07 janeiro 2008

Quanto vale o show?

Como não sou pago para ser jornalista aqui (e nem para mais nada, é bom dizer), levantei apenas algumas informações relevantes sobre o assunto "Direitos de transmissão do Campeonato Brasileiro". Deixo o espaço aberto, pois é possível que outros visitantes do blog tenham dados mais precisos, atualizados e/ou confiáveis.

O interesse é mostrar o óbvio: que a emissora câncer do futebol brasileiro paga um valor irrisório para transmitir o Campeonato Brasileiro (e todos os demais).

Daniel Castro, colunista da Ilustrada, noticiou recentemente que o C13 receberá R$ 300 milhões pelos direitos de transmissão de todos os 380 jogos do BR-2008. Este valor, rateado entre os 20 clubes da Série A, deve chegar a R$ 480 milhões a partir de 2009, ainda que o canal do bispo tenha oferecido R$ 600 milhões, 25% a mais.

Fiquemos, para efeito da comparação que vem a seguir, com o montante de 2008, ou seja R$ 300 mi.

Basta considerar o que ganha com as cotas de publicidade para a emissora câncer dobrar esse valor. Assim informou, em 3 de setembro, o Meio & Mensagem: à época, Ambev, Casas Bahia, Itaú, Vivo e Volkswagen teriam de pagar entre R$ 105 mi (sem placas nos estádios) e R$ 120 mi (com placas) cada uma para renovarem a participação do pacote do futebol em 2008. A Coca-Cola corria por fora.

Temos então um valor estimado de R$ 525 mi a R$ 600 mi.

Superávit dos bons para quem desembolsou a bagatela de R$ 300 mi.

Já seria um lucro considerável, mas é bom levar em conta que há outras fontes de lucro sobre esta mesma matéria-prima.

A começar pela venda dos direitos internacionais de transmissão (alguém sabe dizer se vai direto para o caixa deles ou se entra algo para os clubes?), passando ainda pelos dividendos obtidos com Globo.com, G1, Globo News, SporTV, Premiere e em todos os demais veículos da família Marinho.

Não sei também se os outros canais têm de pagar alguma coisa pela cessão dos direitos (aqueles dois minutos que são liberados em cada jogo da rodada). Por sinal, como nada é claro neste relacionamento Globo-C13-clubes-CBF, eu não duvidaria se soubesse que ninguém tem essa informação.


Pelo sim, pelo não, poucos negócios são tão lucrativos.

E, eis o grande problema, os caras ainda se dão ao direito de inventar os horários que bem entendem e manipular a paixão do brasileiro de acordo com suas conveniências.

Quem paga a conta é o torcedor!

Para finalizar, deixo-o com mais uma declaração de Marcelo Campos Pinto, diretor geral da Globo Esporte, o braço esportivo do grupo:

"É imperativo investir na melhoria dos estádios. Só assim poderá se aumentar os preços e ter no Brasil o que a Europa conquistou no final dos anos 90, quando um novo público passou a freqüentar os estádios, sendo responsável por uma grande fonte de receita dos clubes".

20 comentários:

Craudio disse...

E o pior é que, com essa merreca, eles mandam no futebol...

Eis aí mais um indício das maléficas profissionalização e da elitização. Ah, só uma coisa, citada no comentário do post abaixo: somos desorganizados, vivemos a pior crise da histórias e, mesmo assim, temos uma avaliação do mercado de 2 bi.

O time-modelo deve estar mordendo os cotovelos no Jd Leonor...

filipe disse...

...paga a conta o torcedor que freqüenta arquibancada, que fique claro.

A questão é: pra quê acabar com a cultura da arquibancada?

Se já é uma merda figuras como esse da frase, que nem sabe o que é essa tal "mercadoria", roubar-nos tempo e dinheiro (quanto tempo gastamos para comprar ingresso, chegar no estádio, etc, etc, etc). Querem roubar a própria "mercadoria" de vez.

É, Palestrino... O jeito é comprar almofada pro sofá... (!!!!)

luiz - uberlândia disse...

