13 julho 2012

Onde os fracos não têm vez

À íntegra da coluna de Xico Sá (FSP):

Caubóis da Pompéia
A saga verde na conquista da Copa do Brasil foi um autêntico 'Meu ódio será sua herança'

Amigo torcedor, amigo secador, se fosse um filme de faroeste, a conquista do Palmeiras, campeão invicto da Copa do Brasil, poderia se chamar "Os Renegados". Alvo de chacota da imprensa e de pedradas até de parte dos seus próprios fãs, os caubóis da Pompeia se vingaram com o título da nossa taça mais nacional, a única que vai do sertão ao cais, espécie de Coluna Prestes da bola.

Até o discurso da comemoração, você reparou, caro palmeirense, saiu mais para o desagravo, a legítima defesa da honra do grupo, do que para a desabrida alegria da vitória. Muito compreensível. Entendemos a voz empoeirada do velho oeste sem carecer de legenda.
Os caubóis renegados da Pompéia têm pleno direito ao desabafo. Quem acreditava neles? Quase ninguém. E ainda chegaram à decisão com um time em remendos, sem o mago e sem o pirata. Com homens machucados, porém destemidos.
A saga verde foi um autêntico "Meu ódio será sua herança", para citar o filme predileto do meu amigo palmeirense Marcelo Mendez, um cronista basco-nordestino nascido no ABC paulista.

A Copa do Brasil, assim como a vida, é mata-mata. Um torneio onde os fracos não têm vez, agora lembrando a brutalidade do maior faroeste moderno, o dos irmãos Cohen. Cada jogador do Palmeiras foi um Anton Chigurh, o matador interpretado pelo espanhol Javier Bardem, nessa jornada.

Sim, eu poderia estar aqui exaltando o futebol-arte, o fino da bola. Não vem ao caso. O triunfo do Palmeiras é de outra natureza. É de bravura. Nem por isso deve deixar de ser celebrado. A coragem talvez seja o maior luxo da condição de ser homem.

Só perde, talvez, para a vergonha na cara. Os renegados da Pompéia souberam dosar as duas qualidades. Mesmo sob chuva de balas não fugiram ao duelo sob o sol das contrariedades. Bravos.
Ah, como poderia esquecer, uma vez que o assunto é o fantástico mundo do faroeste -talvez a maior metáfora da nossa gloriosa existência. Como esquecer que o técnico Felipão, dublê de Gene Hackman, fez, na Copa do Brasil, o papel de o xerife de "Os Imperdoáveis", a fita genial do velho Clint Eastwood.
Para quem enfrenta uma confusão caseira sem limites e muitas dificuldades técnicas e humanas, o título do Palmeiras vai ficar na história como uma bíblia, um exemplo. Perto dessa conquista, toda prateleira da autoajuda agora é nada.
Parabéns, destemidos caubóis esverdeados!

###

Queria eu conseguir escrever algo assim. Em não sendo possível, sigo ressaltando o peso da nossa conquista, tão histórica quanto heroica. Pouco mais de um dia passado desde a volta de Curitiba, parece incrível ainda que tenhamos chegado ao título invicto mesmo sem ataque nos dois jogos finais e com tantos problemas acumulados. Foi mesmo uma vitória de puro heroísmo, de reparação histórica, de uma entrega como há muito não se via. Difícil acreditar no que aconteceu.

Parece incrível que tenhamos vivido isso tudo, e eis que uma torcida historicamente tão habituada às vitórias grandiosas parece agora sem saber o que fazer com essa Copa do Brasil. Foram tantas as decepções recentes que acabamos nos acostumando às reações típicas de derrotas vexatórias e vexames impossíveis. Vencemos, pois. E então, ainda sem saber direito o que fazer, repito a pergunta feita a tantos palestrinos na madrugada de quarta para quinta: e agora, qual é o procedimento?

###

_Parabéns à diretoria do Palmeiras pela mais do que acertada decisão de colocar os jogadores em carro aberto na comemoração do título aqui em SP. Porque a festa aqui na capital paulista foi tão grandiosa quanto necessária, e a cidade merecia mesmo ver este elenco de bravos desfilar por suas ruas. Grande comemoração!

_Acostumado a sempre vencer títulos dentro de casa (ou em SP), eis que o Palmeiras foi buscar uma rara conquista como visitante (não por falta de competência em tempos idos, mas sim pela afortunada rotina de quase sempre decidir como mandante). E a minha geração de torcedores pôde enfim comemorar um título on the road, calando todo um estádio e trazendo para casa o troféu. Aliás, não é exclusividade da minha geração; nunca antes houve uma conquista desse porte em canchas distantes.

_Eu evidentemente preferia que o título desse post fosse o título original do filme dos irmãos Cohen, mas até eu sou obrigado a admitir que "Onde os fracos não têm vez" é mais apropriado ao contexto que o original "No country for old men".

