21 novembro 2010

Um foda-se para os pontos corridos

Fomos pouquíssimos os palmeirenses dispostos a encarar 540km de estrada para ver o Palmeiras em campo na tarde deste domingo, em mais uma das desinteressantes e desimportantes rodadas finais do modorrento Campeonato Brasileiro de pontos corridos. Aliás, nem mesmo a população local se interessou pelo duelo, prestigiado por exatos 4.662 pagantes. A verdade é que não tínhamos muito o que fazer em Araraquara, mas era preciso estar lá para poder, a partir de uma arquibancada qualquer, mandar um grande FODA-SE para os malditos pontos corridos.

O jogo que acontecia à nossa frente pouco importava, e não houve quem se sentisse incomodado pela derrota do time reserva para um Atlético/MG que luta para escapar do rebaixamento. Importava mais era a desmoralização total e absoluta dos pontos corridos, processo que teve mais um capítulo na tarde deste domingo.

Vejam os senhores que o Palmeiras já abandonou há muito a edição deste ano, que se transformou em um verdadeiro fardo em meio à Sul-americana. Em compensação, acompanhamos agora o desespero da imprensa esportiva, toda ela preocupada com o desempenho de times que, sejamos francos e diretos, estão pouco se fodendo para quem ainda briga por alguma coisa. O bizarro é ver a nossa imprensa europeizada, que tanto defendeu a merda dos pontos corridos, falando em "marmelada", "entregada", mala pra lá e pra cá, o diabo, como se tivéssemos o dever de zelar pelo sistema de disputa cretino que ela, a imprensa, resolveu que era o mais justo.

Os pontos corridos estão desmoralizados mais uma vez. É assim todos os anos, e a tabela de 2010 foi particularmente mais feliz ao colocar SPFW e Palmeiras na trajetória final do clube que, vejam o curioso, disputa o título com o SCCP. Para humilhação pública dos jucakfouris da vida, a rodada deste final de semana foi só a primeira parte de tudo. Não é nada pessoal não; se fossem outros os rivais envolvidos ou se a situação fosse exatamente oposta, aconteceria a mesma coisa. A culpa, portanto, não é de nenhum dos clubes; a culpa é do sistema de pontos corridos.

Antecipo-me a um dos próximos posts e já deixo aqui os links para três textos meus que resumem bem o quanto os pontos corridos não se aplicam ao futebol brasileiro:

A desmoralização dos pontos corridos (30.11.2009)

O que nós perdemos (03.09.2009)

Sobre pontos corridos e distorções (04.11.2008)

FODA-SE, PONTOS CORRIDOS!

***

Foi tão desinteressante o jogo disputado lá em Araraquara que sequer rendeu uma boa foto para abrir o post. Além do público reduzido, estávamos quase todos atrás do gol, e o resto do estádio, vazio. Para cumprir tabela, fica essa abaixo:



Quanto ao estádio, que motivou também a minha ida ao interior, prefiro esperar um jogo maior para emitir minha opinião. O espaço externo é bem resolvido e tudo mais, mas tenho sérias dúvidas sobre como seriam as coisas lá dentro em um jogo com bom público.

***

Fazia muito tempo que não tínhamos um ingresso tão bonito e com as informações tão claras. Vale o registro:

18 comentários:

Anônimo disse...

Cara, eu acompanho seu blog desde o ano passado qdo um brother meu me indicou...nunca vi um cara tão loko (no bom sentido!) que nem vc pelo nosso glorioso Palestra e tbm pelo esporte futebol...e hj foi mais uma vez que fico espantado pela sua dedicação ao nosso time...jogo que não vale merda nenhuma, tava mais pra secar os gambas na tv, mas vc enfrenta a estrada, o calor do caralho,fora ver esse time B do Palmeiras( se o principal já não é essas coisas...)...parabéns!!!


obs:tava pensando rápido...mas imagina vc completa seus 700 jogos mais ou menos em maio,junho...mais ou menos perto da final da Liberta e....bom vamos esperar!!!kkkkkkk

Abraço

Marcus Vinicius disse...