Rodrigo,

Do ponto de vista romântico, lúdico (sem nenhuma ironia) e espiritual, arquibancada (ou cadeira cativa, para mim, sinceramente, tanto faz, desde que o cara vá aos jogos) é o que, REALMENTE, vale.

mas gostaria de lembrá-los que:

1) - a renda de público pagante em jogos representa apenas a 6ª receita de um clube grande.

2) - a TV representa a 1ª receita na escrita de um clube grande. Só o nosso Palmeiras receberá cerca de 21 milhões só da parte da TV neste ano.

3) - barato? certamente que sim. Mas, antes de qualquer coisa, NEGOCIADO. e negociado por partes legitimamente eleitas. Negócio. Assim como pensão alimentícia, quem recebe acha de recebe pouco e quem paga, normalmente, acha que está pagando muito...

4) - O inter-RS acabou de bater o internazionale de milão. Venceu porque tinha bons e caros jogadores, que só podem ser pagos com as boas receitas que teve no ano passado, sobretudo da TV. Isso é o mundo de hoje, gente! OU vcs. acham que vai aparecer outro Nilton Santos, que jogou 190 anos no mesmo clube, por amor... As mulheres hoje trabalham, ou vcs. acham que elas querem ou vão ficar toda a vida limpando bunda de nenem?! Até penso que deveriam (jogadores jogarem por amor e mulheres só cuidarem da casa), mas esse tempo, não volta mais.


6) - Sejamos realistas: 'falar mal' da globo é o mesmo que 'falar mal' dos EUA. Todo mundo quer meter o pau, mas ninguém deixa de comprar carro GM nem computador microsoft. Ninguém se dispõe a ir morar numa montanha do Afeganistão, se a contra-proposta for a de viver num apartamento com ar-condicionado Elgin ou General Eletric em Miami..

7) - Vale ressaltar, hein!: não advogo para a Globo.. e volto à cansativa argumentação, simplista mas realista: fiquei calado depois de sua resposta, preferindo não polemizar. Mas, como o amigo voltou ao assunto, volto ao meu raciocínio:

se eu te alugo um apartamento de minha propriedade por R$ 1.500 por mês, sabendo que o referido imóvel valha R$ 10.000 mês; a culpa não é sua.

Aliás, simplicidade sim, talvez, s fórmula da coisa... Se estão vendendo nossa marca de forma muito barata (Palmeiras: R$ 21 milhões de reais, neste ano, por parte da TV), quem está errado somos nós mesmos, que elegemos o conselho e este quem elege a diretoria executiva, esta que negocia com a rede globo. E não a globo!, que quer pagar é barato mesmo, já que é uma empresa que visa o lucro, medida absolutamente LEGAL e LEGÍTIMA num país cuja base da economia é o capitalismo!

Portanto, o fato, na minha opinião, não é "estarem querendo acabar com a cultura da arquibancada".Isso é besteira. Ela continua lá, bonita, intacta (vejam pela festa que a torcida do flamengo aprontou no ano passado...).

Trata-se na verdade de uma simples adequação à realidade. Apenas isso.


Valeu, Rodrigo!!!!!

(p.s.: cadê o Vítor?!? Cadê o Luigi!?!)

abraços verdes,

Luiz, Uberlândia.

vitor disse...

eu to aqui.

no momento sem saber o q dizer sobre td isso.

só sei q a globo manipula o brazil, não só em relação ao futebol.

Craudio disse...

O conformismo me assusta...

Acho que é isso mesmo. Aceitemos as coisas como estão. E fiquemos com as nossas caras de babacas enquanto a lei do mercado devasta uma das poucas coisas que ainda dá alegria às massas.

Viu, Barneschi, as contradições do mundo capitalista? Abre espaço pra esse tipo de argumento.

Enfim, vamos todos nos curvar à "soberania" de quem está negociando por nós. E ai daquele que reclamar...

filipe disse...

Vou começar a vender almofada...
É o jeito, pelo jeito.

Forza Palestra disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Forza Palestra disse...

