21 outubro 2013

Sobre o nosso estádio

As informações são desencontradas, parece haver uns quatro contratos diferentes e vagabundo vive tentando empurrar a responsabilidade para terceiros – tão vagabundos quanto quem tenta limpar a própria barra. Eu confesso, sincera e honestamente, não ter a menor paciência para aguentar essa nebulosa, obscura e tenebrosa discussão sobre o lugar que antes podíamos chamar de casa. Em sendo um tema de tamanha importância, no entanto, eu me sinto obrigado a fazer algumas breves considerações:

_Confiram aí, na barra lateral, todos os posts que este blog já escreveu sobre o saudoso e eterno estádio Palestra Italia. É o melhor que se pode fazer no momento.

_O debate é tão obscuro que até desestimula o engajamento da torcida. Porque simplesmente não há quem consiga apresentar uma versão minimamente confiável.

_Rogério Dezembro, a criatura responsável pela primeira "versão" do Avanti, foi sempre tratado por este blog como uma figura pouco confiável. O tempo só fez reforçar isso.

_Fazer ou não um setor sem cadeiras é questão de inteligência. Mais até do que de boa vontade. Sejam, portanto, inteligentes.

_Antes de sequer pensarem em estratégias elitistas, levem em conta dois fatores: (1) façam um estudo sobre a média de público do Palestra em toda a história; e (2) mirem-se no mau exemplo de alguns dos estádios recém-reformados ou recém-construídos para entender que o futebol vai sempre ser uma manifestação popular.

_Públicos artificiais não se sustentam - e não sustentam o futebol.

_O estádio Palestra Italia vai se chamar sempre Palestra Italia e vai pertencer eternamente à Sociedade Esportiva Palmeiras. O resto é pilantragem.

_Terminem logo a porra da obra!

_Por fim, deixo-os com a palavra do amigo Adriano Pessini, em sua coluna publicada no Agora SP de ontem:


























Para o senhor Walter Torre, para Rogério Dezembro e para todos os demais canalhas que estiverem tentando se colocar contra o Palmeiras, contra a sua casa e contra o seu torcedor, eu tenho a dizer apenas que, com ou sem cadeiras e seja lá quantos forem os lugares disponíveis, ficaremos em pé. Sejam, portanto, minimamente inteligentes e tirem proveito dessa situação. Porque o estádio Palestra Italia haverá sempre de pertencer à torcida do Palmeiras e aos interesses dela irá se submeter. Porque o estádio se adapta aos torcedores e não o contrário. Por bem ou por mal.

18 comentários:

Anônimo disse...

vai começar a rabugentice

até quando???

Rafael-DF disse...

Vai ser uma guerra perdida pra eles Barneschi. Invariavelmente nosso time passará por altos e baixos nesses 30 anos e nos momentos de baixa somos nós, os torcedores da arquibancada que iremos sustentar o time. Vamos resistir, sempre.

Anônimo disse...

O time com origem Italiana, mas DIVERSAS vezes parece que é portuguesa. E ainda essa palhaçada de de perder 2000 lugares...faz logo uma arquibancada de verdade e recupera uma parte dos lugares perdidos. Aliás aquela velha frase que toda torcida fala, "com a gente tudo é mais difícil", mas no nosso estádio tá muito mais que difícil. Isso vem desde 2008, bem antes de assinar o contrato ....VTNC. De boa, esse estádio tá indo na marra...Puta burocrácia nojenta pra todos assuntos, são eles: Alvará, CET, morte de funcionário, contratos, divisão das cadeiras, Oposiçâo travando, horário da obra e etc etc. Estou errado?
Tá difícil....
Vamos Palmeiras....Saudades de velho Palestra, saudades de tomar minha gelada no fosso(ç?).
Avanti.
Abs,
Caruso

Raul Martins Dias disse...

O texto do Pessini é muito bom, mas tenho uma ressalva: o "prejuízo" de 2,8 milhões por conta das 2 mil cadeiras a menos só vai existir se o estádio lotar em todos os jogos - o que, naturalmente, acho bastante improvável.

