05 julho 2009

Argentina, onde o futebol vive



Vélez-Huracán, a final do Clausura, teve de tudo um pouco: jogo interrompido por chuva de granizo, gol anulado, pênalti perdido, bola salva sobre a linha, expulsão, gol irregular nos minutos finais, 1 a 0, briga generalizada, técnico quase chorando – e brigando – à beira do campo, atletas se esmurrando no chão, jogador comemorando o título com a testa ensangüentada, torcedores pendurados no alambrado, invasão de campo...



Foi um caos, é verdade. E foi tudo aquilo que se espera de uma final de campeonato. Durante as quase três horas do jogo disputado na tarde deste domingo em Buenos Aires, os argentinos provaram uma vez mais que o futebol vive por lá. E é assim porque não se observam na Argentina as frescuras que vêm tomando conta do futebol brasileiro.

Não há tribunais pilantras, jornalistas hipócritas ou falsos profetas da moral e dos bons costumes. Não há promotores desocupados, procuradores querendo aparecer a qualquer custo ou mesmo dirigentes preocupados em atender às exigências do tal padrão Fifa. Até prova em contrário, os entusiastas da elitização do futebol não têm tanto espaço por lá. E, acima de tudo, não há Copa-2014.

Aí o argentino pode renovar o seu amor pelo esporte, vivendo a emoção do jogo sem limites ou censuras. Vai a campo para alentar seu time, vive uma batalha a cada rodada, participa ativamente de tudo o que acontece dentro das quatro linhas.





Eu torci hoje pelo vice-campeão Huracán, e era mais correto que o título tivesse ficado com o visitante, prejudicado em dose dupla pela arbitragem. Acontece que o futebol às vezes deixa espaço para certas injustiças dentro de campo. A de hoje tem como símbolo a imagem de desolação do treinador do Huracán depois do gol que mudou o campeão. Belíssima cena, a despeito de (ou até por) registrar toda a tragédia de um clube que chega aos 36 anos sem título.

Disso tudo, o que importa é saber que bem perto de nós, logo no país vizinho, o futebol ainda vive. O torcedor se pendura no alambrado, atira objetos no gramado e até invade o campo. E ainda é possível ver um jogador sair na porrada com o adversário e comemorar o título com o sangue escorrendo pela testa.

É, o futebol ainda tem alma...

25 comentários:

Seo Cruz disse...

GRAAANDE BARNESCHI!

Forza Palestra disse...

Há de ser sintomático: enquanto Vélez e Huracán se matavam pelo título argentino, o SporTV 2 resolveu começar a transmitir uma porra de uma corrida de motovelocidade, transferindo para o SporTV 1 o jogo do Clausura. Não contente, enquanto corriam os 13 minutos de desconto da batalha de BsAs, os filhos da puta cortaram a transmissão 3 ou 4 vezes para mostrar um judoca brasileiro recebendo a porra da medalha. É o fim...

Nicola disse...

SENSACIONAL!

Só de olhar para o estádio lotado, já se vê a diferença que existe entre o futebol aqui no Brasil e lá na Argentina... Sinalizadores, fumaças, trapos, tudo liberado, aqui no Brasil isso é relativo, no sul por exemplo se vê essas coisas em jogos decisivos, no Palestra saem batendo em todo mundo se acenderem um sinalizador.

Acho que nem se passa pela cabeça de um argentino esses jogadores que brigaram serem julgados ou algo do tipo.

Já viu isso aqui mano?

http://www.youtube.com/watch?v=w1NUisaQ6zA

Logo depois que a Argentina foi eliminada da Copa de 2006, os caras fazem um comercial desse... Aqui no Brasil (depois de ser eliminado na quartas também), imprensa achando culpados pra tudo, pois o Brasil era o melhor e pronto, e poucos dias depois a seleção voltava praquele ostracismo de sempre...

Aí se chega numa final todo mundo passar a torcer dinovo, exaltar se for campeão de alguma coisa (como há poucos dias). Por isso que tô pouco me fodendo pra seleção brasileira, e quando chega a Copa do Mundo torço pro Brasil ser eliminado logo, só pra ver esse bando de idiota parar de falar sobre futebol...

