18 maio 2011

20 anos de um clássico

Houve um campeão estadual no último domingo em clássico com torcida única. Por aqui, os clássicos de SP já perderam a identidade faz tempo, e eu ouso dizer que seremos derrotados na batalha contra os promotores desocupados, os canalhas da imprensa e os dirigentes vagabundos: logo haverá também por aqui um clássico com torcida única. É questão de tempo.

Este blog volta 20 anos no tempo para trazer imagens de um certo clássico válido pelo Campeonato Paulista de 1991. Em campo, Palmeiras e SPFW, este último ainda desprovido da massa alienada que viria com as gerações aborto (1992/1993) e vitrine (2005/2006), mas igualmente sem alma, tal como agora e como sempre.

O dia é 1º de dezembro de 1991. Domingo, 16h. 110.915 pagantes. Repetindo: cento e dez mil, novecentos e quinze pagantes!

Vamos às imagens daquela tarde, todas enviadas pelo palestrino Renan Barbosa, autor do blog Um Palmeirense:







Peço que notem a torcida do SPFC espremida na própria casa.

Eram outros tempos. E o Palmeiras, então há 15 anos na fila, colocava os leonores no devido lugar depois da guerra pelos gomos (bons tempos, bons tempos...).

Este jogo deve estar guardado na memória de todos os palmeirenses com pelo menos 28 anos. Não foi um jogo qualquer. Valia vaga na final do Paulistão daquele ano. Valia o fim do tabu. Valia a confirmação de que o gigante estava de volta ao seu lugar.

Eis então que coube ao Palmeiras enfrentar o seu grande inimigo, o time do Jd. Leonor. Os dois integravam o grupo 2 do quadrangular final (o SCCP venceu o outro). Além dos dois inimigos, a chave trazia ainda o Guarani de Campinas e o Botafogo de Ribeirão Preto.

Palmeiras e SPFW haviam disputado até ali cinco jogos cada um. O Palmeiras tinha quatro vitórias e uma derrota; as bichas, três vitórias e dois empates. Como o regulamento de então previa apenas dois pontos por triunfo, os dois somaram os mesmos oito pontos ao final da quinta rodada.

A vantagem do empate, no entanto, pertencia ao SPFW. Por quê? Ah, porque os leonores tinham feito melhor campanha na fase classificatória. Vejamos:

Os adversários do alviverde na fase classificatória (grupo verde): América, Botafogo, Bragantino, SCCP, Ferroviária, Guarani, Ituano, Mogi Mirim, Novorizontino, Portuguesa, Santos, XV de Piracicaba e XV de Jaú.

Os adversários do SPFC na fase classificatória (grupo amarelo): Catanduvense, Inter de Limeira, Juventus, Marília, Noroeste, Olimpia, Ponte Preta, Rio Branco, Santo André, São Bento, São José, Sãocarlense e União São João.

Vejam os senhores que o Palmeiras disputou a primeira divisão e o SPFC, a segunda - ou seja, foi rebaixado em 1990! No entanto, o regulamento da nossa estimada FPF julgou que a campanha leonor era superior - e, portanto, merecedora da vantagem na fase final. Coisas do nosso futebol...

O que se viu em campo foi um massacre alviverde. Tentamos por todos os lados, pressionamos, fizemos por merecer a vitória. Mas Zetti, até pouco antes do nosso lado, pegou absolutamente tudo. Tudo. Ainda criança, foi a primeira vez que me lembro de ter odiado um jogador adversário. O auge, já nos minutos finais, foi uma cabeçada perfeita de Evair, no ângulo. Zetti pegou. E eu, ainda sem poder ir aos estádios em jogos como aquele, tenho o lance eternizado na voz de José Silvério.

0 a 0. O inimigo seguiu em frente graças à "melhor campanha" na 2ª divisão. Mas as imagens aí de cima valem mais do que isso. E, na boa, eu troco um eventual título naquele ano pelo 12 de junho de 1993... E não troco a nossa alma por nada.