E esse último anônimo me trouxe um momento de nostalgia, quando falou do fosso do nosso estádio. Me lembro de um Palmeiras 1x0 América de Rio Preto pelo Paulista de 1994 - um dos poucos jogos que eu vi na nossa casa antes de me mudar para Brasília, no fim daquele ano. Na saída, após assistir à partida com meu pai, no local onde depois foi construído o Setor Visa, fui caminhando junto à multidão naquele fosso, todos cantando os famosos "Chico Lang, viaaaado" e "Doutor, eu não me engano...". Com meus 16 anos, nem ligava que aquela multidão andasse tão devagar. Esse tipo de lembrança que faz com que nada se compare ao futebol visto no estádio.

claudio longo disse...

PARABENS BARNESCHI, você apenas expos de forma clara a realidade que idiotas no comando desta balburdia, mantem blindada do maior legado do Palmeiras , sua torcida, que ficara de pé, não há a menor duvida, inclusive na EUROPA, onde há mais inteligência e respeito ao torcedor que mantem ricos os mesmos vigaristas profissionais, do lado de fora das quatro linhas , os ESTADIOS, são adaptados para que o torcedor vá assistir o jogo como
o faz a décadas , sem setores elitizados , em sua totalidade, se quer sentar vá ao teatro, o estádio é uma demonstração de tradições esportivas populares, sem distinção de raça, credo ou religião, fator que esta sendo desvelado pelos hipócritas , ao tentarem elitizar o reduto mais autentico do futebol, a arquibancada!

mateus disse...

Barneschi das seleçoes classificadas para a copa qual você considera uma grande aberração e torceria contra de qualquer maneira ?

Rafael Kuvasney Marcolin disse...

FICAREMOS EM PÉ.
Futebol sem torcida morre. Pensem nisso, engenheiros. Quanto mais elitizarem o estádio, mais rápida será a morte do futebol.

Anônimo disse...

Você acha o que o Grêmio fez no seu estádio, um setor com ingressos mais baratos e arquibancadas de cimento, o ideal para se fazer no Palestra?

Léo Souza disse...

Barneschi,

Tive uma palestra com o Rogério Dezembro na última 5a feira, justamente sobre o modelo de negócio do Allianz Parque. Como torcedor de arquibancada, fiz a maioria das indagações que vc tbm faz para ele, e tive algumas respostas.

- O contrato assinado em 2007 prevê um "estádio inteiro no modelo 'Padrão FIFA'", que prevê todos os assentos com poltrona e cobertos. Ele me disse que por mais que a torcida se interesse pelo setor sem cadeiras, isso teria que ser discutido antes da assinatura do contrato, agora é tarde demais.

- O contrato também obriga a WTorre a entregar um estádio com "no mínimo 40 mil lugares" ou seja, a redução de 45 para 43 mil não os afeta em nada em termos contratuais.

- Sim, a estratégia será elitista. A proposta é trazer o mauricinho gastão que gasta $10 num hot dog sem dó e hoje em dia tem medo de ir ao estádio. Ele disse que o objetivo é ter o estádio sempre cheio, por mais que o público que o frequente seja rotativo. "Os mesmos de sempre", que vc sempre cita, que sofrerão com isso. Em compensação, segundo as projeções dele, o ganho do Palmeiras será muito maior que o atual, o que proporcionará investimentos mais altos e times mais competitivos. Mas será que vale a pena?

- Curiosidade: Valdivia e Paulo Nobre já compraram um camarote cada.

Néspoli disse...

Respondendo ao Léo Souza, minha opinião.

Não não vale a pena, mesmo pq, a médio prazo, esse público 'plastificado' não vai sustentar o futebol

Vinicius disse...

