31 agosto 2009

Um clássico e nada mais

Eu não esperava um jogo bonito ontem à tarde no Jd. Leonor. Eu nunca espero, registre-se. Tampouco dou valor a isso, pois o que importa para mim é o resultado e, em igual medida, a entrega dos jogadores que defendem o Palestra. Só; o resto é decoração e talvez sirva aos comentaristas que resolveram que é possível falar sobre futebol sem dar as caras no estádio. São os cronistas de estúdio, e este blog dedica a todos eles um enorme desprezo.

Assim sendo, é no mínimo questionável que O Estado de S.Paulo finalize o seu texto principal sobre o clássico com a seguinte frase: "No fim deu-se bem mesmo o torcedor que ficou em casa."

Não, não é verdade. Pois os que ficaram em casa tiveram exatamente o mesmo que os comentaristas de estúdio: um espetáculo que pode não ter sido muito agradável sob o ponto de vista dos que queriam um, na falta de palavra melhor, espetáculo. Até porque o futebol não é isso mesmo, e estão no lugar errado os que esperam malabarismos, peraltices e gracejos idiotas.

O 0 a 0 não foi o melhor dos mundos, é verdade, e a falta de gols espelha isso, mas só viveram de verdade o clássico os que lá estivemos. Seja pelas provocações na arquibancada, pelos cânticos de lado a lado, pelo ódio onipresente, pelo sol das 16h, pela boa presença de público, pelo temor constante de sofrer um gol e ouvir o estrondo do outro lado - é, isso não tem preço...

Os que fomos ao Jd. Leonor vimos tudo o que se espera de um clássico. Ficaram insatisfeitos os que preferem acreditar no que é dito pelo Estadão, pelo Juquinha ou por qualquer destes babacas que se põem a comentar futebol a partir da imagem pasteurizada da emissora câncer. E a cada vez que leio esse tipo de comentário fico mais satisfeito por ser um torcedor de arquibancada. Porque só vive um clássico quem faz parte dele.

***

O PRIMEIRO MUNDO LEONOR

Com a colaboração do amigo Teo, o homem do Estatuto, eis aqui uma imagem que espelha a falta de estrutura daquele antro que os leonores chamam de estádio:


Sim, R$ 40 para estacionar o carro por algumas poucas horas! É apenas reflexo do fim de mundo e da falta de estrutura que marcam o lugar que os leonores querem tanto colocar na Copa-2014.

Em situações como essa, fico até com inveja dos que são visitantes no Palestra e podem deixar o carro no shopping e ainda ficam em uma região tão central da cidade...


***

Seja bem-vindo, Vagner Love!

Aliás, sobre este assunto, tomo emprestadas as palavras de PVC, em sua coluna na FSP de ontem:

Em 2004, Mustafá Contursi vendeu Vágner Love para o CSKA na semana em que o centroavante fez dois gols contra o São Paulo, numa vitória palmeirense por 2 a 1. O Palmeiras era terceiro colocado do Brasileirão, dois pontos abaixo do Figueirense, um ponto atrás da Ponte Preta. Parecia candidato à taça, desde que cumprisse requisito básico: segurar Vágner Love.

Luiz Gonzaga Belluzzo contratou Vágner Love de volta dois dias antes de um clássico contra o São Paulo. O Palmeiras era líder na sexta, com dois pontos de vantagem sobre o Goiás. Já era candidato ao título, mas com a ponta de desconfiança.

A diferença entre o Palmeiras que vendeu e o que comprou o centroavante tem nome: ambição.

***


Do Painel Leonor de hoje:

Raiva. O promotor Paulo Castilho vai mandar ofício hoje à CBF reclamando da decisão do São Paulo de destinar mais ingressos aos torcedores do Palmeiras do que o recomendado pela polícia.

Na boa e apenas a título de curiosidade:

Qual é o problema do Castilho? O que mais ele quer da vida? E qual é a razão deste protesto? Alguém entendeu essa?

***


Palmeiras x SCCP, em 01/11, foi confirmado para São José do Rio Preto. Um texto mais completo virá depois, mas já podemos começar agora com o selo de protesto contra mais este atentado promovido pelas diretorias de Palmeiras e SCCP ao clássico da cidade:

17 comentários:

Nicola disse...

Porque só vive um clássico quem faz parte dele, perfeito! Jogo naquele lugar é sempre uma merda, pra chegar e voltar...

