28 abril 2010

Ah, o mata-mata...

Vejam que estão em clima de decisão 11 das 12 torcidas de grandes clubes do país - só o Botafogo, sobre quem recaem certas dúvidas, está de folga. E todas as torcidas, umas mais, outras menos, se enchem de expectativas para os confrontos que virão nesta e na próxima semana. É o poder do mata-mata, dos grandes duelos, das decisões instantâneas, do gol no último minuto, dos heróis de um jogo só, da história que se vê construir diante dos olhos.

Aproveitemos, pois, o clima de decisão. Porque os idiotas da objetividade e da justiça nos roubaram esse direito no Campeonato Brasileiro, definitivamente entregue à chatice dos pontos corridos. Vivemos já há quase sete anos sob o signo de uma competição nacional que nos sonega o direito de erigir ídolos, condenar vilões e guardar na memória jogos inesquecíveis.

Jogos inesquecíveis? O que é isso na era de pontos corridos? Que jogos inesquecíveis tivemos nos Campeonatos Brasileiros de 2003 a 2009? Que grandes lembranças temos desses últimos anos? Que jornadas ficarão na memória mesmo dos torcedores que viram seus times campeões?

A edição de 40 anos da revista Placar traz uma lista dos 40 maiores jogos envolvendo clubes brasileiros desde 1970. É uma publicação que carrega o peso de documento histórico, e o que se vê é que as quatro dezenas de partidas listadas pela Placar foram quase todas disputadas no formato mata-mata. Claro, não poderia ser diferente; os pontos corridos não permitem jogos inesquecíveis.

Portanto, torcedores de 11 dos 12 grandes clubes do país: aproveitemos! Teremos jogos inesquecíveis para compensar o marasmo que virá a partir do início de maio.

***

Placar fez uma série de listas nesta edição de 40 anos. É evidente que não seria possível alcançar o consenso, mas algumas distorções são muito graves e eu me permito aqui palpitar sobre elas:

1. Lista dos 40 maiores jogadores brasileiros desde 1970: dá pra discutir muita coisa, mas é inaceitável ver Evair fora do ranking.

2. Lista dos 40 maiores jogos envolvendo clubes brasileiros desde 1970: fica a impressão que a revista procura contemplar todos os grandes (e não só) clubes do país, de modo a transmitir uma isenção que não seria necessária. Eu bem poderia acrescentar à relação muitos jogos menos contundentes (o Palmeiras 6 x 1 Boca Jrs. de 1994, por exemplo), mas seria a minha opinião. O que extrapola isso é a certeza de que o Palmeiras 4 x 0 Corinthians de 1993 e o Corinthians 1 x 0 Ponte Preta de 1977 não poderiam jamais ser esquecidos. Mas foram.

***

"Febre de bola", página 37:

"Estranhamente, isso não fez a diferença, porque a Inglaterra se mostrou à altura. Quando jogamos contra o Brasil na segunda partida, levamos azar ao perder por 1 a 0; e num torneio que forneceu dezenas de superlativos - o melhor time de todos os tempos, o melhor jogador de todos os tempos, até os melhores gols perdidos de todos os tempos (ambos por Pelé) - tivemos duas contribuições próprias, a melhor defesa de todos os tempos (Banks contra Pelé, é claro) e o melhor e mais precisamente executado desarme de todos os tempos (Moore contra Jairzinho). É significativo que nossa contribuição para esse carnaval de superlativos se deva à excelência defensiva, mas não importa - durante 90 minutos, a Inglaterra jogou tão bem quanto o melhor time do mundo."

***

Mais uma indicação de leitura: "Entre os vândalos", de Bill Buford. Estou selecionando os trechos enquanto leio. Deixo aqui um para apreciação de vocês:

"Perguntei a ele se podia me informar onde estávamos.
Itália, ele respondeu. Estamos na Itália; e em seguida, como que a título de esclarecimento: carcamanos de merda.
Eu disse, é claro, é claro, sabia que estávamos na Itália. Mas saberia ele onde na Itália?
Juventus, respondeu, ao fim de uma pausa, desconfiando tratar-se de uma pergunta capciosa. E acrescentou novamente, então, como que para reforçar a autoridade de sua afirmação: carcamanos de merda.
A cidade de Juventus?, perguntei.
É isso aí, ele disse. Pausa. Carcamanos de merda.
Observei que Juventus não era o nome de uma cidade; era o nome de um clube de futebol - a Juventus de Torino -, mas talvez eu não tenha sido muito claro."

18 comentários:

Rafael disse...

duas cagadas inaceitáveis da Placar...ta virando um Lanche! da vida...hehe

pilantra, um dia desses estava vendo um documentário sobre a copa de 06, no sportv se não me engano...
nao lembro quem era o animal que tava narrando, mas o calhorda teve a moral de falar isso:
"e como vcs podem ver, o Brasil tinha uma até então campanha invícta, e foi eliminado em uma circunstância do acaso, no gol de Henry....assim como em 82, 86 e em tantos outros caso, o mata-mata acabou com o futebol bonito e bem jogado...quando será que a FIFA irá estipular Copa do Mundo no sistema pontos corridos??"
juro que eu quase tive um enfarte...

como pode alguém em sã consciência falar uma merda dessa??

abs mano

Carlos G disse...

Boa tarde!
Respeito seu ponto de vista,porém não concordo!Nós palmeirenses não temos mesmo nada a comemorar desde o inicio dos pontos corridos,mas TODOS de 2003 para cá foram justos.
Eleger vilões??Fácil,Diego Souza,Pierre,Robert,etc e tal.
Ídolos?Nós não temos,mas veja os times que se sairam bem,eles tem.
Abraço!