21 comentários:

Enrico disse...

O procedimento? Apostar todas as fichas na sulamericana (e fazendo o necessário para não cair no brasileiro), ser campeão e pegar os gambás na recopa ganhando essa também..3 títulos em um ano é coisa que nem lembro mais quando tivemos...AVANTI PALESTRA!

victor briganti disse...

ei rodrigo, e o post que voce falou que ia fazer sobre a gambazada fdp ?????

to ansioso para ler

Daniel Balzan disse...

Porra, verdade !!! Essa Sulamericana seria uma chance pra dar uma "sova" naquela raça.....Vamos alentar !!!!!! rs....

Emerson Machado disse...

CLAP - CLAP - CLAP - CLAP - CLAP - CLAP

Perfeito!

Roger Adami disse...

A Sulamericana é o título que eu mais queria ganhar, e continuo querendo.
Nem lembrava da possibilidade de jogar contra os gambás esse ano, então, mais um motivo.
E com mais um ou dois reforços, sem pressão, da para ralar no brasileiro também. Se o time resolver que quer jogar, da.

felipe cruz disse...

Enrico, a Recopa é disputada só no ano seguinte. Esse ano agora tem Santos x La U.

E Barneschi, a última conquista fora de casa, tirando o Paulista 94 em Santo André, aqui do lado, em pontos corridos, acho que foi a Taça Brasil de 67, contra o Náutico. Na ocasião, o Verdão venceu o terceiro jogo, jogo-desempate, no Maracanã.

E sobre a festa: aqui no ABC, na avenida Goiás, em São Caetano, tinha uns 700 palmeirenses, foi uma festa imensa, maravilhosa, homérica, pararam até os ônibus de passar. Voltei pra casa muito tarde imaginando que aquela tinha sido uma das maiores festas palestrinas na Grande SP, quando me deparo com relatos de amigos que participaram de festejos ainda maiores e mais impressionantes.

Isso é Palmeiras!

Abraços

Fabrizio disse...

Interessante que eu me peguei ontem a noite também com esta mesma questão na cabeça:
- CAMPEÕES DO BRASIL! E agora, como agir?

Tanto sofrimento e humilhação nos últimos 10 anos que a gente se pega nessa situação...

A minha ficha só começou a cair hoje, quando vi um garoto de uns 9 anos jogando bola sozinho na quadra do prédio com a camisa do Palmeiras. E depois, na rua de mãos dadas com a mãe, uma garotinha com seus 6 anos também com nossa camisa!

Crianças na rua com a camisa do Palmeiras. Não se trata de moda, mas sim ORGULHO!

Leonardo disse...

Grande texto!

Grande conquista!

O Palmeiras ressurge!

Luiz Fernando disse...

Li hj de manhã

Muito foda!

Felipe Magalhães disse...

Enrico! Pra ficar melhor, só se a gente levantasse junto com o Brasileiro, a Sulamericana e depois detonássemos os gambás. Só aí seriam 4 título seguidos, é só garantir o Paulista'13 e reeditar as 5 Coroas!

Temos camisa para isto!

Agora, vale um lembrete: costumo dizer que todas as vezes em que o ALVIVERDE IMPONENTE chegou à Libertadores como campeão da Copa do Brasil, voltamos para casa como donos da América.
Em 99 ainda chegamos à competição continental com o caneco da Mercosul na bagagem, então um bom desempenho na Sulamericana'12 pode ser um bom indicador de sucesso na competição continental do próximo ano.

AVANTI PALESTRA!

Paty disse...

Grande texto, mas os seus também são
Realmente foi inacreditável esse titulo.Se fosse novela tinha que ser mexicana,Se fosse brasileira diriam que o autor estava exagerando.
Qto ao que esperar...se na epoca das derrotas vexatórias, jamais abaixei a cabeça agora eu quero tudo Titulo da sulamericana, uma boa colocação nos pontos corridos(o titulo não da mais) e claro a Libertadores.

Anônimo disse...

"Perto dessa conquista, toda prateleira da autoajuda agora é nada."

O Xico Sá tem textos muito bons mesmo

Everaldo Efe Silva disse...

Maravilha, Barneschi! Parabéns pela luta e pelo título! Força, Palestra!!!!

cesar disse...

Grande Texto para relatar uma grande conquista!

Ganhamos porque somos Palmeiras!!

Matheus Braga disse...

Não consigo dormir, uma puta enxaqueca e só me vem na cabeça as imagens da final em Coritiba. A ficha começou a cair agora, sexta-feira, nos programas esportivos, nos portais da internet, fotos nas redes sociais mostrando a festa da torcida no Brasil inteiro.