Só é uma pena que as imagens acima, de um clássico com 110.915 pagantes, pertencem a um passado que não volta mais. Conseguiram acabar com o futebol de verdade.

29 comentários:

Luiz disse...

Repare que até rojões eram permitidos.

Forza Verde disse...

PQP!!! Sensacional essas fotos, de arrepiar. Eu até então com 15 anos, acompanhando o Palmeiras em sua fila lado a lado, desde 1976 fila que eu sentia que tbm era minha e como escrito no texto, estavamos em nosso 15º ano. Mas o que importava é que Palmeiras e eu estávamos juntos. E era maravilhoso ir a estádios lotados assim.

Meu gosto particular por "jogos grandes", ou seja, os clássicos, vem desde a época em que eu apenas sabia que meu time era aquele de verde, eu não entendia mta coisa mas sabia que era aquele de verde quem deveria vencer. Sempre junto de meu pai, no seu colo qdo ainda pequenino e ao seu lado qdo já caminhava com minhas próprias pernas.

Ah que saudades desses clássicos com meu pai, lembranças dos estádios lotados como aquele 2x2 com os sardinhas em 1984 (famoso jogo do "gol do juiz"), aquele 4x4 com a escória bambi em 1985 no Pacaembú, os 5X1 pra cima dos gambás em 1986, um 3x0 pra cima dos mesmos gambás na semi de 1986 (com show do, pasmém, Mirandinha, e um histórico e inesquecível gol olímpico do Éder), os 2x1 ainda em cima dos gambás (jogo que Neto cuspiu no juiz), a semi de 92 contra os gambás tbm, debaixo de um diluvio Evair faz o gol de falta e faz a torcida esquecer o frio, as finais de 93 (inesquecíveis), finais do BR94 no Pacaembú (festa espetacular no tobogã no 1º jogo e delírio no 2º jogo com Edmundo chamando Viola pro drible), outro 4x4 com a escória leonor já em 1999 (este acho que um dos últimos em que vi o estádio lotado), enfim, hj são lembranças, maravilhosas lembranças...

Forza Verde disse...

Agradeço por ter pego essa época, por ter ido a esses jogos, quem teve a oportunidade de estar em jogos como estes, como eu tive, jamais se esquecerá. Não interessava a fila, a cada ano torcíamos mais e mais e isso não havia e não há preço que pague.

Infelizmente pra quem não viveu essa época talvez não veja algo ao menos parecido nos dias de hj e nem mesmo no futuro...

Espero estar errado e poder voltar a ver estádios lotados como antigamente.

Avanti Palmeiras! Forza Inter!

Leonardo disse...

Ah, não pude viver esta época, e jamais entrarei em um estádio com um público espetacular como este.

Bons tempos que não vivi, tiraram isso de mim.

Anônimo disse...

Ah barneschi lembro muito desse jogo.Tinha 9 para 10 anos. Lembro do Zetti fazendo a defesa na cabe₢ada do Evair ficando horizontal ao travessão...uma das defesas mais espetaculares que já vi ao vivo. CAracas, como nós eramos felizes.

Avanti palestra, fino alla morte.

Casselli o Carcamano

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...

o amigo bambi alienado ficou nervosinho!
EU ESTAVA NESTE JOGO, E A PROPORÇÃO DA DIVISÃO DE GOMOS ERA 8PARA A TORCIDA DO PALMEIRAS E QUATRO PARA OS ALIENADOS SEM ALMA E SEM HISTÓRIA!
Nunca, em nenhum momento, mesmo recentemente, o SPFW, em "condições normais" colocou mais torcida do que a TORCIDA DE VERDADE E COM ALMA DO PAMEIRAS", em jogos entre os dois clubes!
BAMBIS = CLUBE SEM IDENTIFICAÇÃO E SEM HISTÓRIA DEFINIDA E COM "TORCIDA" VIRTUAL, PLASTIFICADA E SEM ALMA!

