20 abril 2013

A realidade (2)

De novo: não me culpem, mas é que alguém precisa transmitir um pouco de lucidez aos que se iludem com o time que (não) temos. Não vou entrar no mérito dos confrontos vindouros (supondo que passaremos pelo Tijuana), porque não é tanto a isso que me refiro. Toda minha argumentação é baseada no que foi apresentado pelo time até aqui, na fragilidade demonstrada fora de casa e na convicção de que existe um limite para quem joga só com raça (e, pior, apenas diante da torcida).

Recebi uma série de mensagens por causa do último post. Algumas fazem sentido, outras não, e há aquelas ainda que eu prefiro ignorar. De toda forma, gostaria de abordar duas questões específicas que foram expostas por quem procura respaldo na história para a situação que vivemos agora:


-Palmeiras 2013 x Palmeiras 1994 

Ouvi por aí a seguinte afirmação: “Aquele puta time de 1994 também terminou a primeira fase da Libertadores com 3 vitórias e 3 derrotas”. Sim, é verdade, mas é preciso ir além da matemática para entender o que aconteceu. Se é fato que não havia à época uma obsessão tão grande assim com a competição sul-americana, ainda mais notável é a diferença entre os adversários que enfrentamos: no lugar dos atuais, pegamos três campeões da América, sendo um deles o que levaria o título daquele ano. Nosso grupo tinha Boca Juniors, Vélez Sarsfield e Cruzeiro.

Campanha em casa: 6-1 no Boca, 4-1 no Vélez e 2-0 nas bichas de Minas. Um passeio. Campanha fora: 1-2 contra o Boca, 1-2 contra o Cruzeiro e 0-1 contra o Vélez. Não jogamos mal nenhum dos três jogos como visitante; tivemos muito azar e falhas grotescas da defesa e do goleiro em dois deles.

Por favor, não ousem fazer esse tipo de comparação.


-Palmeiras 2013 x Palmeiras 2000/2001 

Dizem por aí também que cumprimos boas campanhas no biênio 2000 (vice) e 2001 (semifinal) com times fracos. Não é bem assim. O que aconteceu naquela ocasião é que o nosso parâmetro de comparação era muito elevado (o time campeão de 1999) e a saída de alguns jogadores na virada do ano acabou por nos fazer acreditar que tínhamos um time fraco. De 2000 para 2001, o fenômeno se repetiu novamente, em menor escala. Uma análise mais racional, no entanto, deixa claro que ambos os elencos eram muito mais qualificados do que quase todos os demais que tivemos nos anos seguintes. Vejamos os times-base:

2000: Marcos; Arce, Argel, Roque Júnior e Júnior; Sampaio, Galeano, Rogério e Alex; Euller e Marcelo Ramos. DT: Luiz Felipe Scolari.
Outros nomes no elenco: Asprilla, Pena, Basílio, Fernando, Taddei, Neném e Paulo Assunção.

2001: Marcos; Arce, Alexandre, Leonardo e Felipe; Galeano, Magrão, Lopes e Alex; Juninho e Fábio Júnior. DT: Celso Roth.
Outros nomes no elenco: Muñoz, Tuta, Fernando, Basilio, Taddei, Claudecir, Flávio e Paulo Turra.

De novo: não dá pra comparar as duas coisas.


Encerro com o mesmo discurso do post anterior, que deixa muito clara a posição deste blog: "Por favor, não se iludam. Vamos lutar, vamos empurrar o time, vamos fazer tudo o que estiver ao nosso alcance. Mas cairemos. Cedo ou tarde. Que seja sem traumas."

###

_Se a ignóbil Conmebol e as cretinas emissoras de TV não conseguem vislumbrar o óbvio, é de se elogiar a postura da diretoria alviverde, que, ao menos neste caso, agiu de maneira correta e com a devida agilidade. As alterações promovidas foram o mínimo que se poderia esperar. Prevaleceu o bom senso.

_Amanhã, 16h, Itu. Até lá.

14 comentários:

daniel disse...

concordo com vc mano. temos que ter pe no chão.

m. goldberg disse...

eu nao vo pra itu, vo assisti na tv de casa

muito melhor


abraços

aauiii

Anônimo disse...

Concordo, Barneschi. Não dá mesmo para comparar. Precisaríamos de um time mais técnico, não tem jeito. O último jogo mostrou que não é todo dia que o time está disposto a dar o sangue...E se não jogarmos com espírito de entrega, determinação, raça, fica difícil superar as outras equipes na técnica. É claro que o nosso desejo é que o time seja campeão, mas a diferença entre o desejo e o possível é abissal. Que estejamos preparados para o possível, apoiando e vibrando em todos os jogos, quem sabe assim talvez sejamos premiados pelos deuses do futebol com a realização do sonho...Tem que jogar com alma e coração! Palestra!

