26 maio 2013

O assalto em números

O que leva alguém a deixar sua casa no sábado à tarde, largar mão de assistir à final da Champions League e encarar a estrada para, a um custo bem substancial extorsivo, ver em campo um jogo da Série B com dois times horríveis?

Em uma palavra: amor.

Só isso explica. Pode até ser de mão única, mas é amor. Tal sacrifício só se justifica pelo sentimento do torcedor pelo clube, quase nunca correspondido - ao menos quando se trata de Palmeiras.

Mas...

... a dupla presidente/CEO resolveu que era o caso de se aproveitar disso e forçar a adesão do torcedor palmeirense ao Avanti. Fez uso da mesma estratégia adotada na final da Copa do Brasil/2012 e nas oitavas da Libertadores/2013, mas agora de maneira ainda mais tacanha e grotesca e sem qualquer compensação de fundo psicológico.

Não se impulsiona um plano de fidelização na base da pressão. Ou, para fazer uso de uma citação categórica do Néspoli, "nenhum relacionamento sobrevive à imposição, seja ele no âmbito profissional, pessoal, amoroso ou comercial". É exatamente isso, sem tirar nem por. Aliás, recomendo a todos os palmeirenses de bem, igualmente inconformados com o assalto praticado pela dupla Nobre/Brunoro, que confiram dois posts do Néspoli sobre o tema:

Assaltando o torcedor

O assalto, as justificativas e as oportunidades

As duas análises são muito bem fundamentadas e, de certo modo, resolvem a questão. O segundo texto é particularmente inspirado ao evidenciar a fragilidade da argumentação do CEO.

O que eu tenho a acrescentar:

Nobre e Brunoro estão completamente descolados da realidade - talvez porque medindo tudo por seus respectivos padrões de vida e não pela situação do "brasileiro médio".

Cobrar R$ 60 para o torcedor que precisa viajar até Itu para ver um Palmeiras (ainda sem time) x CAG/GO pela primeira rodada da Série B é um despropósito. É criminoso. É extorsivo. É desonesto mesmo.

Pois então, senhores, gostaria de voltar 10 anos no tempo (não é uma escolha aleatória) para compartilhar com os senhores algumas imagens. Começando por esta:

























Palmeiras 1-0 Londrina/PR, jogo da fase classificatória, sábado à tarde, 20.720 pagantes. Arquibancada a R$ 10. Estudantes (à época eu ainda era um) pagavam R$ 5.

Alguém mais "bem intencionado" pode pensar o seguinte: mas o preço certamente aumentou nas fases finais. Será?

Pois vejam o bilhete de Palmeiras 4-1 Botafogo/RJ, último duelo do ano, já com o registro do título da Série B em destaque:

























Mas era assim com os outros clubes que disputavam a Série B?

Sim, era. O próprio Botafogo/RJ, com estádio muito menor (para nem 10 mil pagantes) cobrava R$ 10 pela arquibancada. O reajuste só veio mesmo na última fase, conforme imagem abaixo:

























Daí então que pode surgir algum deslumbrado com aquele papinho de que "os tempos são outros", que "o futebol mudou", que "é preciso se adaptar" e o escambau. Bom, eu dou um passa-moleque no vagabundo, e já trago alguns elementos de comparação:

-Inflação (maio/2003 a maio/2013): 77,37% (IGP-M)
(todos os outros índices, caso do IPCA Geral, trazem uma taxa de inflação ainda menor que esta)
Portanto, tomando por base essa projeção, o que custava R$ 10 em 2003 não deveria ser vendido por mais do que R$ 18 agora.

Aí vai aparecer algum desses tantos alienados para dizer que o cálculo deveria levar em conta não necessariamente a inflação acumulada no período, mas sim o poder de compra do brasileiro. Ok, então vamos considerar uma variável que permita fazer essa comparação:

-Salário mínimo
2003: R$ 240 (o ingresso representava 4,1%)
2013: R$ 678 (o ingresso equivale a 8,8%)
Se tomássemos como base a alta no salário mínimo em 10 anos (182,5%), o preço aceitável para ir a um jogo na Série B/2013 seria de R$ 28,25 (a inteira, e não a meia, façam-me o favor!).

