17 novembro 2011

Abandono



A foto acima, belíssima, bem que poderia ilustrar algum post atemporal sobre o bom e velho Pacaembu, o mais belo estádio de que se tem notícia desde o assassinato do Maracanã. Poderia. Mas não é. A imagem, do amigo Gabriel Uchida, do Foto Torcida, vem bem a calhar para retratar a situação de abandono que a torcida do Palmeiras impôs ao time. Porque nada justifica presença tão pífia da nossa torcida na noite desta quarta-feira - menos ainda em um jogo contra o Vasco e com ingresso a R$ 10.

A torcida sumiu. O Palmeiras é sim uma torcida sem time, mas mesmo essa torcida já não é o que já foi. Somos agora menos presentes do que deveríamos ser para justificar uma cobrança à altura da história do clube. Os últimos jogos têm apontado nessa direção, mas o desta quarta à noite no Pacaembu atirou isso em nossa cara de maneira incontestável - e doeu fundo na alma de gente que, como eu, simplesmente não tem a opção de não ir ao estádio.

Quem foi ao Pacaembu viu qual era o cenário. A torcida abandonou o time logo em um momento em que isso não me parecia nem um pouco compreensível. Sei lá, talvez eu seja exigente demais. Talvez. Talvez eu seja um doente mental também, tendo em vista o fato de ir a todos os jogos sem exceção e, entre outras coisas, ter não só ido até Porto Alegre no domingo último, mas já estar com viagem marcada para Salvador no próximo final de semana. Talvez a culpa seja minha. Talvez o nível de exigência não seja compatível com uma conduta, digamos, normal.

Que seja. Mas que não venham depois os putos que resolveram não ir ao jogo por comodismo ou qualquer coisa do tipo reclamar. Não venham com o papinho de "eu sou tão torcedor quanto você". Não venham querer fazer cobranças indevidas. E não venham querer pagar de malandros quando o Palmeiras voltar a disputar títulos. Porque aí é muito fácil dar as caras. Difícil mesmo é ir atrás do time quando a derrota parece ser o mais provável, só porque é dever do torcedor estar junto com a camisa alviverde sempre que ela vai a campo.

E enquanto alguém aí pode se sentir ofendido com essas palavras necessárias, eu estou me preparando para seguir até Salvador e depois para as duas batalhas do Pacaembu.

Torcedor é aquele que vai ao estádio!

###

Sobre o jogo, o resultado e as repercussões disso tudo, sinto-me obrigado a deixar aqui dois breves e sucintos comentários:

_É dia 04/12, bando de vagabundos! Joguem futebol! Honrem a camisa e lutem sem parar! É dia 04/12!

###

_"Febre de bola", página 151: ""Você precisa conhecer o meu amigo", estão sempre me dizendo. "Ele é um grande torcedor do Arsenal". E aí conheço o tal amigo, e acaba que no máximo ele procura o placar do jogo do Arsenal no jornal de domingo, ou então, o que é pior, não consegue dizer o nome de um único jogador depois de Denis Compton. Nenhum desses encontros armados funcionou; sempre sou exigente demais, e meus parceiros simplesmente não estão interessados em compromisso".

_"Febre de bola", página 17: "Afinal, o futebol é um ótimo jogo e tudo mais, mas o que diferencia aqueles que se satisfazem com meia dúzia de jogos por temporada - assistindo às grandes partidas e se afastando das peladas, numa postura certamente sensata - daqueles que se sentem obrigados a comparecer a todos? Para que viajar de Londres a Plymouth numa quarta-feira, sacrificando um feriado precioso, para ver um jogo cujo resultado já foi efetivamente decidido na primeira partida em Highbury? E se esta teoria do ato de torcer como terapia estiver perto da verdade, que inferno estará enterrado no subconsciente das pessoas que vão aos jogos da Taça Leyland DAF? Talvez seja melhor nem sabermos."

_Chegou ao blog só agora e não acompanhou toda a sequência de trechos do "Febre de bola"? Então veja aqui.

22 comentários:

Gabriel Manetta Marquezin disse...

o sentimento é o mesmo da grande maioria que estava presente ontém, não posso dizer que é unânime pois ontem de unânime não tinha nada na arquibancada, tinha torcedor comemorando a vitória do Brisa/PR contra o SPFW, e ignorando a derrota do Bahia em Porto Alegre, vai entender...será que esses torcedores acham que o Palmeiras está brigando pelo título ou por uma vaga na Libertadores???

Abs Barnechi!

Luiz Fernando disse...

Cara,este ano estava "invicto" no Pacaembu,Canindé e Barueri fui em todos jogos inclusive os no rio que eh o único lugar q tnho condições financeiras de ir,ontem sinceramente não tive o menor ânimo e o motivo vc msm disse no seu post anterior:"Só tenho uma certeza sobre hoje à noite: seja lá qual for o resultado, sairemos irritados do Pacaembu e teremos motivos para lamentar"
Admiro o seu empenho de ter ido ontem,mas pra mim isso resume tudo

Geraldo Batista disse...