Anônimo disse...

Barneschi, eu estava atrás do gol de entrada...e percebi o quanto os gomos eram tomados por todos nós.
Me lembro, ainda, com nitidez a bola metida por cobertura do Evair em cima do Zetti que beliscou o travessão, a perna quebrabrada do nosso belo volante Dorival Júnior pelo meia-boca Raí, o Jorginho nosso ponta direito...ahh saudades daqueles clássicos...

Anônimo disse...

Amigos, a verdade é que a grande culpa dessa palhaçada toda foi nossa diretoria, que assinou um regulamento ridículo que liberou os bambis para chegar às semifinais mesmo vindo da segundona e ainda dava vantagem ao time da segunda divisão em caso de empates (pela melhor campanha pois jogou na segundona!)!
E esse ano foi realmente uma tristeza, os bambis passaram e fizeram a festa em cima dos gambás, meteram logo 3x0 na final, tava fácil.
Agora, tem uma coisa, eu nunca consegui sentir raiva do Zetti, mesmo ele pegando tudo! Eu sinto sim pena dele ter deixado o verdão! Nunca deveríamos ter deixado ele sair, isso sim! Não consigo sentir raiva porque comemorei com ele muitas vezes no estádio.
Ah, e ele mesmo disse em entrevista que o dia que ele mais "pegou" na vida foi nesse dia!!!!

Forza Palestra disse...

Com bambi é assim: a gente pisa na cabeça!

Conrado disse...

puta merda. que saudade dessa epoca.

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Fábio disse...

Eu me lembro deste jogo, umas das derrotas mais sofridas para mim. Massacramos os bambis (como costumam ser nossos jogos com elas) e fomos eliminados pela "melhor campanha" delas. E o pior é que não me lembrava da campanha na fase, de que se na época já existisse os 3pts por vitória, estaríamos classificados. Como disse bem o Barneschi, não trocaria uma vitória neste jogo pelo 12-06-93 em hipótese nenhuma...

Forza Palestra disse...

Ah, que é isso, elas estão descontroladas!

Luan disse...

GRANDE POST! GRANDE ÉPOCA! MOSTRA COMO NOSSA TORCIDA É FORTE E BEM SUPERIOR A DOS BAMBIS!

AVANTI PALESTRA!

Luan disse...

Ah e Barneschi, 40 conto o ingresso da estréia do brasileirão.
O preço não tava nos 30?? Será que vão aumentar com o time piorando?? Só falta né..

AVANTI PALESTRA!

Jean disse...

Barneschi, peço permissão pra passar alguns textos seus pra frente... principalmente textos otimos q vc fez explicando um pouco essa sujeira q se chama spfw... posso ?

Marcos Dan disse...

Fala Barneschi! Lembro bem desse quadrangular, perdemos o primeiro jogo para as bichas, mas pela tabela depois foram os jogos (de ida e volta) contra o Guarani e Botafogo e com 4 vitórias chegamos empatados com as bichas para o último jogo do quadrangular. Teve uma bola do Evair já no segundo tempo, da entrada da área que pegou no travessão, esse lance não sai da memória nunca...Um abraço!

Forza Palestra disse...

Jean,
Nem precisa pedir autorização. Os textos estão à disposição de todos os palestrinos.

Luan,
A notícia de ingresso a R$ 40 é um soco no estômago. Mas acredito que vai prevalecer apenas nesse jogo, porque acontece no interior.

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Néspoli disse...

Eu estava lá nesse dia....

Tenho saudades desse tempo que nãio volta mais

abraços Néspoli

FC disse...

Estava lá. Com 11 anos, meu pai e meu irmão de 9. Numerada descoberta... as torcidas iam se ajeitando de acorodo com a maioria no setor.

Bons tempos de bandeiras, fumaças, rojões, etc. Tinha até jogo de "aspirantes" antes.

Meses depois, já em 92, metemos um 4x0 maravilhoso no SPFW. Até a capa do bambi OESP na manhã seguinte foi: "Cadê o Campeão?"