Querem mais? Pois vamos desconsiderar inflação e salário mínimo para trabalhar com uma outra variável importante e que afeta igualmente o bolso desse tal "brasileiro médio" - que certamente não tem o padrão financeiro de que usufruem o presidente, o CEO e todos os outros envolvidos e cúmplices neste crime contra a torcida e contra a Sociedade Esportiva Palmeiras:

-Transporte público
Vejamos, a partir de infográfico providencialmente publicado ainda esta semana pela Folha de S.Paulo, a evolução das tarifas de ônibus e Metrô em SP nesse mesmo período:





O ônibus custava R$ 1,70 em 2003 e está chegando agora a R$ 3,20. Um pouco acima da inflação do período, mas bem aceitável se comparado à extorsão de que somos vítimas quando se trata do direito de frequentar a arquibancada. O Metrô, por sua vez, subiu de R$ 1,90 para os mesmos R$ 3,20.

Ou seja: o dinheiro do ingresso em 2003 permitia comprar 5 bilhetes unitários do Metrô e ainda restavam R$ 0,50. Uma década depois, paga-se por uma arquibancada o equivalente a 18 passes de Metrô - com R$ 2,40 de troco.

(...)

Há ainda uma série de elementos que podem e devem ser levados em conta nesse debate, e a alguns deles pretendo me dedicar nos próximos dias - simplesmente porque esse tema é de fundamental importância para a nossa realidade e para o nosso futuro. Por ora, no entanto, isso é o que importa. E então, como andei lendo por aí um monte de besteiras na linha do que disse o CEO, eis aqui o desfecho necessário:

Paulo Nobre e José Carlos Brunoro cometeram um crime contra a Sociedade Esportiva Palmeiras, contra o seu maior patrimônio, a torcida, e contra o futebol. Quem compactua com isso é cúmplice.

###

_Não há muito o que dizer sobre o que vimos em Itu - a não ser que o público presente (4.480) ficou bem acima do esperado. Eu bem gostaria de poder falar sobre o jogo, mas o assalto praticado pela dupla presidente/CEO pede passagem.

_Se tomarmos como base o desempenho contra o CAG/GO nos últimos três anos, eis que essa vitória na estreia ganha uma força maior do que a que teria por si só.

_É válido o protesto feito pela Mancha e pelas demais organizadas.

25 comentários:

Anônimo disse...

É inadimissivel cobrar 60,00 para assistir esse "time". Aí não dá. Desta vez estou de acordo com publico zero, protesto de torcida organizada e etc.
Realmente esses dirigentes não sabem oq fazem...Paulo Nobre aparenta nunca ter vivido numa arquibancada.

Eu vou porque sou avanti e meu ingresso é taxa zero..se não, não faria questão nenhuma de ir até itu, pagar mais 60,00 e assistir Kleber, T. Real, M. Araujo entre outros

bruno

César SEP disse...

Estar na arquibancada é um dever para todos os palmeirenses de verdade. Mas diante desta situação, com ingresso a 60 reais, elenco uma merda, clube enfrentando novamente a humilhação de jogar a série B e, um descaso total com o torcedor palmeirense, o certo é ninguém entrar no estádio. Isso certamente vai doer em nós palmeirenses, mas é um mal necessário para atingir um bem maior lá na frente. Se o público continuar a ser de 4000 pagantes ou um número inferior a isso, com certeza a dupla Nobre/Brunoro vai baixar o preço dos ingressos, pois não vai ter outra saída. Do jeito que o mundo está, a maioria composta por "torcedores" oportunistas, eles jamais vão se associar ao Avanti para ver Palmeiras x CRB, por exemplo. Eles irão se associar quando for um jogo importante, decisivo, assim como foi Palmeiras x Grêmio na semifinal da Copa do Brasil e Palmeiras x Tijuana pela Libertadores.
Agora é assim, ou você sócio Avanti, ou você não entra pro jogo. Cadê o planejamento que o Nobre fez, sobre a população de Itu ter um alto poder aquisitivo, descontos para sócios avanti, etc? Ele não disse que iria ter um bom público ontem?! Com o tempo, eles irão perceber (já eram para ter percebido faz tempo!) que sem a Mancha, o estádio vai ficar um túmulo. Se esse preço continuar, no próximo jogo no Pacaembu, a galera tinha que comparecer em peso e ficar ali na Charles Muller protestando.

Abs

Anônimo disse...

Ontem estava lá no Majestoso, fui com 3 amigos sócios do Avanti e confesso que mesmo com o ingresso super inflacionado fiquei decepcionado com o público, isso pq nem sempre jogamos no interior como mandante, não tinha uma faixa de organizada. Por outro lado achei a melhor resposta pra essa diretoria(que eu confio)...Sábado estarei lá novamente , só espero que a diretoria acorde e jogue em prol do time e torcida...Mas ao mesmo tempo espero não ter que ficar pegando carro pra viajar quando o jogo é mando nosso...Eu ainda não esqueço a besteira que as nossas uniformizadas fizeram ano passado. Eu espero que de verdade que a sintonia entre time, torcida e diretoria volte, assim como em 2003. Abs Caruso.

pipo boaretto disse...