Fica dificil falar pq nao moro em SP, mas mesmo assim temos um grupo de amigos aqui em Vitoria q tem se afastado da MV local pq nao temos gostado de algumas atitudes...e acreditem ate pra se reunir pra ver o jogo sentado no sofa olhando pra uma tv de 52polegadas em HD tem sido dificil e chato, e sempre derrota e todos tristes, mas eu digo pra vcs torcedores q estavam la no pacaembu so tem uma coisa q nos anima de ver os jogos pela TV e de longe...olhar pra TV quando filma a torcida e ver sei-la uns 1000 torcedores e olhar pra eles e sentir q vcs estao representando o nosso sentimento, pois saibam q eu conheco pelomenos mais 5 q concerteza se tivesem como estariam na cancha ontem com vcs e cantando e lutando por mais uma vitoria pq quando aquela camisa verde entra em campo nao conseguimos fazer outra coisa q nao seja nos reunirmos e torcemos e tentar de longe levar o nosso time para mais uma vitoria...

Muito obrigado pois vcs fazem dar sentido o sentimento de todos os Palmeirense q estao longe da sua terra natal O PALESTRA ITALIA

@batista_mv

Anônimo disse...

Realmente, não fui contra o Vasco. Mas não por abandono, guardei meu dinheiro contra os Bambis.
Eu entendo o que você fala sobre uns não irem ao estádio, mas não sei se pra você é mais fácil. Você é formado em jornalismo e provavelmente tem o crachazinho de entrar de graça, rs.
Eu sei que o jogo de ontem eram míseres 10 reais, mas preferi guardar e adicinar mais 5 contra os Bambis. :/

Enfim, precisamos vencer o Bahêa para nos aliviarmos. Palmeiras PRECISA vencer os gambás. Ta foda esse ano. E não acaba nunca.

Forza Palestra disse...

Anônimo
Eu pago ingresso tanto quanto você e qualquer outro torcedor. Entendo as dificuldades e impedimentos de cada um e não questiono isso. O ponto aqui diz respeito a quem fez isso por comodismo ou pela sensação de que poderia abandonar o time agora para voltar numa hora boa. Isso eu não admito.

Geraldo Batista
Obrigado, cara. Valeu!

Anônimo disse...

Meu caro Barneschi,
Seu texto me emociona, me arrepia. Você descreve o verdadeiro sentimento do que é ser palestrino. Quando joga o Palmeiras, em que lugar for, em que situação for, eu me sinto diferente. Quando joga o Palmeiras o dia torna-se especial e desde que acordo já sinto aquele frio na barriga que só ocorre em ocasiões especiais. Um verdadeiro torcedor jamais abondona o seu time e considero essa uma medida de seu real caráter. Considero essa lealdade um valor tão importante quanto a honestidade, a ética, a solidariedade e por aí vai. Amo o Pacaembu e amo quando o Palmeiras joga no Pacaembu!Já vi, em companhia de toda a família o Palmeiras ser campeão Paulista em cima do time do Jardim Leonor, com o Pacaembu completamente lotado!Foi um dos dias mais lindos da minha vida!Já vi o eterno Dudu jogar com uma costela quebrada diante do mesmo abjeto time no lindo Pacaembu! É realmente muito triste ver o abandono a que a torcida relegou o clube, as cores, o escudo, a história do nosso glorioso Verdão em um estádio que é um dos mais lindos lugares que São Paulo tem!Só quem viveu essas emoçoes sabe o que é estar de corpo e alma com o time, em qualquer tempo. Forte e solidário abraço. Seguiremos juntos e fraternos nesse imenso sentimento de amar e torcer pelo gigante Palmeiras, contra tudo e contra todos!

Rafael Scalize disse...

Eu tenho uma análise um pouco mais fria, acredito que seja discordante deste blog e da maioria de seus visitantes.

Não acho que a torcida "sumiu", mas ela "envelheceu". Aquela massa que está sempre presente passou dos 30, casou, teve filhos. Isso diminui a frequência, não dá para negar.

Falo por causa própria, depois que minha filha nasceu, em 2007, tive que abdicar de acompanhar o Palmeiras na maioria dos jogos fora, e às vezes algum em casa. A questão financeira também aumenta depois que você forma uma família.

Pois bem, esses que tiveram que se afastar um pouco não foram suficientemente substituídos pela molecada, pois esta não se tornou Palmeirense na mesma proporção necessária.

Temos aí a primeira consequência visível da perda de identidade do Palmeiras, causada pelas terríveis administrações dos anos 2000.

