22 outubro 2009

O preço do título

Junto com o time do Palmeiras, quem também virou o fio antes da hora foi a edição de novembro da Placar, que chegou hoje para os assinantes com a sua capa já perdida em meio à derrocada alviverde. É no mínimo irônico receber em casa, no dia seguinte à humilhação sofrida em Santo André, uma revista que traz na capa Diego Souza e Vágner Love com a manchete "O preço do título".

O preço do título, no caso, corresponde às dívidas contraídas pela diretoria diante do esforço para manter jogadores com propostas do exterior, dos aumentos de salário e da repatriação de Love. O esforço, diga-se, foi elogiado por este blog e pela quase totalidade da torcida palmeirense. É este também o foco da reportagem da Placar, que só não poderia prever as três derrotas seguidas de um time que tinha perdido até então apenas quatro em 28.

Ainda líder, o Palmeiras de hoje parece incapaz de reagir e recuperar um título que já parecia ganho. Tal observação nem entra na conta da tendência extremista do palmeirense, que vai da euforia à depressão em questão de horas, e nem se deve creditar aos fantasmas do passado. Não é o caso, ao menos não agora. O pessimismo se justifica desta vez, tanto quanto o inconformismo e a decepção, sendo que esta pode ser tão grande quando a expectativa criada.

"Quanto custa um título?", pergunta a Placar, referindo-se ao tanto que o Palmeiras empenhou para voltar a ser campeão brasileiro depois de 15 anos. Difícil responder. Para o torcedor palmeirense, o custo é altíssimo, mais até do que os R$ 40 que nos tem exigido pela arquibancada, mais do que os R$ 47,11 de ticket médio na nossa casa e mais do que os R$ 50 que serão cobrados dos insanos dispostos a viajar de novo até a maldita Prudente Prudente. É mais do que todo o descaso dedicado pelo clube ao seu torcedor.

O prejuízo maior tem pouco a ver com o tanto que já foi gasto atrás do Palmeiras neste e em qualquer outro ano. Pesam agora a decepção irremediável, a quebra de confiança, a esperança que escorre pelas mãos de maneira tão inexplicável. É o custo de ver que mais um título pode ter sido jogado no lixo, e que, se for assim, será uma derrota para nós mesmos. É o custo de sucumbir ao fracasso e de passar a questionar o porquê de termos perdido muito da nossa grandeza em algum lugar desta década perdida.

10 comentários:

Nicola disse...

http://cruzdesavoia.wordpress.com/2009/10/22/como-eu-queria-esse-derby-agora/

Só se vencer esse jogo. E claro, o Goiás antes, também.

Ricardo disse...

barneschi,

você conseguiu resumir no último parágrafo o que está engasgado na garganta de todos os palestrinos...

só nos resta levantar a cabeça e fazer a nossa parte como torcedor: apoiar o time na hora que se deve apoiar, e criticar na hora que se deve criticar...

abs

Anônimo disse...

Que pessimismo é esse? Só ficou mais difícil. Não tem nada perdido.

Juliana disse...

Nossa cara, eu li essa reportagem, ache um absurdo gastare tudo isso para chegar na hora do "vamos ver", cadê.

Concordo plenamente com vc no aspecto em que,mais do que "perder" dinheiro comprando ingressos, os palmeirenses estão perdendo a vontade, desacreditando de verdade de um título que jáchegou a ser tão palpável e,agora, está cada vez mis distante. Não podemos esuqecer que estaremos na liderança essa rodada, porém se continuar dessejeito, SÓ MAIS ESSA!!! Como isso me deixa triste! Ver um time totalmente irreconhecível, uma defesa totalmnte vazada... Ahhh Saudades do Pierre! um ataque perdido... e um meia desaparecido! Mas, apesar de tudo isso, o amor continua, e a dor também! Mas o que seria do futebol se não existisse isso.

Valew, Beijos à todos

Reginaldo Nepomuceno disse...

Se a mídia esportiva quer nos vender a ideia de desistir do título, que venham! Não se deve desistir assim tão facilmente, nem o time nem a torcida!

SIAMO PALESTRA!!!

Suardi disse...

Barneschi,

Palmeirense é extremista por natureza, pois é a paixão pelo time que move esta enorme nação, entretanto acredito que mesmo com estes tropeços que não foram normais, devemos manter nosso apoio irrestrito aos jogadores, sejam eles merecedores ou não, para só então, quando não houver mais chances, cobrarmos! O que mais precisamos passar a eles é apoio para que se sintam confiantes e voltem a demonstrar o futebol perdido a 4 rodadas atrás....

Rafael disse...

É o custo de sucumbir ao fracasso e de passar a questionar o porquê de termos perdido muito da nossa grandeza em algum lugar desta década perdida.

Para mim ainda são consequências das más gestões anteriores (Mustafá e cia).

A gestão atual tem seus méritos ao recuperar o clube em diversos aspectos, mas ainda peca ao ignorar a essência do futebol. E sinto que isso influi na falta de personalidade do time em momentos como esse.

Anônimo disse...

Acho que o palmeiras não perdeu nem um pouco de sua grandeza.

Anônimo disse...

Barneschi,
Acompanho seu blog há tempos. Você é inteligente, sensível, rebelde, passional, e tem grande capacidade de análise crítica. Gosto muito de tudo o que você escreve. Concordo com tudo o que você disse sobre as últimas derrotas do nosso querido Verdão, mas, neste momento crítico e deprimente, precisamos reagir! É a tal velha história de "tomar um limão, e, fazer uma limonada". Não temos outra alternativa que não seja ainda acreditar. Acho que agora, depende muito mais dos jogadores do que do técnico, da diretoria, da torcida. Eles, os jogadores, precisam decidir se são homens de verdade ou moleques mimados. Eles, os jogadores, precisam decidir se querem ser heróis de um grande time ou se são apenas mais um bando de medíocres que não souberam enfrentar um desafio. O sofrimento tem que servir para nos tornar mais fortes! Vamos acreditar! Vamos, através de nossa força, fazer com que eles, os jogadores, acreditem! Vamos lá no Parque Antarctica, contra o Goiás, torcer como nunca! Agora, é tudo ou nada! O Palmeiras
não pode se apequenar. Vamos cantar juntos os versos de uma canção de Ivan Lins que diz: "..Desesperar jamais, aprendemos muitos nestes anos,..., afinal de contas não tem cabimento, entregar o jogo no primeiro tempo..". "Nada de morrer na praia"
E, para lembrar um pouco do Gonzanguinha: "Vamos lá, fazer o que será!"
O campeonato ainda está nas nossas mãos! Vamos lutar até o fim!É quinta- feira, contra o Goiás! Vamos reviver como Fenix! Ainda vamos comemorar este título!
Saudações alvi-verdes!

Marco Túlio disse...

Os vermes do flamerda devem 333 milhores de reais. Podem até (toc toc toc) levar esse BR09. Ou seja, que se FODAM as dividas, quero mesmo é q o PALMEIRAS vença !!