Olha, em cima disso ai que voce escreveu no blog, eu cravo:

cobrar 60 reais não é nada, o duro é aquele cara que vai em churrasco e só leva pão

ai é de foder

pipo boaretto disse...

Olha, em cima disso ai que voce escreveu no blog, eu cravo:

cobrar 60 reais não é nada, o duro é aquele cara que vai em churrasco e só leva pão

ai é de foder

Luiz Fernando Sanchez disse...

ô queridão aí cima(Caruso),nós fomos punidos por uma ação violenta nas cadeiras laranjas,a MV fica lá por acaso? Não seja desonesto

Rafael disse...

A punição atual é pela briga com a polícia em Araraquara ocorrida no jogo contra o Botafogo.

Se a ação da torcida naquele momento foi o suficiente para a perda de quatro mandos isso é bem discutível. O problema na ação da Mancha foi que o jogo ainda estava aberto e faltando mais de 15 minutos para o seu término.

* * *

Sobre o preço dos ingressos, não existe razão lógica, tanto é que os argumentos apresentados aqui ou os do Nespoli sobre o CEO são matadores. E ainda tem esse que o Vicente do 3VV acertou em cheio:
"Quem é sócio torcedor tem que ter vantagens. O que parece é uma inversão de valores: o torcedor "não sócio" é que tem "desvantagens"."

O CEO e o Nobre devem ter boa vida e alguma falta de noção do que é viver com um salário ruim, mas não acredito que não sabiam das consequências disso, do estádio que ficaria vazio, etc.

Tem cara muito mais de marcação de território. Estão criando um argumento artificial de barganha para quando a Arena chegar dizerem que estão cobrando o mesmo (ou apenas um pouco mais) do que um dia já foi o valor de um ingresso da série B.

Anônimo disse...

Boa tarde a todos, sabias palavras Barneschi, é correto que com esta equipe não haverá acesso, o plantel é uma merda, o técnico é uma besta, se não houver contratações estamos ferrados, a reforma estatutária, esta sendo manipulada, o MUMU, o maldito, esta com as cartas, mantem sua influencia politica de forma perigosa, é necessário alterações no medieval estatuto que permitam a separação do Futebol e outras modalidades do domínio maléfico, do ``social´´, o tal profissionalismo mantido pelos apoiadores de Nobre, é a realidade de mais dos mesmos incompetentes que são meros baba ovos, pois ate o patético goiano tem patrocinador máster , fato que esta sendo alegado , em negociações estratégicas, alias mais papo furado, já que a camisa do Palmeiras tem o valor real de R$ 72.000.000,00 , ao ano, pois polariza todas as atenções estando na serie B, fator que seve ser uma vergonha momentânea, mas uma ferramenta para que possamos alavancar recursos, de forma inteligente, algo que estou em duvida vinda desta gestão, ou alguém sabe decifrar como foi realizada a negociata entre gaymio e Brunoro?
Claudio Longo FAMIGLIA PALESTRA!

Rodrigo Amato disse...

Fala Barneschi!

Quanto ao preço dos ingressos, entendo seu ponto e concordo com a inversão de valores: não é fodendo o torcedor comum que teremos mais sócio-torcedores. De toda forma, pagando R$ 70/mês o ingresso sai por R$ 17,5/jogo, o que seria equiparado à inflação na correção da Série B de 2003. Nós sempre reclamamos que a nós, frequentadores assíduos, faltava prioridade e benefícios. Ainda que pelas vias erradas, agora eles estão aí. Enfim, não concordo com a posição da diretoria, mas não acho que a redução do preço dos ingressos é a solução também...

Mudando de assunto: ÓDIO ETERNO AO FUTEBOL MODERNO!!!!
http://esporte.uol.com.br/ultimas-noticias/afp/2013/05/26/psy-e-vaiado-antes-da-final-da-copa-da-italia.htm
Mesmo no centro da Europa, a Itália resiste!

Anônimo disse...

Tragam o MUSTAFA de volta!!!

João Paulo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
João Paulo disse...