Essa é minha visão. OBS: eu estava lá ontem, dentre os 8.000, bem como estava em Barueri, POA contra Inter, etc.

Forza Palestra disse...

Valeu, Scalize. Respeito seu ponto de vista e entendo que ele é bastante válido. Abraços

E obrigado ao comentário anônimo anterior. Valeu mesmo! O sentido de o blog existir são mensagens como essa e elogios como os que eu recebi ontem no estádio de gente que eu nem conhecia.

Bruno Furlaneto disse...

Admiro e muito os bravos palestrinos que estão em todas com o Palmeiras. Poucas vezes por ano estive no estádio, seja pela distância, seja pela fase do time, seja o que for.

Lendo os textos e alguns comentários daqui, percebo que sim, existem torcedores mais palmeirenses que outros, inclusive eu. E estes, só posso reverenciar.

Parabéns aos verdadeiros torcedores do Palmeiras.

Anônimo disse...

Ontem no estádio fiquei com a impressão que havia uns 6.000, hoje vi que eram 8.000 considerando metade ou mais dos adversários, foram 3.000 ou 4.000 palmeirenses em casa lutando contra o rebaixamento, alguem que estava presente pode precisar a quantidade, sou péssimo nisso....estive tb no Canindé quando tinha a mesma quantidade de fluflu e palmeirenses....que situação chegou nossa torcida, e o pior de tudo é que ainda temo pelo pior em 04/12, um dia que com certeza, com certeza mesmo terá que ser esquicido de nossa história....

Rafael Kuvasney Marcolin disse...

Até aquele jogo contra o Inter-RS, onde levamos uma sova de 3x0, havia ido a todos os jogos em São Paulo (exceto àquele bizarro das 19h30, porque tenho família pra sustentar e trabalho até as 19h). Fui naquele jogo contra o Coritiba, vi o Palmeiras não ganhar duas vezes dos gambás e continuei acreditando. O problema é que, depois de ver o time ser cada vez mais surrado e abandonado pelos malditos que o comandam (Tirone e Frizzo), começou a ficar difícil largar R$30,00 do ingresso (meu e da minha mulher) + ~R$15,00 do picareta que toma conta do carro/moto (na rua, claro) a cada 10 dias. Eu não ganho tão bem assim e saio de Santo André pra ir aos jogos. No Canindé já tentaram roubar minha moto, no Pacaembu quebraram o vidro do carro que estava a frente do meu. Assumi esses riscos por + de 20 vezes esse ano pra ver o Palmeiras, torcer e empurrá-lo á vitória. Mas chega um momento que a grana pesa no bolso e o time não faz nada pra compensar. Só agora, com os ingressos mais baratos, faz sentido voltar aos jogos.

De qualquer forma, ainda estou em dívida. Contra o Coxa não fui por motivo familiar e ontem porque as obrigações de pai falaram mais alto. Tive de desistir de ir ao jogo pouco antes das 20h. Apesar dos motivos das duas últimas desistências terem sido realmente de força maior, acho que a falta de tesão também age no subconsciente. É invetável a decepção. Não por mais um ano de fila, mas pela forma como fomos largados. As "Diretas Já Palmeirenses" deram um novo ânimo ao torcedor, pois foram o único evento positivo do segundo semestre, além da vitória em cima dos gambás.

Zé Mário disse...

Agora é que conhecemos os verdadeiros torcedores, no momento do sofrimento em que apenas o esforço de ir a cancha vale, já que o time pode não valer nada, mas o sentimento de dever cumprido ao defender o Palestra Itália dessa gente suja e crápula que insiste em sobreviver dentro do Palmeiras.

A unica sensação é que dá, para nós verdadeiros que moramos longe de SP e insistimos em pegar a estrada sempre que chega a obrigação é a tristeza de nós, que vamos principalmente aos jogos fora, quando o momento é bom temos que nos sacrificar por esses oportunistas de araque, oportunistas de ppv para o nosso direito legítimo de acompanhar o alviverde imponente na cancha!

Um salve aos verdadeiros, aos vagabundos e oportunistas, morte lenta e cruel!

Ivan disse...

Comentei ontem com alguém sobre isso. Tá até chato ir pro jogo e ter que olhar pra cara dos mesmos toda vez.
Parece uma rotina de trabalho. Você adentra o estádio e encontra seus colegas de emprego, os cumprimenta e reclama da empresa e do chefe.

Pra mim a situação é ainda mais complicada. Viajar 70 km para assistir coisas grotescas como essas partidas do Palmeiras tem sido um tremendo pé no saco.
Confesso que ontem não tive a menor vontade de ir ao jogo. Fui por algo parecido com saudade, da cerveja com os amigos antes do jogo e do próprio estádio.

Abraço

Ivan disse...

O Febre de Bola é disparado o livro mais foda sobre futebol.

