24 agosto 2010

Os criminosos de 2014


Foto: André Durão/GLOBOESPORTE.COM

Folha de S.Paulo, 17.08.2010: “Maracanã mexe até em área nova”. Diz o texto que “Três anos depois da inauguração das novas cadeiras inferiores do Maracanã, as empresas responsáveis pela remodelação do estádio decidiram destruir o setor.” Parece mentira, mas só mesmo um país como o Brasil consegue fazer coisas desse tipo. O Governo gastou milhões para acabar com a geral, rebaixar o gramado e enfiar as tais cadeiras azuis e agora vai simplesmente destruir isso tudo para construir alguma outra coisa no lugar.

O Maracanã, que resiste ainda hoje às tantas intervenções criminosas dos últimos anos, vai passar por mais uma obra faraônica, que só interessa a alguns dirigentes corruptos, a empreiteiras idem e a políticos que se aproveitam do tal Padrão Fifa para mutilar um dos grandes monumentos do futebol. O Maracanã, de alma grandiosa, sobrevive até hoje aos oportunistas, aos canalhas, aos burocratas e aos dirigentes salafrários, desses tantos que enxergam no esporte mais popular do mundo uma maneira de inventar falcatruas.

A mesma matéria da Folha diz que “as obras para o Maracanã receber a final da Copa do Mundo de 2014 podem consumir até R$ 880 milhões dos cofres públicos”. R$ 880 milhões! Somados aos R$ 250 milhões gastos entre 1999 e 2007, chegamos a absurdos R$ 1,13 bilhão. Ou seja: para descaracterizar o Maracanã vão gastar um montante que seria suficiente para construir, a partir do zero, três estádios como o Engenhão (que consumiu R$ 380 milhões).

O que estão fazendo com o Maracanã é um crime em dose dupla: pelo tanto de dinheiro público investido para contentar aos interesses supérfluos de meia dúzia de velhos carcomidos da Fifa e também pela depredação de um patrimônio histórico sem igual.

Hoje mesmo, temos uma foto (lá no alto) da retirada das cadeiras do Maior do Mundo (que já há tempos, por obra desses filhos da puta, deixou de sê-lo). Que tipo de país permite que um investimento tão grande e invasivo como este das cadeiras azuis seja desprezado em nome de uma outra obra desnecessária? Que tipo de país aceita esse tipo de intromissão? Que tipo de país se submete aos caprichos de uma corja que apresenta o seu Padrão Fifa como se fosse a solução para todos os problemas?

Bom, este é o país que faz da revista Veja a publicação com maior tiragem considerando as assinaturas mais a venda em bancas. E por que eu estou citando a Veja?, vocês podem se perguntar. Acontece que sua filhote carioca, a Veja Rio, trouxe, três meses atrás, uma capa sobre o estádio. A chamada de capa (“O novo Maracanã”) é até pueril diante do que viria a seguir. Bastou começar a matéria e logo a repórter deixou transparecer o misto de deslumbramento e preconceito de classe que pauta a conduta reacionária, elitista e europeizada da nossa imprensa (em particular a esportiva). O título da matéria não deixa dúvidas: “Um estádio de primeiro mundo”. A linha fina vem no mesmo tom: “Inspirada nas modernas arenas internacionais...”

O primeiro parágrafo é digno de registro: "Em um domingo de 2014, uma família carioca decide fazer um programa que até tempos atrás era campeão em transtornos. Marido, mulher e filhos partem de carro para ver um jogo de futebol. Depois de estacionarem o veículo com facilidade, entram no estádio sem maiores percalços e resolvem almoçar em um dos vários restaurantes da área interna. Em seguida, dão um pulo na loja de artigos esportivos e compram camisas oficiais de seu time. A atividade prossegue com um passeio pelo Museu do Futebol para conhecer seu acervo bem cuidado e repleto de peças históricas, como a bola do milésimo gol de Pelé. A quinze minutos do início do jogo, rumam finalmente para a arquibancada. Sob a orientação de funcionários atenciosos, localizam rapidamente seus assentos numerados, todos com encostos confortáveis. Para completar a festa, um potente sistema de som anima as comemorações de gol. Esse cenário idílico, que alia conforto e civilidade, não é tão somente um exercício futurista."


