas que só sabem apequenar o gigante Palmeiras, os pobres diabos que só fazem encher as páginas de jornais de tudo, menos de notícias. Tanto que eu não tenho a menor vontade de ler o noticiário sobre o meu clube; melhor preservar a minha sanidade. É o fim da linha da decência.

É tão fim da linha que chegamos à véspera deste Palmeiras x Grêmio do dia 22 de maio sem ter direito a uma informação essencial: afinal, será este o último do estádio Palestra Itália? Será a despedida? Será o momento de dizer adeus? O que foi dito por essa corja lá atrás continua valendo hoje? Dá pra acreditar em algo que é dito por eles? Vejam o absurdo: até o direito a esta informação nos foi sonegado. Não sabemos nada de nada, e esta gente que se apossou do nosso clube poderá muito bem nos privar da nossa casa sem aviso prévio.

Vamos ao Palestra amanhã sem saber se efetivamente será a última vez. Pelo sim, pelo não, eu vou encarar como se fosse. Eu tinha na cabeça todo um texto preparado para a despedida; tantas ideias, um saudosismo sem fim e homenagens que deveriam ter partido da direção do clube. A omissão de nossos dirigentes é tão grande e tão estupidamente cretina que me impediu de colocar em prática tudo o que eu havia pensado. É um desrespeito sem tamanho: contra a torcida, contra o Palmeiras, contra a nossa casa.

É o fim da linha. Em todos os sentidos. Queria poder sair do Palestra amanhã e dizer “até logo”. Pelo visto, é melhor dizer “adeus” mesmo. Não quero correr o risco de saber mais tarde que o jogo de amanhã foi o último. Farei a despedida do meu jeito. Ao lado dos amigos que o Palestra me permitiu fazer. Aquilo tudo só existe por nossa causa – e a despeito desses crápulas. Aguardo os amigos lá em casa. É com a gente, como sempre foi.

A arquibancada do Palestra é imortal!

***

Eu às vezes me questiono sobre a validade de tudo isso que eu faço pelo Palmeiras. Mas aí chegam os emails, comentários, recados no Twitter e mensagens de apoio por conta dos últimos textos publicados no blog e eu percebo que vale a pena. Obrigado a todos.

***

“Febre de bola”, página 164:

"... e do meu ponto de vista aquela manifestação foi estranhamente reconfortante, pois a garota que tivera de aturar o meu ressentimento pôde ver que eu não era o único; havia toda uma comunidade que ligava mais para o que acontecia com o Arsenal do que para qualquer outra coisa. As coisas que com frequência tento explicar às pessoas sobre o futebol - que não se trata de escapismo, nem de uma forma de espetáculo, e sim de uma versão diferente do mundo - ficaram claras para ela ali; e de certa forma, me senti quase vingado."

15 comentários:

valdemir disse...

Muito bem amigo acompanho o blog faz tempo gosto muito dos textos pois diz muito bem o que a torcida do nosso Palestra pensa.Sempre que possivel estou lá vendo os jogos posi tenho a sorte de trabalhar perto,o que atrapalha as vezes é o horario mas isso é outra história.
Amanhã tambem estarei lá para despedir dar Adeus pois não podemos esperar mais nada de nossa diretoria.Vou seguir o ritual de sempre tomar minha cerveja na porta do palestra junto com a MV e nossas queridas bandeiras lá na Turiassu.Sou da época em que se entrava as bendeiras no estádio era o ponto máximo das torcidas e até isso nos tiraram.
Barneschi,onde vc costuma ficar antes de entra no estádio para que eu possa te dar os parabens pessoalmente pelo blog e tomarmos umas cervejas juntos .


Forza Palestra

Gabriel disse...

É bem nessa oq esses caras falam não se escreve.
O Palmeiras é hj de longe, dos grandes, o clube mais desorganizado do Brasil.
É muito triste esse momento de futuro incerto, de incertezas...
Fiquei sócio do Palmeiras essa semana, sem saber como vai ser daqui pra frente.
Muita gente pensa que eu sou louco, mas pra mim faz todo sentido.

Abraço.

Frugiuele disse...

É osso... mas e a oposição?
É osso... mas cabe indagar se é fácil dirigir qualquer coisa desse modo.
É osso... mas quem vende o Palmeiras não é a 'corja que está aí', são todos que lá estão e todos que lá pretendem estar.
É osso... mas foda-se, eu sou tradição, sem casa, sem time, sem porra nenhuma. Honrar a camisa, que o resto, meus caros, é resto...

João Medeiros disse...

A frase pode ter virado clichê e chavão, mas é bastante apropriada:

"O que me preocupa não é o grito dos maus...É o silêncio dos bons"
Martin Luther King

Sigamos na luta.

Abraços.

Anônimo disse...

Meu caro Barneschi,
Seu texto me emocionou muito. Estarei lá amanhã com esse mesmo espírito de despedida, saudade e indignação, para contemplar o nosso glorioso templo, palco de tantas glórias e conquistas, um do motivos de orgulho todos os alvi-verdes apaixonados, pela última vez. A despeito da depressão que sentimos ao vermos o nosso amado time ser aviltado pela atuação de homens covardes, incompetentes, insensíveis, egoístas e medíocres, o Palmeiras sempre terá uma história heróica e admirável. O Palmeiras é nosso, não deles. Desistir de resistir, jamais! É difícil, é doloroso, é extenuante, eu sei! Como você, também não procuro mais as notícias do Palmeiras, até porque na imprensa esportiva só há urubus à busca de carniça. Mas são os torcedores inteligentes, sensíveis, perspicazes como você que podem ajudar a mudar a história presente e evitar os desastres futuros. Não vamos nos dispersar jamais! Vamos à luta! A sua palavra diária em muito contribui para seguirmos adiante, lutando pela nossa paixão! Seguiremos juntos, meu caro Barneschi! Não entregaremos o jogo no primeiro tempo! Forte e abraço e toda a minha solidariedade alvi-esmeraldina!