Anônimo disse...

OLá BARNESCHI ,Para mim o tiro do presidente profissional e o escudeiro do LUXA,saiu um pouco pela culatra!! Mas da proxima não passaremos !!!!!! pra deleite de MUSTANOBRE e o SÓCIO do LUXA !!!

Saandroo disse...

Sim, não temos time. Ou melhor, temos jogadores mais apropriados aos Coritibas e Sports da vida do que para um gigante do futebol mundial como a SEP. Mas torcedor vc sabe como é....agora que deram corda vão ter que aguentar. Pelo menos nos jogos no Pacaembu os caras não decepcionaram. E o que a torcida palestrina fez no último jogo, nenhuma torcida de SP é capaz de fazer. (Talvez os gambas cheguem perto). Então é isso aí. Que o Kleina acerte o time fora porque aqui dentro a chapa vai esquentar pra quem vier, seja Tijuana, bambis ou Atlético.

Sim!, o time é uma merda e devemos cair fora lá pela semi. (que não seja contra "eles" nesse caso..)Mas grandes feitos na história foram realizados com sonhos, suor, sangue e lágrimas. Pois que continuemos a sonhar até onde a realidade nos permitir!

Aqui é Palestra!

SERGIO disse...

x

SERGIO disse...

Caro Barneschi,
Admiro muitos os seus comentários. São lúcidos, racionais e objetivos. Entretanto em relação ao time do PALMEIRAS, antes de rotulá-lo de fraco ou medíocre, devemos analisar o futebol que é jogado hoje em dia. O futebol brasileiro não é mais o melhor e nem um dos melhores do mundo. A safra de jogadores em atividade no Brasil é sim de baixo nível, com algumas exceções. Então a técnica dos times de futebol brasileiro é relativamente fraca e quase todos nivelados por baixo. Vimos isso no confronto entre o Galo e o SPFW. Este só ganhou o jogo pois o disputou com muita garra e determinação .Assim o time do PALMEIRAS não é muito pior do que qualquer dos outros times brasileiros. A diferença ,se houver, pode ser compensada com raça e determinação. É mais fácil o nosso time, que não é formado por "estrelas" e sim por jogadores sem muita reconhecimento da imprensa adotar a garra e a vontade de vencer do que os outros times vistos como de maior técnica. Creio que com um bom psicólogo, nosso time tem chance de seguir muito adiante nessa Libertadores. Um abraço.
Do admirador SERGIO

Ettore disse...

Na boa, evidente que não vamos a lugar algum na libertadores. Aliás, acho que o time cumpriu bem seu papel e não caiu na primeira fase. Não demos vexame. E é só. Agora é só esperar para saber qdo vamos dançar.

Leonardo disse...

Concordo plenamente com este e o texto anterior. No dia em perdemos por 3 a 0 do Penapolense, eu passei a duvidar que chegaríamos até aqui. O que importa é estarmos ao do Palmeiras no momento em que a derrota vier e que seja sem vexames.

Leonardo Nakamura

Ettore disse...

Para um time com risco de rebaixamento, a melhor solução é enfrentar o Palmeiras no último jogo. Qtos quase rebaixados já salvamos?

vitor disse...

os iludidos são = as taradas, cara.

admiro vc por qrer abrir os olhos dos iludidos.

e dpois, ainda ter paciencia pra argumentar.



Anônimo disse...

Eu nao me iludo, Palmeiras vai ser o Campeao da America 2013. Vai ser um transtorno, mas fazer o que, teremos que ganhar a America e a Segundona. Assim somos, a camisa verde sempre foi pioneira, seremos os primeiros no Brasil a realizar tal feito.
SEP...Palestra, teu destino 'e ser Gigante.

Leandro disse...

Sem traumas? Tem que torcer e acreditar de qualquer jeito, não tem essa de sem trauma, sei que o time não é bom, mas se eu não acredito, que mérito eu tenho pra falar mal do casa grande por exemplo? Que Palmeirense de merda eu seria? Se não der certo não deu, não vou bater em jogador nem chorar, mas enquanto estiver na competição tenho de acreditar, verde é a cor da esperança!

Fernando disse...

Palmeiras vai ser campeão do paulista e da libertadores. Escreve ai o que eu disse.