Palestra1914 disse...

Barneschi , o que se faz aqui é assinar o atestado de incompetência! Simples.
A incapacidade dos comandantes do futebol brasileiro é tão grande que eles tem que se utilizar de medidas ditatoriais para ter o controle da situação.
Na Argentina , por diversas vezes , quando houve algum problema considerado mais grave , paralisaram o campeonato até que uma atitude mais inteligente fosse tomada para minimizar ou acabar com tal problema.
Depois disso foi bola rolando como deve ser: sem viadagem!
Enquanto isso , por aqui tão apitando falta quando jogador peida.

Abraços.

Bruno D'Angelo.

André disse...

Major, o Huracan foi roubado hoje, seria eles a Lusa da Argentina?
Abraços

Rafael disse...

Perfeito.

E lá eles deixam o bicho pegar durante o jogo também. Deixando a maioria das partidas eletrizantes.

Por aqui tem muitos jogos que chegam a dar sono. Os jogadores ficam andando em campo e trocando passes para não se desgastar.

E eu já vi jogador chorar, mas técnico nunca. O cara mostrou que se importa com o time, e não apenas com seu salário. Quanta diferença para com o nosso ex-técnico.

Claudio Yida Jr disse...

Só no Paraguai há futebol com alma! Com direito a duas pelejas duríssimas contra a seleção argentina (ah, Santa Cruz, por que perdeste tanto gol?) e posterior ajuda no jogo decisivo, machucando Van Nistelrooy...

O Paraguai é um país de guerreiros.

JoãoP disse...

Porra!, é de encher os olhos...

Luiz Romani disse...

Caro canalha,

A sacanagem foi a troca do SporTV2 para o SporTV 1. O judô não tem culpa, estava sendo transmitido desde o período da manhã.

Abraço,

Luiz

Fabiano 1914 - Jundiaí disse...

Viva a Garra.. Viva a força.. Viva a Emoção.. Viva os hermanos.... Porque se depender do futebol brasileiros, logo logo, estaremos vendo jogos acontecendo numa tapete fofinho, para não machucar as meninas que por aqui bailam em campo...com direita massagem relaxante no intervalo, e ao silencio... pois torcedores com certeza serão excluídos do evento, já que incomodam e fazem muita... como é mesmo..... ahh lembrei.. algarraza....não né não....

vitor disse...

é, lá assim como em todo o resto da américa do sul (exceto os países q nunca tiveram futebol), e em mtos países da europa (os "mais pobres") o futebol vive.

na colombia um jogador meteu bala no torcedor do time, kkkkk.

aqui já morreu.

e a sportv é uma merda, mostrar o gordinho ganhando o ouro foi piada...c tivesse ganhado a prata ngm ia dar bola.
e outra, nem mostraram a luta, só mostraram ele no pódio tocando o hino...q babaquice, e viva o brazil!

por culpa disso, até agora não vi o soco q o sebá levou.

só um detalhe, qm ve essa festa toda da torcida do velez, o incentivo o jogo inteiro...nem imagina q eles lá são uma portuguesa com libertadores...

e eu tb torci pro huracan, e concordo q foi falta no goleiro, mas ele devia ter continuado na disputa, afinal não foi nd q ele não pudesse se levantar...mas já tava esperando uma entregada dele, apesar do penalti defendido, aquele cabelinho emo dele não me engana.

Kaleb Forte Rodrigues disse...

Boa Barneschi, acho que é a primeira vez que comento aqui, costumo só ler...
Mas é uma injeção de argentinalização que precisamosm, não de americanização onde os "shows" tomam conta, com um publikinho safado e elitizado !!!

viva a Alma do futebol !!! que assima de tudo é fervorante !!!

Luiz Gómez disse...

Por compartilhar dessa visão do futebol que escrevi isto aqui: http://blogdogomez.blogspot.com/2009/04/diego-nem-so-de-glorias-se-faz-um-idolo.html

Luiz Gómez disse...

Por compartilhar dessa visão do futebol que escrevi isto aqui: http://blogdogomez.blogspot.com/2009/04/diego-nem-so-de-glorias-se-faz-um-idolo.html

Marcelo Juchen disse...