Ontem no Mesa Redonda da Gazeta (sim, deu vontade de assistir só pra ver o que os caras falariam), criticaram o "pequeno" público de 41mil pessoas, e atribuiram esse fato à violência, que gera medo na grande maioria dos torcedores em irem ao estádio, e aquela mesma baboseira de sempre... Porra, ingresso caro pra caralho, pelo menos 40% do estádio feito pra gente que vai assistir o jogo sentada, queriam o que? A impren$a simplesmente "planta" que o futebol é perigoso, que é melhor ficar em casa e sei lá mais o que, mas não porque isso é verdade, mas porque querem que seja assim.

Ainda sobre esse programa, o Belluzzo tava lá e criticou a postura de alguns "blogs", que dizem que "futebol é guerra", que "os estádios deviam ser todos de cimento/arquibancada", e que isso pra ele era um absurdo... Hahahaha, sério mano, certeza que foi pra você. Uma pena mesmo que o presidente do Palmeiras, muito culto, inteligente, não saiba interpretar o que você diz aqui... Chegou a bater uma tristeza mesmo, não era nem raiva.

Forza Palestra disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Forza Palestra disse...

Nicola,

Ele sabe interpretar sim. Tanto é que já conversamos sobre isso em algumas oportunidades. Eu tenho apenas uma visão diferente, mas garanto que o Belluzzo é bastante democrático e faz questão da troca de idéias e argumentos. Por sinal, o espaço está aberto para as nossas reivindicações. Tudo pelo bem do Palmeiras.

Quanto ao público, foi excelente, em se considerando o preço do ingresso. Muito bem mesmo.

Abraços

Nicola disse...

Ahh, que bom... Mas do jeito que ele falou ali, o tom que ele usou, tinha me parecido aquilo mesmo.

Também achei um ótimo público, e sei lá, vamos supor que esse mesmo jogo acontecesse há uns 15, 20 anos atrás, era capaz de ter o triplo de gente lá, foi esse critério que eles usaram, mas sem considerar absolutamente nada das circustâncias atuais, isso que eu quis dizer... Abs!

Forza Palestra disse...

É, cara, mas esse é o papinho de jornalista que nunca mais pisou em um estádio de futebol desde que entrou para uma redação... é um pior que o outro.

Seo Cruz disse...

grande texto, Barneschi. Disse tudo, de novo.

Anderson L. Saponi disse...

E ai Barneschi, falou a mais pura verdade, só viveu quem esteve lá.
O resto é a mais pura sensação de vazio no fim das contas.
No final falta a sensação que cabe aos cinco sentidos de estar lá.

Eu sei que vc não gosta mas vc tem mais alguma informação sobre o jogo do Santo André, vai ser aqui em Ribeirão mesmo?

logus disse...

Cara se vc quiser parar o carro no shopping, vc tem dois à sua disposição, o Butantã e o Jardim Sul, verdade que a próximidade dos mesmos com o Morumbi é menor do os que existem em volta do Parque Antartica, mas eles estão lá, basta caminhar um pouco mais.
Essa parada de estacionamento a R$ 40,00 é um verdadeiro assalto mesmo, mas ai a culpa não é do São Paulo, pois ele não é o detentor do terreno que se faz passar por estacionamento, vc pode criticar sim o Morumbi por não ter estacionamento, mas dai associar sua crítica com o cara que cobra pelos R$ 40,00 é meio incoerente.
Várias vezes em que fui assistir um jogo em vossa casa, me deparei com preços abusivos cobrados pelos estacionamentos locais, não tive outra escolha, pois o Palmeiras também não me ofereceu um estacionamento.
E vale lembrar que isso em nada tornou a minha experiência menos prazerosa

Forza Palestra disse...

Anderson,

Vai ser em Ribeirão mesmo. O Santo André vendeu todos os mandos contra os grandes. A gente se fala por aí.

Abraços

Forza Palestra disse...

Logus,

Vamos pontuar algumas coisas:

1. O fato de o estacionamento custar R$ 40 não trouxe nenhum impacto para a minha experiência como torcedor. Eu deixo o carro na rua mesmo, ando bastante para me livrar dos flanelinhas e assumo o risco de tudo isso. Não quero que o SPFW forneça estacionamento para mim, e seria insano exigir isso. O que se questiona é a estrutura que existe nas cercanias do Jd. Leonor, e que implica em um preço como este. Se há quem pague, problema de quem faz isso. Eu corro todos os riscos e faço todos os esforços para não perder dinheiro à toa.

2. O Shopping Butantã fica a 1,5km do estádio. Sim, é uma distância superável. Mas é apenas para a torcida da casa, pois os visitantes não podem nem pensar em andar pela Saad em dias de clássicos. Nada a contestar nisso, e tal observação serve apenas para desqualificar o seu argumento. De resto, não foram poucas as vezes em que a administração do Shopping Butantã elevou os preços do estacionamento para lucrar com a demanda do jogo. Não sei como está hoje, mas lembro de relatos anteriores nesse sentido.

