28 abril 2013

Mais do mesmo
















O Santos FC não merece mesmo ser levado a sério, e o que vivemos ontem lá no amontoado de laje é a prova inconteste disso. Primeiro pelo absurdo já consumado antes mesmo do clássico, com 600 ingressos cedidos para a torcida rival em um clássico decisivo - e os pouco mais de 14 mil pagantes anunciados demonstram exatamente o tamanho do adversário. Depois pelo que tivemos em campo, com um time esfacelado como o nosso conseguindo levar a decisão para os pênaltis. Mas essencialmente pelo que se viu na arquibancada.

Nem vou me referir aos idiotas habituais, aqueles que ficam ali no setor destinado aos sócios. Esses não passam de pobres coitados, incapazes de se fazerem notar bem ali do lado. Tampouco vou dedicar muito tempo às organizadas, que passaram o jogo todo praticamente caladas, inoperantes, incapazes de fazer o time reagir diante da ousadia do visitante - é válido registrar o fato de o nosso time jogar todo o segundo tempo com três atacantes.

Pior mesmo foi perceber que o que encaramos no restante do estádio (?) - e até mesmo na TJS - é mais um fã-clube que uma torcida. "Neymar Jr., aqui você sempre será aplaudido", "Neymar Jr., a nação santista te ama", "Neymar Jr., todas as crianças te amam"... e assim por diante, com uma baboseira maior que a outra (a começar pelo "Jr."). Constrangedor, para dizer o mínimo.

Difícil acreditar, mas era esse o clima no amontoado de laje. Foi um dos espetáculos mais grotescos que eu já tive o desprazer de presenciar em um estádio de futebol. E a coisa toda só fez piorar mesmo com o tal moleque se jogando por qualquer coisa - com a complacência da arbitragem, é evidente.

Ao final, depois de muita luta, caímos. De pé, é verdade, mas isso não diz porra nenhuma. Porque caímos de novo. 

De nada adianta enaltecer o espírito de luta, o empenho e essa coisa toda - tudo isso tem um limite, como se pode observar pelos quatro empates em quatro clássicos no ano. Porque, a bem da verdade, se pareceram empolgantes os 30 minutos finais do clássico, é provável que tenha sido assim apenas para os 600 que lá estivemos - porque a nossa relação com o jogo é bem outra. Se o gol anotado nos minutos finais se insinuou épico ao menos até as penalidades, provavelmente só foi assim para nós. Para todos os demais e para a história, será apenas mais uma entre tantas eliminações.

A verdade é essa: pouco importa como foi. Apenas foi. A euforia que vivemos naqueles instantes entre a bola cruzada e o toque de cabeça para o fundo da rede vai ser apenas uma vaga lembrança. Tanto quanto serão a explosão pelo gol, os abraços e a euforia que só se sente na arquibancada. A história não se preocupa com isso... 

###

_A foto que abre o post, como não poderia deixar de ser, é do Gabriel Uchida (Foto Torcida).

_A disputa de pênaltis no gol do nosso lado apenas evidenciou a absurda situação de não conseguirmos enxergar a linha de fundo que fica bem abaixo do nosso setor. Uma proeza da engenharia.

14 comentários:

César SEP disse...

E ainda tem palmeirenses comemorando, exaltando a luta do time (eliminado, sem chances de título) nesses 4 clássicos disputados neste ano. Pô, jogar com raça, vontade, é OBRIGAÇÃO para quem veste a camisa do Palmeiras. Se o time lutou com garra (como na Libertadores nos três jogos em casa), não fez nada além da obrigação.
A realidade nossa é triste, caímos no Paulistinha, provavelmente não iremos longe na Libertadores, e não temos um elenco para subir esse ano. O gol contra o SFC, as vitórias na Libertadores dentro do Pacaembu vão ser apenas lembranças.

Abs

Luiz Fernando Sanchez disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Luiz Fernando Sanchez disse...