Forza Palestra disse...

E quem falou aqui de termos ou não algo para comemorar? Quem disse que é isso que importa?

E como é que você pode vir falar em "justiça"? Quem disse que o futebol é feito de justiças? Quem se importa com isso?

De resto, dizer que foram justos os campeonatos de 2005 e 2007/2008 (com a infinidade de pontos gentilmente dados pela arbitragem aos leonores) é um pouco demais...

Mais ainda: quem foram os heróis dos títulos de 2003 para cá? Pergunte a um bambi qualquer se ele se lembra qual foi o jogo do título de 2006. Ou de 2007. Ou a um torcedor do Santos sobre qual foi o jogo do título de 2004. E assim por diante... fica tudo esquecido.

¿Doubter? disse...

Cara, tenho acompanhado todas as postagens e inclusive me animei a arrumar um exemplar do Febre de Bola. como você citou um outro livro hoje, tomo a liberdade de lhe indicar um outro livro muito bom, que não diz a respeito a futebol exclusivamente, mas que também fala de hooligans, suas motivações e o poder de atração das torcidas organizadas. O livro é Guerra Civil do jornalista/sociólogo Hans Magnus Enzensberger.

Abraço!

Forza Palestra disse...

Doubter,
Valeu pela indicação, cara. Dei uma pesquisada aqui e gostei do livro. Vou pegar pra ler assim que terminar esse e mais outros dois que estão na fila.
Abraços

SERGIO EMILIO disse...

PLACAR ? Revista ultrpapassada e falida! Perder tempo em ler.

Forza Palestra disse...

Sergio,
Já ouvi críticas de todo tipo à Placar. Fico sem entender o motivo. Porque ela pode ter lá suas falhas aqui e ali, mas é infelizmente a única revista de futebol que sobreviveu (as outras nem chegaram a fazer cócegas e ainda tem nego que vem falar que este é o “País do Futebol”) e a sua qualidade está bem acima de quase tudo o que é feito pela nossa valorosa imprensa esportiva. Portanto, não dá para desmerecer.
Abraços

Pedro Pellegrino disse...

Barneschi, tem um filme chamado "Santa Maradona", a história se passa na Itália, dois torcedores fanáticos da Juve, é meio foda de encontrar, mas se tiver a fim corre atrás. Você sabe em qual fase que a Copa do Brasil e a Libertadores vão parar para a disputa da Copa do Mundo? Nem sei se já perguntei isso aqui, tô louco, rs. Abraços.

Ulisses disse...

Não é preciso ir longe Barneschi...

Veja que Domingo 90% dos olhares paulistas estavam voltados a final do campeonato regional.

Tal como ano passado.

Porque é uma FINAL. E não a papagaiada dos pontos corridos... Foda-se pontos corridos... Foda-se futebol bonito... Foda-se Juquinhas da vida!!

Isso em campeonatos regionais, agora, lembra dos nacionais?!?! Como podem defender esse sistema MORTO?

Abs!

Zoinho disse...

Se alguem tiver ingresso para amanhã me avise !!

Abraços

Zoinho

Ju'83 MV UN - Giovanni disse...

JUVE MERDA!
FORZA NAPOLI!

Anônimo disse...

Cara, vc poderia me indicar alguns livros que tratam, não necessariamente sobre futebol, mas determinados aspectos do mesmo?
Vc mencionou para o Doubter, que já tem 2 livros engatilhados para ler, quais seriam?
Já li Entre os Vândalos, e essa primeira parte onde relata a experiência de ir assistir um jogo do Manchester United fora da Inglaterra, mesmo com a direção do Manchester tendo proibido a presença de seus próprios na Itália torcedores, é simplesmente fantástica.
Não sei se vc já leu, mas fica ai a indicação:
Vencer ou Morrer, Gilberto Agostinho;
Como o futebol explica o mundo, Franklin Foer;
A dança dos deuses, Hilário Franco Junior
Jorge Kusteri

Forza Palestra disse...

Pedro
A Copa do Brasil para logo depois da semifinal: temos jogos no dia 12 e no dia 19. Aí a final fica para depois da Copa.
No caso da Libertadores, teremos ainda os jogos das quartas-de-final. Semifinal e final ficam para depois da Copa.


Jorge
Cara, eu tenho muitos livros bons sobre o futebol. Já li o "Como o futebol explica o mundo" também, mas esses outros que você indicou ainda não. Vou procurar também. Valeu!
Eu te indicaria "Veneno Remédio", de José Miguel Wisnik e "Invasão de campo", de Barbara Smit (é a história de adidas e Puma; vai além do futebol até). Outro livro imperdível é a biografia do Garrincha ("Ruy Castro").

Abraços

Anônimo disse...

Valeu cara, se puder indicar outros agradeço.
Jorge Kusteri

Ulisses disse...

Zoinho,

Acho que meu irmão tem 1 ingresso sobrando.

Liga pra ele!!

Abs!!

Ulisses disse...

Zoinho,

Acho que meu irmão tem 1 ingresso sobrando.

Liga pra ele!!

Abs!

Claudio Yida Jr disse...

Por que 2005?

O senhor guarda muito rancor no teu peito.

¿Doubter? disse...

Jorge, acabei de ler o livro do Hilário nessa semana. A parte 9, em que ele trata da linguagem do futebol é genial. É um livro acadêmico sobre futebol, acho que o único do tipo.

Abraços!