Na Europa, em que 2 ou 3 times disputam os títulos nacionais, os pontos corridos ajudam a manter a hegemonia, mas aqui é diferente. Os times são mais nivelados.

Só falta agora os times daqui, e aí me refiro à direção deles, perceberem que os pontos corridos não é favorável ao futebol brasileiro. Mas com um bando de cartola na aba do presidente da CBF e da Globo, acho difícil que acabem com essa merda que são os pontos corridos.

Bruno disse...

Um dos seus melhores posts.
Muitos parabéns!
Disse todas as verdades claramente.

Anônimo disse...

Os campeonatos de pontos corridos tem 38 rodadas. Sao 38 jogos que decidem o campeao. Cansamos de ver em edições anteriores aos pontos corridos aquela formula que classificavam 8 times e 5 ou 6 rodadas antes, já tinhamos equipes classificadas e botando time reserva pra jogar. Isso era melhor que o campeonato de hoje?? A "mala branca" ou que quer que seja, é uma forma da imprensa que não tem nada a dizer, ter assunto e vender jornal. E vc, o Seu Cruz e outros da mídia palestrina que poderiam abordar outras aspectos do nosso verde, ficam dando corda pros argumentos da imprensa e desmerecendo uma fórmula que é adotada no MUNDO TODO com campeonatos rentáveis. Porque??

Luan disse...

o Barneschi tem razão! Voce que está errado seu anônimo. Campeonato de pontos corridos é uma merda. Pelo menos esse ano quem está se fudendo pela fórmula são os cuzudos dos gamba. Como voce pode dizer que o pontos corridos, ou pontos roubados são melhor do que o sistema de mata mata, onde se tem uma final digna de jogos decisivos e memoráveis? Foda-se pontos corridos de merda. Foda-se cbf, foda-se imprensa!!!
AVANTI PALESTRA!

Forza Palestra disse...

Anônimo,
Leia, por favor, os três posts que eu deixei linkados e você conhecerá todos os meus argumentos contra os pontos corridos. Note: são os MEUS argumentos, e eu defendo isso tudo desde 2003, quando inventaram essa merda no futebol brasileiro. O que eu escrevo vai contra tudo o que diz a imprensa esportiva, que defende os pontos corridos e ainda vem encher o saco dos times que não têm mais nada o que fazer nessas últimas rodadas.
Se tivéssemos agora um campeonato com mata-mata, classificando oito clubes para a fase final, eis que Palmeiras e SPFW estariam ainda brigando por uma vaga e não haveria desse desinteresse de momento. E não é nem esse o ponto que eu estou destacando, mas sim a simples possibilidade de se aventar a entrega de um time ou de outro para prejudicar (ou não beneficiar) um terceiro já desmoraliza os pontos corridos. É isso que está em discussão.
Por fim, os pontos corridos podem se aplicar a países como Italia, Espanha, Inglaterra ou o que for, mas lá são menos times brigando pelo título e não há tantas rivalidades regionais.


Ao anônimo da primeira mensagem: Obrigado, meu caro! Mas eu vou acabar chegando aos 700 jogos bem antes de uma eventual final da Libertadores. Deve acontecer em abril. Abraços

Marcos (Anonimo 2) disse...

Forza Palestra,
Sua resposta foi bom fundamentada (ao contrario do tal de Luan) e cada um tem o direito de apreciar os campeonatos por diferentes critérios e os defender, assim como vc faz em favor do mata-mata.
O que me referi na mensagem é que o argumento da mala branca não cabe para desqualificar os pontos corridos. Pq caso fosse a formula dos 8 classificados, teriamos Gamba, Fluminense e Cruzeiro ja classificados ha algumas rodadas e colocando times mistos nas últimas rodadas do turno. E times medianos como o Palmeiras, SPFW, Vasco, Botafogo brigando pelas duas ou três últimas vagas. Fato esse que não exclui a possibilidade de o Curintia já classificado (pegando a proxima rodada como exemplo) entregar o jogo para o Vasco e prejudicar o Palmeiras e SP brigando pela vaga, ou o Fluminense entregar pro Palmeiras para deixar o Vasco de fora. Esse é o ponto. O campeonato de pontos corridos pode ser criticado por outras critérios, mas não esse que a imprensa e os nossos torcedores de memória curta insistem em trazer à discussão.

