02 setembro 2010

O grande contra o pequeno

"Time de guerreiros". Era este o grito entoado pela pequena torcida do temporariamente líder Fluminense nos minutos derradeiros do jogo de ontem, um dos últimos da história do Maracanã. Guerreiro: taí uma palavra que me é especialmente cara, à medida que eu valorizo essa característica em um jogador acima de todas as outras. E não existe nada de guerreiro em um time que acha um gol no primeiro tempo e depois passa o restante do jogo acuado diante da pressão do visitante, à espera do apito final. Eis então que o Palmeiras, longe de ser brilhante, batalhou tanto quanto possível e até o último minuto, para se despedir do Maracanã ao menos com um empate. Mais um nesta campanha repleta deles, é bem verdade, mas uma igualdade bastante mais satisfatória e que deveria valer mais do que um único ponto. Ao pequeno Fluminense, deslumbrado com uma liderança que ele decidiu ostentar nos telões do estádio durante todo o jogo, fica aqui o recado: nós vamos buscar esses 14 pontos que nos separam. Aqui é Palmeiras. É time grande, sabem o que é isso? Anotem aí: 28 de novembro, Pacaembu.

Valeu, Palestra! Pelo espírito de luta e pela entrega, foi uma despedida digna de nossa história no Maior do Mundo.

***

Confesso que não foi possível disfarçar a melancolia quando entrei no Maracanã e vi as cadeiras azuis quase todas retiradas do setor inferior. Não que eu gostasse delas - longe disso -, mas o Maior do Mundo conseguia manter a sua alma ainda mesmo depois da reforma feita para o Pan. Sabe-se lá o que vai acontecer depois da interminável 'adequação' para transformá-lo nisso aqui, mas certo mesmo é que ficaremos alguns bons anos sem poder ir a este templo sagrado do futebol. A troco de nada, mas às custas de muitos milhões dos cofres públicos. Ontem, devo admitir, deixei a câmera digital no bolso mesmo, intacta. Sequer consegui pensar em tirar fotos daquele cenário desolador, como se preferisse apenas aproveitar aqueles últimos momentos no Maraca. Melhor assim.

Depois, com mais calma, pensarei em um texto à altura. Mas já deixo aqui a recomendação para a Memorabilia do Maracanã, iniciada pelo Edu Goldenberg, o incansável, lá no Buteco do Edu. Já emendando uma coisa na outra, aproveito para agradecer a ele pela recepção que me foi concedida ontem na Tijuca. A despedida do Maracanã só foi completa porque precedida de um tour pelos, como ele gosta de dizer, botequins da Tijuca. Perdi a conta de quantos foram, um maais pé-sujo e tradicional que o outro. É lá que o Rio de Janeiro vive.

10 comentários:

Anônimo disse...

PARABÉNS PELA MARCA ALCANÇADA!

QUE O 666 FIQUE EXPOSTO MUITO TEMPO NESSE BLOG!

Alex disse...

Fala, Barneschi. Sabe, se existe inveja boa (sei lá, não penso muito nessas merda) eu sinto de você. Queria eu poder acompanhar o Palmeiras assim, mas cada um dá o passo do tamanho da perna, e tô feliz do meu modo.
Cara, parabéns!
Diz uma coisa, sabe um número, aproximado de quantos estavam lá? A tv disse 19mil total, mas sabe se tá certo isso? Sabe qts pra cada lado? E se os nossos estavam reforçados pelos vascaínos?

Abraços..

Hiran Eduardo Murbach disse...

foda foi a Globo falando da 'maravilhosa' torcida do Flu 'fazendo festa'. Porra, os caras começam a cantar aos 20 do segundo tempo e dez minutos depois param.
torcida de merda é foda...

Rafael disse...

muricy é um merda
time cagalhão

se tivesses mais um atacante e mais um meia, ganharíamos fácil do tal time de guerreiros, que foram vaiados no apito final

que bela torcida heim?!

não à toa são os bambis de lá

e o Rio de Janeiro é foda!

Forza Palestra disse...

Obrigado a todos.

Anônimo
Não sei se você tá zoando ou se é sério, mas, por via das dúvidas, fica aí o comentário. De qualquer forma, já no domingo, o 666 vira 667. Não vai ter jeito.

