29 outubro 2013

STJD/2013: por um futebol insuportável

Paulo Schmitt, este notório e deveras ocupado personagem que se apresenta como procurador-geral do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), deve ter sido um daqueles moleques que passou toda a vida escolar denunciando os colegas para os professores. Deve ter sido, desde os tempos idos do ensino fundamental, o dedo-duro, o alcaguete, o dedo de seta ou como quer que queiram chamá-lo – qualquer denominação é válida. Eis que o menino cresceu e, hoje revestido de um poder sem precedentes, virou o delator-mor do futebol brasileiro.

Tanto poder trouxe efeitos colaterais para o procurador-geral. Dizem que logo cedo, ainda antes de acordar, o estimado jurista tem balbuciado palavras que, de início incompreensíveis, foram sendo decodificadas por pessoas próximas como sendo a sua sentença-padrão: “Vou solicitar as imagens para oferecer a denúncia ao Tribunal”. Que imagens? Que denúncia? Que tribunal?

Ora, ora, pouco importa, senhores. Importa, isso sim, que nada mais acontece neste decrépito futebol brasileiro sem que o menino alcaguete Schmitt se apresente como o bastião da moral e dos bons costumes, sem que venha apresentar denúncias descabidas, sem que venha exigir, de antemão, providências contra torcidas, clubes, jogadores, técnicos, dirigentes e demais personagens.

Mas Schmitt não está sozinho. Longe disso. Em sua cruzada destemida em defesa da moral e dos bons costumes, o menino alcaguete tem como parceiro o presidente do órgão: Flávio Zveiter, o jovem sucessor de uma família de tão inestimáveis serviços prestados ao futebol brasileiro (foi seu pai, Luiz, o responsável pelos 11 jogos anulados do Brasileiro/2005). O menino Zveiter, no entanto, é ainda mais repressor que papai Zveiter e titio Zveiter, figuras de notória passagem pelo referido tribunal. Sinal dos tempos, é claro.

Schmitt e Zveiter vêm transformando o futebol brasileiro em algo insuportável. Não é de hoje, é bem verdade, mas 2013 tem sido um ano particularmente propício para os arroubos verborrágicos dos doutos expoentes do STJD. Não disponho dos números aqui, mas eles certamente comprovariam a afirmação a seguir: nunca antes foram registradas tantas e tão descompassadas punições contra clubes de futebol. Nunca houve tantas perdas de mando de campo e tantos atletas sendo punidos por atitudes supostamente contrárias à ética esportiva. Nunca houve, enfim, tamanha interferência de um órgão de burocratas boquirrotos no esporte que outrora se praticava apenas dentro das quatro linhas.

Isso tudo para não mencionar a evidente falta de critério em algumas decisões - a depender das agremiações envolvidas.

...

O quê? Tacaram um copo de água na cabeça do bandeirinha? Perda de um mando de campo! 

Como é que é? Torcedores trocaram sopapos na arquibancada? Multa e menos dois jogos como mandante!

Eu escutei direito? Vândalos organizados e baderneiros entraram em confronto com os nobres, valorosos e destemidos homens do 2º BP Choque? Pois que joguem quatro vezes seguidas no interior! 


Ah, não diga isso! Resolveram não separar duas torcidas que se odeiam e os caras brigaram? Que marginais! Portões fechados pra os dois times! Ah, essa punição não está no Código? Bom, então que percam quatro mandos cada e não se fala mais nisso! 

Alô, Rizek? Vou bem, e você? E aí, vai fazer o que hoje à noite? (...) Como é? Ele forçou o terceiro amarelo e admitiu isso na entrevista? Vamos meter gancho nesse vagabundo! 

O que é que ele disse? Sério? Não posso aceitar essa manifestação desrespeitosa a este órgão tão essencial para o futebol! Vou solicitar as imagens para oferecer a denúncia ao Tribunal! 

...

Por obra de Schmitt e de Zveiter, por exemplo, a maior cidade do país quase não vai ter futebol neste final de temporada. Todos os seus times grandes vêm sendo punidos de maneira vazia e inconsequente sem que medidas práticas tenham sido tomadas – e sem que os verdadeiros culpados pelos incidentes tenham sido inquiridos.

Observem, senhores, que nada que vem do STJD tem caráter corretivo e/ou de efetiva punição para os responsáveis pelos atos (quaisquer que sejam eles). As medidas ora tomadas contra os clubes têm o efeito perverso de punir milhões de pessoas enquanto os poucos responsáveis diretos nada sofrem – e, via de regra, são até beneficiados, uma vez que podem encarar as viagens para terras longínquas sem que isso lhes cause grande contratempo.