Rafael Baialuna disse...

Barneschi, corrija-me se estiver errado, mas por essa foto dá pra comparar ele com um Jayme Cintra melhorado (bem melhorado). Pelo menos do que se vê da parte interna ao setor da imprensa...

Excelente postagem, como sempre. Acompanho sempre sem comentar, mas to sempre aqui.

Abraços,
@rbaialuna.

Forza Palestra disse...

Marcos
A questão toda é que o prejuízo seria muito menor nessas situações e que não ficaria todo esse falatório com nego fazendo insinuações e com outros alegando que Palmeiras ou SPFW deveriam se esforçar para beneficiar um rival. De toda forma, os três primeiros colocados não colocariam times mistos nos jogos porque estariam brigando ainda para garantir vantagem na fase final (o primeiro colocado decidiria em casa e com vantagem de empate até a final). Veja: o SCCP jamais entregaria o jogo para o Vasco se estivesse brigando por essa primeira posição. Afinal, ele teria um interesse ainda na disputa, algo que inexiste para o Palmeiras nos pontos corridos. É simples a discussão: se SCCP, Cruzeiro e Fluminense foram os melhores do campeonato, não seria mais honesto colocar os três para disputar o título cara a cara, em jogos de ida e volta e com vantagem para o time de melhor campanha?

Rafael
Cara, se quiser te mando mais fotos por email. Mas a comparação com o Jayme Cintra faz certo sentido sim. O estádio ficou mesmo muito bonito depois da reforma (ou seria reconstrução?). O setor da imprensa parece bem resolvido, e há até alguns camarotes ao fundo (aparentemente para os dirigentes dos clubes). Mas a melhor coisa mesmo parece ser o setor dos visitantes, com o tamanho ideal e com uma boa divisão para o campo e para a torcida mandante. Há problemas aqui e ali, mas é um dos bons estádios do interior paulista.

Marcos disse...

É o meu ponto. O falatório acontece pq a imprensa nunca tem nada a dizer. Não discute táticas, não comenta o jogo, nada. Só fala de fatores extra campo como se isso decidisse tudo. Quando a brigar pela colocação, pode acontecer de um time fazer questão da primeira colocação, é um argumento, contudo em muitas ocasiões isso não ocorreu e os times já classificados relaxaram nos jogos finais do turno. Lembro pra vc que no Brasileiro de 98, o nosso mesmo Felipão escalou os reservas no último jogo do turno contra o América de MG no independência qdo estavamos na liderança pois o Palmeiras disputava tbm a Mercosul. Conclusão: Perdemos o jogo e os primeiros do turno foram os gambás, 1 ponto na nossa frente. Pegamos um cruzeiro embalado, que nos eliminou e chegou a final enquanto os gambás caíram numa chave mais fácil e foram campeões. Quanto a sua pergunta, se esses times fizeram 38 jogos contra os mesmo 19 adversários e jogaram 2 vezes entre si, pra que precisariam jogar mais? Só pra ficar na "memória" do torcedor?

Néspoli disse...

Em relação aos pontos corridos eu vejo que é muito mais fácil de ser manipulado.

Pegue 3 jogos entre os 10 primeiros que ninguém esta interessado, meta a mão e some 9 pontos agora no final, sem ninguém perceber.

rede globo de televisão disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
rede globo de televisão disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
pedro disse...

Barneschi, vc ja foi ao campo da ldu?..queria saber como faço pra comprar ingresso pra final, seja ela na argetina ou no equador...valeu...abraço

Fabio disse...