Excelente post mais uma vez Braneschi. O ponto alto do jogo ficou por conta de um cidadão cobrando um caipira que tirava fotos com bandeira de time argentino. Parabéns pela postura. Abraços!

Marco disse...

Muito bom e necessário texto sobre a questão do preço dos ingressos.
A única restrição que faço não só a esse texto, mas há vários publicados pela Mídia Palestrina é o tratamento dado a torcida palmeirense, como se ela existisse apenas na capital paulista.
“O que faz alguém deixar sua casa e pegar a estrada?”.

A torcida paulistana é muito importante, está ligada diretamente ao clube, por ser da cidade, mas se existisse sozinha faria do Palmeiras apenas uma portuguesa melhorada, um Atlético Mineiro, considerando o número de torcedores.
Nosso time não conseguiria a projeção nacional que tem, não teria os contratos publicitários e as cotas de TV de um clube grande.
A força da torcida palmeirense está no seu todo e não apenas na torcida local, muito importante, mas local, por maior que seja a cidade.

Além do custo abusivo dos ingressos, temos o fato da cidade de Itu ser um velório para o futebol. Famosa pela ausência de público em qualquer partida, de qualquer time. Tem como vantagem a logística de uma distância pequena em relação a São Paulo, o que ajuda o time a cumprir a punição imposta pelos atos de alguns torcedores no Brasileiro de 2012.

Obs: Essa punição é devido aos confrontos com a polícia ocorrido no INTERVALO do jogo contra o Botafogo. Não faltavam quinze minutos e não foi o episódio do Pacaembu.

Daniel Avventurato disse...

Não tem mal nenhum em alavancar o Avanti, mas não do jeito que fizeram. Chamaram o torcedor - principalmente o AVANTI de 19,90 - De trouxa!

Poderia até deixar o ingresso mais caro, mas não a $60. 30, até 40 seria razoavel, com o ST pagando 15 ou 20. Agora botar o sócio-torcedor pra pagar 30, é cobrar o mesmo preço cheio (sem ser ST) do Paulista, mas fingir q mudou só pq é sócio-torcedor. Não sei se alguém caiu nessa ilusão.

Até mesmo se fosse esse preço de 60, mas com o ST básico pagando 15 ou 20 no ingresso... aí pelo menos justificaria a estratégia de impulsionar o avanti. Mas desse jeito, ficou feio, o Avanti básico passou a pagar 30 ao invés de 15 como no Paulista. Ou seja, piorou inclusive para quem já era Avanti!!!

Obs: Sou Avanti "Sou Palmeiras", não pago ingresso, e para mim não mudou nada. Mas só não vê essa burrada quem não quer.

Sergio Mendonça disse...

O que leva alguém a deixar sua casa no sábado à tarde, largar mão de assistir à final da Champions League e encarar a estrada para, a um custo bem extorsivo, ver em campo um jogo da Série B com dois times horríveis?

Em uma palavra: amor pelo seu time.

Realmente só isso mesmo para fazermos loucuras pelo Palmeiras.

Sai de Mogi das Cruzes, deixei a familia em SBC, peguei o Rodoanel depois de 55 km, cheguei na Castelo, rodei mais quase 100 km até Itú. Fazendo o mesmo percurso no retorno, perdi a conta de quantos pedagios passei.

Na porta do estádio fui abordado por um "Avanti" que ofereceu entrar com seu cartão pagando R$ 50,00, claro que aceitei, tenho o recibo em nome dele (o que vai ter de truque com estes cartões).

Sou sócio familiar do Palmeiras, pago mensalidade corretamente e já considero que faço minha parte, mais pesaria no meu orçamento.

O senhor CEO depois de quatro meses de serviço nao mostrou nenhuma novidade, ou seja, não consegui captar receitas para o clube e esta se glorificadno apenas com o programa sócio torcedor.Trabalhar quando era Parmalat e havia muito dinheiro e facil, agora quero ver ele se virar sem o dinheiro da empresa.

Quanto ao PN sempre foi filhinho de papai, ia de motorista particular nos jogos na decada de 80, tinha uma torcida que ele mesmo mandou fazer a faixa, não conhece as dificuldades da vida, não sabe o valor do salario minimo e tampouco da passagem de ônibus, por este motivo é claro R$ 60,00 para ele é pouco.

Agora por favor me explique, se existem 24 mil sócios torcedores, o público foi de 4300 pagantes, aonde estão os outros 19 mil?

Mesmo com todas as dificuldades estarei no proximo jogo em Itú e se der certo em Recife também.

Para finalizar parabens pelo trabalho explicativo na postagem, realmente perfeito.

gregory disse...