Também respondendo ao Leo Souza, na minha opinião ninguém explicou melhor o problema de se deixar "os de sempre" de lado, em favor de um público que é mais consumidor do que torcedor, do que Nick Hornby em Fever Pitch. É na verdade muito simples, mesmo que os inescrupulosos dirigentes não tenham problema algum em retirar do estádio aquela parte da torcida que sempre carregou o time nas costas, para substitui-la por "mauricinhos" (eu acrescentaria ai patricinhas e famílias), mesmo ignorando o lado sentimental de se excluir estas pessoas em detrimento de um público totalmente artificial, a diretoria vai esbarrar em uma barreira que principalmente nos últimos anos parece ser intransponível : Montar times bons, pois se o time não estiver brigando SEMPRE por títulos, esse novo público simplesmente NÃO vai ao estádio, Mauricinhos, patricinhas e famílias NÃO vão ao estádio na hora da necessidade, eles vão por diversão. Portanto é razoável dizer que nos últimos 10 anos por exemplo, o Palmeiras teria uma média ridícula de torcedores em pelo menos uns 8 anos da última década,mas quem salva sempre são "os de sempre", "bandidos travestidos de torcedores", que estarão lá, faça chuva ou faça sol. Em tempo, não sou palmeirense,paulista e nem torço para um time do sudeste, mas acredito que isso se aplique a qualquer time grande, principalmente aos que tem uma torcida fanática e são mal administrados.

Felipe Teodoro da Silva disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Felipe Teodoro da Silva disse...

Barneschi, pela primeira me sinto feliz em dizer que estou orgulhoso do nosso presidente vir a publico e quebrar as palavras daquele senhor, dono da construtora. Creio que agora devemos nos unir e deixar de lado se você é contra ou a favor da diretoria e defender nosso bem maior que é a SEP. Agora a postura de qualquer pessoa que se diz a palmeirense e postular palavras contra a diretoria será inadmissíveis!

Rafael disse...

Os responsáveis pela situação ter chegado neste ponto devem ser cobrados (o Cirilo e o Belluzzo já se manifestaram?), mas antes é preciso deixar claro para a "parceira" que não estão negociando com uma organização da mesma laia dela.

Foi bem o Paulo Nobre pela prontidão em se posicionar publicamente e pelo tom usado contra o cidadão.

Sobre o presidente da "parceira", o cara não teve a capacidade de entender, mesmo após 5 anos ao nosso lado, que não se dá uma entrevista naquele tom contra a SEP. E ainda foi infeliz em trazer para o seu lado logo o Dezembro, incapaz também de aconselhá-lo a evitar o tiro no pé que deu ontem.

Luiz Claudio disse...

Existe no Portal do UOL hoje, uma materia a respeito do que o Palmeiras exige, e que no "contrato" não foi estipulado, vejam de que forma a WTorre quer administrar o Palestra e o que o Palmeiras deixará de ganhar com isso.
Realmente um absurdo, digno da incompetencia a qual o Palmeiras era gerido na época, com todo o respeito ao Beluzzo....

César SEP disse...


Vinicius

Disse tudo cara, não existe marketing no mundo que faça o estádio lotar todo jogo. O segredo é simples e único: ter um bom time e ganhar títulos.

cristiano disse...

Me parece bem isso mesmo, sempre entendi desta forma: que a SEP depois da Allianz Parque sera o antes e o depois, tenho certeza que a intençao é essa mesmo, fazer um clube elitista, com uma arena atrelada a burgueses que podem pagar caro no ingresso, caro nas comidas e produtos comercializados la dentro. O lado bom é que baderneiros vão ser escurraçados e muita grana vai entrar nos cofres do clube. O lado ruim que teremos uma torcida bem playboizinha se alto denominando palmerense roxo desde criançinha hehehe

cristiano disse...

Me parece bem isso mesmo, sempre entendi desta forma: que a SEP depois da Allianz Parque sera o antes e o depois, tenho certeza que a intençao é essa mesmo, fazer um clube elitista, com uma arena atrelada a burgueses que podem pagar caro no ingresso, caro nas comidas e produtos comercializados la dentro. O lado bom é que baderneiros vão ser escurraçados e muita grana vai entrar nos cofres do clube. O lado ruim que teremos uma torcida bem playboizinha se alto denominando palmerense roxo desde criançinha hehehe