Bruno Miranda disse...

eu simplesmente te invejo!
grande abraço!

Anônimo disse...

Barneschi, parábens pelo post. Aliás por todos eles. Concordo com quase todos e muito da sua visão me fez ver as coisas do futebol como não via há muito tempo e perceber porque andava tão puto, sem saber. Assim, pude retomar uma grande alegria em ver meu Palmeiras, mesmo agora nesse limbo histórico.

Obrigado!!!

É nojento, degradante, o que esses caras estão fazendo com a história mais linda de um clube de futebol do Brasil.
Desprezar sua torcida é o mesmo que cagar na cozinha. E esses caras têm feito isso sobre nossas cabeças recorrentemente e ninguém fala nada!!! Você e alguns outros são excessão, alguém precisa ouvir isso...

Que venha uma tarde de cerveja no sábado e, quem sabe, uma despedida, quem sabe, digna.

VIVA O PALESTRA ITÁLIA !!!!

Gabriel, Verde até o osso

Forza Palestra disse...

Valdemir
Muito obrigado pela mensagem. Eu ficava sempre no meio da Mancha, mas mudei faz um tempinho e agora fico com uma galera bem embaixo do placar, mas um pouco para a direita (olhando do placar para o campo) – entre quatro e cinco degraus abaixo do placar, em condições de ver o que está escrito nele. Mas você pode me procurar também do lado de fora, antes ou depois do jogo. Fico sempre na Caraibas, entre a esquina com a Turiassu (no Alviverde) e o Bar do Silvio. Manda um email pra mim (forza.palestra@yahoo.com.br) e a gente combina de se encontrar amanhã.
Abraços

Gabriel
Você fez bem em ficar sócio do clube. É o começo para mudarmos as coisas lá dentro.

João
Valeu, meu caro. Aproveite bem São Januário. Espero que isso nunca aconteça com vocês.

Anônimo 1
Muito obrigado por essa e por todas as mensagens anteriores. Elas são sempre bem recebidas por mim. Obrigado.

Bruno
Cara, estamos todos juntos. Sempre pelo Palestra. Obrigado!

Gabriel
Valeu, cara! Eu é que devo agradecer pelas palavras e pela audiência de sempre. É por ter leitores como você que eu sigo com este blog e com a dedicação de sempre. Se for ao Palestra amanhã, pode me procurar.
Abraços

Luana disse...

Espero que seja apenas um "até logo" para que eu tenha oportunidade de dar 'Adeus'!!!!!

vitao.briganti disse...

vamo matar esses diretores

João Medeiros disse...

Rodrigo,

Alguma alma lúcida e esclarecida conseguiu aprovar o tombamento da fachada de São Januário. Mesmo que haja uma reforma, o que não é necessariamente ruim, jamais vai tirar a alma do estádio graças à iniciativa desse sujeito, que, só por isso, merece ser beatificado. Outra coisa que não pode ser mexida, segundo o estatuto do clube, é a tribuna de honra de onde Getúlio Vargas promulgou a CLT, fato que muito orgulha a todos nós, vascaínos. reformas que porventura surjam não podem afetar alguns aspectos que encerram em si boa parte da memória e da alma do estádio. Mantendo isso e alguma arquibancada de cimento, o resto é lucro. Abraços.

JoãoP disse...

"Eu às vezes me questiono sobre a validade de tudo isso"

Meu velho, se isto tem algum valor para você eu não sei. Mas tenha certeza de que, para a história do clube e para o grupo daqueles que são verdadeiramente palmeirenses, o valor deste seu trabalho é inestimável.

Abraço.

Luigi SEP 1914 disse...

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) alterou o horário da partida entre São Paulo e Palmeiras, no Estádio do Morumbi, na quarta-feira, dia 26 de maio. O jogo, válido pela quarta rodada do Campeonato Brasileiro, que seria disputado às 21h (de Brasília), agora começará às 20h30.

Nesta sexta-feira, a CBF também anunciou que seis partidas do Palmeras no primeiro turno do Brasileirão tiveram seus locais alterados por conta da reforma do Palestra Itália, que será fechado para dar lugar à Arena Palestra Itália.

O alviverde receberia em seu estádio o Flamengo, o Santos, o Botafogo, o Atlético-PR, o Atlético-GO e o Cruzeiro e agora mandará suas partidas no Pacaembu.


Pelo menos, por enquanto, jogaremos no Pacaembu, o estádio da cidade e não do time sem estádio...

Abraço e até amanhã...

Sylvio Toshiro disse...

Barney, concordo com tudo, mas rezo que seja apenas um até logo ao Palestra e não um adeus!
Tenho muito medo de que nunca mais tenhamos o nosso estádio de volta...

maradona disse...

prefiro dizer
até breve PALESTRA ITALIA.