O problema todo, Luiz, é que isso não obedece a uma simples lei de mercado, mas sim a relações promíscuas que se formaram entre clubes, Clube dos 13, Globo e CBF. É algo que vem de longa data, tanto quanto esta geração corrupta e incompetente de dirigentes. É o que justifica incoerências como a emissora carioca manter os direitos de transmissão mesmo pagando valores inferiores aos oferecidos pelo canal do bispo (que, diga-se de passagem, traria o bônus de exibir os jogos durante a semana às 20h30, sem porra nenhuma de novela suja).

O mesmo acontece com os Campeonatos Paulista e Carioca. Até onde eu sei, aconteceu o seguinte no caso de SP: os caras pagavam R$ 36 mi por temporada - uma vergonha! A Record apresentou proposta de R$ 70 mi. Os clubes grandes se reuniram para estudar. A Globo se contentou em subir aos R$ 60 mi e coagiu os clubes a assinarem por esta quantia (ainda) irrisória.
Não que a Record seja digna de elogios, pois, com o bispo à frente, abriga figuras da linhagem de um Casares, mas, se prevalecesse a tal lei de mercado, o Brasileiro passaria a ser transmitido pelo pessoal da Barra Funda e não mais pela emissora câncer.

Veja, por exemplo, meu caro, o que acontece quando a lei de mercado entra em ação: a Globo pensou que toda a sua pose bastaria para manter os direitos de transmissão dos Jogos Olímpicos. Ficou a ver navios. Veja você que a Olímpiada de 2012 (Londres) terá direitos de transmissão atrelados à Record, e não mais à emissora câncer.

Assim funciona a lei de mercado: leva quem paga mais.

No caso deste contrato do Brasileiro, é claro que está tudo dentro da legalidade. Ao menos do ponto de vista jurídico, contrato assinado e tal. O que pega é a ética, pois é tudo baseado neste relacionamento promíscuo entre as partes.

De resto, vou esboçar alguns argumentos de acordo com suas outras observações:

1. É até natural que a renda de público pagante seja a 6ª receita de um clube grande. Pois se 30 mil podem ir ao estádio, dezenas de milhões podem ver o mesmo espetáculo pela TV. E aí o que conta é a publicidade. Note, por exemplo, que as placas que ficam ao redor do campo são feitas para o torcedor de TV e não para o público do estádio (que nem consegue ver nada). Isso explica a existência de propaganda brasileira em jogos em outros países da América do Sul. O interessante é atingir o consumidor que está no sofá. Como há milhões deles e a verba de marketing é inesgotável, a renda para os clubes acaba por ser maior. Nem poderia ser diferente;

2. Eu não discuto a importância do TV, tampouco do dinheiro que ela traz. A questão é que o valor pago é irrisório. E, mesmo se não fosse, eles não teriam o direito de mandar e desmandar nas competições;

3. Aqui retomamos o tema das relações espúrias e da lei de mercado sendo devorada pela coação global;

4. Volto depois a falar sobre Inter-RS x Internazionale. Minha visão é um pouco distinta, mas é bom ressaltar que esse time do Inter foi formado muito lá atrás, pela boa administração da diretoria dos caras. Não à toa, foi campeão do mundo. O que pesa é a boa administração, mas nunca o dinheiro da TV, pois o Inter não pertence ao grupo que recebe uma quantia diferenciada;

5. Eu não quero morar numa caverna no Afeganistão, mas isso não me impede de criticar o que merece. E a Globo, por destruir a cada dia este patrimônio popular que é o futebol, faz por merecer. Tenho meus motivos bem concretos para fazer isso e não quero nem entrar em méritos políticos ou de todo o mal passado;

6. Concordo que os dirigentes dos nossos clubes são culpados. Isso é evidente. Mas aí você vai me desculpar, Luiz: a massa de torcedores infelizmente tem pouca culpa nisso tudo. Ela faz o que pode dentro dos princípios legais - e eu até defendo que isso seja extrapolado -, mas o que pesa contra é a estrutura carcomida ao longo de anos e anos de desmandos. Ou você acha que a torcida do SCCP tem culpa pelo rebaixamento? Aliás, vou mudar a pergunta: que culpa nós tivemos pelo rebaixamento de 2002?;

7. Se depender de alguns poucos abnegados, a cultura da arquibancada vai continuar. Mas não se discute que querem acabar com ela. Ou você acha certo nego inventar o horário das 22h? Ou 17h30 numa quarta-feira de semana? Ou 20h30 de sábado? Ou dificultar a cada dia mais a vida dos teimosos que pretendem pisar no cimento da arquibancada? É fato, meu caro, querem acabar com isso. E o fim disso conduz ao fim da paixão, ao fim da alma, ao fim do romantismo. E, na vida, tanto quanto no futebol, o romantismo é mais do que necessário.