Peço licença para ficar distante desse mundinho afetado e não compactuar com isso aí. E registro minha solidariedade ao grande e eterno Maracanã, palco maior da história do futebol no mundo.

Todos os responsáveis pela destruição do Maracanã são criminosos. Dirigentes, políticos, empreiteiros, jornalistas deslumbrados ou hipócritas, empresários, todos os que incentivam e se beneficiam dos milhões investidos na depredação do patrimônio público. São os criminosos de 2014. Malditos sejam!



***

O último texto do amigo vascaíno João Medeiros é um belo complemento ao post que os senhores acabam de ler. Não deixem de ir até o blog dele.

15 comentários:

Corinthiano disse...

"Para completar a FESTA, um potente sistema de som anima as comemorações de gol." Dá vontade de matar um fdp desses.

Clayton

Szegeri disse...

A fdp em questão não diz, por exemplo, que nesse programinha singelo de domingo, entre almocinho e camisas oficiais e ingressos a preços exorbitantes, a família brasileira deixaria, por baixo, uns mil reais!!! Então a questão é bem simples: subtraíram o que era do povo para transformar num artigo de luxo. É a mesma apropriação que se deu com o carnaval popular, transformado nesse espetáculo bisonho de sapucaís e abadás. O meu sonho idílico de infância era poder levar meus filhos pro estádio, chegar meio-dia, estacionar o carro a dois quilômetros do estádio, ficar comendo pernil e tomando cerveja na barraquinha e depois ficar fritando o coco na arquibancada. Do mesmo jeito que meu pai fez comigo, e o pai dele fez com ele. Porque futebol - assim como carnaval - não é diversão: é sofrimento, é libação, é entrega.

Eduardo Goldenberg disse...

A culpa de tudo isso é do Moacyr Luz. Pintando as unhas do buteco pé-sujo, imagem de merda que ele criou para livrar sua cara do jabaculê que recebe do Pirajá & cia., deve estar comemorando também a maquiagem nos estádios de futebol.

Paty disse...

Que horror! Tudo que não quero é um "programa" desse num domingo.
Futebol não é isso.
Maldita copa no Brasil

Forza Palestra disse...

Szegeri
É exatamente isso. Tudo isso que está acontecendo atende à agenda de destruição do futebol brasileiro, e isso foi decidido em 2007, quando a FIFA anunciou o Brasil como sede da Copa de 2014. Tudo foi orquestrado sem consulta ao torcedor e sem nenhum tipo de consideração pela alma do futebol. Aos poucos, estão acabando com tudo isso que você cita aí: já proibiram os sanduíches de pernil e calabresa aqui em SP, já proibiram as bandeiras de mastro, já proibiram a cerveja no estádio. Agora querem proibir os xingamentos e instituir um sem número de regras que não atendem ao interesse de quem vai a estádios.

Edu Goldenberg
É bem por aí. A essência é a mesma, do @moaluz e dos que defendem a “modernização” dos estádios.

João Medeiros disse...

Palestrino,

Estive no Maracanã domingo.
Triste, viu? Saber que mais nada daquilo vai ser possível. Mais triste ainda é ler um imbecil desses falando como se tivesse a procuração do torcedor para fazer o que ele supõe que esse torcedor quer e espera. Foda, amigo. FODAM-SE A FIFA, A CBF, A IMPRENSA MALDITA E TODO MUNDO QUE POR OMISSÃO APOIA ESSA BABAQUICE QUE SE CHAMA FUTEBOL MODERNO.
Tava trocando uma ideia agora há pouco om o Japonês. Contei a ele que lembro bem da decisão do carioca de 1981. VASCO x mulambos. 170.000 pagantes. Sabe quantos ingressos vendidos antecipadamente? NENHUM. As bilheterias do Maraca abriam meio dia. TODAS as bilheterias. O povo ia chegando com calma, comprava seu ingresso, entrava, via a preliminar bebendo uma cerveja e pronto. Sem tumulto, sem problema, SEM CAMBISTA. Uma uva. Arquibancada de cimento, amigo. Os "coroas" levavam suas almofadinhas com escudo dos times e o radinho de pilha. Os mais novos se juntavam às torcidas organizadas e viam o jogo em pé mesmo. Democracia de verdade. Tudo funcionava. Aos 20 e poucos minutos do segundo tempo o placar eletrônico anunciava a renda e o público. O que é que tem de errado nesse modelo, pelamordedeus? Pra que assento de plástico, venda antecipada, lugar marcado...? Caralho, que merda.
Toda vez que comento aqui escrevo um testamento. Mas aqui sei que é o lugar certo pra esses desabafos. O jeito é continuar na luta, amigo. E marcar um gelo pra qualquer hora dessas...
Abraços.