Barneschi,essa torcida do Santos é uma vergonha,no ano passado fui ver a final da recopa La U x Santos na torcida da La U e fiquei com vergonha alheia dessa pobre torcida que levou as mesmas faixas q vc disse e que deixam a sensação q vc está num show do Justin Bieber ,pior eram os "xingamentos" do pessoal do tobogã no intervalo,os chilenos ficaram tão "intimidados" q desistiram de rebater os xingamentos que beiravam o ridículo,só faltavam dizer chileno bobão cara-de-melão,mas o Santos é café com leite e sempre será...o q me preocupa é o conformismo que toma conta de parte de nossa torcida,precisa avisar pra essa galera que não é só raça q ganha jogo,aliás a obrigação de um jogador que defende a camisa de um time como o Palestra é ter respeito pelo nosso manto.

Barneschi,vc viu os bambis querendo "markentingzar" a raça hoje?hahaha como são homossexuais.

Sergio Mendonça disse...

Muito embora PN e o CEO tenham um grande fã clube na torcida palmeirense, ainda não tomaram nenhuma medida administrativa pró torcida.
Nenhuma palavra foi dita quando o S.Caetano cobrou R$ 80,00 para o visitante, bem como agora neste episódio com o Santos em ceder apenas 600 ingressos para nossa torcida, diga de passagem mais um desrespeito com o Palmeiras.
Vamos ver qual será a próxima da dupla, provavelmente os jogos iniciais do brasileiro serão longe de SP.

Leonardo disse...

É duro viver mais uma eliminação, ainda mais desta forma. Recordo-me de dizer ao meu pai, na saída de Santos, que talvez tivesse sido melhor se tivéssemos sido eliminados sem ter empatado e levado a disputa para os pênaltis, porque a impressão que fica é que lutamos muito e criamos uma grande esperança de que a vitória viria. Tudo para no fim nos decepcionarmos mais uma vez.

Cantamos e cantamos alto praticamente os noventa minutos, mesmo em tão poucos. E após o empate, ninguém além de nós cantava na Vila. E como cantamos forte do momento do gol até que a disputa dos pênaltis. Mais do que fizemos neste sábado é impossível. O que deixa claro como existe um limite entre o esforço da torcida e os resultados dentro de campo. Só a camisa, só a história... não bastam. Precisamos de competência.

Ver um rival com uma torcida tão fraca, mostra-nos que somos sim diferentes. A tarde de ontem demonstra isso.

A Vila Belmiro é uma aberração em todos os sentidos.

Leonardo Nakamura

Vitor Forcellini disse...

Pior que isso só a torcida das Marias gritando o nome dele ano passado. Quanto a eliminação, foi mais uma, raça e dedicação são obrigações, a vitória tem que vir junto. Terça é o grande dia, um bom resultado no México pode nos levar as quartas de final da Libertadores. Ai sim teremos motivos reais pra aplaudir o time.

Raul Martins Dias disse...

César SEP: eu acho que, para subir, esse time dá conta. Temos que estar atentos, a diretoria tem que ver a necessidade de reforços, mas, se com esse time não ficar entre os quatro da Série B, tem que mandar todo o mundo embora. Agora, a partir de 2014, é mudar completamente o pensamento. Aí temos que pensar em títulos novamente, e qualquer coisa abaixo disso será considerada um fracasso.

Luiz Fernando Sanchez: conformismo. Essa é a palavra certa. São os mesmos torcedores que, no ano passado, a cada derrota no Brasileiro, diziam "ah, foda-se, já estamos na Libertadores", como se um time da grandeza do Palmeiras tivesse o direito de se acomodar no campeonato só porque a vaga na Libertadores já estava garantida. Como eu digo: se o Palmeiras tivesse terminado em 16º e escapado do rebaixamento, não teria feito mais que a obrigação. Aliás, teria feito 15 posições a menos que a obrigação.

Ettore disse...