Abraços

P.S.: O Luydy está na fase final do treinamento para o campeonato de frescobol lá no Guarujá. Este ano sai o tricampeonato! O Vitor, em compensação, voltou a ser o bom e velho Vitor de antigamente...

Craudio disse...

O Luydy, dizem, deu uma passadinha no CT dos bambis pra dar uma enxugada e pedir autógrafo de seu grande ídolo, o Adriano Imperatriz. Todos sabem que o Luydy é um apaixonado por Milão...

Agora, "bom e velho Vitor" quando?

Forza Palestra disse...

Gostaria de acrescentar mais uma informação relevante para o debate.

Como dito no post, a Globo vende as cotas de patrocínio do futebol 2008 por um valor que vai de R$ 105 mi a R$ 120 mi. São cinco cotas, além do top de 5 segundos e de outras ações de marketing.

Vale fazer um comparativo com este câncer que se denomima BBB (O povo brasileiro merece a merda de país que tem, bando de filhos da puta!). Por maior que seja a escrotidão de tudo isso, é notória a porra da audiência deste programa de merda.

Pois bem, cada cota de patrocínio é negociada por módicos R$ 10 mi.

R$ 10 mi!

E o futebol rende, por cada patrocinador, no mínimo R$ 105 mi!

É fácil ganhar dinheiro às custas dos outros, né?

***

(Peço desculpas pelo palavreado, mas me exalto a cada vez que ouço o nome deste câncer da televisão brasileira. Malditos sejam!)

Luiz - Uberlândia disse...

Rodrigo,
respondo:

1) - INCONCEBÍVEL, de fato, horários incondizentes com os costumes do trabalhador brasileiro. Você tem toda razão. Já lhe disse: meu pai, que é um fanático por futebol, não consegue jamais assistir a uma partida de futebol que comece "depois de 'páginas da vida'". Mas, sinceramente, entendo que este é o único argumento de fato palpável para criticar a ação das teles.

E pela grande receita integralizada (você acha mesmo 21 milhões pouco?) - esta que vem aumentando a cada contrato - penso que vale o sacrifício, vale a contrapartida.

O Palestra, por exemplo, jogou no ano passado às 18 hs., EM CASA, salvo engano umas 06 vezes?

desculpe-me, mas penso que vale o sacrifício, Rodrigo..

como eu já lhe disse, por 1 milhão por ano eu iria assistir, satisfeito, no estádio, o meu Uberlãndia Esporte 10 vezes às 2 da manhã.

2) - quanto à nossa queda em 2002, na minha opinião, entendo que foi uma tragédia circunstancial. Azar. Luxa. Enfim, muita coisa depondo contra. Tínhamos um bom (para excelente) técnico, vários jogadores de nível de seleção brasileira. Pagamentos em dia. Penso, sinceramente, que a diretoria - COM TODOS OS ERROS COMETIDOS - deva ser desculpada, primeiro porquê foram homens de subir o time no outro ano e segundo porque fizeram - PENSO - o que puderam. Lógico que torcida não teve nenhuma culpa.

quanto ao rebaixamento do lixo, tal se deu porque não tinham no seu elenco jogadores minimamente capazes de vencer jogos, fazerem pontos. Torcida também, evidentemente, sem nenhuma culpa. MAS QUEM VOTOU NOS DIRIGENTES - DUALIB e CIA. LTDA - SIM. TÊM CULPA SIM. E eles são os representantes políticos da torcida.

Rodrigo, dizer que o dinheiro e receitas advindas de TV não ajudam (aliás, não são primordiais até!) o inter-rs a formar e manter aquele bom time, desculpe-me, é um grande erro seu. O único erro objetivo. E dos grandes. No mais, assim como eu, erra nas opniões!! rsrss!!