Tive um debate feio com dois torcedores sabado.

Um disse que eu tinha mais é que trabalhar e pagar o ingresso. Que pra ele eu era um comunista safado e que ele era fanático o suficiente para pagar o valor que fosse no ingresso (lógico que não o faz, por uma série de motivos).

O outro filho da puta falou que estamos torcendo contra nesse protesto, e que podiamos muito bem pagar o valor do ingresso.

Eu mesmo sendo sócio Avanti e não pagando o ingresso jamais aceitarei tamanho abuso.

E como diz a faixa na frente da sede da minha torcida: O Nobre é GAMBÁ!

gregory disse...

Claro que ambas as discussões foram pela net, nenhum dos dois filhos da putas viriam falar uma bosta dessa pessoalmente pra mim.

Não que eu seja o Holyfield, mas ouvir uma bosta dessa calado é foda.

Anônimo disse...

Otimo analise. Não sabem que é um time de massa. Nâo percebem que precisamos aumentar nossa torcida.

Paulo Nobre, o que o pai Palmeirense deve dizer ao seu (s) filho(s) quando ele pedir para ir ao estadio????

Lembra do pedido da bicicleta? Nesse caso é só um jogo!!!

Anônimo disse...

Ja não fomos humilhados demais???
A torcida que sempre esteve lá mesmo com times horriveis.

Me pergunto. A TORCIDA JA NÃO SOFREU HUMILHAÇAO DEMAIS E AINDA VAMOS PAGAR A CONTA???

Marco disse...

Uma correção em relação a Itu, referente ao comentário que fiz acima.
Recebi uma mensagem de um palmeirense de lá afirmando que jogos envolvendo times grandes sempre tiveram público superior a dez mil pessoas e que se os ingressos tivessem um preço razoável, o estádio teria muito mais público.

Wagner Palma disse...

Quer mais um dado?
Então vamos lá:
"Rendimento médio nominal do trabalho principal, habitualmente recebido por mês, pelas
pessoas de 10 anos ou mais de idade, ocupadas na semana de referência, por regiões
metropolitanas, segundo os meses da pesquisa - mar.2002-abr.2013", realizada pelo IBGE na Cidade de São Paulo.
Abril/2003 - R$ 1.035,00
Abril/2013 - R$ 1.996,70
Variação de 92,9%
Enquanto isso, o preço dos ingressos variaram 500%.
Sinceramente, começo a ficar preocupado como as coisas estão sendo conduzidas no Palmeiras.

Barneschi disse...

João Paulo,
Valeu, cara! Fiz apenas o que me pareceu ser o correto naquela situação. Não foi só com aquele cara; depois apareceu outro com a camisa ali perto do portão principal. O cara nem palmeirense era, acredita nisso?
Abraços

Anônimo disse...

Só acho caro por servem itu.
Mas no pacaembu tem que ser esse preço e tem que impulsionar o avanti mesmo.
Ta cheio de gente chorando por nao querer aderir ao avanti, sem perceber que vai ficar mais varato e mais facil comprar os ingressos.
Fora promoçoes, descontos e eventos.
Tem muita gente que gosta mesmo é de sofrer em filas e pagar caro. Fazer o quê?

Rafael Kuvasney Marcolin disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Rafael Kuvasney Marcolin disse...

Tem coisas que leio as vezes que realmente me fazem pensar se eu não tô vivendo numa realidade paralela. Sério que tem sujeito aí que acha que é normal cobrar R$60,00 por um ingresso?

Meu ST é o "Minha Vida é Você". Eu teria de pagar R$30,00 pelo ingresso + combustível + pedágio + comodidades (comer e beber é uma comodidade, acho) para ir ao jogo. Obviamente, não fui.

Rodrigo Amato, veja bem, o Palmeiras não joga 4 vezes por mês em casa o ano inteiro. E outra, R$17,50 cada ingresso ainda assim sai caro para um sujeito que vai a todos os jogos. Eu vou a 80% dos jogos em casa todo ano, mas não quis fazer o ST de R$70,00 porque, apesar de ter o Palmeiras como uma prioridade, sem grana nada adiantaria (eu não ganho tão bem assim). Você cita o "ÓDIO ETERNO AO FUTEBOL MODERNO" mas você mesmo compartilha idéias que afastam o povo da arquibancada - ou seja - estimula o futebol moderno.

Continuo com minha opinião: na economia atual, pagar + de R$15,00 por um ingresso para um ST é exagero.