Raul, fantástico o comentário. Obs: ser eliminado pelo santos sempre gera uma vergonha indescritível. E estamos ficando acostumados...

Anônimo disse...

Sou Gaucho, Colorado, e fico impressionado com a monotonia, algo ultrapassado, bizarro, destas organizadas ai de Sao Paulo. Tirando a Mancha , essas outras do Santos, Corinthians e Sao Paulo, sao ridiculas. O dia que vcs tiverem Barras, verdadeiras hinchadas, que cantam, pulam, com suas faixas e bumbos, ai sim a coisa melhora. O conceito de organizada ta totalmente defasado hoje em dia. Aqui no Rio Grande se tu for num jogo do Inter ou do Gremio, tu entenderas do que falo.

Anônimo disse...

Qdo o Andre parou e deu o recado no meio do segundo tempo a torcida reagiu de forma extraordinaria! Ontem foi especial! Mas novamente enganados.

Luan disse...

Barneschi, sei por conta própria que a emoção de quem está na arquibancada é bem mais intensa de quem não está lá, mas a minha euforia, o meu grito de desabafo no gol do Palmeiras, a minha comemoração pelo empate conseguido foi bem forte e intensa! Não como se eu estivesse na arquibancada, sei disso, mas como você disse que só vocês sentiram esse momento, eu te digo, eu também senti e muito, pois queria demais essa classificação e ela não veio por pouco.
No mais, concordo com seu texto.

Abraços e AVANTI PALESTRA

Anônimo disse...

Pois é, Barneschi! Bem colocado: "...porque caímos de novo"!. Eu apoio, apoio e apoiarei sempre, em que qualquer lugar, em qualquer momento, em qualquer circunstância. Mas, não é parte do DNA do palmeirense ser conformado. Eu não aguento mais essas manifestações: "Caímos com dignidade", "Perdemos com honra", "Fomos desclassificados, mas jogamos com raça"...e vaí por aí! Jogar com raça, alma e coração tem que ser obrigação de quem veste a camisa desse gigante do futebol mundial! O Palmeiras sempre foi finalista, sempre foi pioneiro, sempre foi papador de títulos! Ok, ok, temos paciência, compreeendemos a atual situação do clube, blá, blá, blá, mas eu nunca consigo dormir à noite diante de mais uma, e mais uma e mais uma desclassificação! Não podemos entrar em competição nenhuma, apenas para "competir"...Fora com esse politicamente correto, abaixo o fatalismo! Eu quero entrar, todos os jogos para ganhar, quero entrar em todos os campeonatos para ser campeão, fico indignado a cada derrota e demoro a me recuperar, o meu time é parte permanente da minha vida, sou palmeirense 24 horas por dia, levo esse emblema muito a sério, para ter que comportar como o eterno fatalista resignado e repetir, como mantras, aqueles jargões de perdedor! Estou farto de mediocridade! Tristes tempos! Quero meu Palmeiras,sempre imponente, sempre orgulhoso, sempre convicto de sua grandeza como exige a sua história! Perder é do jogo e temos que saber elaborar uma derrota,faz parte, mas o espírito do palmeirense tem que ser eternamente o de buscar a vitória ! E que venha a vitória no México, com alma e coração! Avanti,Forza Palestra!!Solidárias saudações palestrinas.

Raoni Machado disse...

O pior foi a faixa estendida pela TJS no começo do jogo: OUSADIA E ALEGRIA...

Que vergonha, a torcida do Santos é a verdadeira torcida de escanteio. Só canta no escanteio.. kkk

De resto concordo plenamente: Raça é o caralho, isso nao vale nada se nao vencer...

E aquele 9 é um puta dum cuzao, faz o gol e depois bate o penalti com a mesma displicicência do jogo na argentina...

Zoinho disse...

Faltou vc dizer a mais legal.
Foto do muleque com os dizeres, ousadia e alegria. Aonde deveria estar a faixa da maior organizada.