25 agosto 2013

Uns e outros














Sábado à tarde, antevéspera do aniversário de 99 anos da Sociedade Esportiva Palmeiras. Há aqueles que, devidamente instalados no sofá, exaltam o "balanço no azul" e se vangloriam com o discurso - tão pretensioso quanto vazio - de quem "conhece as condições financeiras do clube". Há, por outro lado, os que se dispõem a encarar a estrada e perder 12 horas de um dia que seria de descanso para seguir até a distante Varginha/MG. Tudo para estar ao lado de um Palmeiras que se permitiu derrotar, fruto de seus próprios erros, por um time sem história - ou, com esforço, por uma história que não faz sentido.

Perdeu o gigante Campeão do Século XX para um arremedo de clube cujo nome nada diz. Foi derrotado por uma agremiação de origens obscuras e que não saberia dizer de que cidade é: se de Ituiutaba ou de Varginha. Perdeu o alviverde imponente para um desses tantos clubes itinerantes, que vivem dos interesses escusos de empresários e de prefeitos ou políticos menores. Sucumbiu diante de um adversário cuja cidade que o hospeda temporariamente precisa se acoplar à força no nome do clube.

A derrota em Varginha evidencia algumas das deficiências que não poderiam nunca fazer parte do cotidiano de um gigante como o Palmeiras. Refiro-me às seguidas, teimosas e injustificadas opções erradas do treinador, às gritantes falhas do zagueiro recém-convocado para aquela seleção de amarelo e mais ainda à presença do camisa 18 no time titular. Mas, acima de tudo, às fragilidades de um elenco que não está à altura da tradição do Palmeiras.

Perdeu o Palmeiras o seu terceiro jogo - em 17 - na Série B (empatando com o número de insucessos obtido, após 35 duelos, na edição de 10 anos atrás). Aliás, perdeu não; perdemos. Porque há aqueles que seguimos o Palmeiras por todas as partes - e portanto, perdemos ou ganhamos junto com o Palestra; e há aqueles, covardes e fracos, que preferem comemorar o "balanço no azul" - mesmo que isso subverta a vocação da instituição.

Para estes, eu digo o seguinte: o gigante Palmeiras não pode nunca ser derrotado, quaisquer que sejam as circunstâncias, por um adversário como este tal Boa E.C. Varginha (era assim que aparecia no placar eletrônico do estádio). Nunca!

###

_Sobre o estádio de Varginha (que tem um nome impossível de decorar): é uma das canchas mais esquisitas que podem existir (tanto por dentro quanto por fora). Não apenas por sua estrutura octogonal e, portanto, sem curvas, mas porque consegue ser, ao mesmo tempo, pequena e distante do gramado. Há estádios piores pelo interior de SP mesmo, mas com certeza não é o tal Melão um estádio que desperta qualquer interesse. Valeu mesmo apenas por ser um estádio a mais ao lado do Palmeiras.

_Bom saber que a torcida do Palmeiras é assim tão forte no Sul de Minas. Porque, ao contrário do que pensam uns e outros, o mundo é muito maior do que a Pompéia.

14 comentários:

Luccas Riedo disse...

Estive ontem no estádio junto de 20 amigos de BH. Impressionante a quantidade de ônibus e vans vindas de todo sul de minas.

O ponto negativo (e muito!) foi a apatia da torcida. Não sei se em função da falta de bateria das organizadas ou pelo próprio perfil diferente do público. O fato é que, de todos os jogos que ja estive presente, em vários estados, esse foi de longe o que a torcida teve o pior comportamento.

Você que tem mais experiência: Esse é o comportamento típico de jogos "de família" ou Varginha foi um caso à parte ?

Felipe Teodoro da Silva disse...

Isso, que está acontecendo meu caro palmeirense, é fruto da opção pela TV que a mídia está oferecendo e impondo à todos, pois, o torcedor que assiste aos jogos não sabe se portar no estádio(isso não é exclusivo de uma torcida mais de todas!). Ele pensa que aquilo é um teatro com ampla visão. Claro tenho que fazer uma ressalva aqueles torcedores que vivem o jogo, pois estes, mesmo que eu não goste de estilo de se torcer, respeito. Porque este é aquele torcedor que valoriza o time e não um jogador, valoriza a arquibancada não a limpeza do banheiro, valoriza a liberdade e não a imposição de um lugar na Arena.


Barneschi, não achei tão ruim apresentação de nosso zagueiro, mesmo achando que ele não está em sua melhor forma. Agora o camisa 18, prefiro dizer que está na hora de mudar. Pois, xingamentos seriam elogios aquele jogador.

Joab Barros disse...

Até quando três volantes? Não defendem, não seguram a bola, nem armam o jogo. Quanto ao Gente Boa, desisto!

Jean disse...

Como eu já disse antes... O 18 de titular êh de matar...

Barneschi, vc vira no jogo do dia 07/09 ACG X S.E.P ?

Me parece que vão levar o jogo pra cidade de Itumbiara que fica a 200 km da Capital Goiana... Fica na divisa com Minas...