Nossa torcida vem abandonando o time há muito tempo.
E o que o Rafael Scalize escreveu faz muito sentido.

gregory disse...

Ontem eu me impressionei com a APATIA da torcida, acabou o jogo e novamente não vi protestos, não vi ninguém puto, me senti deslocado em pleno Pacaembu. A torcida do Palmeiras se acostumou com essa merda de situação e isso me dá medo.

Ontem ainda a van que eu fui quebrou, tivemos que voltar de ônibus normal, cheguei em casa as 9 da manhã e perdi 40 reais ahahahha, que noite memorável. E foi um prazer te conhecer, abraços.

Gregory - Acadêmicos da Savóia

Anônimo disse...

Não fui pois não queria acabar como no ano passado, contra o Fluminense, arrumando briga com quem acha que o time deve entregar. Simples assim. Nada a ver com comodismo ou oportunismo.

Nicola disse...

Aproveitei essa bosta de jogo pra ir na numerada com meu pai, assim como Palmeiras 2x0 Coritiba, na Copa do Brasil... E acho que o primeiro jogo que consegui torcer de verdade cercado pro um monte de amendoins, pois assim que o Palmeiras levou o gol e começaram as manifestações da torcida do Vasco e de pelo menos metade da cadeira especial azul, eu e mais uns loucos ficamos putos e não paramos de xingar (seja juiz, jogadores do Vasco, alguns penetras vascaínos ali presentes, a própria torcida do Vasco e claro, os "palmeirenses" que torciam contra o próprio time e comemorando o apequenamento do mesmo) do início até o final da partida.

E quando saiu o gol, bem ao estilo Felipão, acho que foi um dos que mais comemorei na minha vida, haha, comecei a esmurrar aquela placa de plástico que tava logo acima de mim... Deu pra sair de alma lavada, no mínimo. E nem vi que foi o Luan que marcou, acho que se soubesse partiria pra porrada com um bando de filho da puta que não parava de reclamar do cara. E vai tomar no cu o tal de João Vitor, e mais pelo menos 4 nesse merda de time que além de serem ruins pra caralho, fazem corpo mole na cara dura.

Anônimo disse...

A sensação que dá é que nossa torcida esta caminhando para se tornar igual a "pseudo-torcidinha" bambi...
Isso me dá medo e nojo...

Alex Amaro

Anônimo disse...

Scalize perfeito comentário e cabe a mim Porém isto explica mas não justifica!

Casselli

Anônimo disse...

Não é a torcida quem abandonou o time, mas sim o time que abandonou a torcida. Esses jogadores e dirigentes mediocres...Estava acompanhando todos os jogos em SP esse ano, ia de metro, de carro, fui em todos os jogos possiveis, até começar a palhaçada do Kleber..e aí eu perceber que hoje só tem vagabundo vestindo a camisa do Palmeiras. Fui no jogo de volta do Coritiba (apos os 6x0) só para acompanhar o time..tinha o mesmo sentimento que vc tem...Este blog prega mto a emoção do futebol, toda devoção movido apenas pelo sentimento emotivo, sem quaisquer apreço racional...e confesso que tudo que vem acontecendo dentro do Palmeiras tem minado minha emoção...culminou com mtos compromissos profissionais tmb..mas hoje confesso que a emoção vivida ultimamente tem sido mto mais pelo vinda do Pearl Jam ao Brasil do que os jogos do campeonato Brasileiro.

Vale registrar que o Palmeiras desses ultimos anos, principalmente com esses jogadores tem feito de tudo para afastar a torcida..consegue derrotas vexatorias (goias na sula e coritiba na Copa do Brasil) e quando deveria entregar (pq essa merda de pontos corridos nos permitir a torcer contra nosso time) eles não perdem...

A gota d´agua será se os vagabundos de merda não vencerem ou no minimo arrancar pontos dos gambas filhos da puta...

Te admiro Barneschi e concordo contigo, torcedor é aquele que vai ao estádio...não tenho sido torcedor..

Bruno

Anônimo disse...

O Palmeiras não é grande por causa de você. É grande porque tem 15 milhões de torcedores apaixonados no mundo todo, muitos dos quais nunca foram ao estádio.

O Palmeiras não é propriedade de meia dúzia de paulistanos mimados. Se deles dependesse, teria acabado faz tempo.

Você não gosta do Palmeiras. Gosta de usar o Palmeiras para satisfazer o próprio narcisismo. São coisas bem diferentes.

Forza Palestra disse...

Aí eu acabo de chegar de Salvador, onde fui acompanhar o Palmeiras, e me deparo com um comentário desses. Boa, anônimo: quem gosta do Palmeiras é você. Eu fui até Salvador - e acompanho a camisa alviverde onde for -, mas quem gosta do Palmeiras é você.

Vai tomar no meio do seu cu, seu filho da puta!