Nicola disse...

"Esse cenário idílico, que alia conforto e civilidade(...)"

É uma grande MERDA, e vai tomar no cu quem concorda com isso...

JoãoP disse...

E o mais interessante nisto tudo é a incoerência, a meu ver.

De acordo com a CF de 1988, o tombamento "é a preservação de bens de valor histórico, cultural, arquitetônico, ambiental e afetivo para a população por meio de um ato administrativo realizado pelo Poder Público, que determina que certos bens serão objeto de proteção especial."

Aí, os órgãos reponsáveis gastam horrores para manter a originalidade de uma pancada de casarões antigos em regiões centrais. Mas não se preocupam em manter a originalidade do... Maracanã.

Vai entender...

Abraço.

JoãoP disse...

E o mais interessante nisto tudo é a incoerência, a meu ver.

De acordo com a CF de 1988, o tombamento "é a preservação de bens de valor histórico, cultural, arquitetônico, ambiental e afetivo para a população por meio de um ato administrativo realizado pelo Poder Público, que determina que certos bens serão objeto de proteção especial."

Aí, os órgãos reponsáveis gastam horrores para manter a originalidade de uma pancada de casarões antigos em regiões centrais. Mas não se preocupam em manter a originalidade do... Maracanã.

Vai entender...

Abraço.

Rafael disse...

Fala ai pilantra

Estava discutindo com o Craudio hoje e chegamos a mesma conclusão: porque fazer 1 reforma e ganhar X milhôes, se poder fazer 3 reformas e ganhar X³ milhôes

Reformaram para o Pan, agora vão reformar para 2014, e depois arranjar alguma coisa pra justificar uma reforma para 2016

E todo mundo mamando na tetona gorda do brasil

Sylvio Toshiro disse...

A tal de Copa do Mundo esta sendo desculpa para um bando de safado nos roubar um pouco mais e para um bando de filho da puta que tem nojo do povo brasileiro impor a sua agenda elitista.
Padrão Fifa é uma bela desculpa para os velhacos mamarem descaradamente e deixarem como herança um monte de elefante branco, ou seja sugam o nosso suado dinheirinho e depois cagam alguns estádios monumentais e inúteis.
Aqui em São Paulo vivemos essa falsa discussão sobre essa duvidosa honra de fazer a abertura.
Ora, abertura de copa é tão relevante quanto mijar em incêndio, uma cidade com as nossas necessidades não pode torrar dinheiro favorecendo ou particulares, ou a construção de um estádio para 65 mil pessoas que não servirá para porra nenhuma!!!

Sylvio Toshiro disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Claudio Yida Jr disse...

Aproveito para sugerir mais um texto sobre isso, que dá uma noção do mal que todo essa papo de modernização faz não só ao futebol, mas à vida:

http://butecodoedu.blogspot.com/2010/08/e-preciso-lutar-contra-o-esmalte.html

A luta até 2014 será duríssima!

Ulisses disse...

Barneschi,

Seguindo a linha do futebol vive na Argentina, o futebol vive na grécia.

http://br.esportes.yahoo.com/colunas/torcedores-atacam-estadio-para-evitar-jogo-aek-esportes-619.html

Rodrigo Moacyr disse...

Barney,

Isso vai muito da própria cultura do brasileira, da mentalidade geral da Nação. Cada um só quer o que é teu, foda-se e nada vale de alguma coisa a não ser que tenha dinheiro envolvido. Quando alguem percebe o meu(nosso)grau de envolvimento com o Palmeiras, e como isso afeta minha vida, a resposta é sempre a mesma; "mas o que vc ganha com isso?". Essa corja vai morrer achando que um punhado de moedas vale mais do que o que senti no Pacaembú quinta passada.

Brasileiro é um povo de merda, que não se mexe e não tem valores. O futebol é um bom reflexo dessa postura


Moacyr