Alex
Valeu, mano!
Anunciaram lá 15.279 pagantes e mais quase 4 mil não pagantes (isso é típico do Maracanã). Ao todo, pouco mais de 19 mil pessoas. Conversei antes do jogo com alguns torcedores do lado de lá e os caras disseram que o público pequeno (para um time que é líder e considerando que era a despedida do Fluminense do Maracanã) se devia ao horário da partida e também ao povo sem dinheiro já no fim (ou começo, na verdade) do mês. Enfim, desses 19 mil, a nossa torcida tinha aproximadamente uns 1.200, talvez 1.300. Foram três ônibus da Mancha e, acredite, chegaram antes do jogo. Pouco antes, é verdade, mas chegaram. A FJV não foi em peso, mas tinha um ou outro vascaíno apoiando.

Hiran e Rafael
A torcida do Fluminense foi ontem o que costuma ser: ridícula.

Anderson L. Saponi disse...

Fala Rodrigo blz!!!!

E o gol do Kleber deu para ver que foi zagueiro que tocou?


Abraço

Cesar disse...

"...fica aqui o recado: nós vamos buscar esses 14 pontos que nos separam. Aqui é Palmeiras. É time grande, sabem o que é isso? Anotem aí: 28 de novembro, Pacaembu."

PERFEITO!!

Aos poucos o Felipão tá dando a cara dele pro time, é como eu falei após a derrota contra o atlético-go, se o campeonato não fosse de pontos corridos a "pressão" estaria mto menor, ficaríamos por mais algumas rodadas entre a 10ª e a 8ª posição e o Campeonato teria uma perspectiva mto diferente para nós...

Ainda temos mta coisa pra arrumar, eh verdade, mas soh de ver um time do Palmeiras indo pra cima até o final do jogo brigando pelo Gol já nos dá uma segurança do que vai vir daqui pra frente, precisamos de sequencia!!

Maracanã?? Torcida do Fluminense?? Pressão?? Nós NUNCA somos meros "visitantes" no Maracanã, o maior do mundo é para time grande!!

Cesar disse...

Ah, e esqueci de falar, o canto de "time de guerreiro" da torcida do Fluminense foi TOTALMENTE SILENCIADO pelos gritos de "Festa no Chiqueiro" dos Palestrinos presentes!!

Aliás, por diversas vezes deu pra identificar os cantos Palmeirenses sobre os tricolores, ouvindo pela TV...

Td bem que calar a torcida do Fluminense não é mto difícil, mas isso serve pra calar os IMBECIS da globo que ficam exaltando as torcidas de Fluminense e Flamengo como se só elas torcessem de verdade, e quem conhece arquibancada sabe que não é bem assim...

Forza Palestra disse...

Anderson
Não deu não, cara. Foi ali perto de onde nós estávamos, mas seria impossível avaliar isso da arquibancada. Vou tentar ver pelas imagens da TV agora pra tirar uma conclusão. Aliás, foi você que me mandou um SMS sobre isso?
Abraços

Cesar
É bem por aí, cara: se estivéssemos disputando um campeonato decente, com fase classificatória e depois mata-mata, eu teria certeza do título. A gente iria buscar essa merda, assim como foi em 1997. Mas os pontos corridos estão aí para foder tudo.
Abraços

Vinicius disse...

Fala Barneschi,

Jogo bonito ontem, só faltou um gol no primeiro tempo, para aquele time ridículo do Fluminense sair pro jogo e nos dar o contra-ataque...
Mas dos males o menor, um ponto lá com os 3 da volta no Pacaembú (de 6, 4 pontos), tá bom.
Vamos buscar sim...
Não buscaram quando estávamos na frente ano passado? A diferença é que temos Felipão no banco, não o pipoqueiro.

Já leu o texto do Quartarollo(ótimo e um dos poucos bons textos) sobre a obra do Palestra?

http://blogs.jovempan.uol.com.br/quartarollo/sem-categoria/palmeiras-deveria-ter-feito-parceria-com-a-empreiteira-oficial/

Saudações!
abraço!

Vinicius