3. Na boa: você já andou do Shopping Jardim Sul até o Jd. Leonor? Se não fez, recomendo que tente a sorte. São 2,5 km de distância. Dá pra andar, é claro, mas eu duvido que algum torcedor visitante vá se aventurar a deixar o carro lá e depois enfrentar 5km (ida e volta) de subidas e descidas para chegar ao estádio.

4. O Palestra Itália fica cercado por dois shoppings enormes. Um, o Bourbon, é inacessível a visitantes, sem dúvida. Mas fica a 150 metros da entrada principal do estádio. O outro, o West Plaza, fica no caminho para o Metrô. É um pouco mais distante da Turiassu, mas fica a pouco mais de 300 metros (dois ou três quarteirões) da entrada dos visitantes. Uma mordomia só. E aí você consegue gastar R$ 4 ou R$ 5 e nada mais.

5. Em tempo: eu não deixo meu carro nos shoppings da região nem em qualquer outro estacionamento. Meu carro fica na rua, e assim é porque as opções ali na região entre Perdizes, Pompéia e Barra Funda são incontáveis.

logus disse...

A questão é que o Morumbi fica numa área completamente distinta do Parque Antartica, a grosso modo estamos numa área mais residencial que vcs, portanto somos privados sim de determinados tipo de estabelecimentos, ou os mesmos se encontram mais afastados.
É o caso do metro, que quando chegar até ao Morumbi, ficará nas imediações do Shopping Butantã, como vc disse a 1,5 km do estádio.
Hoje o Shopping Butantã disponibiliza o último andar para os torcedores em dia de jogos a R$ 10,00- opto por deixar o carro na rua, pois como disse, o Morumbi está localizado numa área residencial, portanto opções não faltam, com ou sem flanelinha.
Visitantes sempre sofrerão mais que os locais, sobre isso não há dúvidas, este ano no jogo válido pelo primeiro turno entre nossos times até que foi tranquilo, não sofri tanto, dada a pouca presença de público, agora ano passado no 2x2 foi complicado, parar o carro no Shopping West Plaza sendo tricolor era impossível, foi na rua mesmo sem dó nem piedade, ali nas proximidades da Marques de São Vicente.
Devo dizer, não é fácil não ir assistir um jogo no Parque Antártica quando sua torcida comparece em peso, e não tem que ser mesmo, para nenhum visitante, sobretudo em relação a nós, já que a história nos fez inimigos, portanto sentir uma certa inveja dos visitantes em sua casa não condiz com a realidade enfrentada por nós.
Abraço

Vitor disse...

Barneschi, e tem mais essa aqui ó, olha que beleza:

http://esporte.uol.com.br/ultimas/multi/2009/09/01/0402376ED8B91366.jhtm?torcedores-assistem-ao-classico-em-local-proibido-veja-0402376ED8B91366

E aí promotor desocupado o que acha??

Abraços,
Vitor MV

Gabriel Teixeira disse...

Realmente!

Apesar de tudo, daquele ESTÁDIO DE MERDA, da PM, viver a emoção de um clássico é indescritível.

Abraço

Forza Palestra disse...

Logus,

O Palestra é cercado por áreas mistas, com muitas residências e prédios, mas também com alguns estabelecimentos comerciais. O problema do Jd. Leonor é que ele fica em uma região estritamente residencial, e são residências, digamos, quase sempre opulentas e sem qualquer infra-estrutura nas proximidades.

Entendo seus argumentos, mas nenhum estádio do Brasil oferece condições tão boas para o visitante quanto o Palestra. Não me refiro à parte interna, pois a visão que se tem dali é de fato questionável, mas ao aspecto externo, com as vias de acesso, meios de transporte e estacionamento no shopping.

Claudio Yida Jr disse...

E agora a imprensa não admite que errou e diz que não foi confirmado Rio Preto.

Imprensa lixo.

Forza Palestra disse...

Japonês,

Já botei um post novo. Espero que você não tenha que criar novos selos contra essas cidades de merda!

Abraços

Marcelo disse...

Boa tarde,
só em relação ao assunto das condições que cada estádio oferece! Esse abuso externo de estacionamentos, flanelinhas, shoppings..o clube não tem nada a ver. E isso não pode virar motivo, para fazer uma crítica ao clube.
Já frequentei muitos estadios do Brasil, e América do Sul! Poucos oferecem uma estrutura consistente que preze o comodo do torcedor. Por isso, não importa as condiçoes, o importante é ir! De ônibus, metrô, carro ou a pé!
Quanto ao jogo, jogo previsivel. Times jogando sem correr riscos. Preferiram sair de campo com um empate!
Abs