O próprio Palmeiras passou um terço da Série B sem poder jogar na sua cidade. Foram duas penas por situações distintas, mas fato é que os envolvidos nos tais incidentes que provocaram a punição continuaram indo aos jogos em outras cidades e estados. Situação similar ocorre com o SCCP e com o SPFW – isso para não falar nos tantos clubes punidos Brasil fora. Aliás, não deve haver sequer um participante das divisões principais que tenha escapado da ensandecida cruzada dos senhores juristas.

Agem, o procurador-geral e o presidente do STJD, não com vistas a aplacar eventuais situações indesejadas, mas com foco exclusivo na punição pela punição. Um pouco porque gostam de aparecer (qual dessas proeminentes figuras do direito não gosta?) e outro tanto porque movidos por um irrefreável desejo de denunciar e punir por qualquer besteira. É coisa que vem de berço, sabem como é?

Calma, Schmitt, calma; logo mais você recebe as imagens para denunciar o próximo otário. E tudo segue como antes, rumo a um futebol a cada dia mais e mais insuportável...

8 comentários:

Nicola disse...

Mas a intenção só pode ser essa mesmo, domesticar os torcedores. Já aconteceu na Europa e caminha a passos largos para acontecer aqui também.

claudio longo disse...

Quando lemos ou ouvimos, as diversas opiniões de ``jornalistas´´, de uma crônica esportiva doentia, e sem caráter, temos um real espelho da falta completa de conceitos morais , em todos os quadrantes do desporto nacional, ser parcial hoje , é tornar-se passivo aos olhares de admiração , de um publico cada vez mais ignorante e obtuso,pois é visível a manipulação de dinheiro e interesses obscuros da mídia predatória, aos clube que são rotulados populares, alçados ao estrelato da audiência , sem que tenhamos respeito aos demais participantes de campeonatos montados, para melhor manipularem resultados e astros, tão falsos, que dificilmente possamos vê-los em uma futura carreira promissora, já que seu sucesso é momentâneo sem essência e qualidade.
Sempre são divulgadas ``pesquisas´´, que reputo, sim serem peças de manobra aos desesperados leitores, em buscar justificativas embasadas em meros conceitos, sem conteúdo, afinal a cada dados exposto pela ``mídia Predatoria ´´, o Palmeiras torna-se decadente, de forma a ter ate um grande numero de óbitos, que possa justificar uma redução violenta de massa torcedora, evidenciando a cada momento, que tudo não passa de uma grande mentira, refletindo na única verdade de termos dirigentes no Palmeiras , incapazes de administrar o clube, e torna-lo um grande protagonista, nas disputas que sempre tem enfrentado!

Leonardo disse...

Acredito que haja mais por trás disso do que simplesmente punir por punir. Parece-me que todas estas ações compõem um plano de elitização do futebol e marginalização dos torcedores organizados brasileiros, com foco na Copa do Mundo que está chegando.

Leonardo Nakamura

Raul Martins Dias disse...

E, a tudo isso, se somam os clubes que, de livre e espontânea vontade, atraídos por algum canto da sereia, levam seus jogos às tais "arenas fifa" a milhares de quilômetros de suas sedes, inclusive aqui em Brasília.

Este ano deve ter registrado recorde de jogos disputados fora da cidade dos clubes mandantes.

E o futebol agoniza.

Raul Martins Dias disse...

Em tempo: o crf já anunciou que em 2014 fará dez jogos do Campeonato Brasileiro (eu disse DEZ JOGOS!!!!!!!!!) fora do Rio de Janeiro, e seis deles devem ser aqui na Capital Federal.

Profundamente lamentável.

Anônimo disse...

CRISTIANO
É nessas e outras que falo que estão "fudendo" com o futebol, não olho com maus olhos os clubes irem em busca de coisas novas, mais dinheiro, mais profissionalização, isso é fato que vai ocorrer no mundo inteiro. Mais se querem punir, da forma que estão fazendo, é sacanagem pura, concordo!!! tem coisa errada ai!! punição tem que ter caráter disciplinador, punir meu Palmeiras por causa de um zé ruela é um absurdo!!!Mais o que vamos fazer? parece que ta todo mundo contente, o Barneshi diz que quase não vai ter time grande na capital, mais os times que são os prejudicados não discutem nada, e assim o barco vai tocando...

Anônimo disse...

Cambada! Essa gente asquerosa detesta futebol! Desprezo todos! Corja corrupta e desqualificada! E assim, de ações absurdas a aberrações, vão matando o genuíno futebol!E, todos se calam! Até quando?

Anônimo disse...

Tanto o stjd quanto a mancha verde nao gostam do palmeiras, e querem o ver afundar