Cara, você já é um monstro do jornalismo! Que Deus continue iluminando o seu caminho, irmão!!!!!


abraços verdes,


Luiz - uberlãndia.

Forza Palestra disse...

Fala, Luiz!

O importante é o debate sadio e respeitoso, possível apenas enquanto Luydy, o rebelde, estiver concentrado para o desafio nas areias.

Mais alguns contra-argumentos:

1. Fosse apenas por este fato (os horários inconcebíveis) e a crítica já seria merecida. Mas o que incomoda também é o fato de eles manipularem a tabela de acordo com a grade de programação. Tomo como exemplo a final do Brasileiro de 1998 (ou foi 1999?), em que o jogo entre SCCP e Cruzeiro, às vésperas do Natal (23/12, certo?), ficou ameaçado de não acontecer. No dia do jogo, vejam só, os gambás foram para o estádio sem saber se haveria jogo. Se houvesse, poderia ser à tarde ou à noite, ninguém sabia. Fato é que a partida acabou sendo realizada às 16h de uma quarta-feira. Por que isso? Porque a sra. Globo não queria fazer alterações na sua grade de programação, que incluia um programa da Xuxa (que nojo!) para esta mesma noite. Estamos falando, meu caro, da final do campeonato! Final! E eles preferiram passar um programa desta imbecil, rebaixando a decisão para uma tarde de quarta-feira!;

2. A propósito, te digo que a Globo detém o direito de transmissão de vários outros torneios de futebol e mesmo de outras brincadeiras de Educação Física (vôlei, tênis, basquete ect.). Veja você que eles chegam ao ponto de comprar os direitos de transmissão das competições mesmo sabendo que não poderão transmitir os jogos. Por quê? Simplesmente para impedir que outras emissoras o façam;

3. Eles ainda se valem dos contratos de transmissão para, em alguns casos, impedir o acesso de equipes esportivas de outras emissoras de TV às praças em que acontecem os jogos. Vou até procurar com calma isso, mas sei que já rolou até processo;

4. R$ 21 mi não é pouco, mas deveria ser BEM mais;

5. Sobre jogar às 18h (aliás, 18h10): a Globo/ SporTV conseguiu fazer deste horário o hegemônico na Série A. Foi extinto o horário das 16h de sábado. Dos 10 jogos de cada rodada, seis acontecem às 18h10 e apenas quatro às 16h. O Palmeiras jogou muito mais vezes às 18h10. Vou pesquisar isso e te mando depois os números corretos;

6. O sapo-boi é a figura mais nociva a ter pisado em solo sagrado;

7. Cara, seria bom se as torcidas pudessem eleger os dirigentes dos clubes. Mas não é assim que acontece. Infelizmente o nosso destino está nas mãos de 300 conselheiros (150 vitalícios). E, acredite!, o sapo-boi pode voltar em 2009;

8. O dinheiro da TV ajuda, é claro, a manter o time do Inter. Mas não é o primordial. O dinheiro entra para todos os clubes. O que decide é o que se faz com esse dinheiro. E o Inter deste século tem sido muito bem administrado;

9. Pô, velho, não sou monstro de nada. E nem quero ser. Aliás, faço questão de não ser.

10. Vê se aparece por aqui em 2008.

Abraços

MANCHA IPIRANGA disse...

EH FODA SEMPRE O MESMO PAPINHO DELES: JOGO DEPOIS DA NOVELA.... E AI A GENTE TAH NO ESTADIO E TEM Q ESPERAR A PORRA DO ULTIMO BEIJO PRA BOLA ROLAR MANO..... NOVELA DE MERDA!!!!!!!!!!!!!

Rodrigo disse...

Muito relevante - e edificante - a discussão. Mas tenho uma dúvida:

Qual é a cota que Luydy, O Pacifico, receberá da TV Tribuna referente à transmissão dos jogos do cidadão no Torneio Abertura de Frescobol?

filipe disse...

Eu lembro muitíssimo bem dessa quarta-feira, Palestrino. MALDITO CÂNCER
Foi em 98. A de 99 foi contra o galo.