Tomara que venha, vamos fazer uma grande festa aqui. Nos da Mancha/Gyn

Valcir Grossi disse...

Há algum tempo venho acompanhando o forzapalestra e tenho gostado demais. Que você possam continuar sendo essa voz aguda, ainda que meio a "surdos", mas não podemos nos conformar com tanta incompetência que apequena o nosso Gigante Palmeiras.

Anônimo disse...

Discordo da opinião deste post especifico.

Essa derrota tem que colocar na conta do técnico fraco que temos.

Medroso, jogou com 3 volantes que não possuem o "aprofundamento" de jogadas como carasteristica. E este quando percebeu que perderia o jogo de qualquer jeito, jogou o time para cima e aí oq se viu foi uma blitz enorme com chances para ter no minimo empatado.

Técnico fraco, que nos comprometerá no mata-mata que está por vir.

Mas minha parte eu vou fazer, sempre!

ass
Bruno

Raul Martins Dias disse...

Nem brinca que o CAG está querendo levar o jogo com o Palmeiras para Itumbiara! Brincadeira de péssimo gosto!

Anônimo disse...

O desejo por títulos leva dirigentes do Palmeiras a enviarem pedido de homologação à FIFA do título da Copa Rio de 1951 como sendo Mundial de Clubes. Em 2007, um funcionário da FIFA repassa ao clube um fax com a confirmação da conquista como sendo um título de ordem mundial. Os palmeirenses comemoram a conquista com 56 anos de atraso. Dias depois, a entidade volta atrás e demite o funcionário. O clube da Rua Turiassu vira, mais uma vez, motivo de chacota por parte dos rivais.

Leonardo Santos disse...

"Bom saber que a torcida do Palmeiras é assim tão forte no Sul de Minas. Porque, ao contrário do que pensam uns e outros, o mundo é muito maior do que a Pompéia." Obrigado por ter escrito está frase!
Há anos sinto os palmeirenses se limitarem a Pompeia. Meu pai foi criado em Mauá, e lá tem muito mas muito palmeirenses, assim como em Sertãozinho, onde moro.
Tem palestrinos e parmeristas em todos os cantos deste mundo. Mas o pessoal só acha que é palmeirense aqueles que andam pelas alamedas do Jardim Suspenso. Esta limitação, mal comparando, parece com ser eugênica. Nossa história não pode ser limitada!

Jean disse...

Informamos a todos que, possivelmente (80% confirmado), o jogo entre Palmeiras x Atlético-GO que estava previamente marcado para o dia 7 de setembro (sábado) no Estádio Serra Dourada em Goiânia, será transferido para Itumbiara-GO, cidade à 200km de Goiânia, próximo a fronteira entre Goiás/Minas. O motivo é um evento religioso que acontecerá no Estádio Serra Dourada no mesmo dia 7 de Setembro. Já estamos aguardando a confirmação, bem como as demais informações sobre o jogo (liberação ou não dos materiais da Mancha, valor dos ingressos, concentração pré-jogo etc.). Assim que estivermos com todas as informações, divulgaremos para todos. Aguardem...

Raul Martins Dias disse...

Anônimo da 00:33,

Infelizmente, essa foi a postura de quem passou pela nossa diretoria nos últimos anos: buscar reconhecer títulos antigos ao invés de montar equipes fortes para conquistar títulos novos.

Enquanto isso, vivemos uma escassez de títulos, que parece que não acaba tão cedo...

Barneschi disse...

Luccas Riedo
Cara, esse comportamento é típico da maior parte dos torcedores do interior. Não é por mal não, mas eles realmente agem desse jeito mais festivo até certo ponto, mas mais apático quando a coisa aperta.

Felipe Teodoro da Silv
Pô, cara, o Henrique errou praticamente todos os lances. E conseguiu entregar a bola para o atacante adversário duas vezes ao tentar sair jogando de maneira atabalhoada.

Valcir Grossi
Valeu, cara!

Jean
Não vou a Goiânia (ou a Itumbiara), meu caro. Tive de optar entre este jogo e Fortaleza e fiquei com a segunda opção. Não dá para encarar todas as viagens, infelizmente. Fica para o próximo ano.

Marco Túlio disse...

Sou do Sul de Minas e moro a menos de 1 hora de Varginha. Infelizmente não pude ir ao jogo pois estou morando nos EUA, mas soube que lotaram ônibus e vans da minha cidade para irem para o jogo (vários amigos e parentes foram ao jogo, inclusive!).
Sim, a torcida do Palmeiras é muito forte no Sul de Minas!

Abraço!

Jean disse...

Blz Barneschi, nao tem problema, eu se morasse em SP também escolheria a segunda opção por questões obvias e naturais... Rsrss mas fica pra próxima entao, pode deixar que pelo menos aki em Goiânia representamos bem a forca das arquibancadas em jogos do Palmeiras... Nao paramos de cantar em momento algum... Pois pra nos que temos o verdao so uma vez na nossa cidade nao perdemos a oportunidade de fazer o melhor sempre...
Abraços.

Aki êh Palmeiras, Mancha e Arquibancada!!!