Primeiramente parebéns pelo blog e pelos textos Barneschi. Nossos "reformistas", com suas teorias sobre justiça dos pontos corridos, deixaram o campeonato nacional tão modorrento quanto os europeus. Um reflexo disso está sendo a supervalorização de campeonatos mata-mata em detrimento do brasileirão, hoje um time que conquista a Copa do Brasil por exemplo, abre mão do brasileiro pois teoricamente já cumpriu o objetivo do ano de chegar na Libertadores. Torcedor gosta mesmo é de decisão, pois mérito se mostra na hora de ver quem é quem. Ironicamente após os pontos corridos no Brasil (2003), nossa seleção só acumulou pipocada em Copas do Mundo.

Marcos disse...

Fabio,
Não há qualquer relação entre o desempenho do time da CBF com o campeonato nacional. Uma vez que os jogadores convocados são em 90% jogadores que atuam fora do país e o êxodo de jogadores na era dos pontos corridos é igual ou maior do que na época dos campeonatos de mata-mata.
Aliás, devemos sim é criticar o calendário que faz com que as equipes joguem em intervalos muito curtos e a nossa querida CBF que esvaziou a Copa do Brasil (o nosso verdadeiro mata-mata), tirando os participantes da Libertadores do certame. Simplesmente por falta de planejamento e de um calendário adequado.

Forza Palestra disse...

Marcos
“Só pra ficar na “memória” do torcedor”? Você acha que é “só” mesmo? Porra, pra mim isso é tudo, e importa muito mais que eventuais justiças (que são discutíveis a julgar pelos últimos acontecimentos e pelos títulos leonores vencidos na base dos muitos erros de arbitragem em jogos menores).
Quanto ao Brasileiro de 1998, o Palmeiras pagou por ter escalado o time reserva na última partida. Foi uma opção feita pelo clube e pelo treinador, e o próprio Palmeiras acabou sendo, bem entre aspas, punido por isso. Mas aquele campeonato teve a sua fase final e tudo numa boa. Hoje, como eu disse em um dos posts linkados aí, ninguém se lembra mais de nada dos títulos vencidos nos pontos corridos.

Pedro
Nunca fui pra Quito, mas sei te dizer que não existe voo direto pra lá. Você precisaria pegar um voo com escala e aí certamente seriam necessários dois dias entre ida, volta e o jogo em si.
Pra Buenos Aires seria bem mais fácil. Me manda um email e falamos.

Fabio disse...

Marcos concordo que não há essa relação, até porque a seleção ficou de 70 a 94 sem títulos, é apenas simbólico que o país tenha conquistado seu último título justamente no último ano de mata-mata na principal competição nacional. Há também todos os anos essa discussão sobre o calendário, sobreposição de datas e acumulo de jogos, etc. A despeito disso acredito que a fórmula dos pontos corridos não deu certo no Brasil, claro, sempre haverá emoção, pois o futebol é uma paixão independente da fórmula da disputa. Um exemplo disso é a supervalorização da conquista da vaga para Libertadores da América. Parece que hoje o grande objetivo dos times no país é chegar a Libertadores, portanto ser campeão nacional ou regional transformou-se num bônus. Um time campeão da Copa do Brasil no primeiro semestre tem pouco interesse no campeonato Brasileiro; um time que chega as finais da sulamericana, também deixa de lado o chato brasileirão; e um time que está na Libertadores abre mão do regional, avançando as finais joga com time misto o início do campeonato brasileiro e se campeão for, cumpre tabela no nacional. O que temos hoje é um campeonato regional totalmente sem valor e um brasileirão longo, chato e desinteressante para times que não tem chance ou que por outros meios já chegaram a Libertadores. Há quem defenda a justiça dos pontos corridos e o mérito do bom planejamento, mas já vivenciamos inúmeras situações de injustiça devido a manipulação de resultados em jogos de menor impacto, lembrando que, como dizem os progressistas de nosso futebol, 3 pontos contra um time pequeno são os mesmos 3 pontos contra um time grande. Mas esse é só meu ponto de vista.
Abraço