Foi histórico ver os olhos marejados de vários na arquibancada, lágrimas no rosto.. Principalmente de amigos que respiram Palmeiras assim como eu. Irmãos que conheci no colégio em 2001 e que estão na mesma caminhada com o Palmeiras. Vi gente de 35, 40 anos com olhos cheio de lágrima. Um título que 1% da torcida acreditava quando começou a Copa. Eu mesmo, racionalmente, não acreditava. Não por faltar história, camisa, garra.. mas pela bagunça que vivemos há décadas (anos 80 e 2000).

Fiquei feliz demais, pois na minha frente tinha um moleque de uns 10, 11 anos com o pai e me lembrei de quando eu, até então com 13 anos, estava no Palestra com meu pai também. Esse título é nosso, mas é mais ainda para as "nossas" crianças. Eles precisavam disso. E precisam de outras assim. Ele nem comemorou tanto. Não consegue ter a noção da conquista, assim como eu não tinha em 99.

Por isso, esse título foi importantíssimo. Minha geração (de 26 anos, um pouco mais e um pouco menos) viu conquistas quando criança, adolescente. Em 2008 foi só aperitivo. A Copa valeu como um Mundial para nós, por sabermos o quão seria difícil conquistar algo com o caos político em que vivemos.

E realmente, por tanto tempo sem ganhar nada, ficamos meio sem saber o que fazer. Se gritávamos BIcampeão ou só campeão. No primeiro momento foi só campeão, mas depois lembramos de quão gigante somos e saiu o BICAMPEÃO. Mas precisamos cobrar contratações pra disputar mais títulos e voltar a ser gigante e não apenas grande. Deixemos os outros serem grandes, nós somos gigantes. Somos o Palmeiras!

Abraços e desculpe pelo texto grande, mas nunca escrevi aqui apesar de acompanhar o blog. Hoje saiu tudo, cazzo, rs.

PALMEIRAS COPEIRO

Matheus Braga

Matheus Braga disse...

Final em Curitiba*

Anônimo disse...

O procedimento só pode ser esfregar a verdadeira POSIÇÃO DO PALMEIRAS no futebol na cara de todos aqueles que perderam a noção da realidade nos últimos anos...

Mostrar que aquilo tudo que nunca esquecemos durante estes anos de cinzas se mostrou realidade com muita luta, sangue, suor e com as lágrimas de alegria.

E que não precisamos de campanhas de marketing pra isso. Não precisamos inventar mentiras, criar modinhas, chavões, ganhar bandeiras de empresas, criar conceitos pra atacar os rivais, enfim, inventar algo artificial porque o NOME PALMEIRAS FALA POR SI SÓ.

Que seja um recomeço, um retorno ao posto que nos cabe na história do futebol.

Concordo com quem falou da Sulamericana. Devemos lutar bravamente, mais uma vez, para conquistar mais este título ainda esse ano. Vai servir de preparação e pra calejar o lenco pra GUERRA a ser disputada no ano que vem.

E que a diretoria não faça GRANDES merdas (pq as menores já estão na conta), têm eleição ano que vêm e que isso seja conduzido de forma a não atrapalhar o time...

PARABÉNS A TODOS NÓS.

E AO BRASIL QUE HOJE PODE RECONHECER AQUILO QUE TODOS OS PALMEIRENSES SEMPRE SOUBRAM:

QUE O PALMEIRAS É MAIOR, TODO O RESTO É MENOR !!!

Abs, desculpa o tamanho ae...

Gabriel, verde até o osso !!!

Gustavo Moraes disse...

A festa foi enorme em todo Brasil! Nós que fomos a Curitiba podemos nos orgulhar de ter incentivado o time do inicio ao fim. A voz ainda não voltou.

Penso que o pensamento agora é: usar o brasileiro para montar e entrosar o time pra libertadores, apostar todas as fichas na copa sulamericana, mas também trabalhar duro para um jogo: o jogo do segundo turno do brasileirão contra os gambás, que será mando nosso. Penso que esse jogo deva ser no Pacaembú para colocarmos aqueles imundos em seu devido lugar, e retomar o Pacaembu como território palestrino! Este é o meu pensamento.

abraço a todos os maiores Campeões do Brasil!

Rafael-DF disse...

Pra dizer a verdade eu nem comemorei mto a vitória la em curitiba, pra mim ganhamos esse título no empate com o Grêmio e foi nesses confrontos q extravasei de verdade.
O foco agora deve ser a Sulamericana, poder pegar os gambás na recopa e meter fumo neles ia ser a redenção de toda essa década negra e do calvário q nossa torcida passou.

Gustavo Moraes disse...

To pensando demais no texto acima kkkkkk Forza Palestra!!!

Anônimo disse...

Gostaria de perguntar uma coisa, foi mesmo o piraci q conseguiu os 1.5k de ingresso emcima da hora? Só consegui entrar no jogo por isso, mas ele é mto fdp pra ajudar tanto nosso time assim.
to confuso agora, sabe de algo?
abras