O Zetti só pegou mais do que esse jogo no 1º jogo da Libertadores de 94 no Pacaembu, 0x0. Foi ataque contra defesa... tinhamos um timaço, mas não conseguimos fazer o gol. Na volta, pós Copa do Mundo e excursão Mustafista a CHINA, deu o que deu...

Abraço,
FC

FC disse...

Só complementando este jogo das fotos em 91:

Durante a fase final do campeonato, o mala do Milton Neves (na época ainda na JP, quando a JP fazia rádio esportivo decente), ficou diznedo o tempo todo "é sintomático, o Palmeiras será campeão".

Após o jogo, por conta da superioridade do Palmeiras e do regulamento idiota, a produção do 3º tempo colocava o hino bambi e ele berrava: "tira o hino", "tira o hino".

Lembro disso como se fosse ontem.

Abrax,
FC

Forza Verde disse...

Pra quem ainda não conhece o promotor mau-caráter aí está mais uma de suas tentativas em acabar com o futebol.

http://www1.folha.uol.com.br/esporte/917966-promotor-sofre-resistencia-para-implantar-torcida-unica-em-sp.shtml

Uma vez Filho da puta sempre filho da puta.

FC disse...

EM meu primeiro comentáiro, troquem "Numerada descoberta" por "Numerada Inferior"....

Numerada/Cadeiras Inferiores mesmo que as meninas transformaram em Bar Linguiçaria, Academia, Buffet Infantil e outras purpurinadas...
e que na época era o lugar ideal para invasão de campo.

Everaldo Efe Silva disse...

Perfeito! Muita saudade desses jogos, dessas bancadas. Agora quase tudo, quase tudo mesmo, é de uma frescura generalizada.

Anônimo disse...

Grande Barneschi, lembrei deste jogo nesta semana quando pipocaram notícias de que a biba Muller estava quebrada depois de tanto se travestir. No final desse jogo, após nossa eliminação, o filho da puta veio em direção a nossa torcida e ficou dando "bananas" para nós, que fomos tanto injustiçados mais uma vez, porque eles jogaram segunda divisão e nós a primeira. Então lembrei do jogo, lembrei do maldito mexendo conosco e sentí um grande conforto pela situação que ele passa.
Bons jogos eram aqueles, os coxinhas mexendo a corda para nos dar mais espaço e a torcida vibrando muito com isso.
Obrigado pelo post que me trouxe tão boas lembranças.

Marcelo

Junior disse...

Foi um dos meus primeiros clássicos.

Lembro de sair de casa com meu pai, ainda sem ingresso, e comprar na bilheteria 3-4 horas antes do jogo.

Lembro dos cheiros de pernil e calabresa que predominavam na praça da entrada do Estádio.

Lembro de entrar em um estádio bem povoado, 2 horas antes de começar a peleja.

Lembro dos cantos mais povoados, próximos àquela dezena de PMs que seguravam aquelas 2 cordas que separavam as torcidas.

Lembro de logo contabilizar quantos Gomos já tínhamos conquistado. E de também projetar quantos dominaríamos. Comemorando-os como um grande gol.

Lembro da partida de aspirantes. E daquele "número 7 que jogava muito".

Lembro das bandeiras tremulando em seus longos bambus.

Lembro dos inúmeros fogos de artifício que explodiam antes, durante e depois da partida. Dentro do estádio, claro, ali que estava o espetáculo.

Lembro dos pedaços de saco de lixo verdes.

Lembro de só ver camisas com os números 9 e 10. Em campo do 1 ao 11. No máximo, até o 16 quando entravam os reservas.

Lembro do radinho de pilha do meu pai.

Emfim, lembro do Futebol. E como faz falta...

Anônimo disse...

Detalhe que no primeiro jogo o São Paulo enfiou 4,na final do campeonato paulista seguinte mais 4,só o meia boca do Raí enfiou 5 gols nessa brincadeira!