Apesar do jogo coincidir com os do "Brasileirão" (AAHAHAHHA), já estava decidido que iria ver a final argentina. Cheirava a jogo histórico, como foi.
Começando com a festa da torcida, papel higiênico, sinalizador, papelpicado, rojão, atraso no início do jogo, com imagens da bela Buenos Aires em fundo e com cara de uma bela tempestade vindo a caminho.
Meu pensamento foi que se começasse a chover o jogo ia pegar fogo.
E assim foi. Jogo formidável, tudo que se espera de uma final, a batalha final.
Ao contrário do que se vê por aqui, uma viadagem só, arquibancadas vazias com cadeiras prenchidas com praticinhas e mauricinhos, jogadores em campo passando noventa minutos sem qualquer tipo de comprometimento.
Aliás a última copa legítima foi exatamente a da Argentina.
Tem coisa pior que brasileiro querendo imitar europeu.
Para além de outros jogos memoráveis, quando o futebol pulsava forte no Brasil, um dos meus maiores orgulhos e uma das maiores saudades foi estar presente, com nove anos de idade, num normal jogo de futebol, no meio de campeonato de 1978, um Palmeiras 2X0 Santos, com 123 mil pessoas no Morumbi, cheio de bandeiras, papel picado e papel higiênico levado de casa.

Pedro Pellegrino disse...

Fiquei puto com a Sportv, pelo amor de Deus! Pra mim esse jogo foi uma das maiores roubalheiras, sei lá, talvez seja por isso que achei uma pouca vergonha... Cada esbarrão, os caras queriam se matar, é futebol ou vale-tudo? Vão lutar boxe então, se fudê.

Forza Palestra disse...

Nicola:
Grande vídeo, mano! Valeu!

André:
É bem por aí... mas eu volto a dizer que o Palmeiras é o time mais roubado do futebol brasileiro.

Japonês:
O Paraguai é a nova Bolívia?

Luiz:
É verdade que você e o Arnaldo foram campeões de judô na infância?

Goméz:
Valeu! Grande post!

Marcelo:
Obrigado pelo comentário, cara. É bem por aí.

Marcelo Contini disse...

Fala Barneschi, blz?!
Que jogo maluco, rapaz!!!
Mas dá até gosto de ver. Uma verdadeira batalha dentro de campo.
E a festa na arquibancada?!
É claro que o torcedor brasileiro tem a sua característica, mas acredito que podemos colocar algo do exemplo dos argentinos em nossa forma de torcer!
Deu até gosto de ver pelos melhores momentos!
Um dia, irei à Argentina assistir um jogo!
Abç

Thiago disse...

Que gol mais roubado. Meu Deus diria Avalone...
Argentinos tem muito o que comemorar no futebol, não ganham nada faz tempo. Virou até fregues di Brasil.

Claudio Yida Jr disse...

Jamais. O Paraguai está infinitamente abaixo da Bolívia. Campeonato que não tem Bolívia é que é desmoralizado. Meeeeedo!

JoãoP disse...

Tinha lido o post ontem, mas só deu pra ver o vídeo agora, que cheguei do trabalho, com calma.

Puta-que-o-pariu! Caralho! Que jogo!

O cara que marcou o gol chorou. O treinador adversário chorou. Todo mundo chorou.

Isto é pra provar que, mesmo o futebol sendo uma indústria milionária e não sei o quê, os profissionais envolvidos podem sim se comprometer de corpo e alma com seu trabalho...

Forza Palestra disse...

Thiago,

Na boa: não entendi seu comentário, cara...

Abraços

Marco Túlio disse...

Enquanto isso ...

aqui no Brasil ... a porra do STJD pune o jogador porque ele chamou o outro de bobo ...

Cabuto disse...

O Professor Belluzzo está com Twitter: http://twitter.com/belluzzo_p

rodrigo disse...

Sensacional.

Isso é futebol pra mim, raça, sangue, amor, não vemos mais isso no Brasil. O Keirrison é a personificação do que acontece com o nosso futebol, só importa o dinheiro e nada mais. Ninguem se compromete com porra nenhuma, só esperam a primeira oportunidade pra ser um showman no Real Madrid ou Barcelona.

Rodrigo Moacyr.