Mas continuo achando que esse dinheirinho de pinga que a tevê empurra só escraviza e não ajuda em nada.
Como algo que te torna dependente pode te ajudar em alguma coisa?

O negócio do futuro nesse país é vender almofada.

filipe disse...

Eu lembro muitíssimo bem dessa quarta-feira, Palestrino. MALDITO CÂNCER
Foi em 98. A de 99 foi contra o galo.

Mas continuo achando que esse dinheirinho de pinga que a tevê empurra só escraviza e não ajuda em nada.
Como algo que te torna dependente pode te ajudar em alguma coisa?

O negócio do futuro nesse país é vender almofada.

luiz - uberlândia disse...

também para acrescentar, acabei me esquecendo mas lembro que, embora a record ofereça (ou pelo menos anda dizendo que ofereceu) valores maiores, não resta a menor dúvida que ela não tem a penetração e a audiência fiel que a rede globo infelizmente tem.

Por mais que sejamos grandes, gigantes, a divulgação (Palmeiras, Flamengo, Vasco e os outros 2 da capital) é essencial no caso.

Os 5 gigantes são pautas diárias nos programas de esportes. Fiat, Pirelli etc. so nos patrocina porque TODOS os dias estão na globo, via mídia subliminar (merchandising - é assim que se escreve!?!).

e são a Fiat, pirelli, globo, etc que estão sustentando a nossa paixão! Infelizmente, ESSA É A REALIDADE!!, temos é de nos adequarmos a ela, infelizmente.

Se saírem os patrocinadores e a globo, HOJE, estaríamos fadados, mesmo, à 8ª divisão. Acham que gosto desta idéia (dependência do dinheiro e da exposição da globo)? Não. Mas também não gosto do assistencialismo do PT, da carga tributária imposta pelo PT este que aprendeu com o PSDB, etc etc etc, mas TENHO que aprender a sobreviver e me sair bem com isso.

Se eu fosse dirigente e a Rede Record propusesse 10, em detrimento da globo propondo 7, eu fecharia com a globo, em função da audiência fiel e da enorme penetração em todas as camadas sociais.

realisticamente,

Luiz, Uberlândia.

(beleza!, agora em 2008 vou me organizar para ir ao Palmeiras x cor. Prometo que desta vez não lhe levo uma camisa do uberlândia esporte!; ah, me lembrei, Palmeiras x cor, neste ano, só pelo Paulistão. vou me apressar. Abraços verdes, Luiz.).

Daniel disse...

concordo que a globo ainda pafga pouco, mas desconfio bastante dessa hsitoria da record fazer uma prpoposta tao alta. acho q eles nao teriam bala pra bancar isso. e fica meio naquela besteira de guerrinha psicologica com a globo.

XADREZDERUA disse...

Esse tal de Marcelo Gomes é um fanfarrão... A 1a. fonte de renda dos clubes da Europa vem das cotas de televisão, muito bem negociadas pelos times da UEFA.

Há muito tempo sou a favor da melhor e maior organização dos clubes brasileiros, inclusive para poderem mandar a Globo pra puta que o pariu, em razão de não precisarem de antecipação de cotas televisivas, necessárias pela incompetência administrativa dos diretores desses clubes.

Infelizmente, o chamado Clube dos 13 é uma entidade refém da Globo economicamente. De qualquer forma, o horizonte pode não ser tão negro: Dualibis e Mustafás da vida estão sendo gradativamente afastados desse órgão.

Quem sabe os clubes acordem para o poder que tem nas mãos.....

TUP - A Mais Vibrante desde 1970...

Forza Palestra disse...

Cara, eu sinceramente não dou a mínima para a audiência dos caras. Vejo isso como algo irrelevante, em parte porque não faço parte dessa audiência.

Te digo inclusive que a cobertura do Palmeiras na Globo é irrisória. Dois minutos por dia no Globo Esporte e só. Se você falar em SporTV, ok, eu até concordo, mas, se for para ter essa divulgação tendenciosa da SporTV, prefiro ficar sem.

Até mais!

Abraços